Menino salvo por herói que morreu no Zoo virou mais um golpista milionário

  Este é Adilson, o menino que se tornou um supertrambiqueiro

Celso Serra

Vocês lembram da história do sargento herói Sílvio Hollembach, que salvou a vida de um menino entre os que estavam provocando as ariranhas no zoológico de Brasília? O menino caiu no fosso das ariranhas e o sargento, que estava de folga e tinha levado os filhos para passear, pulou no fosso, salvou o pirralho jogando-o para fora. Mas veio a falecer em razão dos ferimentos. Isto foi em 1977.

A família do menino nunca fez contato com a do salvador do seu filho, nem para saber como estavam. O Exército o promoveu a 2º Tenente por bravura. O DF deu seu nome ao zoológico. Diversas cidades também o homenagearam. O moleque que foi salvo, de nome Adilson Florêncio da Costa, vulgo “Adilson das Ariranhas”, veio a se tornar um dos maiores criminosos do sistema previdenciário privado.

MAIS DE R$ 3 BILHÕES – Como diretor financeiro do Postalis (fundo de pensão dos empregados dos Correios), por seis anos, primeiramente  sob as bênçãos do PMDB e depois do próprio PT, operou a destruição de mais de R$ 3 bilhões do patrimônio do fundo (vide CPI dos Fundos de Pensão). Até aplicações de valores astronômicos em títulos podres bolivarianos da Argentina e da Venezuela, na verdade a fundo perdido, ocorreram sob sua gestão.

O militar herói fez o certo. A ironia foi ter salvado alguém que um dia desviaria tantos recursos e prejudicaria tantos milhares de empregados, aposentados e pensionistas. E Adilson Florêncio da Costa, finalmente, foi preso pelos federais.

10 thoughts on “Menino salvo por herói que morreu no Zoo virou mais um golpista milionário

  1. Senhores,

    Como nem o pai nem a mãe do menino disseram ao menos “obrigado”, percebe-se que ele (o menino) foi criado em um casa (eu não diria um lar) SEM PRINCÍPIOS.

    Vai ver que foi POR ISSO MESMO que ele caiu no fosso: os PAIS RELAPSOS, DISPLICENTES e IRRESPONSÁVEIS devem tê-lo soltado no zoológico. Devem ser, provavelmente, daqueles que culpam a sociedade pelo fracasso dos filhos!

    Recentemente morreu uma criança atropelada na Via Estrutural, a mais movimentada do Distrito Federal, composta por três faixas de cada lado e mureta de proteção no canteiro central.

    O MOTIVO do atropelamento: A BOVINA que cuidava da criança deu preferência de cuidados para DUAS SACOLAS que levava; segurou uma em cada mão e pediu à criança que lhe segurasse na barra do vestido.
    A criança achou que ela fosse, e ela não foi…
    O culpado? O motorista, claro!

    -Ao longo da minha vida eu percebi que filho de pessoa de bem pode se tornar um bandido, mas nunca vi filho de bandido se tornar uma pessoa de bem…

    Abraços.

  2. bão, já dizia o raulzito: aranha ou ariranha com aranha ou ariranha não dá pé; cobra com aranha é que dá pé…subscrevo o comentário> “Mais bandido é quem o colocou na diretoria do fundo.”
    Aliás, a corrupção grassa brasil a fundo…há que se repovoar o País…

  3. Caramba !!!
    Mas que sujeitinho chato !!!
    Deve ser doente mental !!!
    Vai gostar de aparecer assim lá longe !!!
    Aos poucos, estou deixando de ler os comentários aqui na TI.

  4. O excelente filme de guerra, O Soldado Ryan, de Spielberg, estrelado por Tom Hanks, ao final, quando o grupo capitaneado por Tom fora buscar o único filho vivo da mulher que perdera outros dois para ser devolvido ao seu lar, e se depara com uma companhia de alemães, inclusive com canhões portáteis de 20mm e um tanque, apesar de todo o heroísmo e luta neste combate ferrenho, antes de falecer o capitão diz ao seu soldado que o livrara da morte, que este fizesse por merecer o sacrifício de seus companheiros!

    Velho, amparado pela família, muitos anos depois Ryan visita o túmulo do seu capitão, e pergunta à sua esposa se ele tivera uma vida honrada, ao que ela concorda prontamente.

    Então, se ergue, pois estava ajoelhado, e bate continência em homenagem ao seu salvador!

    Pois o sargento, herói brasileiro, que deu a sua vida para salvar a mais nova não teve esta glória, de ver o seu sacrifício ter sido útil, positivo.

    O rapazinho que salvou das garras e dentes mortais das ariranhas derivou para o lado mal da vida, roubando, e desmerecendo a sua salvação, e não que os ladrões mereçam a pena de morte, não é isso que quero dar a entender, mas a homenagem que se deveria prestar à continuidade da vida, e aquele que deu a sua para salvar a de um estranho, sem qualquer compensação.

    Sem querer demonstrar que já não acredito no Brasil e seu povo, pergunto se não seria por que aquele que foi salvo era brasileiro, sem laços com honra e decência, conforme nos ensinam e exemplificam TODAS AS AUTORIDADES PERTENCENTES AOS TRÊS PODERES!

    De fato, há quanto tempo não temos exemplos de conduta correta do Legislativo, Executivo e do STF?

    Sem perder tempo com parlamentares e Planalto, causa espécie a lambança jurídica que a Alta Corte vem fazendo com relação aos processos dos envolvidos no petrolão e quanto ao procedimento ou rito do impeachment de Dilma!

    Perdemos a conta sobre o desordenamento da ordem jurídica que os ministros ocasionaram, demonstrando mais atenção ao aspecto político que legal, em consequência, gerando entre a população mais insegurança que aquela que se sente sobre o momento atual, de inflação, recessão econômica, desemprego e inadimplência!

    Nessas alturas, faço a inversão da pergunta que Ryan dirige à sua esposa, para questionar o que fizemos para merecer este tipo de governo, este Congresso tão venal e de um Supremo Tribunal tão tendencioso, causas indiscutíveis de nossas maiores dificuldades em busca do desenvolvimento e progresso para o povo!

    A razão seria a nossa nacionalidade?

    O motivo seria que o brasileiro não tem dignidade?

    Ou porque jamais sofremos como outros povos padeceram mundo afora, os horrores de uma guerra, as mortes infindáveis, a falta de comida, de teto, e tendo a morte à espreita diuturnamente?

    Peço ajuda para encontrar as respostas necessárias e adequadas sobre a ingratidão, tanto no caso do guri que teve a sua vida devolvida pelo militar do Exército, um simples sargento, que honrou a sua farda mesmo sem estar em combate, e daqueles que elegemos para nos representar que, contrariamente à esperança quando neles depositamos nossos votos, agem como se inimigos fossem do povo, razão pela qual o caos instalado no Brasil de hoje!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *