Milcias j atuam 12 estados e em Braslia, demonstrando afora do poder paralelo

Foto: Jorge William / Agência O Globo

Comunidade Sol Nascente, a 35 km de Braslia, j est dominada

Marco Grillo
O Globo

Em reas urbanas ou rurais, um modelo de negcios amparado em violncia, grilagem e taxas elevadas de lucro se expande pelo Brasil. Explorando a insegurana e a desordem fundiria, milicianos no s matam por dinheiro como tambm investem na ocupao de terrenos, pblicos ou privados, para expandir atividades agropecurias ou construir imveis em zonas com potencial de valorizao. O Globo identificou, em pelo menos 12 estados, aes das foras de segurana para desarticular a atuao dos grupos paramilitares.

As investigaes mostram que os diferentes ncleos criminosos atuam de forma semelhante: empresrios financiam a explorao de negcios irregulares, em especial a grilagem de terra, e se aliam a policiais, responsveis por ameaas, extorses e at homicdios. Na outra ponta, servidores de prefeituras e funcionrios de cartrios so cooptados para regularizarem ocupaes comandadas por milicianos, com o uso de documentos falsos.

PM ENVOLVIDA – No oeste do Amazonas, no municpio de Boca do Acre, pecuaristas contrataram policiais militares para desmatar terras preservadas e afugentar posseiros. Um dos PMs, conhecido na cidade como Morte, suspeito de ter atirado no olho de um agricultor que descumpriu a ordem de no se deslocar noite em direo ao territrio que estava sendo desmatado. Sempre armados, os milicianos circulam pela regio com rdios e outros equipamentos da Polcia Militar, mesmo fora de servio.

A investigao do Ministrio Pblico Federal na Operao Ojuara, que apura a atuao da milcia em Boca do Acre, mostrou que um novilho de 400 kg ou um depsito de R$ 360 pagam policiais ligados ao grupo.

A presena dos policias fardados, com armamento ostensivo, j serve para intimidar as pessoas. Policiais foram cooptados por esse esquema de invaso, ocupao e desmatamento de terras pblicas explica o procurador da Repblica Rafael Rocha.

AT EM BRASLIA Na capital, grileiros e policiais militares se uniram para lotear terrenos na comunidade Sol Nascente , em Ceilndia. A investigao constatou que, alm das ameaas, moradores chegaram a ser retirados fora de suas casas nas reas onde a milcia viu lotes com potencial econmico.

Quem no foi expulso passou a pagar taxa pela suposta valorizao da regio aps a chegada da milcia. No houve nem mesmo o interesse de forjar documentos para legalizar os terrenos.

O Ministrio Pblico do Distrito Federal e Territrios (MP-DFT) investiga ainda se os milicianos tambm atuavam na construo de imveis. Em nota, o rgo informou que os moradores que se recusavam a pagar essa “valorizao”, estipulada pela organizao criminosa, eram expulsos dos lotes, antes da revenda. Ao todo, dez pessoas foram denunciadas Justia, sendo sete policiais militares.

POTENCIAL TURSTICO – reas com potencial turstico tambm entraram no radar dos milicianos. No litoral do Piau, um esquema na regio do municpio de Lus Correia envolveu tambm servidores do cartrio local para formalizar as invases.

Uma das denncias feita pelo Ministrio Pblico do estado narra que um dos empreendimentos beira-mar em terras da Unio incorporou cerca de 2.800 m de rea pblica. Investigadores contam que servidores da prefeitura que se recusavam a conceder as licenas necessrias para as construes eram ameaados, assim como posseiros que ocupavam lotes que eram de interesse do grupo. Em uma gravao telefnica interceptada, dois rus conversam sobre a contratao de policiais para derrubar as cercas de uma rea que seria anexada.

Em junho, quando a operao foi deflagrada, o promotor Rmulo Cordo, ento coordenador da investigao, afirmou que ficou evidenciada a existncia de uma milcia, j que moradores foram expulsos com uso da fora policial.

OUTROS ESTADOS – Alm de Amazonas, Piau e do Distrito Federal, outros dez estados j registraram investigaes sobre milcias: Acre, Par, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Maranho, Alagoas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul.

No Rio de Janeiro, as milcias tm forte presena na explorao imobiliria, especialmente na Zona Oeste. H duas semanas, O Globo mostrou que a atuao criminosa se expandiu para o interior do Parque Estadual Costa do Sol, na Regio dos Lagos.

Os milicianos atuam principalmente em reas com a realidade fundiria confusa e com menos fiscalizao. um mercado lucrativo e h uma demanda social imensa. Os grupos vendem a imagem de que esto oferecendo uma soluo analisa o socilogo Jos Cludio Souza, que estuda o tema h duas dcadas.

###
NOTA DA REDAO DO BLOG
A milcia um poder paralelo que o Estado no enfrenta. Eles delimitam as reas onde vo explorar os moradores, e fica tudo por isso mesmo, como se dizia antigamente. Quando no existe exerccio do poder pelo Estado, o crime organizado logo domina a situao. Esta a realidade brasileira de hoje. No Rio de Janeiro, as milicias constroem prdios em rea de preservao ambiental, para vender os apartamentos. No preciso dizer mais nada. (C.N.)

11 thoughts on “Milcias j atuam 12 estados e em Braslia, demonstrando afora do poder paralelo

  1. Disso no se faz poesia,
    Seria a mais pura baixaria.
    Quem fala ‘mais cagado’?
    FHC ou Bozolado?
    Na hora de resolver
    Qual conseguiria?
    Qual sairia todo molhado?

    O Brasil no tem mais jeito gente!
    Os Jefes ditando ao Paulo Goebbels
    Um pateta fingindo-se presidente
    Segue tudo DO-MI-NA-DO

  2. Morre todo mundo, a impunidade geral, destruio ….

    Esse problema s ser colocado em pauta pelo governo quando chegarem as eleies 2022 e o Bozolado fomentar a nica coisa possvel para ele de oferecer uma populao mais pobre, mais faminta, mais quebrada, mais dividida e desacreditada, a SEGURANA

    At l o Moro pode continuar de frias na Disneylndia

  3. -Parece que o que no falta no Brasil, alm de Ladro, JORNALISTA PILANTRA! A grilagem de terras no comeou em janeiro de 2019, como o artigo sugere.

    -No sei dos outros estados, mas no Distrito Federal, a grilagem de terras, pblicas e particulares, comeou no governo Joaquim Roriz (PMDB 1999-2006), continuou no governo seguinte, do petista Cristovam Buarque e prossegue at os dias de hoje:
    Os grileiros chegavam nas chcaras durante o dia e, simplesmente, comeavam a cercar com arame farpado, na cara do dono (impotente para defender o seu patrimnio por causa do Estatuto do desarmamento e das leis criadas pelos esquerdistas) e a dividir o terreno em lotes.
    O incauto ia para a delegacia (DEMA) ou a circunscricional local e era atendido por algum dos empregados dos grileiros, pois quem tinha porte de arma era usado pelos grileiros para ameaar os chacareiros; depois, ganhavam alguns lotes nos futuros condomnios em troca.

    -Dessa forma, policiais como delegados, agentes e policiais militares agiam na linha de frente das invases, a mando de autoridades. Mas o faziam porque tinham a certeza da impunidade: trabalhavam com os asseclas do governador e dos deputados distritais (inclusive do PT), os verdadeiros grileiros. Os polciais foram (e ainda so) usados na linha de frente pelo simplesmente fato de serem os nicos que podiam ter armas. E s existem duas formas de algum tomar o que teu e te abusar: pelo argumentos e pela fora.

    Tanto assim que o condomnio mais chique de Braslia (Ermida Dom Bosco) foi concludo pela elite do Poder judicirio em terra pblica quando os governos local e federal eram PETISTAS, uma longa histria que no d para contar com um celular. Todos ns sabemos qual o partido grande incentivador de invases…

    Conheo pessoalmente o Sol Nascente, na Ceilndia Norte. E posso garantir aos senhores que l caf pequeno, favela, grilagem de pobre, hoje garantida por policial bandido. E no foi a grilagem de pobre que deixou a elite brasiliense bilionria no “ramo imobilirio”…

    Abraos.

  4. Vejam este artigo sobre os bilionrios comandantes da grilagem de terras pblicas e particulares no Distrito Federal. Duvido que nos estados os lderes tambm no sejam polticos protegidos pela impunidade garantida pelas leis permissivas que tanto os simpatizantes de bandido defendem:

    “Ex-embaixador dos EUA chama Cmara Legislativa de “refgio de canalhas”
    29/06/2011

    Um telegrama redigido em 2004 pelo ento embaixador norte-americano no Brasil, John Danilovich, revela o olhar da diplomacia dos Estados Unidos sobre a Cmara Legislativa do Distrito Federal: um refgio para canalhas. Parte dos milhares de documentos secretos obtidos pela organizao WikiLeaks. Danilovich serviu em Braslia entre 2004 e 2005
    (…)
    O ex-deputado Pedro Passos citado pela diplomacia norte-americana como o maior predador de terras do Distrito Federal, de acordo com o que havia apontado a CPI da Grilagem ocorrida na Cmara Legislativa em 1995.
    Tambm foram registrados no telegrama episdios envolvendo os ex-deputados Odilon Aires (PMDB), Jos Tatico (PTB) e Wigberto Tartuce (PMDB), o Vigo, alm do hoje senador Gim Argello (PTB-DF). O embaixador lembra ainda de escndalos contra o ex-senador Luiz Estevo, cassado depois de ter o nome envolvido no desvio de recursos do Frum Trabalhista de So Paulo.
    (…)
    As autoridades em Washington souberam tambm que a grilagem de terras comum na capital do pas.Para o diplomata, a grilagem o crime mais antigo do Distrito Federal. A explorao de terras pblicas, seria, na viso do embaixador, um meio de enriquecimento ilcito fcil. Durante dcadas, os burocratas espertos, polticos e construtores tm encontrado maneiras engenhosas para manipular os processos de titulao e zoneamento para ganhos pessoais. Com seus enormes lucros e baixo risco, fraudes de terra so o corao da maioria dos escndalos de Braslia e a base para as fortunas pessoais de muitos polticos locais, avalia Danilovich.”
    (…)
    Durante dcadas, os burocratas espertos, polticos e construtores tm encontrado maneiras engenhosas para manipular os processos de titulao e zoneamento para ganhos pessoais.

    Com seus enormes lucros e baixo risco, fraudes de terra so o corao da maioria dos escndalos de Braslia e a base para as fortunas pessoais de muitos polticos locais.
    Carlos Xavier, em 10 de agosto, tornou-se o primeiro legislador expulso da Cmara Legislativa (equivalente a um senado estadual) do Distrito Federal. Nada fcil, dada a notoriedade da Cmara como um refgio para canalhas.

    https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/06/29/interna_cidadesdf,258910/ex-embaixador-dos-eua-chama-camara-legislativa-de-refugio-de-canalhas.shtml

    • -Mas a culpa, diga-se logo para que no reste nenhuma dvida, do Bolsonaro. Afinal, tm sido ele e os governantes
      do PSL os timoneiros desta Nao nos ltimos trinta anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.