Militares se calam, mas não concordam com o comportamento do presidente Bolsonaro

Arquivo para Charges - Página 34 de 132 - Sindicato dos Bancários ...

Charge do Bier (Arquivo Google)

José Carlos Werneck

Segundo matéria do jornal “O Estado de São Paulo”, importantes oficiais-generais declararam que o presidente da República, Jair Bolsonaro tentou, neste domingo, fazer uso político do capital das Forças Armadas, quando disse que os militares estavam com o seu governo. Essas “pressões” e “ameaças dissuasórias” do chefe do governo, provocaram novo incômodo entre os militares.

De acordo com o texto do jornal, “interlocutores do presidente deixaram claro que a Aeronáutica, o Exército e a Marinha estão “sempre” na defesa da independência dos poderes e da Constituição. “Ninguém apoia aventura nenhuma, pode desmontar essa tese. Estamos no século 21”, resumiu uma das fontes, que ainda destacou a “retórica explosiva” do presidente que permite interpretações.”

CHEGAMOS AO LIMITE – Na declaração a apoiadores que provocou reações, Bolsonaro disse que “chegamos ao “limite”. Os militares ouvidos pelo jornal disseram que ele se expressa mal e acaba colocando em risco sua postura de defensor da Constituição. A frase do presidente, reclamaram, voltou a colocá-los em uma “saia justa”.

Eles reafirmaram que não vão se meter em questões políticas. “É uma declaração infeliz de quem não conhece as Forças Armadas”, reagiu de forma mais dura um deles. “O problema é que deixa ilações no ar. Afinal, não há caminho fora da Constituição.”

As novas investidas do presidente contra o Judiciário, o Congresso e a imprensa ocorreram, segundo essas fontes, ouvidas pelo jornal, um dia depois de um encontro do presidente com ministros e comandantes militares.

CRISE POLÍTICA – Na reunião, no Palácio da Alvorada, neste sábado, Bolsonaro e sua equipe discutiram a situação do País, a saída de Sérgio Moro do ministério da Justiça, bem como as consequências de uma crise política arrastada nesta pandemia do novo coronavírus, devido à decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, sustando a nomeação do delegado Alexandre Ramagem para a diretoria geral da Polícia Federal. 

A suposta interferência do ministro Alexandre de Moraes num ato do Executivo teria sido criticada pelos participantes do encontro, que demonstraram preocupação com a influência desse posicionamento em instâncias inferiores do Judiciário para barrar indicações em outros órgãos federais e estaduais. 

SEM COMENTÁRIOS – Segundo a matéria de Tânia Monteiro, os ministros e comandantes militares teriam saído do encontro no Palácio da Alvorada certos de uma “pacificação” por parte de Jair Bolsonaro, mas na avaliação dessas fontes, o presidente “voltou a ser “envenenado”, na manhã de domingo, por pessoas próximas e grupos de WhatsApp.

A repórter ainda diz que, “por tradição e hierarquia, os militares não deverão fazer manifestações públicas sobre a fala do presidente”. O assunto ficará sem comentários.

10 thoughts on “Militares se calam, mas não concordam com o comportamento do presidente Bolsonaro

  1. Comunista elogiando militar! Fico pasmo como falta caráter. Já fui patrulheiro simplório! Fique com os seus golpistas! Simplório, pede para o comunista um artigo para seu ego se inflar.

  2. Repito:
    Não há fissuras nas Forças armadas.
    Não haverá intervenção, não haverá a mais remota chance da esquerda fazer ou tentar golpe via mudanças na atual legislação, eleitoral, sobretudo.

  3. “Quem cala consente é a regra”, desde os tempos da minha bisavó. Sob Bolsonaro as forças armadas mostram-se reduzidas à condição de capachos de uma criatura de mentalidade visivelmente primitiva.

  4. Os militares da reserva e reformados sob o comando do Bolsonaro (que tristeza!) aceitam ser submissos. E por causa de quê? Um breve momento de ribalta, afirmação tola, e perda de um tempo precioso que se esvai sem volta. E com riscos devido á idade avançada.
    Eu, hein, quando chegar minha vez, vou criar galinha, ver as flores brotarem, curtir a brisa da manhã, e acordar a hora que bem entender.

  5. O STF impor derrotas acachapantes ao presidente a pedido de algum politico de oposição não pode virar moda, não é um bom caminho. A oposição não pode pautar o STF.
    Seria de bom alvitre um deputado governista ir ao STF pedir liminar para barrar medida que porventura Rodrigo Maia quisesse aprovar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *