Melhor piada de Lula foi Léo Pinheiro ter forçado a barra para “vender” o tríplex

Lula: ‘Léo queria vender o apartamento de qualquer jeito’

Deu em O Globo

Depois de negar ser dono do tríplex no Guarujá e de ter dito que achou “500 defeitos” no imóvel, que visitou em 2014, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva atribuiu as decisões a respeito do apartamento à ex-primeira dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro passado. Afirmou que só falou sobre o apartamento duas vezes — a primeira em 2005, quando a ex-primeira dama comprou uma cota da Bancoop, a cooperativa que lançou o empreendimento, e a segunda em 2013, quando foi chamado pelo empresário Léo Pinheiro, então presidente da OAS, para conhecer o imóvel.

— Léo estava querendo vender o apartamento. E como todo e qualquer vendedor, quer vender de qualquer jeito. Não sei se o doutor já procurou alguma casa para morar, para saber como o vendedor quer fazer. E eu disse ao Léo que o apartamento tinha 500 defeitos — disse Lula.

NÃO SABIA DE NADA – O ex-presidente e Marisa visitaram o tríplex juntos, no início de 2014. A Moro, Lula disse que achou o apartamento inadequado e apontou defeitos, mas nunca pediu qualquer reforma à OAS, como a instalação de um elevador privativo. E assinalou que só soube depois que dona Marisa havia feito uma segunda visita ao local, em agosto de 2014:

— Eu nem sabia que teve essa visita, doutor. Eu não sei se o senhor tem mulher, mas nem sempre elas perguntam pra gente o que vão fazer. Dez ou quinze dias depois ela me relatou e disse que não tinha gostado. Ela já sabia que eu não queria o apartamento.

Lula contou ter dito a dona Marisa que ela não gostava de praia e, embora ele gostasse, achava o tríplex inadequado.

FAZER NEGÓCIO – “O apartamento estava no nome da minha mulher. Eu tinha dito em fevereiro que não queria. Ela certamente pensava em fazer negócio se ela fosse ficar com o apartamento” — afirmou.

As citações a Marisa Letícia causaram irritação em Lula. Após pergunta de Moro se ela havia relatado reformas no tríplex, o ex-presidente disse que não e, lamentavelmente, ela não estava mais viva para perguntar.

O ex-presidente não respondeu a diversas perguntas sobre o apartamento, justificando não ter conhecimento porque o negócio era tratado por sua ex-mulher. E chegou a pedir a Moro que evitasse citar o nome de Marisa Letícia no interrogatório:

“Deixa eu te dizer uma coisa. Eu ouvi falar desse apartamento em 2005, quando comprou, e fui voltar a ouvir falar do apartamento em 2013. Ninguém nunca conversou comigo. Eu não sabia que esse apartamento estava na OAS. Eu queria pedir uma coisa. É muito difícil para mim toda hora que o senhor cita a minha mulher sem ela poder estar aqui para se defender. Uma das causas que ela morreu foi a pressão que ela sofreu”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Como já era esperado, Lula se superou no depoimento, com uma quantidade enorme de piadas novas. E a assistência só não caiu na gargalhada e aplaudiu de pé porque Lula desta vez atuou no estilo de Buster Keaton, que fazia a piada mas não ria. De toda forma, foi sensacional, embora muitas piadas tenham sido de humor negro, quando ele insistiu em jogar a culpa sobre dona Marisa Letícia, que já não está mais aqui para aplaudi-lo, especialmente quando ele contou que não tem mais influência no PT, uma anedota verdadeiramente sensacional.  (C.N.)

31 thoughts on “Melhor piada de Lula foi Léo Pinheiro ter forçado a barra para “vender” o tríplex

  1. Eu já tinha protestado contra o instituto da PIADA DO ANO, mas desta vez, peço desculpas, meu caro Newton. Essa, de São Lula (o nosso santo!), repetindo a você mesmo (que sabe todas as antiguidades), naquela briga dos óleos de motor (Shell e Esso): a Shel dizia: “Algo mais!”. A Esso contra atacou: “Excede!”. Pois desta vez, o nosso santo EXCEDE!!! Com distinção e louvor!

  2. Não vi nada do que aconteceu no julgamento como piada. O que vi foi um presidente irresponsável, comprometido claramente com a corrupção.
    Quando a acusação perguntou ao ex-presidente se, após o escândalo se tornar publico, ele havia indagado ao Vaccari sobre as propinas sabidamente recebidas pelo PT, ele disse que não fazia parte da administração petista e portanto não lhe cabia tal atitude.
    A impressão final que deu foi de ser um administrador irresponsável – sua missão era somente nomear os corruptos. Ele mostrou o que é: um incompetente irresponsável.

  3. “pressão que ela sofreu”, histórico de aneurisma não operado, vida sedentária, 3 maços de cigarros por dia e alcoolismo exarcebado, não tenham dúvidas:bebia mais que o marido!

    • Haremhab
      E não podemos devemos culpá-la pelos vícios.
      Para mim, incluidas mentiras e devaneios, ao informar que a esposa tinha falecido por conta da lava-jato, Lula pisou em tudo.
      Deveria ser um terror ter de dividir a vida e os espaços com um sujeito chamado Lula.
      Só muita grana e a falta de condições para garantir uma vida boa para fazer alguém viver e aguentar um traste assim. A bebida, certamente, ajudou.
      Fallavena

  4. No encontro do lula com a “tia justa”, perguntou a
    ilibada criatura. “E agora, quem poderá me socorrer”? Responderam os advogados. ” A falecida Marisa Letícia”.
    É inacreditável que um homem que governou o Brasil por 8 anos e ainda elegeu a sucessora, tenha a capacidade de num depoimento a um juiz, fazer citações a sua falecida esposa e ainda atribuir a ela os “mal feitos” cometidos.
    Os primeiros que deveriam zelar pela memória da mãe, eram os filhos e exigir do pai, respeito.
    Mas parece que isto não existe por la.

  5. A atualidade do Apanhador no Campo de Centeio

    Ricardo Stumpf Alves de Souza – J.D. Salinger, morto em 2010, captou o desencanto com uma sociedade de aparências e que se recusa a enfrentar a verdade

    “Apanhador no Campo de Centeio”, o famoso livro de J.D. Salinger lançado em 1951 e que praticamente fundou a contracultura, continua uma obra atual.
    Seu personagem principal, Holden Caulfield, é um jovem de 17 anos que retorna para casa depois de ser reprovado no colégio interno no qual estudava e toda a história se passa num fim de semana, quando ele vaga por Nova Iorque sem destino, evitando antecipar aos pais a decepção de saber que tinha sido expulso de mais um colégio.

    Durante esse tempo revela sua profunda decepção com o mundo no qual vivia, com a sociedade norte-americana do pós-guerra, seu formalismo, hipocrisias e a falta geral de sentido que ele percebe em tudo, como se a vida não passasse de uma grande farsa, da qual ele não quer participar.

    Alguns críticos dizem que se trata da visão de um adolescente a enfrentar a típica crise da idade, mas creio que a história é muito mais do que isso e revela o desencanto com uma sociedade que vive de aparências e se recusa a enfrentar suas verdades, alimentando ilusões fúteis, que moldam um mundo cada vez mais árido e perigoso.

    A sociedade de consumo, que surge com força no pós-guerra nos Estados Unidos, traz consigo a semente de sua própria crítica nos olhos de uma geração que não acredita nos valores consagrados pelos aparelhos ideológicos, igreja/escola/mídia, e investe na sua própria descrença dando lugar à geração beatnik dos anos 50, aos hippies dos anos 60 e a tantos outros movimentos da contracultura que surgiram ao longo do século XX, que antecipavam a decadência cultural de um ocidente hipnotizado pela manipulação consumista das grandes corporações.

    A grande indústria, que deveria representar a esperança de uma vida melhor para a humanidade, torna-se um pesadelo ao pretender controlar a cultura e moldar a vida dos indivíduos segundo seus próprios interesses, transformando o discurso democrático numa farsa e criando guerras intermináveis, sem nenhum sentido que não seja enriquecer uma minoria que pretende governar o mundo. A importância do livro é justamente a antecipação dessa consciência num momento em que se acreditava que a democracia e o socialismo tinham vencido o nazismo para construir um mundo melhor, mais livre e mais justo, onde os direitos humanos consagrados na carta da ONU seriam uma espécie de Constituição universal que nos levaria ao futuro.

    Caulfield não acredita em nada disso e vê o mundo com seu próprio olhar de espanto e decepção, navegando sem rumo no seu universo depressivo, embora ele tente se relacionar sinceramente com os indivíduos ao redor, buscando alguma coisa de verdadeiro no que eles dizem ou fazem.

    O autor, que morreu em 2010, viveu recluso durante muitos anos após a publicação do livro, que vendeu até hoje 65 milhões de exemplares. Para se ter uma ideia da sua aversão à exposição pública, a edição da Editora do Autor, de 2016, não traz nenhuma informação sobre ele nas orelhas, nem os típicos comentários na contracapa.

    O título, The cacher in the rye, ou “O Apanhador no Campo de Centeio”, na tradução, revela essa vocação para a solidão e o isolamento de quem se sente só, incompreendido, e não consegue se integrar à sociedade no qual vive. No texto, o personagem explica que gostaria de ser um “apanhador” em meio às crianças que brincavam num campo de centeio sem perceber que ele terminava à beira de um abismo. Sua função no mundo seria pegar (apanhar) as crianças que se aproximassem demasiadamente do abismo, impedindo que elas caíssem. Talvez o livro tenha sido escrito justamente para nos salvar desse abismo em que a sociedade humana se transformou nas últimas décadas, doente do egoísmo alimentado por um capitalismo sem escrúpulos.

    https://www.cartacapital.com.br/blogs/blog-do-socio/a-atualidade-do-apanhador-no-campo-de-centeio

    Do site Controvérsia

  6. Prezado Sapo, bom dia. Com todo o respeito, quero discordar de sua opinião. Duas pessoas, um adjetivo inaplicável, Lulla e Maluf, chamá-los incompetentes. Quantos anos??? E estão aí, soltos! Lulla, ainda mais competente, competentíssimo, carrega a aura de santo; o outro, a aura de grande fazedor de obras. Duas pessoas extremamente competentes. Vírgula: naquilo que sempre fizeram, Lulla e Muluf, recordes históricos e mundiais!

  7. A melhor de todas foi que “se o conde de monte cristo pudesse ressuscitar, também o culparia”.
    O molusco não conhece Alexandre Dumas, deve achar que O Conde de Monte Cristo é um personagem bíblico, provavelmente primo de Jesus…

    • Wagner
      Puxa,estas de pura sacanagem com ele.Fizeste a piada do dia!
      Claro que ele conhece o Alexandre (da globo). O problema é o “dumas”. Para ele, “dumas” é dumas e doutras”. Ou seja: tem de ligar as coisas com a cana (não cadeia) e a pinga.
      Se disser que ele vai receber cana, é bem capaz de bater palmas e se lamber todo.
      Abraço
      Fallavena

  8. Lula se deu bem ….não tem nada tudo são dos amigos , agora o bebum de rose vai tirar onda , cadê meu nome ai nessa escritura ? ah não tá ai não , então não é meu ! ……Agora a morte de Marisa vei bem a calhar (não que desejo morte de ninguém ) mas é coisa inevitável , inerente a vida , agora já que morreu vai botar tudo na conta da falecida , esse molusco de São Bernardo, se não é honesto (bem que já disse ser ) é um cara de muita sorte !!
    Esse realmente vive em mundo de contos ……frases de bar …Aqui se juntam pescadores , passarinheiros, bêbados , políticos e outros mentirosos , e o lula !!

  9. Colegas Tribunários
    Sinceramente, alguém que quer Lula na cadeia ou alguém que deseja Lula, novamente, na presidência, com cérebro em funcionamento, acreditava que ele diria a verdade?
    O caso Lula é patológico, com várias doenças.
    Uma delas é acreditar que verdade é igual a mentira.
    Mentiu tanto nas últimas décadas – talvez seu nascimento já tenha sido uma mentira, que já não faz diferença o que diz. Ele não consegue separar o que diz e o que pensa.
    Um vigarista se fazendo de vítima. O típico exemplo de “ladrão que faz a ocasião”.
    É preciso convocar seminário, encontro ou o que seja, com a participação dos maiores e melhores especialistas em mentes (entenda-se “mente” a pensamento, entendimento e não ao verbo mentir). Talvez consigamos entender o que Lula tem na cabeça
    Finalmente, embora solicitada a retirada do processo, com o uso e autorização de Lula, dona Marisa continuará dele fazendo parte, mesmo após seu desencarne. Afinal, Lula continua bebendo com ela, sendo governado por ela e seus bens por ela administrados.
    Cada um carrega aqui ou onde estiver, as cruzes de suas vidas.
    Falavena

    • Tarciso
      Como o dia de hoje está legal. Quase todo mundo com piadas.
      Estou assistindo quase 5 horas de puro humor. Fazer o que? Enquanto a o povão não se der conta e sair ás ruas, vamos rir de tudo.
      Fallavena.

  10. A morte do dona Marisa, provou mais uma vez que o Lula é um homem de sorte um verdadeiro cagão, porque, se ela estivesse viva a história seria outra.
    .Se não houvesse fotos do Lula visitando o triplex, naturalmente ele iria dizer que nuca foi lá.
    Segundo Lula, o Léo virou corretor e queria vender o apartamento a ele. Como o lula encontrou 500 defeitos no apartamento o Léo resolveu fazer uma reforma ampla, incluindo elevador e cozinha igual a do sítio de Atibaia, que teve a supervisão de Dona marisa. Porque o Léo fez reforma somente neste apartamento, pelo fato do Lula achar 500 defeitos e não o fez
    nos demais apartamentos, que naturalmente tinha os mesmos 500 defeitos.
    Segundo Lula, o apartamento era problema de Dona Marisa e a corrupção da Petrobrás era problema do partido, não tinha influência em nada, não foi ele que levou a Dilma, um poste com a lâmpada queimada a ser candidata a presidente? que a meu ver foi a causa da saída da Marina Silva sair do PT.
    Não se pode esperar do Lula coerência, alias nunca teve. fala uma coisa no depoimento, mas discursando para a sua platéia fala outra coisa, distorcendo os fatos
    ,

    • Colega Jose Augusto
      Acabo de receber detalhes sobre o caso.
      Lula informará que não conhece Rose, que jamais ouviu falar de cartão corporativo.
      E, finalmente, se for eleito, mandará prender todos que dizem/disseram que ele teve um caso com esta mulher. Ele ainda está em período de luto.
      Espero que o amigo fique satisfeito com as informações.
      Abraço.
      Fallavena

      • O cartão dela vai indicar diversas compras feitas em Portugal, e por que não em Angola, que não terão justificativas. Ela não tem como provar que usou um vôo comercial para lá. Suas viagens foram secretas no avião presidencial junto do amante. Como a máfia coronelista brazuca sabe disso, estão bloqueando o acesso.

  11. O mais engraçado foi o Lula no depoimento: para reforçar a ideia de que é perseguido, alegou que foi ele que trouxe a Copa do Mundo e nem foi convidado para dela participar.
    Aí o Moro mandou-o cobrar de sua sucessora.
    O Lula teve que engolir essa, ficou com cara de tacho, mais trêmulo que o “pixuleco” numa ventania.
    Ele também disse que D. Marisa nem gostava de praia; então a aquisição do triplex não justificaria.
    Na internet, alguém publicou umas férias do casal, exatamente na praia.

  12. A DIREITA, ESPECIALMENTE A MIDIÁTICA (COM A GLOBO E O ESTADÃO PUXANDO O CORDÃO), AO QUE PARECE, NA VERDADE, AMA O LULA, e não abre mão de continuar usando-o como Zape e 7 Copas contra a possível ascensão da Esquerda de verdade, séria, idealista, sonhadora, revolucionária, propositiva, criativa e realizadora, à qual, no caso, com vistas a 2018, resta apenas o 7 ouro, a espadilha e, sobretudo, o borogodó, que é o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME, a quem resta se apegar enquanto contraponto ideal a tudo isso que ai está há 127 anos, ou sucumbir mais uma vez diante do continuísmo da mesmice do $istema político vencido que tem o PMDB, PSDB, PP e DEM como cupins maiores da república 171 do Brasil, que tem em LULA a sua única chance de levá-la adiante por mais algum tempo, não obstante o prazo de validade vencido da dita cuja, que faz mal à saúde física e mental da população, com certeza. O cara é realmente um fenômeno do partidarismo-eleitoral, como restou evidente diante de Moro, dentro do próprio ecossistema e do habitat natutral da força-tarefa da Lava Jato, onde qualquer outro no lugar de LULA teria saído de lá todo borrado, e ele, LULA, que não se atreva a ir para a advocacia senão irá desempregar muita gente, de modo que candidato por candidato, gogó por gogó, partido por partido, carisma por carisma, sem aquele algo a mais extraordinário capaz de fazer a diferença, não resta dúvida que LULA tem tudo para voltar à presidência da dita cuja, e de nada adiantarão as apelações na mídia ou nos tapetões dos seus rivais liderados por FHC, que vai ter que se conformar com o seu papel histórico de sub-presidente da república 171 do Brasil, aquela que se cobrir é circo, se cercar é hospício e se murar alto é penitenciária, com certeza. http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/294954/Sem-provas-m%C3%ADdia-constr%C3%B3i-nova-narrativa-contra-Lula-%E2%80%9Cculpou-Marisa%E2%80%9D.htm

    • Em um de suas perguntas Moro mostrou-se preocupado com a possível volta de Lula à presidência. ” Que história é essa Sr. ex-presidente de que agora ou nós prendemos o senhor, ou o senhor nos prenderá se eleito presidente em 2018 ” ? Fiquem tranquilos, ” … é só força de expressão, coisa de palanque, um dia vc vai ser candidato e verá como funciona isso…”.

  13. Apenas para lembrar: não é Lula que tem q provar ser inocente, mas o MPF que precisa provar que Lula é culpado.

    Onde estão as provas? Além de testemunhos?

  14. Pelo que disse, camufladamente, Lula deu a entender que Leo Pinheiro tinha sido desonesto, embolsando uma grana dele, pois, quando o juiz Sergio Moro perguntou por que ele nem confirmou a compra triplex, nem pediu de volta os R$ 209 mil – no prazo que houve para fazer isso, em 2011, ele respondeu: “Tem que falar com D. Marisa”. Ou será que Leo Pinheiro devolveu a grana e dona Marisa embolsou, sem falar com o “alma pura” ? A situação, de fato, se apresenta como “jucadiana” uma suruba corrupta-financeira. Só o Jucá pode decifrar.

  15. Lula demonstra a falta de respeito, frente ao juiz Sérgio Moro usa palavras de baixo calão, é inacreditável, se vê que não sabe o que a justiça de um país representa, mas o estranho é que o juiz não deu um pito nele, deveria ter falado que ele não estava na rua e que moderasse seu palavriado.

    • Roberto
      Tipo atoa, bagaceiro e cachaceiro é assim mesmo. Mas tem de juntar as três qualidades.
      Bem fez o Moro que não deu importância.
      Abraço.
      Fallavena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *