Minha profissão é dizer o que eu penso

Carlos Chagas

Noite  de Natal, tempo  de boa vontade e tolerância. Nem por isso devemos deixar de buscar no passado   exemplos capazes de demonstrar  as contradições do presente.

Voltaire, dos maiores espinhos colocados no caminho da Igreja, escreveu um panfleto intitulado “As Perguntas de Zapata”, no caso, um jovem candidato a padre. O personagem indagou, entre outras questões,  dos bispos que o interpelavam: “como vamos fazer para mostrar que os judeus, a quem hoje  queimamos às centenas, foram durante quatro mil anos o povo escolhido por Deus?”

Em outra novela, “L’engenu”, conta as desventuras de um índio Huron, trazido da América à França e levado às práticas específicas do catolicismo. Indicaram-lhe uma passagem  na Epistola de São Tiago que determinava “confessai-vos uns aos outros”.   Numa capela, o aborígene cumpriu à risca a determinação,   mas quando acabou de dedilhar  seus pecados, arrancou o abade do confessionário, à força, ocupando seu lugar e dizendo que não sairia dali enquanto o outro não confessasse os dele…

Só esses dois episódios  conduzem-nos  à mesma contradição  que um dia marcou a fundação do PT. Como explicar, no caso dos companheiros, que um dia tenham sido  os donos da ética, críticos  de todas as lambanças praticadas pelos demais partidos,  e agora apareçam como mensaleiros, ocupantes de milhares de cargos em comissão, gestores de ONGs fajutas que recebem recursos do tesouro nacional e herdeiros do Ali Babá?  Da mesma forma, não dá para entender de que  maneira os petistas   condenam à fogueira montes de tucanos responsáveis pela dilapidação do patrimônio público necessário à preservação da soberania nacional e, de repente, tenham virado neoliberais de carteirinha.

Os dias da fundação do PT lembram  cada vez mais  os primeiros tempos  do cristianismo, quando  mártires  viam-se imolados nas arenas  da incompreensão,  mas logo tornados senhores que acendiam as fogueiras da intolerância.  Hoje, o partido que seria dos trabalhadores transmudou-se em agremiação dos donos do poder e  das verdades absolutas, à espera de um  grito de revolta muito parecido com  “Ecrasez l’infame”. A pergunta que se faz, enquanto há tempo, é como reagirão quando a  turba cercar a Bastilha? Perderão apenas as propriedades, as mordomias, as benesses e a ocupação do  poder? Ou as cabeças, também?

No dia em que parte da Humanidade comemora o nascimento do maior dos seres vivos  já   presentes no  planeta,   sempre empenhado em demonstrar sermos todos filhos de Deus, sem reivindicar apenas para ele essa condição, seria bom meditar quantas barbaridades tem sido  cometidas em seu nome. Assim como, em nome da   justiça social, verificar quantos companheiros transformaram-se em algozes dos princípios fundamentais da liberdade e da democracia.

Para terminar com o mestre François Marie Arouet, o Voltaire, seria bom responder como  ele, quando indagado sobre seu modo de vida: “minha profissão é dizer o que eu penso…”

Impunidade acima de tudo

Com o ano aproximando-se do fim, valeria uma enquête que os institutos de pesquisa jamais farão: qual a maior tragédia brasileira de 2009?

Muitos devem optar pelo  mensalão do PT. Outros, pelo do DEM. Numa palavra, a corrupção que nos assola.  Estes votarão na pasmaceira do Congresso, sem haver aprovado nenhuma iniciativa de vulto entre as necessidades nacionais. Aqueles apontarão as intromissões do Judiciário em temas da exclusiva alçada do Executivo ou do  Legislativo.  Para muitos, terá sido a falta de limites com que o presidente Lula abordou histriônicamente questões de seriedade obrigatória. Ou a facilidade com que utilizou medidas provisórias sem a menos relação com casos de urgência e relevância.

Fora da política, então, as hipóteses se multiplicam: a desídia do poder público diante do crescimento da violência urbana. A inusitada propaganda oficial que transmite à  opinião pública visão distorcida da realidade nacional.  A falta de escolas para todas as crianças. O horror que cerca o arcabouço da saúde pública.  A falta de obras concretas na infra-estrutura do país, entregue a rodovias esburacadas, ferrovias inexistentes e portos em decadência. As facilidades concedidas às elites financeiras e industriais, em  detrimento da classe média sempre submetida a maiores cargas fiscais.

Pois no meio de tantas abomináveis deficiências que nos assolam, uma sobressai altaneira e impávida: a impunidade. Porque todas as demais acontecem em função de nossa maior tragédia, a falta de punição para quantos praticam a ilicitude.  Ninguém é  punido, as cadeias continuam abrigando apenas  os ladrões de galinha.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *