Marcelo Odebrecht, Pinheiro e Joesley, homens fatais de Nelson Rodrigues

Resultado de imagem para NELSON RODRIGUES FRASESPedro do Coutto         

Em sua ampla obra literária e teatral, nela incluindo suas memórias e confissões publicadas em O Globo, e a crônica “À sombra das chuteiras imortais”, coluna diária também em O Globo, Nelson Rodrigues criou personagens eternos e que, na realidade, muitas vezes nos deparamos com eles nas calçadas e nos sinais de trânsito, nos restaurante, nos cinemas.  Entre estes figura o homem fatal, personagem múltiplo de uma série de desfechos, exclamações e atos de sua obra.

Agora lendo as manchetes principais de ontem de O Globo, Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, identifico o vulto de Joesley Batista, o homem que parecia fabricar e distribuir dinheiro e que nas suas intervenções na política e na administração federal, ao longo dos últimos quinze anos, projetou vendavais que abalaram profundamente o quadro político do Brasil.

MARCA INDELÉVEL – Joesley Batista deixou sua marca no BNDES, depois na Presidência da República e agora a fixa com tintas fortes em torno da imagem quase fantasmagórica do senador Aécio Neves. Joesley Batista vai ficar na história como um dos grandes vilões da República, outro personagem impressionista de Nelson Rodrigues, para desenhar perfis dramáticos com uso da imagem que os traduzia como vilões de cinema mudo.

O controlador da JBS, homem múltiplo, gravou diálogo com o Presidente Michel Temer, gravou telefonema com Aécio Neves. Filmou cenas da entrega de dinheiro para ser destinado ao ex-candidato a presidente da República. Não foi só isso. Filmou através de contato com a Polícia Federal a cena da noite paulista que teve como personagem principal Rodrigo Rocha Loures.

E OS OUTROS? – O empresário Marcelo Odebrecht internacionalizou a injeção de recursos financeiros sem prejuízo de atuação idêntica de largo porte na Petrobrás e em algumas obras que se tornaram palco da Copa do Mundo em 2014. Sua liberalidade, compensada largamente com recursos públicos, inundou o edifício da Petrobrás no centro do Rio de Janeiro. Esteve preso e negociou delação premiada.

Joesley Batista também negociou e está negociando novamente poder representar de forma mais convincente o papel de delator. E Leo Pinheiro, personagem que se destacou na reforma do apartamento do Guarujá, também disputa o prêmio de ator principal do vandalismo financeiro.

Vejam bem: levaram um ex-presidente da República a prisão, o atual presidente da República a dois processos no Supremo Tribunal Federal, cuja sequência foi barrada por uma engrenagem de articulações partidárias patrocinadas pelo Palácio do Planalto as quais custaram muito caro aos cofres públicos – ao Tesouro Nacional, portanto.

REVEZAMENTO – São fatos assim que, quando escrevo, tenho a certeza ou pelo menos a impressão de que os três personagens vão ter acesso a algumas páginas da História do Brasil. É isso mesmo: a imprensa, refletindo os fatos concretos do presente, passa o bastão do revezamento aos historiadores do futuro, àqueles que vierem depois de nós.

Churchill deixou uma frase exaltando os pilotos que levantaram voo para destruir no ar as bombas voadoras de Hitler. Disse ele: “nunca tantos deveram tanto a tão poucos”.

O ritmo da frase me conduz  a dizer que nunca tão poucos roubaram tanto de todos os brasileiros.

Encerrando o capítulo, virando-se a página do tempo, ao destacar que Odebrecht, Pinheiro e Joesley são homens fatais que saem das linhas do grande dramaturgo para assegurar seu lugar na fase sombria da vida nacional. Antes de encerrar, lembro que Joesley Batista, ao comprometer Aécio Neves, esvaziou a candidatura de Geraldo Alckmin. As cortinas, entretanto, ainda não se fecharam.

5 thoughts on “Marcelo Odebrecht, Pinheiro e Joesley, homens fatais de Nelson Rodrigues

  1. Reitero o que disse ontem num comentário: os irmãos batista são picaretas profissionais bem assessorados. Nenhum delator foi tão longe como o Joesley Batista, com a quantidade de gravações conduzias.

  2. Nélio, respeito o que dizes, mas lembro um velho ditado, mesmo que não seja “ipsis litteris”: “No meio de feras o homem é obrigado a ser fera também”. Ficar a familia de açougueiros que triunfaram com esforço inaudito, sendo o patriarca ajudado por Juscelino quando da construção de Brasília para trazer um açougue para capital. E depois passar a família a ser extorquida em todos esses 57 anos Eles não deixam de ser criminosos. Mas os que os extorquiam usando a condição de congressista?. Eles também devem pagar pelo que fizeram, enchendo o papo de dinheiro sujo.

    • Caro Antônio Santos Aquino,
      Não falei dos congressistas, mas entendo que os congressistas que extorquiam, devem ter uma pena bem maior. Quem exige dinheiro em troca de favor é sem dúvida o criador da corrupção,
      Até na vida privada existe esse tipo de corrupção, vivi isso como vendedor e depois como pequeno empresário da construção civil durante 17 anos.
      Os crimes dos irmãos Batistas, não se limitam a dar propinas em troca de favor.
      Um abraço
      .

  3. Sr. Pedro do Couto,

    Nelson Rodrigues inspirou-se em Eça de Queiroz ao falar sobre o “homem fatal”. No livro” Notas Contemporâneas”, ao comentar críticas a “Os Maias”, feitas por Pinheiro Chagas”, Eça escreveu (sempre esse homem fatal). Nelson gostava das imagens criadas por Eça.
    Um abraço,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *