Mal assessorado, Temer sofre ataques de todo lado sem ter quem o defenda

Capa home 940 (Foto: Época )Carlos Newton

É impressionante o que está acontecendo com o governo de Michel Temer, iniciado em 12 de maio e que surgiu envolto num clima de muita esperança. A Secretaria de Comunicação Social do Planalto simplesmente não funciona, trata-se de um órgão inexistente.

O presidente da República pode sofrer ataques de toda sorte, quem aparece para se defender é o próprio Temer, porque a Assessoria de Imprensa e a Subchefia Jurídica da Casa Civil não se manifestam – ou seja, não atuam nem de forma pró-ativa nem de forma reativa. Este fim de semana foi um massacre. Entre as revistas semanais de informação, que são muito importantes em função de seus reflexos no restante da mídia (jornais, rádio e televisão), a goleada foi de 3 a 1 contra o Planalto.

Apenas a IstoÉ saiu com uma matéria favorável ao presidente, mostrando a inconsistência da denúncia feita contra Temer pelo delator Sérgio Machado.  Nas outras revistas, o presidente da República foi capa em situações constrangedoras.

DEU NA ISTOÉ – O fato concreto é que o presidente Temer está desprotegido. A única matéria a favor dele foi escrita por Mário Simas Filho, redator-chefe da IstoÉ, sob o título “Metralhadora de Festim”. Uma análise muito ponderada, mostrando que o corrupto Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, fez revelações explosivas para se livrar da cadeia, mas na verdade não conseguiu provar nada do que fala.

A capa da IstoÉ foi uma excelente reportagem de Débora Bergamasco e Sérgio Pardella sobre o envolvimento de Lula em tráfico de influência a favor da empreiteira OAS. Nas outras revistas, o assunto Sérgio Machado teve tratamento radical. Apesar de não existir nenhuma prova concreta e o delator Machado ter dito que Temer lhe pedira uma “doação oficial” para a campanha do candidato Gabriel Chalita em São Paulo, a Veja, a Época e a Carta Capital deram o “corrupto” Temer nas capas, com efeito demolidor, embora todos saibam que a expressão “doação oficial” signifique caixa um, ou seja, patrocínio dentro da lei, mas o importante é vender mais exemplares, buscar o sucesso de qualquer forma.

Ao contrário da IstoÉ, que questionou a fragilidade da acusação de Machado, as outras revistas consideraram Temer como se ele já estivesse condenado em última instância e sem possibilidade de recurso.

Em decomposiçãoDEU NA CARTA CAPITAL – Como já era esperado, a Carta Capital exagerou na dose. Sob o título “Em Decomposição”, a reportagem de capa diz que a Queiroz Galvão efetivamente repassou R$ 1,5 milhão ao Diretório do PMDB e o então diretor Ildefonso Colares teria até telefonado a Temer “para relatar o resultado”.

Acontece que na Justiça Eleitoral há 16 doações do Diretório Nacional do PMDB para a campanha de 2012, num total de R$ 11,83 milhões. As doações oficiais são de diversos valores, de R$ 130 mil a R$ 2,5 milhões. Há uma de R$ 1,5 milhões, dia 28/09/2012, mas a campanha de Chalita  recebeu apenas R$ 1 milhão e o próprio candidato diz que a Queiroz Galvão não o apoiou.  Aliás, em outra reportagem, a própria Carta Capital já havia reconhecido que não há como se comprovar nada.

DEU NA ÉPOCA – A revista semanal da Organização Globo veio na mesma balada da Carta Capital, sob o título “Doutor Michel & Mister Temer”, parodiando o romance “O Médico e o Monstro”, mas reconhecendo que Michel Temer pediu a Machado que conseguisse “doações oficiais” para a campanha de Chalita em São Paulo.

“O encontro, segundo Machado, se deu em uma sala reservada da Base Aérea em Brasília, em setembro de 2012. Machado afirma que todos do PMDB que faziam tais pedidos sabiam que o dinheiro viria das propinas pagas por empresas que mantinham contratos com a Transpetro. Machado afirma ter atendido ao pedido de Temer com uma doação oficial de R$ 1,5 milhão da empreiteira Queiroz Galvão ao Diretório Nacional do PMDB, a ser repassada à campanha de Chalita”, diz a Época, sem comprovar a denúncia.

Alx capa380 originalDEU NA VEJA – A Veja deu a capa com o título “Temer X Temer”, e a reportagem interna saiu com “A Crise Volta ao Planalto”. A revista publicou a mesma versão da Carta Capital. “O dinheiro foi repassado pela Queiroz Galvão na forma de doação eleitoral, numa tentativa de dar à transação ares de legalidade”, alega a revista da Editora Abril, ressalvando: “A acusação é forte, mas, do ponto de vista jurídico, tende a morrer na praia, já que Temer não pode ser investigado por atos estranhos ao mandato”, repetindo o que a Carta Capital havia publicado em outra reportagem.

Essas matérias demonstram como se publicam bobagens na mídia. Mesmo se Temer tivesse pedido a Machado alguma “doação ilegal”, isso seria crime eleitoral, nada a ver com “atos estranhos ao mandato”, como dizem erradamente a Carta Capital e a Veja, sem saber que essa situação se refere apenas a crimes de responsabilidade e crimes comuns.

TRADUÇÃO SIMULTÂNEA – Não é difícil defender Temer neste contexto das denúncias de Machado. Pedir “doação oficial” não representa crime algum, apenas uma iniciativa legal e legítima de auxiliar o partido político, na forma da lei vigente em 2012.

A denúncia de Machado não tem consistência nem valor jurídico, conforme a IstoÉ assinalou. Apesar dessa realidade, o procurador-geral Rodrigo Janot usou o argumento falacioso para denunciar ao Supremo a existência de “organização criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, com envolvimento do vice-presidente da República, de senadores e deputados federais”.

Ainda não satisfeito, Janot também comunicou ao Supremo que a ascensão de Temer à Presidência foi uma trama diabólica para obstruir a Lava-Jato. “Os efeitos desse estratagema estão programados para serem implementados com a assunção da (sic) Presidência da República pelo vice-presidente Michel Temer e deverão ser sentidos em breve, caso o Poder Judiciário não intervenha”, disse Janot, pedindo que o Supremo interviesse no processo político e, por óbvio, destituísse Temer.

Como perguntava o ex-governador mineiro Francelino Pereira, que está muito vivo e não nos deixa mentir: “Que país é esse?”. E a resposta seria: “Isso ninguém consegue entender”.

19 thoughts on “Mal assessorado, Temer sofre ataques de todo lado sem ter quem o defenda

  1. ” Jornalismo é publicar aquilo que não querem que seja publicado, o resto é publicidade ” ( George Orwell )
    PMDB o partido mais sem vergonha. Está no UOL: Isenções tributárias dadas pelo governo do Rio são, no mínimo 3 vezes maior do que a esmola que o Temer irá dar, para variar nos vamos pagar.

  2. Vai ver que foi o Janot que pagou as matérias….. O Sr. 11,3% suspendeu o seu pronunciamento que daria na sexta por medo de panelaços. Quem mandou se cercar de tantos Almas Honestas ? O povo não está mais dormindo não , todo mundo fala da súbita paralisação das operações da PF.

  3. É, ta tudo legal na terra descoberta por Cabral.
    Já são cento e poucos processos dos “privilegiados” que o tal de supremo não julgará,
    serão todos arquivados por prescrição, para alegria
    da galera política, assim como foram os do Romero Jucá.
    O PMDB é na verdade a emenda que piora o soneto. Quando morreu o Tancredo, fomos agraciados com a tranqueira do Sarney e todos sabem o que aconteceu.
    Agora vem o “ilibado” Temer, que esta sendo apedrejado qual uma Geni do chico jabuti.
    E agora José? Eleição não é possível, tirar o Temer, o “suspeito” da vez seria quem? O impensável Maranhão.
    Estamos verdadeiramente numa “sinuca de bico”, se corrermos, seremos fatalmente apanhados pelo “bicho”, mas se ficarmos, seremos comidos por este mesmo “bicho”.
    O que fazer? Ficar tudo como esta e deixar o homem trabalhar? Seria a solução? Até porque
    ao mexermos em demasia na matéria política putrefata, o fedor sera insuportável. Seria o caso de deixar a podridão de molho até o inicio de 2019, entregando tudo a futuro e legítimo próximo governo? Ou começar já a implosão do que resta do pais? A coisa esta pra la de complicada, ou achamos logo uma solução, senão o tridente do capeta nos espera.

      • Por falar em implosão, se a delação se confirmar da Empreiteira OAS, a bomba explodirá no colo da Máfia Tucanostra , vai voar pena até em Marte.
        E um dos citados, é nada mais nada menos que o Vampiro da Móoca, hoje fazendo bico como Ministro do temerário desgoverno
        Vamos aguardar novas delações.

  4. A delação passa a ter valor jurídico depois de confirmada. Não é crível que Sergio Machado vá dizer algo que o comprometa, desacreditando-o. E os filhos que ele quer preservar? E os 75 milhões que terá de devolver? Sejamos claros: Temer tem uma vida muito duvidosa. Enriquecido exageradamente como? Seu escritário de advogacia que ele pouco freqüenta desde 1964? Amizade com Ustra o maior torturador da Ditadura? Agente da CIA segundo o WIKILIKES, que nunca desmentiu? Quinze anos como presidente do PMDB fizeram-no poderoso. Um pedido era uma ordem. Toda grana alta que o partido arrecadava era distribuida por ele.ELE PODE SE MANTER NO CARGO PELOS DEFEITOS, NÃO PELAS VIRTUDES.

  5. “Que país é esse?”. E a resposta seria: “Isso ninguém consegue entender”.

    Com certeza Sr. Newton, como explicar para as pessoas de outros Páises que o nosso Brasil é o único Páis do Planeta a ter dois Presidentes em exercício?

  6. “Que país é esse?”. E a resposta seria: “Isso ninguém consegue entender”!
    Consegue sim!
    1) Povo que vai pro governo pra se locupletar;
    2) Desinteresse total pelo que ocorre na politica partidária, especialmente a classe média;
    3) Elite que não tem interesse num processo ( ou projeto) de nação;
    4) Educação para formar coitadinhos;
    5) Governo montado para perpetuar privilégios!
    O resto é caminho pra derrocada!

  7. Acho que político deveria ser onanista ….

    Por Hugo Marques, da VEJA:
    Terceiro ministro do governo Michel Temer demitido em pouco mais de um mês, o peemedebista Henrique Eduardo Alves é chamado carinhosamente pelos amigos de “Henriquinho”, num trocadilho com a boa vida que leva. Ex-presidente da Câmara, ele caiu do Ministério do Turismo depois de ser apontado como beneficiário de propinas repassadas pela OAS e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que somariam cerca de 2 milhões de reais. Um processo que corre em sigilo na Justiça Federal de Brasília mostra que esses valores seriam capazes de bancar apenas uma parte, uma pequena parte, das despesas de Henriquinho.

    Em tramitação há doze anos, o processo traz nomes e números de contas do ex-ministro no exterior, além de extratos bancários que detalham seus gastos fora do país entre 1996 e 2004. O papelório foi entregue às autoridades por Mônica Azambuja, ex-mulher do peemedebista, que o acusou de manter 15 milhões de dólares (cerca de 50 milhões de reais) no exterior. Nada declarado à Receita Federal. Diz a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal: “O ora requerido jamais manifestou qualquer reserva quanto a esses documentos, bastando-se em afirmar não possuir patrimônio de 15 milhões de dólares”.

    Só em 1996, Henriquinho gastou 1,1 milhão de reais num cartão American Express vinculado a uma conta do banco suíço Union Bancaire Privée. A conta era batizada de 245333HM, sendo as letras referências ao casal Henrique e Mônica. A denúncia, a que VEJA teve acesso, compila operações financeiras no exterior, como uma aplicação de 890 mil dólares, e até um bilhete em que o ex-ministro pede ajuda a uma notória operadora do mercado financeiro suíço para administrar seus investimentos: Maria Rodrigues, apontada como a administradora das propinas pagas por contratos superfaturados assinados, na gestão Paulo Maluf, pela prefeitura de São Paulo.

    Na quarta-feira à noite, Temer conversou com Henrique Alves sobre as delações da Lava-Jato e as tais contas no exterior. O presidente interino queria saber a extensão desses casos e se eles poderiam abater algum outro integrante do governo. A preocupação era compreensível. Entre os documentos à disposição da Justiça, há um papel timbrado da Câmara no qual está anotado o valor de 420.000 e o nome Geddel Vieira Lima, atual ministro da Secretaria de Governo.

    “Observa-se também que às folhas 167 há outra anotação referindo-se a 420.000,00 com a mesma caligrafia e em papel timbrado da Câmara dos Deputados, fazendo referência ao nome de Geddel Vieira Lima, deputado da Bahia pelo partido PMDB”, diz a denúncia do MPF. Geddel disse a VEJA que desconhece o manuscrito com a cifra em dólares e que nunca tratou de dinheiro com Henrique Alves ou recebeu valores dele. Alves considera “absurda” a denúncia da ex-mulher, mas não quis comentar especificamente sobre a anotação com o nome de Geddel. Ele disse que as provas que constam no processo por enriquecimento ilícito já foram consideradas “ilícitas” e anuladas duas vezes em recursos de sua defesa.

    A ação civil de improbidade administrativa, porém, ainda tramita na 16ª Vara Federal de Brasília e espera um despacho do juiz. A reportagem não conseguiu contato com os advogados do ex-ministro nesta sexta-feira. Na véspera, Alves e Geddel conversaram pessoalmente. O primeiro pediu demissão. O segundo continua no governo. Ao menos por enquanto.

    Confira a cobertura completa sobre a demissão de Henrique Eduardo Alves na edição de VEJA deste fim de semana.

  8. Que luxo, papel timbrado…

    ” “Observa-se também que às folhas 167 há outra anotação referindo-se a 420.000,00 com a mesma caligrafia e em papel timbrado da Câmara dos Deputados, fazendo referência ao nome de Geddel Vieira Lima, deputado da Bahia pelo partido PMDB”, diz a denúncia do MPF

  9. Não temos saída. ou Michel Temer, ou a volta da Dilma e o PT. Cada um de nós podemos escolher.
    Todos os políticos denunciados no governo Temer, se cometeram crimes de corrupção foi no governo do PT. Foi na gestão petista que a corrupção de propina foi institucionalizada, generalizada e permitida pelos governos do PT, que colaborou a levar o país a uma situação de quase insolvência.
    Quem se corrompeu no governo petista, só agora no governo Temer está sendo denunciado,
    o que caracteriza, mais uma herança maldita.
    Esse Machado, parece pau mandado, sua metralhadora não atinge a Dilma e o Lula, atinge mais a cúpula do PMDB e o próprio Presidente interino.
    Um sujeito que vai gravar declarações de um amigo, com a intenção dolosa de aproveita-las em sua delação premiada, para se livrar da cadeia, não merecia ter validade, ainda mais sem provas, mas para o PGR foi um prato feito.

  10. COM TODO O RESPEITO, SEM SER PETISTA, PENSO QUE O TEMER NÃO TEM COMPETÊNCIA PARA DIRIGIR A NAÇÃO…. SEM NUNCA TER GOVERNADO UM ESTADO OU MUNICÍPIO,NÃO SOUBE MONTAR ESSE GOVERNO .BOM SENSO…
    (o Vaticano tem 2 Papas…)NÃO BASTA DIZER QUE É HONESTO……

    • Interessante. Dilma também nunca governou nem um estado, nem um município.
      Temer está tendo dificuldade em montar sua equipe porque infelizmente precisa se assegurar do apoio do congresso, que infelizmente é uma coletânea de interesseiros e corruptos. Mas soube montar uma excelente equipe econômica, e a economia é o problema mais importante que precisa ser resolvido agora.
      Além disso, a opção é a volta da Dilma e do governo petista, que acabaria de enterrar o país. Quem acreditar no que ela está dizendo que se voltar propõe novas eleições não conhece nem a Dilma nem o PT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *