Medina Osório recebeu ordem de Padilha para ficar de fora da Lava-Jato

Resultado de imagem para eliseu padilha

Padilha armou o processo difamatório contra Medina Osório

Bárbara Nascimento
O Globo

Demitido ontem pelo Palácio do Planalto do cargo de Advogado-Geral da União (AGU), Fábio Medina Osório afirma ter recebido orientações diretas do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para que a AGU ficasse de fora das investigações da Operação Lava-Jato. O advogado conta que o atrito começou no momento em que, em um movimento atípico, ajuizou as primeiras ações de improbidade contra empreiteiras envolvidas no esquema. Ao longo da operação, as investigações e as ações de improbidade têm sido encabeçadas pela Justiça Federal em Curitiba e pelo Ministério Público, com pouca participação efetiva da AGU.

— Recebi orientações do ministro Padilha para não atuar nessa questão da Lava-Jato. Para ficar de fora dessas questões – disse ao Globo.

ACUSAÇÃO A GRACE – O ex-ministro disse ainda que as informações de inquéritos da Lava-Jato que teria solicitado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nunca chegaram às suas mãos. O advogado acusa Grace Mendonça, servidora da AGU que o substituiu no cargo e era a responsável pela relação com a Corte, de ter propositalmente protelado a entrega.

Segundo Medina, o assessor de Grace alegava não ter encontrado um HD para passar a ele os documentos. Ele também afirma que tentou entrar em contato com ela diversas vezes ao longo das duas últimas semanas para cobrar os papéis, mas ela nunca o atendeu.

— Grace é uma advogada da União respeitada no Supremo. Tem excelentes qualidades técnicas, mas fez o jogo do Padilha.

PROCESSO DIFAMATÓRIO – Medina afirma que o governo – principalmente o ministro da Casa Civil – iniciou um processo difamatório para queimá-lo. Ele nega, por exemplo, ter insistido para que houvesse um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) à sua disposição para retornar à casa nos fins de semana. Segundo Medina, utilizou o avião uma única vez, em uma ida à Curitiba. Ele também nega que não tenha um bom trânsito com os ministros do Supremo, outro motivo de insatisfação do governo com ele.

— Modernamente, quando se quer atacar uma autoridade que combate a corrupção, não se parte mais para a eliminação física, se parte para a destruição da reputação moral do indivíduo. Desde o primeiro momento, depois do ajuizamento da ação, se buscou uma desconstrução moral e da imagem, com falsas notícias a meu respeito. Citam que fiquei deslumbrado com o cargo, o sujeito surtou. Criaram um conjunto da obra falso.

AGIU CORRETAMENTE – Em relação ao litígio em torno do comando da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), Medina nega ter demorado a atuar. Logo que assumiu interinamente, Michel Temer exonerou o diretor-presidente da EBC, Ricardo Melo, para nomear outra pessoa. Alegando que não poderia ser destituído antes do fim do mandato, Melo recorreu ao STF. O Planalto avaliou que a atuação da AGU foi lenta e equivocada em relação ao processo. Medina nega: 

— Agi corretamente, não houve falha, não houve perda de prazo.

Ele afirmou que pretende cumprir o período de quarentena e, depois, retornar à advocacia particular. O ministro Eliseu Padilha preferiu não comentar as acusações. Por meio da assessoria de imprensa, ele disse que já se manifestou via Twitter, ontem. Na rede social, ele agradeceu ao “brilhante advogado Fábio M. Osório”. A assessoria de imprensa da Presidência da República foi procurada mas não foi encontrada.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O processo de difamação movido pelo Planalto realmente existiu e foi encabeçado pelo jornalista Jorge Bastos Moreno, que inventou a “carteirada” do jatinho (desmentida em nota oficial pela FAB) e a falha no processo da EBC, no qual o governo inicialmente foi defendido por Gustavo Vale, assessor de Padilha e ex-advogado de Eduardo Cunha. Como dizia Ibrahim Sued, “depois eu conto” como vários jornalistas entraram na onda do Moreno, que alardeia ser íntimo de Temer e Padilha. (C.N.) 

17 thoughts on “Medina Osório recebeu ordem de Padilha para ficar de fora da Lava-Jato

  1. Não votei no Temer, muito menos em sua chapa. Mas tem boi na linha nessa história. Se o Medina for esse arauto da justiça, esperou ser demitido para falar em orientação direto na veja. Não achei muito coerente a licitude de mostrar conversas em seu celular para revista. Como não acredito em pessoa boa, fico aqui conjecturando o que estar por traz, afinal a vaidade humana esta acima de valores humanos.

  2. Sinceramente, esse Temer é uma babá…

    Babá Lulia, e sua equipe de babás, trocando as fraldas dos mandantes deste pais que se escondem por trás da cortina…

    Descortina-se um tanto, os mandantes se melecam mais, e dá-lhe babás pra socorrer…

    Que lama, Brasil, que lama….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *