Michel Temer joga o futuro de seu mandato em confronto com Machado

Temer deu uma resposta dura à denúncia de Machado

Pedro do Coutto

Analisando bem o panorama político que está envolvendo o Brasil de hoje, verifica-se que até assumiu um caráter dramático, na medida em que o presidente Michel Temer jogou o destino de seu mandato a um confronto com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que em sua delação o acusou de haver participado do recebimento de recursos ilícitos para a campanha de Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo. É exatamente isso que revela o repórter Eduardo Barreto, na edição de O Globo de sexta-feira.

Tanto é assim que o presidente da República, ao rebater a acusação, afirmou textualmente que “se tivesse cometido crime não poderia presidir o país”.

Na mesma edição do jornal, matéria de Vinicius Sassine e Renata Mariz, Sérgio Machado reafirmou a denúncia que dirigiu contra Michel Temer. Portanto, o episódio desafiador assume uma dimensão enorme.

TEM DE PROVAR – Claro, cabe a Sérgio Machado comprovar a versão, mas este aspecto legal e moral não reduz o aspecto decisivo do confronto traçado pelo próprio chefe do Executivo. Pois é indispensável levar-se em conta que Sérgio Machado nada tem a perder, a não ser deixar escapar a redução da pena a que se encontra exposto.

No plano antagônico, Michel tem tudo a perder, a começar pela Presidência da República. É verdade que ele colocou em xeque a hipótese de ter cometido um crime. Receber dinheiro para uma campanha eleitoral de seu próprio partido não configura crime, se o intermediário não souber da forma com que foram obtidos os valores.

Mas este é o aspecto legal. No caso da acusação de Sérgio Machado, que levou Temer a rebater com um desafio tão extremo quanto estranho, não está em jogo a letra da lei, mas o reflexo moral e ético do desafio. Nele, se dúvida, o chefe o Executivo jogou o próprio mandato e também seu destino.

É GRAVE A CRISE – Para repetir uma expressão antiga, a crise que atinge o Brasil é muito mais grave do que alguém, antes da explosão chamada Sérgio Machado pudesse supor. Catarina Alencastro, Simone Iglésias e também Eduardo Barreto, na mesma edição de O Globo, destacam que o ex-presidente da Transpetro, com suas revelações premiadas, derrubou três ministros no curto espaço de apenas cinco semanas. Cairam Jucá, Fabiano Silveira e Henrique Alves. Logo, presume-se que os disparos de Sérgio Machado atingiram três alvos. Sobretudo porque nenhum dos três negou fortemente o conteúdo das acusações, tampouco decidiu processar o acusador. Portanto, as delações, presume-se, funcionaram. Pois em casos assim o silêncio não pode valer como resposta, muito menos como negativa.

FATO INÉDITO – A queda de três ministros em pouco mais de um mês, em decorrência de explosões praticadas pelo mesmo detonador, é efetivamente fato inédito na moderna história política do país. Colocada no espelho do tempo, a atual fase acentua com nitidez a profundidade de uma crise estraçalhadora que começou com o mensalão e, ao invés de refluir, pelo contrário, agigantou-se através do Petrolão com as consequências que se encontram expostas aos olhos da nação.

Basta dizer que avançou ao ponto de levar um presidente da República a jogar sua permanência no Planalto a um verdadeiro duelo na planície da razão e das comprovações. Inclusive – vale notar – Michel Temer viu-se na obrigação de fazer um pronunciamento público à população, através de convocação coletiva à Imprensa.

Nunca houve na história do Brasil um detonador de crises como Sérgio Machado. E ele está disposto a manter o próprio recorde que estabeleceu no país.

8 thoughts on “Michel Temer joga o futuro de seu mandato em confronto com Machado

  1. Pedro do Couto, está tudo delineado na gravação de Jucá com Machado, Palavra por palavra, vírgula por vírgula está dito que a razão do “golpe”. É golpe sim. (Carlos Frecerico Werneck de Lacerda em seu depoimento transformado em livro, diz claramente em relação aos acontecimentos de 1961 com a renúncia de Janio: Existem diferentes formas de golpe). Como Dilma não aceitaria entrar no complô,deveria ser afastada. Qualquer motivo seria suficiente para o impechment. Para isso seria necessário o suborno da quantidade suficiente de deputados e senadores . Temer sabia de tudo. Assim como sabe do dinheiro da propina que entrou na caixa do PMDB. São quinze anos como presidente do partido. Se investigarmos a fundo as Docas de Santos vamos ver o rastro de Temer. Essa turma é corrupta desde que nasceu.

  2. O Machado fez uma tréplica muito mais dura. Quem defende o Temer já teve acesso ao conteúdo dos anexos da delação, que trazem as provas? Delação não é conversa de bar , tem de ter provas e ser aceita pelo STF.

  3. Se investigarmos a fundo as Docas de Santos vamos ver o rastro de Temer.

    Bem dito Sr. Aquino, o Porto de Santos é onde o Presidente Interino tem seus vínculos corruptais.
    E com certeza o dinheiro não veio de carregar sacarias nas costas.
    É só abrir a Caixa-Preta do Porto que pega um monte do Partidinnho da Boquinha, ou como diz o Sr. Paulo Partido Capacho..

  4. Sera que o presidente interino nao tem rabo preso com ninguem? Sera que nunca recebeu dinheiro de caixa dois, tres, quatro? Com tantos anos na politica sera um ficha limpa? Acho que sera a bola da vez, apos o impedimento da madame e so questao de tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *