Mais uma maluquice! Governo demite coordenadora do Inpe que denunciou desmatamento

Governo “mata o mensageiro” diante da realidade dos números 

Simone Kafruni
Correio Braziliense

Na semana seguinte à divulgação de dados de desmatamento da Amazônia que contrariam o discurso do governo de Jair Bolsonaro, feito a empresários e fundos de investimento internacionais que exigem medidas eficientes de preservação do meio ambiente, a pesquisadora responsável pelo trabalho de monitoramento do devastação florestal no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) foi exonerada.

A demissão de Lubia Vinhas, coordenadora-geral de Observação da Terra do Inpe, departamento responsável pelos sistemas Deter e Prodes, que acompanham o desmatamento da Amazônia, foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira, dia 13, assinada pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. Procurada pelo Correio, a pasta ainda não respondeu.

RECORDE – Na semana passada, o Inpe divulgou que junho teve o maior número de alertas de desmatamento para o mês em toda a série histórica, iniciada em 2015. No acumulado do semestre, os alertas indicam devastação em 3.069,57 km² da Amazônia, aumento de 25% em comparação ao primeiro semestre de 2019. Só em junho, a área de alerta foi de 1.034,4 km².

Os dados servem de indicação às equipes de fiscalização sobre onde pode estar havendo crime ambiental. Os números não representam a taxa oficial de desmatamento, que é medida por outro sistema, divulgado uma vez ao ano. A exemplo do que fez no ano passado, quando demitiu o então presidente do Inpe Ricardo Galvão, o governo segue na linha de “matar o mensageiro” em vez de combater o desmatamento.

Para o secretário-geral do Observatório do Clima, Márcio Astrini, a demissão é preocupante. “Temos receio de que o governo comece a desmontar o Inpe, com a estratégia de colocar em dúvida a capacidade do órgão de gerar dados, para poder colocar em dúvida os dados gerados, que não agradam o governo. Esse governo, quando não gosta da verdade, tenta obstruí-la”, disse.

REFERÊNCIA – Astrini alertou que o Inpe é referência absoluta global em monitoramento de florestas. “Ninguém tem, no mundo, um sistema tão refinado quanto o do Inpe”, explicou. O OC vai continuar municiando o Congresso Nacional de informações para que os parlamentares possam cobrar do governo ações efetivas de combate. “Estamos processando o governo em várias áreas, mas é sempre muito difícil mandar fazer o que não quer”, ressaltou. “Queremos saber o motivo da demissão”, concluiu.

“Em face dos resultados negativos da política ambiental brasileira, que têm trazido impactos seríssimos para a floresta, seus povos, e também para a imagem e economia brasileira, tudo indica que, o governo decidiu, mais uma vez, por culpar o mensageiro. A demissão da pesquisadora do Inpe não surpreende, seguida de tantas outras demissões de servidores técnicos e competentes, nos dá novamente a entender que o governo é inimigo da verdade. Mas não será escondendo, passando uma maquiagem nos dados ou investindo em propaganda que o governo irá mudar a realidade. E isso acontece por uma razão bem simples: Bolsonaro não quer mudar os rumos da sua política, afinal, a destruição é o seu projeto do governo”, comentou Luiza Lima, porta-voz de Políticas Públicas do Greenpeace.

“Mas nós iremos seguir mostrando a verdade, mesmo o governo tentando escondê-la. Hoje mesmo, junto com Observatório do Clima e ClimaInfo, o Greenpeace lança a atualização da Linha do Tempo Governo da Destruição”, acrescentou.

10 thoughts on “Mais uma maluquice! Governo demite coordenadora do Inpe que denunciou desmatamento

  1. No início do governo era um barraco ou dois por mês, agora é por semana! Haja barraco. E nisso JB além de ser bom, está muito bem assessorado.

  2. Em todos os paises ocidentais o giv federal toma suas decisões, demite quem for necessário demitir. Aqui na republica das bananas tem esse choro desnecessário.

  3. O governo Bolsonaro na área de comunicação parece seguir conduta similar a adotada por Goebbels na Alemanha nazista e a do PT no Brasil PTralha. O que vale é a informação “oficial”, mesmo que não corresponda a verdade.

  4. OS BRASILEIROS AINDA VÃO APANHAR MUITO NA CARA. AINDA VAI DEMORAR UM POUCO MAS DE TANTA DOR ELES VÃO ACABAR APRENDENDO. AI ELES VÃO APRENDER A VOTAR E NÃO DESPERDIÇAR SUA OPINIÃO APOIANDO UM GOVERNO PODRE COMO ESSE.

    • Sr. Antonio,
      Me considero uma pessoa esclarecida. Entretanto como posso me imunizar contra estelionato eleitoral?
      Qualquer um em que votemos, é líquido e certo que nos enganará.
      Sabe porque?
      Porque o político que chega a ser um presidenciável, já é corrupto.
      Esta última eleição, reconheço que me equivoquei feio.
      Esse aí é o avesso do avesso do avesso.

      Sim! Eu defequei na urna.
      Cordialmente.

  5. A imprensa está determinada em retirar o ministro Ricardo Salles.

    Engraçado é que a incompetência dele é a mesma de Paulo Guedes, mas esse passa impune.

  6. Esse é o desgoverno Bolsonaro que demite uma gestora pública por fazer um excelente trabalho e divulgar somente verdades sobre o desmatamento. E assim o Brasil vai sendo DESMORALIZADO e arruinado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *