Milhões perderam bilhões com os planos de Sarney e o confisco de Collor. Hoje, 7 de setembro, o povo nas ruas, Dona Dilma numa cadeia, de rádio e televisão. Intelectuais protestam contra violência policial.

Helio Fernandes

Intelectuais dos mais diversos setores, e todos de projeção, estavam preocupados com a repressão violenta e os excessos da polícia contra os manifestos das ruas. Concordaram: precisavam participar, protestar, mostrar a discordância. Pensaram num manifesto com muitas assinaturas, não dava tempo, além de difícil de coordenar.

Decidiram por concordância de palavra dos que não estavam disponíveis, e presença daqueles que se encontravam no Rio,  embora a preocupação fosse nacional. A repercussão foi excelente, inundaram o facebook com fotos, principalmente de Caetano Veloso, que apareceu de corpo inteiro.

Representando todos e acompanhado de mais alguns, Caetano foi conversar com o secretário Beltrame. Inicialmente as colocações eram apenas duas. Repressão policial e o direito de qualquer um andar com máscara ou com o rosto coberto.

UPPs, AMARILDO E DROGAS

O secretário Beltrame explicou que nesses “confrontos” (palavra muito usada) existem e podem existir excessos, incompreensões, exageros. Mas a reivindicação se localiza principalmente nos protestos marcados para hoje, o tão apreensivo e esperado 7 de Setembro.

Sobre o rosto coberto, Beltrame disse que isso é atribuição da Polícia Civil e até Federal. Quanto à parte da sua Secretaria, “a recomendação e sempre de calma, tranquilidade, mas tem que haver repressão”.

Conversaram sobre o pedreiro Amarildo, desaparecido desde 14 de julho, mais de um mês (comentário deste repórter: até agora não aconteceu nada, a investigação “se refugia” numa dúvida que se parece mais com desinteresse, Ou tentativa de livrar os autores, vá lá, supostos autores). A investigação fica sempre em silêncio, não há manifestação oficial, deixam escapar apenas “estamos investigando”. E com isso, os autores também escapam.

O que se consegue saber com muito esforço, e não oficialmente; “Estamos com duas vertentes (?) de investigação. O pedreiro Amarildo tinha LIGAÇÕES com o tráfico ou com policiais”. Só isso.

Não explicam o desaparecimento, a morte (é lógico que está morto), não acusam ninguém, não dizem “Amarildo trabalhava com traficantes ou policiais corruptos”. Deixam tudo incerto, não explicado. A “reconstituição”, vergonha e vexame geral.

VOLTANDO A CAETANO

Deixando seu conforto, sua estabilidade e bem estar conquistado com muito trabalho, repudiando e combatendo até mesmo a ditadura (coisa que pouca gente fez, mas agora coloca no currículo), fez mais perguntas.  Queria saber sobre as UPPs, se é um sucesso verdadeiro ou apenas aparente e “marquetado”.

Depois de Beltrame, o famoso cantor e compositor foi conversar (ontem) com os que (hoje) deverão voltar às ruas, sem medo mas com preocupação. Tendo pedido a Beltrame proteção para o cidadão de máscara (nada a ver com a investigação “mascarada”), Caetano se deixou fotografar de máscara. O Facebook exibe orgulhosamente essas fotos, ótimo.

TUDO ISSO É POSITIVO

Os protestos que se espera (hoje), 7 de Setembro, dominam o Brasil inteiro, com multidões veementes e pacíficas, são necessários e indispensáveis.

Precisamos mostrar ao mundo e a nós mesmos que o Brasil não acabou, não existe apenas de Cabral a cabralzinho, é um vasto e inexplorado continente, habitado por cidadãos explorados mas resistentes. De sempre a sempre, cada vez com mais convicção, vontade e certeza sobre o que representamos para toda a comunidade. Às ruas, cidadãos.

FLORIANO-COLLOR-DILMA

Reinaldo Gonçalves, respeitado professor titular de Economia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) fez levantamento em profundidade sobre o crescimento do PIB em toda a República. Concluiu: “Floriano Peixoto e Fernando Collor foram os dois presidentes que deixaram o PIB em menos de 2%. E pelo desempenho, Dona Dilma deve ser a terceira”. O estudo é longo e interessantíssimo, principalmente pelas circunstâncias.

(A partir daqui, fatos deste repórter) Floriano nunca foi eleito nem governou com autenticidade. No dia da implantação (e não Promulgação, como dizem equivocadamente) da República, 15 de novembro de 1889, Deodoro foi “empossado por ninguém”. Floriano, ministro da Guerra, tinha a força.

MAIS PODER INDIRETO

Em fevereiro de 1891, promulgada indiretamente (tudo era indireto) a Constituição, Deodoro foi “eleito” presidente e Floriano “vice”, sem povo, sem voto, sem urna. Só que o “vice” não estava satisfeito, queria o Poder total. Como acumulava a “vice” e o comando do Exército, em novembro (oito meses depois) derrubou Deodoro, fingiram que este havia renunciado.

Pela própria Constituição indireta, deveria ter convocado eleições em 30 dias, ficou no cargo os 4 anos. Antes, sem votos. Depois, sem legalidade, legitimidade, sem governar. O Senado repudiava suas nomeações, em 15 de novembro de 1894 tomava posse o primeiro civil ELEITO, o destacado Prudente de Moraes. Floriano acreditou que ficaria para sempre, não organizou nada, nem transferiu o cargo. Prudente e todos os ministros, de fraque ou casaca, com o calor de novembro, perplexos e suando dentro dos tilburis, o transporte que havia.

FERNANDO COLLOR

Curiosamente, em 1989, quando a República completava 100 anos, surgia o furacão Fernando Collor. Apoiado (?) por um partido inexistente (PRN), pretendendo a Presidência. E ganhando de 6 adversários, entre eles Lula, Brizola e o doutor Ulysses. Derrotou todos, uma das grandes surpresas da História da República.

Mas teve apoio tendencioso, interessado e poderoso do “doutor” Roberto Marinho, que “colocou toda a Organização” a serviço da vitória. Fizeram as maiores traições ao jornalismo. “Editaram” o debate Collor-Lula. “Denunciaram” que Lula tinha fora do casamento uma filha, Lurian.

Collor ganhou mas não governou, por causa da desastrada atuação de Dona Zelia, que “por detalhes” confiscou os bens de milhões. Collor ficou apenas 2 anos, não ligava para o PIB, sofreu o impeachment, o primeiro de nossa História.

MILHÕES PERDERAM TUDO

Sem nenhuma coincidência, apenas redundância, os que haviam tido perdas enormes com os mais diversos planos do governo Sarney, foram sacrificados novamente com o CONFISCO.

O “presidente” Sarney merece todas as aspas. Vinha da ditadura, quando não havia eleição, para uma nova indireta. Queria ser “vice” de Maluf. O enviado de Sarney a Maluf, grande jornalista, ouviu: “Não quero o Sarney de vice nem para ganhar”.

Sarney foi vice de Tancredo, que venceu mas morreu sem assumir. “Deixou” para Sarney todos os cinco anos do mandato, queria seis. Despreparado, sem nenhuma noção ou capacidade, “governou” através de “planos” idiotas, inconsistentes, incoerentes. E todos seguidos de trocas de moedas.

O cidadão não tinha nem tempo de decorar o nome e o valor da nova moeda. Mas as conversões eram feitas arbitrariamente, só mais tarde descobria que havia sido roubado na transação da qual não participara, apenas fora comunicado, muito depois. Perderam centenas de milhões, até hoje não sabem quanto.

PREJUDICADOS PELOS GOVERNOS,
DESPREZADOS PELA JUSTIÇA

O que fazer? O que fizeram, até hoje inteiramente inútil. Tentaram ressarcir, que palavra, os prejuízos desses “plano Sarney”, perderam tudo e perderam tempo, no mínimo 25 anos. (Contados de 1988 até hoje, 2013. Que massacre).

Quando estavam na Justiça há 4 ou 5 anos, ainda esperançosos, acreditando na desacreditada Justiça, veio o confisco, os milhões de cidadãos perderam novamente o que ganharam com trabalho incessante, prejuízos totalizaram bilhões de reais.

Como já estavam tentando reaver as perdas com Sarney, deram outra procuração aos mesmos advogados, para ver se recuperavam também os prejuízos com o CONFISCO. Se com Sarney já esperam há 25 anos, com o CONFISCO se passaram “apenas” 20 anos. Ah! Manuel Bandeira, “Mundo, mundo, se eu me chamasse Raimundo, seria uma rima, não seria uma solução”.

Para esse Justiça despreparada, desarvorada, desarticulada, desinteressada, desmemoriada, desprezada, não existe nenhum Manuel Bandeira, mas muitas rimas. Só que todas, rigorosamente impublicáveis.

DONA DILMA E O “PIBINHO”

Só discordo do professor Reinaldo dos presidentes com menos PIB após SEUS MANDATOS. E que o terceiro MENOR DEVE SER o de de Dona Dilma. Desculpe, professor, JÁ É O MENOR. Em 2012, foi de apenas 0,9%, Sua colocação na lista negativa, inalterável.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

42 thoughts on “Milhões perderam bilhões com os planos de Sarney e o confisco de Collor. Hoje, 7 de setembro, o povo nas ruas, Dona Dilma numa cadeia, de rádio e televisão. Intelectuais protestam contra violência policial.

  1. Olha, Helio, que o confisco segue sutilmente causando prejuízos a milhões de cidadãos MENSALMENTE. Refiro-me a criação e incremento acima de qualquer índice inflacionário das tarifas de manutenção de contas bancárias nos últimos anos, assim como as de serviços em geral dessa instituições financeiras que o sistema vincula na prática compulsoriamente todos nos. O cidadão abre uma conta corrente num desses dois maiores bancos privados do país, informado de antemão do mínimo necessário para isenção de tarifas, que já é alto na atualidade em relação ao salário médio do brasileiro, a instituição bancária aumenta unilateralmente acima da inflação o mínimo da isenção, sem comunicação prévia ao correntista, assim como o valor das tarifas, e passa a CONFISCAR O DINHEIRO DA CONTA CORRENTE DO CLIENTE. O Itaú recentemente assim procedeu com os antigos servidores e pensionistas do estado que tiveram seus salários e pensões transferidos para o Bradesco, mesmo tendo-os persuadido a permanecerem lá na época SEM COBRANÇA DE TARIFAS. Tudo subitamente e sem aviso. Pensionistas idosos que foram pelo Itaú convencidos e que recebem SALÁRIO MÍNIMO MENSAL só foram descobrir dias atrás quando foi depositado o 13 salário e CONFISCADOS 72 REAIS de tarifas de manutenção RETROATIVAS de 3 meses sobre seus míseros salários mínimos.

  2. É impressionante estas pesquisas eleitorais, não recentemente a presidente Dilma Rousseff iria para o segundo turno, agora com uma nova pesquisa recuperou rapidamente e venceria no 1º turno, como será feita esta pesquisa, nunca fui pesquisado.
    Dizer que no Brasil há democracia é falácia, vejam as reportagens nos telejornais, o exército usará força contra as manifestações no Rio, o congresso não enviará nenhum representante ao desfile de Brasília, onde está a “DEMOCRACIA”, é medo do povo e de perceberem tais pesquisas?

  3. Se Torquato Neto desfolhou a bandeira da Geléia Geral, Caetano provoca o ocaso imperativo com uma “Meleca Geral”. Esconder o rosto já em uma violência implícita nas ideias de quem quer falar alguma coisa.

  4. A fiscal que fiscalizava
    Ela encontrou irregularidades na Fundação Banco do Brasil – e, por causa
    disso, sua vida se transformou num inferno

    MURILO RAMOS, COLABORARAM FLÁVIA TAVARES E MARCELO ROCHA
    06/09/2013 22h06 – Atualizado em 06/09/2013 22h07

    REVISTA ÉPOCA

    A administradora de empresas Maria Suely Fernandes, funcionária de carreira do Banco do Brasil, sempre quis trabalhar com projetos sociais. Há três anos, graças à indicação do PT, teve sua chance. Aos 29 anos, conseguiu uma vaga na Fundação Banco do Brasil, braço filantrópico da empresa, dominado pelo PT há dez anos. Com um orçamento anual de R$ 200 milhões, ele se dedica a financiar projetos sociais. Suely era filiada ao PT de Minas Gerais desde a adolescência e fora indicada ao cargo pelo sindicalista Jacques Pena, ex-presidente da fundação e quadro influente do partido em Brasília – ele foi um dos coordenadores da campanha presidencial de Dilma na capital da República, em 2010. Quando assumiu o posto, Suely recebeu uma missão delicada: fiscalizar – ou não – a correta aplicação do dinheiro investido pela fundação em projetos sociais, a maioria deles ligados ao PT. Suely e o sindicalista Pena logo descobririam ter cometido os maiores erros de suas vidas……………………. ………………………………………………………..O favorecimento a prefeituras administradas pelo PT fica evidente na investigação. Caratinga, terra natal de Pena, a 320 quilômetros de Belo Horizonte, é um exemplo. A cidade, até o ano passado, era administrada pelo PT. Celebrou muitos convênios com a fundação. Um deles, no valor de R$ 2 milhões, foi firmado para criar um Centro de Excelência do Café. Torraram o dinheiro da fundação à toa. ÉPOCA visitou o local na semana passada. O galpão do centro foi entregue há apenas dois anos, sem paredes e sem, sequer, equipamentos para tratar o chorume produzido com a despolpa do café. Nos galpões onde funciona o tal centro de excelência, sobram equipamentos enferrujados, poeira e aranhas mortas. Nas escutas da polícia, os assessores da fundação demonstram preocupação com a possibilidade de alguma autoridade investigar o dinheiro investido em Caratinga.

    A investigação revela que o atual presidente da fundação, Jorge Streit – petista e candidato ao governo de Roraima em 1994 –, também distribuiu dinheiro às ONGs de seus amigos. Indicado por Jacques Pena para o cargo, Streit, de acordo com as investigações, conversava com ele com frequência. Num dos diálogos interceptados entre os dois, no dia 18 de março, Streit e Pena falam abertamente sobre um projeto em que “houve desvios de recursos para tapar buracos”. Não fica claro a qual dos convênios os dois se referem. Jacques Pena ainda pede informações a Streit com o objetivo de ajudar um amigo interessado em celebrar convênios com a fundação. Streit, então, o instrui a procurar, na fundação, o funcionário capaz de atender à demanda do amigo. Mais à frente, Streit faz uma pergunta a Jacques Pena sobre “aquele outro assunto”. Pena responde, segundo a polícia, “que não pode tratar pelo telefone”. Esse diálogo reforçou a convicção do juiz de que era necessário apreender os computadores dos suspeitos para avançar nas investigações.

    O domínio do PT na fundação estendia-se até aos contratos. Um deles, no valor de R$ 4 milhões, foi fechado com a Vibe Marketing e Publicidade. Uma auditoria da Controladoria-Geral da União descobriu que a fundação contratou essa empresa numa licitação suspeita, em que todas as concorrentes foram desclassificadas. A Vibe não ofereceu as garantias necessárias de que cumpriria o contrato. Mesmo diante dessas irregularidades, a fundação renovou o contrato com ela por duas vezes – e até elevou o valor. A Vibe pertence ao publicitário André Fratti, que se engajou na campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010. Procurado por ÉPOCA, Fratti afirmou que a situação da Vibe com a fundação já foi acertada e que não trabalhou oficialmente na campanha de Dilma. “Só apoiei a candidata. Só isso”, afirmou.
    A Casa das Redes
    Quanto mais os investigadores cavavam na fundação, mais encontravam. Numa das escutas, funcionários disseram que o presidente da cooperativa de catadores de lixo de Uberaba, a Cooperu, se apropriara de dois caminhões doados com dinheiro da fundação, para transportar material de uma empresa particular. Os funcionários da fundação ainda apelidaram a cooperativa de Coopergato, numa alusão à quantidade fantasiosa de catadores de lixo associados à cooperativa. Descobriu-se que a fundação investe em qualquer coo­perativa. Uma delas, espécie de cooperativa do novo milênio, chamada Casa das Redes, recebeu R$ 370 mil. A associação é comandada pelo jornalista Pablo Capilé, guru do Movimento Fora do Eixo e da Mídia Ninja. O dinheiro serviria para criar uma “estação digital” em Brasília. E o que faria essa estação? Difícil saber. O argumento de Capilé para convencer a fundação a lhe entregar dinheiro é irresistível: chaleirar o governo petista. “Na gestão Lula, o acesso aos recursos e bens de produção, principalmente sustentados pelas novas tecnologias, somados ao empoderamento da sociedade civil, como partícipe da construção de políticas públicas para o setor foram medidas importantes que contribuíram para a articulação, fortalecimento e ampliação de alternativas econômicas à classe cultural em todo o país”, escreveu Capilé.

    Com o dinheiro na mão, Capilé e seus amigos Fora do Eixo alugaram uma casa bacana em Brasília. Mobiliaram e equiparam a casa com tudo o que têm direito: bons móveis, TVs de LCD, computadores MacBook, mas não quaisquer MacBooks: MacBooks Air, aqueles fininhos, mais modernos e charmosos. A fundação banca o aluguel, contas de água, luz e telefone de nove ativistas e um bebê de 9 meses, Benjamin, filho de um deles. (Não se sabe se a fundação paga as fraldas.) Por dentro, a tal casa criativa parece mais uma start up de tecnologia que uma comunidade de “agitadores culturais”, como eles se definem. Como a luta de Capilé e de seus amigos Fora do Eixo nunca foi pelos 20 centavos, há também um carro para servir a casa. Até recentemente, de acordo com uma apuração da própria fundação, o carro circulava pelas ruas de São Carlos, no interior paulista.

    Jacques Pena afirma que saiu da fundação há mais de três anos e que não comentaria assuntos da instituição. A gestora da Casa das Redes, Carolina Tokuyo, diz que atendeu a todas as exigências da fundação. O prefeito de Canoas, Jairo Jorge, diz que ser cunhado de Jacques Pena só atrasou a aprovação de um convênio solicitado pela prefeitura. O presidente da Cooperu, José Eustáquio de Oliveira, afirma não ter se apropriado dos caminhões doados com recursos da Fundação Banco do Brasil. A Fundação Banco do Brasil disse que colabora com as investigações e que “atua em conformidade às no Banco do Brasil afirma que não tem conhecimento das irregularidades praticadas na fundormas dos órgãos de administração, controle e fiscalização externos e internos”. A direção do Banco do Brasil afirma que não tem conhecimento das irregularidades praticadas na fundação.

  5. Prezado Hélio Fernandes,
    Tenho para mim que, Collor de Mello, foi o pior presidente da História do Brasil!
    A sua crueldade para com o povo brasileiro ao confiscar o seu dinheiro das poupanças e contas correntes deixando centavos para o dia seguinte não encontra medida sequer parecida desde o descobrimento do País.
    Arrogante, prepotente, vaidoso, conduzido ao poder pela Rede Globo, e se utilizando do célebre aposto como, caçador de marajás, imaginou que o trabalhador brasileiro fosse este paxá, e que deveria confiscar-lhe seus depósitos e poupança para que a maldita inflação fosse contida.
    Julgou e condenou inocentes, ao invés de atacar, combater e vencer os reais inimigos desta Pátria e causadores da inflação que corroía salários e poupanças, aumentando os preços diariamente.
    Do alto do seu orgulho, caras e bocas perante as televisões, frases contidas em suas camisetas quando ridiculamente saía para correr pelas ruas próximas à Casa da Dinda, seguido por um séquito de inconsequentes, Collor foi rasteiro, traidor, abjeto, um criminoso aos moldes dos nazistas quando esses confiscavam os bens dos judeus e os deixavam sem seus valores e como seguir adiante com suas vidas.
    Collor foi um presidente corrupto, desonesto, que manchou a nossa História de forma indelével porque agrediu e ofendeu o povo; desobedeceu a Constituição que jurara defender; confiscou valores de pessoas que precisavam fazer cirurgias, completar seus negócios, comprar o que precisavam, adquirir sua casa, viajar, ter um dinheiro guardado como segurança para imprevistos, enfim, o satânico Collor de Mello, admirador e praticante de cultos nada ortodoxos, altera a vida de milhões de pessoas, vira-a do avesso, conforme sua visão obtusa, tendenciosa, mafiosa, a respeito da inflação e da responsabilidade da população quanto à sua existência, enquanto protegia os bancos e seus apaniguados que, certamente, retiraram seus valores dessas instituições às vésperas desta decisão desgraçada, deste crime lesa-pátria e monstruoso contra o Brasil e seu povo!
    Collor deveria estar preso até hoje!
    Mas estamos no Brasil, um país de características especiais, sendo uma delas a mente fraca de sua população, lamentavelmente, que não guarda as lembranças ruins que deveriam servir como baliza para futuras eleições e afastar em definitivo quem tanto lhe prejudicou.
    Collor é senador, e continua representando um papel digno de um ator canastrão porque sem talento para função tão importante.
    Também possuímos um Judiciário que se omite diante de fatos graves, haja vista que seus ministros são nomeados pelos presidentes, havendo vínculos políticos, interesses a serem mantidos, agradecimentos posteriores.
    Collor deveria ter sido impedido deste ato bestial pelo Supremo Tribunal Federal, que se acocou diante desta decisão, que se humilhou perante este ato imoral de um presidente farsante, boneco, ladrão, que tomou o dinheiro do povo à força para devolvê-lo 18 meses após e em trinta e seis parcelas. Até lá, milhares de pessoas morreram sem ter de volta o que lhes havia sido confiscado pelo presidente escroque, aventureiro, e chancelado pelos ministros fantoches do Supremo e um povo castrado pelo regime militar, que ocasionava temores de uma reação maior frente a esta agressão de um presidente eleito, independente de ser um pústula, bandido, e traidor da Pátria!
    O próprio Congresso Nacional demonstrava que seus participantes eram cúmplices desta traição, deste gesto ignóbil, desta ato covarde, vil, como de resto tem sido a política brasileira desde Sarney.
    Agradeço esta lembrança no dia que comemoramos a nossa Independência… de quem e do quê?
    A verdade é que somos ainda um País colônia pela dependência tecnológica e científica, do capital estrangeiro e, desgraçadamente, de presidentes brasileiros que cospem na Constituição e nos tratam a pontapés, pois outra de nossa característica como povo é que somos masoquistas, e gostamos de ser mal tratados e desconsiderados!

    • Prezado Francisco Bendl,

      Concordo que o Collor é mesmo um fracasso, mas o que dizer, por exemplo, do governo Sarney ? O motivo do impeachment de Collor de Mello foi um só: Ele se recusou a dividir o butim. Quis comer o banquete sozinho.

  6. Me aproximo dos 80 anos, lúcido e politicamente ativo. Não compreendo, de modo algum, que precise usar máscara para expressar minha opinião. A Caetana tresloucada está completamente equivocada. Anarquia nunca foi democracia e vandalismo nunca foi protesto. O que este país precisa é de mais políticos como Itamar, Juscelino, Brizola, Darcy Ribeiro e similares. Não é com cadeias que vamos consertar o caos presente. É com ESCOLAS e PROFESSORES altamente qualificados e patriotas. Em tempo integral. Tudo gratuito.

  7. A incompetência e a corrupção praticada por esse governinho petista e causa as manifestações e protestos do povo já cansados do bla, bla dessa falsa guerrilheira que nada mais é de que um boneco de animação para o artista de palco Lula.
    Suas manifestações e declaração são burlescas e até cômica. Agora mesma ela quer elaborar regras para a espionagem mundial. Como é burra essa senhora que colocaram para dirigir a nossa Nação. Qual o Pais que ira praticar espionagem dentro de regras? A espionagem e praticada sigilosamente por isso não pode seguir regras nem condições. Será que quando ela assaltava e seqüestrava ela antes consultava e falava a suas vitimas como seria praticado seu ato vil.
    Tenho vergonha de termos essa idiota na Presidência do Brasil onde ela insiste em se intitular “Presidenta” ofendendo até mesmo o Aurélio e regras gramaticais.
    Quanto as manifestações populares minha rica “ingnorante” são livres e praticadas pelo povo em protesto a seu governinho pobre de projetos e ricos em atos corruptos.
    Na historia da Republica e na Democracia Brasileira nuca um Sete de Setembro foi tão humilhado e retalhado por qualquer cidadão que tenha exercido a Presidência do Pais. Nem mesmo os Ditadores como Getulio e os governos Militares reduziram o numero de militares com medo de manifestações, pois jamais se acovardaram por aquilo que praticavam mesmo de mal para o povo.
    Seu medo Senhora “Presidenta” bem demonstra a culpa que a senhora trás dentro de sua mente de ex guerrilheira e assaltante acompanhada por políticos covardes e sorrateiros.
    As Manifestações Populares são o verdadeiro grito de INDEPENDENCIA OU MORTE que hoje a praticado por um partido comunista e extremista disfarçados na sigla PT.
    FORA COM OS CORRUPTOS E CADEIA PARA OS LADRÕES!!!!!!

  8. Sr. Bedl, permita assinar embaixo, Sr. Antonio, Confúcio à milênios já dizia: Educação não é custo, é investimento.
    O Estado do Rio e a Capital, está sob greve dos Professores por salários e melhoria da pedagogia, mas não interessa aos governantes corruptos, que o Cidadão(ã) se aculture, o analfabeto e o analfabeto funcional, são as “rezes do curral eleitoral”, para reelege-los, dando “pão e circo” com o “me engana que eu gosto” e mulher de malandro, quanto mais porrada me der, melhor.
    Os alunos são prejudicados pela greve, SÃO, mas, o maior prejuízo é a “escola que não ensina”.
    Infelizmente a Srª Justiça, está multando o “Direito do Professor de ser PROFESSOR”, em vez de obrigar o “GOVERNO a DAR UMA ESCOLA QUE ENSINE”, ai, coloco o P de Professor junto com os 3Ps-preto, pobre e puta.
    QUE PAÍS É ESSE!?!?.

  9. Hélio Fernandes: o nome de família de Quintino Bocaiuva era Quintino Ferreira de Souza. Por que mudou? A explicação que me chegou não me convenceu. É que ele era nacionalista e ficava mais fácil, com o novo nome,lutar pelo advento da república. Deve ter retificado o nome de batismo, pois os sucessores relegaram o Ferreira de Souza! O amigo Hélio, que sabe muito, inclusive sobre fatos históricos, tem outra explicação para a mudança do que chamamos sobrenome do grande jornalista republicano e ministro no governo provisório de Deodoro?

  10. Hélio,quanta sabedoria em seus comentários,lendo-os a gente percebe claramente porque
    impediram a tribuna de circular:temem a verdade, agem nas sombras.Que a luz esteja sempre presente na sua caminhada.

  11. Por que o rosto coberto? Por que não cara a cara? Covardia, sacanagem, isso sim. Vão para manifestações e não sabem porque estão indo! Como sinto falta de um Carlos Lacerda para colocar todos em seus respectivos lugares, democraticamente.

  12. Concordo plenamente com o que expressou Antonio Correa Dias: para que máscara para expressar uma opinião? Verdade, que o Brasil precisa de politicos como Itamar, Juscelino, BRIZOLA, Darcy Ribeiro e sobretudo CARLOS LACERDA.

  13. a-h-a-h-a-h-a-h-a-h!!

    I-N-T-E-L-E-C-T-U-A-I-S!
    Os nossos no momento não produzem
    conhecimento que podem beneficiar
    as massas, livrá-las da pobreza,
    miséria…
    Por isso correm atrás de qualquer
    lista para outorga-lhe significado
    que não produzem qualquer resultado
    nas vida das pessoas.
    INTELECTUAIS=ALIENADOS=EGOFILISTAS(auto)

  14. Anjos e demônios. Ou ficar a pátria livre, ou…

    (Só é possível influenciar o futuro compreendendo o presente)
    .
    Não se irá analisar a expressão do Caetano que reconheço livre e intocável. Embora não comungue com a conduta dele no affaire “black bloc”. Uma provável abordagem da decrepitude de Caetano em face a idade mental dele (71) que vier a sugerir (como já li) relação com a física, também não tem probabilidade de ser acolhida. Um idoso pode estar doente, mas um idoso não é um doente. A idade cronológica aprimora o homem em seus vícios e virtudes; o Direito e a moral, quando muito e não necessariamente, o domam. O desejo, a razão e o reconhecimento é que comandam a vida humana.
    .
    Ainda não econtrei na internet alguém mais defensor da integral Liberdade de Expressão do que esta barata. Exceto quando esta expressão se torna física. Limite intransponível, que, entretanto, reconheço organizada, legal e legitimada nas mãos do Estado com a força,violência que dá sustentação ao Direito.

    Por outras palavras, vejamos o que diz Max Weber:
    “O Estado não se deixa definir, sociologicamente, a não ser pelo específico meio que lhe é peculiar, da forma como é,a todo outro agrupamento político, a saber,o uso da coação física”. E agora na lição de Rudolf von Jhering:

    “o Estado é a única fonte do direito, porque as normas que não podem ser impostas por quem as estabelece não são regras de direito. Não há portanto direito de associação fora da autoridade do Estado, mas somente um direito de associação derivado do Estado”


    O que se resolveu jornalisticamente chamar de “Manifestação” (qualquer, pacífica ou não) é em seus últimos termos uma ação, uma demonstração desordenada das massas de insatisfação contra o status quo político. Portanto, contra a lei e a ordem vigentes. Não há outra via. Somente o voto é instrumento de mudança com o Estado de Direito que se tem. Desse modo, toda manifestação é contra o Estado de Direito; é uma autêntica revolução. Com essa visão é uma contradição o Estado apoiar e estimular manifestações: ou o Estado se muda por vontade própria no sentido do que supõe ser o clamor popular; ou, parte para o confronto, por dever constitucional, com as manifestações com o instrumento que dispõe, ou seja: a força, a violência.

    O direito de revolução é imanente no homem no inseparável sentimento da raiva.
    Copiar e trazer pensamentos sempre é preferível e bem mais honesto que pintá-los com uma nova cor. Uma casa não se faz outra com uma reformsa ou pintura. H. Arendt sobre o sentimento da raiva é conclusiva:

    “Que a violência frequentemente advenha da raiva é um lugar comum, e a raiva pode realmente ser irracional ou patológica, mas isso também vale para qualquer outro sentimento humano…A raiva não é, de modo algum, uma reação automática à miséria e ao sofrimento; ninguém reage com raiva a uma doença incurável ou a um terremoto, ou, no que concerne ao assunto, a condições sociais que parecem imutáveis. A raiva aparece apenas quando há razão para supor que as condições poderiam ser mudadas mas não são…Recorrer à violência em face de eventos ou condições ultrajantes é sempre extremamente tentador em função de sua inerente imediação e prontidão…Nesse sentido, a raiva e a violência que às vezes – mas não sempre – a acompanha pertencem às emoções “naturais” do humano e extirpá-las não seria mais do que desumanizar ou castrar o homem”
    .

    Estado de Direito significa igualdade de todos na lei. E as leis e a ordem somente são violadas pela e com a violência. Violência não se combate com flores, com palavras. Salvo se com o pensamento cristão do virar a outra face o que a política exclui.

    Max Weber e H. Arendt, respectivamente, vêem a violência como inerente ao homem:
    “Desde sempre, os agrupamentos políticos os mais diversos, – começando pela família – recorreram a violência física, tendo-a como instrumento normal de
    poder ”; “violência é a única forma de assegurar que a moderação seja ouvida ”

    Claro que se tem o direito de discordar. O que não faz da opinião divaricante privilégio da verdade.
    Polícia “sem violência” é um contrassenso em seus próprios termos. Somente o politicamente correto faz prosperar esta via.

    Todo Estado tem por natureza a posse da violência organizada, legal e considerada legítima. Não sendo assim, de logo poder-se-ia extinguir todo o aparato policial, ou seja, as Forças Armadas e auxiliares. O que se nota é o contrário. Proliferação da força com as tais guardas municipais que mais ainda desorganizam o uso da força e enfraquecem o poder do Estado.
    .
    Não vai além de manifesta ingenuidade ainda aceitar a ultrapassada ideia do homem como um anjo sobre a face da terra. Portanto, sem o demônio que compõe a ética que balança o homem entre o bem e o mal no campo metafísico. Já no campo físico, material, é fato, não é conjectura:o lado anjo do homem pode ser combatido com palavras, com o Direito; já o lado demônio que há em todos nós, somente a violência pode obter sucesso.
    .
    Ou o Estado muda voluntariamente, ou há em curso uma saída da inércia coletiva, uma revolução.

  15. Caetano Veloso se apropria de tudo como se dele fosse. Tropicália, Torquato Neto, Fernando Pessoa, Nietzsche e outros.
    Caetano Veloso só não se apropria de si mesmo, por vergonha.
    Quer parir Capilés como se fosse Mãe Menininha dos Gatois.
    Caetano Veloso quer justificar a boçalidade de si, assumindo a maternidade de Capilé, dos Black Block, dos Coletivos, dos FDP, dos Mutretas, dos Canalhas.
    Caetano Veloso como tantos ônibus fora do horário é apenas um Coletivo Fracassado.
    Para Caetano aprender a fazer letra e musica, envio Pere Ubu nas veias.
    http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=EVSwB0ehujc

  16. Que tal dar valor a quem produz e é responsável pela nossa alimentação mais barata?

    Essa gente é responsável por mais de 40% do PIB brasileiro.

    Há pouco o congresso dominado pelo PT votou a favor da lei dos portos que a Senadora Katia Abreu já havia proposto há mais de 10 anos, que o PT foi contra. Foram 10 anos de prejuízo até cairem na real.

    KÁTIA ABREU

    Causa inconfessável
    Os financiadores das organizações que defendem os índios são de países que cobiçam nossas riquezas

    É improvável que, na agenda social brasileira, haja causa mais santificada que a indígena. São mais de 100 mil ONGs, a maioria estrangeira, associadas a dois organismos ligados à Igreja Católica: o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) e a CPT (Comissão Pastoral da Terra).

    Sua ação e objetivos não têm nada a ver com religião. Exercem notória militância política, de cunho ideológico, sob a inspiração da Teologia da Libertação, de fundo marxista.

    Agem associados à Funai (Fundação Nacional do Índio), por sua vez aparelhada por antropólogos que compartilham a mesma ideologia.

    Há um forte paradoxo nesse cenário: com tantos e tão poderosos defensores, os índios deveriam ser os cidadãos mais bem cuidados do país. E, infelizmente, não são.

    O que se vê, no noticiário propagado pelas próprias ONGs, são índios com problemas de nutrição, alcoolismo, gravidez na adolescência, sem escola ou em isolamento. Questões que são verdadeiras, mas que não dependem de terra, e sim de assistência social.

    Além das ONGs e de instituições como o Cimi e a CPT, há dois órgãos estatais voltados para a defesa dos índios: a já citada Funai e a Funasa, incumbida da saúde e da ação sanitária nas tribos. Nenhum cidadão dispõe de tal aparato –que, no entanto, não funciona. E é de estranhar por que Cimi, CPT e ONGs são regiamente financiados por organizações internacionais.

    Como esses financiamentos se destinam a melhorar a vida dos índios –e esta não melhora–, é espantoso que os financiadores não promovam auditorias para averiguar o que ocorre. A menos, claro, que as benfeitorias se meçam pelo número de hectares invadidos, pondo em risco uma das agriculturas mais competitivas do mundo, sustentáculo há décadas da economia brasileira.

    Se assim for, como parece ser, o serviço está magnificamente prestado. Só nos sete primeiros meses deste ano, houve 105 invasões de propriedades produtivas, devidamente tituladas, algumas há mais de um século. Há 190 conflitos instalados, e, somente em Mato Grosso do Sul e na Bahia, há 147 propriedades já ocupadas pelos índios. Funai e Advocacia-Geral da União, segundo os jornais, recusam-se a obedecer a decisões judiciais de reintegração de posse.

    Os benfeitores dos índios, regiamente financiados, elegeram há anos o bode expiatório ideal para as mazelas daqueles brasileiros: os produtores rurais, a maioria de pequeno porte. Seriam as terras destinadas à agricultura a causa do sofrimento dos índios? Quem quiser que tire suas conclusões: os índios brasileiros dispõem de extensão de terra de dar inveja a muitos países.

    As áreas indígenas, com pouco mais de 500 mil habitantes, ocupam 109,6 milhões de hectares (13% do país). Nos EUA, esse índice é de 5,72%; na Austrália, é de 4,72%; no Canadá, de 0,26%. O problema, portanto, não é de terras: é de gestão –e de má-fé.

    Nos últimos 18 anos, a média de demarcação de terras para os índios –grande parte produtiva e, na maioria, de pequenos produtores– foi de 3,2 milhões de hectares/ano. Mantido esse ritmo, a área de produção agrícola estaria fortemente comprometida em alguns anos.

    Para reagir ao avanço dessas invasões, apresentei ao Senado projeto de lei que suspende proces- sos demarcatórios de terras indígenas sobre propriedades invadidas pelos dois anos seguintes à sua desocupação.

    O que se esconde por trás de tudo isso é algo simples: guerra comercial. Os financiadores são de países que competem com a agricultura brasileira e que cobiçam nossas riquezas minerais e vegetais. São os mesmos que, reiteradamente, defendem que essa parte do território nacional deve ser cedida, e os brasileiros índios, transformados em nações independentes na ONU.

    Consideram, assim, mais fácil se apossar de nossas riquezas, dando às lideranças indígenas não os espelhinhos com que os conquistadores portugueses os encantavam, mas jatinhos, laptops e automóveis, fazendo da miséria dos demais estandarte de um lobby ultrajante, que denigre a imagem externa do Brasil.

    É do mais alto interesse nacional –sobretudo do interesse dos próprios índios– saber quanto, de onde vêm e como são gastos os milhões de dólares que sustentam a ação deletéria dessas organizações, que fazem dos índios escudos humanos de uma causa inconfessável.

    KÁTIA ABREU, 51, senadora (PSD/TO) e presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), Folha de São Paulo

  17. Coisa de utilidade pública não interessa ao editor, que observa bem quem dá, para ir para a capa. Por isso o artigo acima não vai prá capa.
    Agora assumiu a de censor.

  18. Pelo amor de Deus, e pela última vez, a agricultura responde por apenas 7% do PIB. A indústria 25% e o setor de serviços 68%.

    Mestre Helio. O crescimento médio da economia brasileira nos dois primeiros anos da Dilma foi de 1,8%. Acredito que terminará seu mandato com o crescimento médio em torno de 2%. Exatamente como o Sr. prevê.

    É “pibinho” atrás de “pibinho”.

  19. Prezada Dorothy,
    Sarney foi uma excrescência política, conforme as circunstâncias que o conduziram à presidência deste País.
    Não implementou qualquer ato que viesse a ser conhecido como seu, de sua autoria, de sua iniciativa. Governou mediante planos econômicos que deram errado, além de não contar com o apoio da população, que queria no poder alguém identificado como oposição ao regime militar recém desfeito.
    Sarney identificava-se com a extinta ARENA, partido de sustentação da ditadura, de extrema-direita, contrário ao voto popular, cujo movimento, Diretas Já, não logrou êxito por conta de o Congresso tinha a maioria da ARENA e rejeitou a Emenda Constitucional Dante de Oliveira, salientando eu que, a idéia original, partiu do senador Teotônio Vilela (Hélio pode me corrigir, se eu estiver equivocado).
    O final do governo Sarney foi patético, deixando como herança ao estúpido Collor a mais alta inflação já registrada em nossa História.
    Collor poderia ter se eternizado como espetacular, caso fosse competente, e não um simulacro de presidente de uma nação, confirmando com seu confisco a sua incapacidade, maldade, e um homem confuso entre a sua vaidade e o poder. Ambos, potencializados sobremaneira pelo enganador, só poderiam resultar na sua queda, pois lhe faltavam estrutura ética e moral, honra e decência.

  20. Prezado Wagner Pires,
    O destino mostra-se muitas vezes irônico com aqueles que tentam virar suas costas ao passado e teimam que o futuro está sempre longínquo!
    O maior alvo do PT para críticas e destemperos desde que ascendeu ao poder com Lula e agora a presidente Dilma foi FHC.
    O PSDB entregou a presidência a Lula sem o peso da inflação, controlada finalmente pelo Plano Real, que possibilitou aos governos petistas navegarem em águas calmas até pouco tempo atrás.
    Por acaso, será este o legado que o PT deixará ao seu sucessor ou terá de administrá-lo na sua tendência de alta e sem controle, na hipótese de seguir à testa do Brasil nas próximas eleições?

  21. Não Mauro. Não errei! Os dados oficiais estão expostos para todos verem no site do IBGE. É só você ir lá e conferir, se não acredita em mim. Apesar de eu já ter passado estes dados aqui na TI e o Carlos Newton ter postado como artigo.

    São dados oficiais, de fonte primária que é o IBGE. Descarte qualquer outra fonte!

    Posto novamente aqui por consideração a você. Veja como está distribuída a formação do Produto Interno Bruto no Brasil que é a soma de toda a geração de riqueza em nosso país:

    O PIB conforme os Valores Adicionados (VA) das atividades, em valores correntes (R$milhões) no segundo semestre/2013:

    I – Agropecuária: R$134.077
    II – Indústria:R$491.061
    III – Serviços:R$1.340.300
    IV – Valor Adicionado (I+II+III): R$1.965.438
    V – Impostos sobre produtos:R$346.877
    VI – PIB (IV+V): R$2.312.316

    Agora, Mauro, peque o valor adicionado da agropecuária à economia R$134,07 bilhões que você está vendo ai em cima e divida pelo valor adicionado total dos setores (agricultura, indústria e serviços) R$1,965 trilhões, também ai em cima, e você achará o percentual de participação da agricultura na economia, que é de 7% (aproximado).

    Vá lá, pegue uma calculadora e faças as contas! É rápido!

    Eu já as fiz, e sob a ótica da geração de riquezas está assim distribuída a nossa economia: Agropecuária (7%), Indústria (25%) e Serviços (68%). Ou seja, quanto cada um destes setores adiciona riquezas em nossa economia.

    Nos Estados Unidos os serviços correspondem a 85% da geração de riqueza na economia.

  22. Obrigado Wagner Pires pelas informações, mas num coisa você há de concordar que é o agronegócio é que alimenta o mundo e os preços dos alimentos caíram muito com seu advento.
    O Brasil ainda pode crescer muito neste setor, até trilplicar a produção que é o que aqui se sabe fazer de melhor, caso o governo dê terras a quem não as tem em vez de incentivar a invasões, dando dinheiro ao MST e apoio às ongs como denunciou Katia Abreu.

  23. Está certo Mauro. Setor importantíssimo é o agronegócio para o Brasil. Estratégico. Cresceremos muito nesta área. É record atrás de record. É realmente uma área econômica belíssima. O Brasil se orgulha deste nosso setor econômico e se orgulhará, ainda, muito mais.

  24. Bendl.

    O Lula é o cara mais sortudo do Brasil. Pegou uma economia estabilizada proporcionada pela administração do FHC, e percebeu que poderia induzir o crescimento da economia pelo lado da demanda (consumo). Que havia um represamento do consumo em nosso país, pois na administração de FHC os salários estavam em um patamar muito baixo e praticamente não houve reajuste das remunerações do setor público. Esse represamento salarial foi mantido por FHC para conter a inflação.

    Nenhum governo, até agora, administrou decisivamente o desenvolvimento do país – construção de ferrovias, diminuição da carga tributária, diminuição dos encargos trabalhistas, diminuição da burocracia e reforma tributária para o enxugamento do custo-Brasil.

    Então, o Lula passou a dar reajustes mais robustos ao salário mínimo (acima da inflação), assim como reajustar os salários do funcionalismo público, também, acima da inflação, ao mesmo tempo em que ampliou o setor de crédito fazendo baixar os juros e facilitando a tomada de empréstimo. Esta política foi continuada por Dilma.

    Junto com a distribuição do bolsa família às pessoas mais carentes, o Lula ampliou muito o mercado consumidor, o que fez a economia tomar impulso e chegar em 2010 com um PIB de 7,5%!

    Ocorre que todas essas ações para aumentar o consumo se esgotaram, acabaram por colidir com várias barreiras de ordem estrutural, como por exemplo, a falta de expansão do setor industrial para fazer frente à crescente demanda.

    Então, houve um aumento da pressão inflacionária que agora tende a oscilar em patamares acima dos 5%. É muito alta. E, junto com a diminuição da atividade econômica, fará com que os reajustes reais que ocorreram ou que ocorram, sejam corroídos rapidamente pela inflação, minando a população.

    O que quero dizer é que as medidas tomadas pelo governo petista nunca foram medidas de crescimento sustentável como podemos comprovar. E é por isso, pela continuidade da forma de administrar o país que o sr. Helio tem razão em afirmar que teremos os sucessivos “pibinhos”.

    O governo do PT tem enganado bem a população. Mas, veremos daqui por diante um quadro quase de estagnação, onde não há mais margem para as medidas que foram tomadas por Lula.

    O mercado se esgotou e a Dilma terá de mostrar competência para conduzir as reformas necessárias ao crescimento sustentável do Brasil. Caminho mais difícil, mais trabalhoso, mais demorado e menos populista.

    • Olha só que engano, Sr. Darcy. Eu não defendi o corrupto e ordinário FHC, mas apenas manifestei que Lula foi muito sortudo de pegar uma economia estabilizada, (apesar da alta pressão inflacionária) – nossos índices inflacionários eram descomunais, antes do real – e ter “tocado lenha na fogueira” expandindo o consumo sem o contraponto da expansão da produção industrial necessária. Medida imediatista e populista. Só não foi pior, e os índices inflacionários não subiram mais por conta do real valorizado frente ao dólar, o que possibilitou cobrir grande parte da demanda com produtos importados. Por isso o dólar foi mantido com baixa cotação (cotação irreal) todo este tempo. Estamos acumulando quase vinte anos de sobrevalorização do real. Por isso é que afirmamos que o Lula continuou, de certa maneira, na mesma linha de FHC. Maneiras de administrar muito parecidas, e sustentando toda esta celeuma econômica a custa do endividamento público, diminuindo a competitividade da indústria brasileira.

      E se o banco central não segurar o dólar? O que acontece com a inflação?

      Temos que incentivar a indústria nacional, temos que fomentar a competitividade, temos de investir em infraestrutura.

      E se o Lula não tivesse tido o plano real como arcabouço?

      E se o Lula não fosse agraciado pelo grande volume de reservas cambiais que as exportações brasileiras nos deram em seu período. Nada a ver com a competência administrativa de Lula, mas à rápida expansão da economia mundial, principalmente em relação às importações chinesa e americana.

      O Lula é um homem de muita sorte!

      • No mais, Sr. Darcy, o seu raciocínio está perfeito. Entramos numa verdadeira armadilha da estagnação do consumo e declínio da produção – a produção industrial caiu 2% e a indústria está entulhada de estoques(R$26,7 bilhões). Sem perspectivas de investimento.

        O que poderá tirar o governo desta armadilha a curto prazo é a política de concessões. Mas, a longo prazo só investimentos pesados em infraestrutura e promoção das reformas necessárias. O PT está contando com a sorte do Lula!

      • Está certo novamente Sr. Darcy. Mas, a insistente sobrevalorização do real foi mantida intencionalmente pelos governos brasileiros. Independentemente da enxurrada de dólares em alguns períodos como no atual. Com o propósito de diminuir a pressão inflacionária por conta da demanda interna e a deficitária produção nacional. Não fossem as nossas reservas acumuladas, teríamos que recorrer novamente ao FMI para tomar dólares emprestados.

        O Banco Central tem US$372,5 bilhões em reserva cambial e está atuando corretamente.
        Freando a desvalorização de modo que o mercado se acomode às novas cotações.

        Gostaria muito que o mercado se acomodasse ao dólar a R$2,70 ou R$2,90 que é o patamar real de cotação. Mas, para isso, temos que aumentar a competitividade da nossa indústria e criar condições para uma economia com crescimento sustentável. E isto não será alcançado com medidas populistas.

  25. Senhor Antônio Correa! Tenho 36 anos, mas sou Brizola desde criança, primeiro por que meu pai o admirava e depois quando militei pelo partido no final de 90 e depois quando conheci meu marido, antigo fundador. Concordo com o senhor plenamente e como disse Brizola: o melhor forma de combater a violência e com EDUCAÇÃO.

  26. Senhor Hélio Fernandes, posso estar enganada, mas já ouvi relatos de “vandalismo gratuíto”. Esta é uma das “bandeiras” do black block. Eu vi o vídeo deles, atuando acho que nos EUA e eles quebram vidros de instituições financeiras mesmo sem a polícia provocar ou dispersar com gás lacrimogêneo. Por que devemos crer que seria o contrário aqui no RJ?

  27. Prezado Wagner Pires,
    As consequências desse modelo de incentivar o consumo interno e deixar de lado os investimentos em áreas essenciais à população e País, refletem-se agora na baixa qualidade de uma imensa mão de obra, endividamento do cidadão, estagnação da economia porque não há mais como aumentar o consumo com os salários sendo diplapidados pela inflação, e as nossas deficiências costumeiras que sequer foram enfrentadas:
    Saúde, Educação, Segurança, Infraestrutura, Saneamento Básico…
    O governo do PT foi um grande engodo, pois de forma falsa e através de dados alterados, trouxe para um mercado fictício milhões de novos consumidores que, ansiosos por uma TV nova, carro popular, geladeira, fogão e aquisição de moradia, vê-se em palpos de aranha para dar conta do orçamento doméstico, enquanto as salas de aula continuam aos pedaços, gente morrendo em filas de hospitais e postos de saúde à espera de consultas, estradas que contribuem à matança a cada fim de semana, produção que não pode ser devidamente escoada pela falta de roteiros adequados aos pesos dos caminhões, cidades inteiras que desconhecem água tratada e esgotos, e um País continental onde trem é palavrão, uma costa marítima desaproveitada e rios igualmente abandonados que poderiam auxiliar no transporte em larga escala dos grãos produzidos.
    Afora este aspecto econômico e social, a política brasileira jamais havia sido praticada sem resquícios, ao menos, de ética e moral. Não é mais. O Congresso se transformou em um covil de lobos, antro de desonestidade, lugar de traidores e perdulários desta grande nação!
    Grato, Wagner, pelas tuas excelentes explicações e capacidade invulgar de colocares o dedo na ferida, mostrando o cerne dos problemas da gestão petista, cujo futuro se apresenta sombrio e enigmático.
    Um abraço.

  28. O PT é uma grande falácia ideológica (esquerda: hahaha)! Palavras do fundador do PT (fora desde 2003): “Lula é mais privatista que FHC. As grandes tendências vão se armando e ele usa o poder do Estado para confirmá-las, não para negá-las. Então, nessa história futura, Lula será o grande confirmador do sistema.

    Ele não é nada opositor ou estatizante. Isso é uma ilusão de ótica. Ao contrário, ele é privatista numa escala que o Brasil nunca conheceu.” Francisco de Oliveira, sociólogo.

  29. O professor Reinaldo Gonçalves é um economista de escol. Mas seus estudos/pesquizas têm o PECADO MORTAL DE COLOCAR NO MESMO SACO o marechal Floriano Peixoto junto a Collor de Melo. Floriano Peixoto, tinha 16 anos quando sentou praça em 1857 ingressando na Escola Militar. Primeiro tenente em 1963 era em 1864 adido no 2° Batalhão de Infantaria de Bagé quando eclodiu a Guerra do Paraguai. Como simples tenente foi encarregado de deter a coluna paraguaia comandada po Estigarríbia. Dispondo de poucos soldados portou-se com bravura, inflingindo baixas ao exército paraguaio.Logo a seguir foi promovido a capitão. Como colocar Floriano junto a Collor? Reinaldo a quem ouvi por quase 10 anos em comentários econômicos que fazia na rádio bandeirante, pisou na bola.

  30. MÔnica , vc é a favor de empresa estatal num país em que não há a mínima punição para essa gente que nos governa?
    Estado tem que cuidar é de educação de qualidade científica, punir criminosos com rigor, cobrar menos impostos, etc. essas coisas que são sua função.
    As privatizações de FHC foram ótimas para o povão, embora muita gente não goste do povão. Mas eu gosto e só a ele respeito. Fiquei satisfeito com todos tendo telefone e com os 100 mil empregos da Vale.
    Deveriam privatizar a Petrobrás também. Hoje estaríamos auto-suficiente em petróleo e o preço dos combustíveis mais baratos.
    A Petrobrás hoje é propriedade privada do PT, que deu 2 refinarias para aquele bandido da Bolívia, que as exigiu na porrada. depois comprou uma refinaria de 300 milhões na nos EUA, por mais de 1 bilhão, etc, etc, etc.
    Como disse Millor: “o petróleo é nosso, mas a conta é deles”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *