Mensalão: Supremo mantém pena do ex-deputado Bispo Rodrigues e a situação de Dirceu se complica

André Richter
Agência Brasil

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a pena do ex-deputado federal Bispo Rodrigues (PL-RJ), atual PR, na Ação Penal 470, o processo do mensalão. Ele foi condenado a seis anos e três meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.  O placar final ficou 8 a 3 pela manutenção da pena.

O julgamento do réu foi retomado hoje (21), após ter sido interrompido pelo bate-boca entre os ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski, na semana passada.

Bispo Rodrigues foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de receber R$ 150 mil do esquema. Segundo o MPF, o saque foi feito em uma agência do Banco Rural, em dezembro de 2003.

No recurso, o principal argumento utilizado pela defesa é que houve uma falha no cálculo da pena de corrupção passiva. Segundo a defesa, ele foi condenado com base em uma legislação mais rígida que trata do crime de corrupção passiva, e o recebimento do dinheiro teria ocorrido na vigência de legislação mais branda.

LEI NOVA

Os ministros discutiram a aplicação da Lei 10.763. A lei entrou em vigor no dia 12 de novembro de 2003, e aumentou a pena para o crime de corrupção de um a oito anos para dois a 12 anos de prisão.

O julgamento foi retomado com o voto do ministro Ricardo Lewandowski. Ele aceitou o recurso do ex-deputado por entender que o crime de corrupção ocorreu durante a vigência da legislação antiga. “O crime de corrupção ocorreu no momento em que o embargante prometeu vender seu apoio político, ainda em 2002”, concluiu.

O relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, que votou na sessão anterior, reafirmou que a única prova apresentada pelo Ministério Público comprovou que Rodrigues recebeu o dinheiro em dezembro de 2003, quando a lei mais rígida estava em vigor.

Em seguida, o ministro Luis Roberto Barroso considerou que existem “problemas na condenação”, mas afirmou que, por sido empossado após as condenações, não teria como revisar todas as penas. Ele seguiu o voto de Barbosa. “Se eu fosse revisitar as provas eu mudaria a situação não só deste réu, mas de outros. Mas não tendo participado do primeiro momento do julgamento, este não é meu papel”, disse Barroso.

Além de Barroso, os ministros Teori Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes seguiram o voto do relator Joaquim Barbosa. Os ministros Dias Toffoli e Marco Aurélio acompanharam os argumentos de Lewandowski.

Último a votar, o decano Celso de Melo também acompanhou o relator.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – O resultado complica a estratégia de defesa de José Dirceu, que confiava num julgamento favorável ao Bispo Rodrigues. mas não foi desta vez… (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Mensalão: Supremo mantém pena do ex-deputado Bispo Rodrigues e a situação de Dirceu se complica

  1. Quem é condenado às penas do inferno é o católico quando peca por: pensamentos, palavras e obras! Ai é direito canônico!
    No direito positivo quando o fato se realiza!
    Majoritária a tese do ilustríssimo ministro vejamos uma situação bizarra!
    Se um indivíduo conseguir provar que pensava em matar outro durante 20 anos. E, após 20 anos, cometer o fato, fica a pergunta: prescreveu o crime?
    Barbaridade!
    Onde vamos com esse País?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *