Mais uma decepção! Indicado para o STF tem aval do Centrão e já foi chamado de ‘nosso Kassio’

Senador Ciro Nogueira é alvo de operação da Polícia Federal - GP1

Ciro Nogueira, acusado de corrupção, indicou Kassio Marques

Vera Rosa
Estadão

A indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para o Supremo Tribunal Federal (STF) está amarrada à expectativa de políticos do Centrão de enterrar a Lava Jato. Chamado de “nosso Kassio” pelo senador Ciro Nogueira (PI), presidente do Progressistas, o ministro que vai ocupar a cadeira de Celso de Mello no Supremo já foi várias vezes elogiado pelo senador.

Há um ano e três meses, por exemplo, Ciro fez até uma previsão de que o magistrado – à época vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região – chegaria à Corte.

DISSE NOGUEIRA – “Nosso Kassio é uma figura respeitadíssima no mundo jurídico hoje. Tenho certeza de que vai chegar aos tribunais superiores, ou STJ (Superior Tribunal de Justiça) ou Supremo. É uma figura muito querida e respeitada”, afirmou o senador, em junho de 2019, durante cerimônia para homenagear o desembargador.

O Centrão abriga vários investigados pela Lava Jato, mas o jogo virou: em vez de serem julgados, seus integrantes agora fazem os juízes.

Ciro Nogueira é réu no STF pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A denúncia contra ele foi apresentada em fevereiro pela Procuradoria-Geral da República, no âmbito da Lava Jato. O senador sempre negou as acusações.

UM JUIZ TIPO POLÍTICO – A exemplo de Ciro, Kassio também é do Piauí e, apesar do perfil discreto, mantém bom relacionamento com o mundo político.

Apesar do burburinho, o presidente Jair Bolsonaro não teria terceirizado a indicação no Supremo. No Palácio do Planalto, ministros dizem que o nome ungido pelo chefe do Executivo é de “extrema confiança”. De qualquer forma, ao escolher Kassio para o lugar do decano do STF, que vai se aposentar em 13 de outubro, Bolsonaro agradou ao Centrão e contemplou o Nordeste, antigo reduto do PT e região onde sua popularidade tem crescido.

No Twitter, Ciro definiu a escolha do presidente como “um gesto de reconhecimento da capacidade do povo do Piauí e de todo o Nordeste”.

É DANDO QUE SE RECEBE – No Congresso, o Centrão reúne partidos de centro-direita que se uniram ao PT do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e se aliaram aos bolsonaristas do PSL para implodir a Lava Jato, sob o argumento de que a operação é enviesada e tem objetivos políticos.

Desde 2014, as investigações alvejaram vários deputados e senadores, da esquerda à direita. Os bolsonaristas, porém, só passaram a pregar o fim da Lava Jato após a saída do ex-juiz Sérgio Moro do Ministério da Justiça. Moro acusou Bolsonaro de interferir na Polícia Federal para proteger a família e seus amigos. O inquérito sobre o caso tramita justamente no Supremo.

ALCOLUMBRE E MAIA – Nos bastidores, parlamentares afirmam que a entrada de Kássio no STF também tem como pano de fundo uma espécie de acordo para facilitar a reeleição de Davi Alcolumbre (DEM-AP) à presidência do Senado.

A Constituição impede a recondução da cúpula do Congresso na mesma legislatura, mas há tempos Alcolumbre se movimenta, com apoio do Planalto, para derrubar essa proibição. Rodrigo Maia (DEM-RJ), por sua vez, diz que não será candidato novamente ao comando da Câmara, embora seus aliados apontem articulações nessa direção.

DEM X PROGRESSISTAS – O racha no Centrão, aliás, está ligado a essa disputa, com a briga entre o DEM de Maia e o Progressistas, comandado por Ciro Nogueira, que tem o deputado Arthur Lira (AL) como candidato à presidência da Câmara.

A eleição que renovará ou manterá a cúpula da Câmara e do Senado será realizada em fevereiro de 2021 e há uma guerra de ações no Supremo sobre o caso. Até agora, a bola está com a Corte.

É aí que entra, mais uma vez, a indicação de Kássio. O Estadão apurou que a tendência é o novo ministro do STF votar pelo entendimento de que cabe ao Congresso autonomia para decidir esse assunto. O argumento é o mesmo usado pela Procuradoria-Geral da República: trata-se de questão “interna corporis”. Com mais esse voto do novo ministro, o Supremo teria maioria para dar tal veredicto, que, na prática, abre uma avenida para a recondução de Alcolumbre no Senado.

QUESTÃO CONSTITUCIONAL – O tema da reeleição no Congresso precisaria, em tese, ser aprovado nas duas Casas Legislativas por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que já está em tramitação no Senado, mas dificilmente receberá sinal verde na Câmara.

Sempre pode haver, porém, um projeto de resolução no meio do caminho, de novo com aval do Planalto, para resolver esse imbróglio.

11 thoughts on “Mais uma decepção! Indicado para o STF tem aval do Centrão e já foi chamado de ‘nosso Kassio’

  1. “Governo Bolsonaro repassou a programa de Michelle R$ 7,5 milhões doados para testes de Covid.

    Empresa Marfrig fez doação ao Ministério da Saúde, mas verba foi parar em projeto de primeira-dama; Casa Civil não comenta” (folha)

  2. Esperavam o que de uma reunião das 19h às 21h tendo como participantes Kassio, Alcolumbre, Toffoli e Gilmar, na casa do GIlmar Mendes?

    Alcolumbre, Gilmar e Toffoli já sabemos a ética deles e Kassio está desejando entrar no time com indicação do Padrinho Chefe do Clã Bolsonaro. Tudo combinado.

    Encontro na casa de Gilmar selou indicação de Kassio Marques ao Supremo – Notícias – BOL
    https://www.bol.uol.com.br/noticias/2020/09/30/encontro-na-casa-de-gilmar-selou-indicacao-de-kassio-marques-ao-supremo.htm

  3. Excelente a matéria da Vera Rosa.
    Parabéns !
    Não temos mesmo para onde correr…
    Esta tudo contaminado.
    É uma podridão só…
    É este cheiro nauseabundo, pairando sobre todas as negociatas imundas deste País, destroçado por tantas canalhices e interesses para lá de escusos e mentirosos destes ratos de esgoto que dominam esta nação desde que Cabral aqui chegou…
    Por falar em Cabral…
    Credo !

  4. O circo teve uma importância no mundo nas décadas de cinquenta e sessenta, que foram os maiores espetáculos que o povo poderia assistir.

    Frequentei várias vezes o circo:
    Sarrazani, Norte-Americano (queimou em 61, matando quase 600 pessoas e mais de 400 crianças), Orlando Orfei … cada um com seus espetáculos de fundo diferentes.

    Trapezistas, malabaristas, contorcionistas, homem-bala, Globo da Morte, feras amestradas, jogos de futebol com cachorrinhos … a criançada vibrava, e seus país não agiam diferente.

    No entanto, uma das atrações, e das mais esperadas, era o palhaço.
    Mudava a fantasia, a maquiagem do rosto, mas as piadas, as brincadeiras, o corre-corre era sempre o mesmo e, mesmo assim, como nos divertíamos …

    Dito isso, uma das diversões que temos, e quase diária, proporcionada pelos Três Poderes, ora antro de venais ora picadeiro de circo, é quando leio ou ouço declarações com vozes impostadas, semblante sério, dedo em riste para cima, sobre a “independência dos poderes”.

    Desato-me a rir incontrolavelmente pela piada que, mesmo sendo conhecida e repetida, é divertida!

    A reunião entre os poderes para a escolha do desembargador citado à vaga de Celso de Mello, é a comprovação tácita do que digo.
    Os ministros do STF formam a pantomima, o teatro burlesco, o circo mambembe, pobre na qualidade e interpretação dos atores quanto aos papéis que devem desempenhar!

    Se o Centrão, logo o Centrão, o antro da corrupção política, da desonestidade de propósito, o balcão de escambos de qualquer gênero, admite que o des.Kássio é deles, ou seja, deve comungar dos mesmos “princípios e valores” do grupelho de mercenários, a piada seria sensacional não fosse parte do carma que temos de ainda purgar como povo brasileiro!

    E será este futuro ministro que “julgará” circunstancialmente seus padrinhos, amigos, conhecidos, gente que forma o sistema nacional nocivo e nefasto à isenção e imparcialidade da Alta Corte.

    Enquanto esse método continuar, darei mutas gargalhadas, de rir ás bandeiras despregadas , se me disserem que existe independência entre os poderes brasileiros, e não um jogo de interesses e conveniências pessoas e políticas escancaradas.

    Fux não gostou dessa trama inter-poderes, ainda mais com Gilmar Mendes e Toffoli como intermediários entre Bolsonaro e Alcolumbre, na escolha desse senhor para o STF.

    Por que a presença de Alcolumbre nesta reunião?
    Pelo fato de o futuro ministro Kássio votar favoravelmente à reeleição do atual presidente do congresso, sim, aquele antro de venais!

    Quanta palhaçada!

  5. Sobre o indicado, desconheço, mas com certeza não votei no Bolsonaro para ele ir mendigar a benção dos facínoras do stf para nomear um ministro. Quem muito se agacha, leva trolha.

  6. Parece praga: sai o “juiz de merda” e entra outro para compor a Corte apoiado por notórios corruptos, com o nítido objetivo de liquidar a Lava Jato.

    Impossível comparar a conduta dos ministros de hoje do STF, com raríssimas exceções, com a dos ministros quando a capital do Brasil era no Rio de Janeiro.

    Parabéns JK ! O objetivo foi atingido !

  7. O JK foi um bom presidente , mas esqueceu o Nordeste, lamentavelmente! .

    Um presidente tem de governar para o Brasil e não para uma parte do Brasil.

    Quanto ao Desembargador cotado a assumir a vaga aberta pela aposentadoria do ministro Celso de Melo, é mais um para atender os interesses da família do presidente atual, assim como o PGR faz , ele também vai seguir a mesma trilha, não resta a menor dúvida.E assim o STF vai se tornado a Corte que livra os corruptos da cadeia. Lula da Silva é o mais recente exemplo dessa patifaria.

    Voltando ao JK : Brasília foi a pior coisa que ele fez no seu governo.Tenho dito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *