Ministério Público prevê que o custo da Copa de 2014 vai superar em 10 vezes o orçamento original.

Carlos Newton

Se alguém tinha dúvidas sobre a finalidade do regime especial para as licitações das obras da Copa de 1014 e da Olimpíada de 2016, agora está tudo esclarecido. O procurador-chefe do Ministério Público Federal do Amazonas, Athayde Ribeiro Costa, atual coordenador do Grupo de Trabalho Copa do Mundo 2014, afirma que podem se repetir os problemas do Pan-Americano do Rio em 2007, quando o valor final do evento superou em 10 vezes o orçamento original.

Na verdade, a menos de três anos para o Mundial, o país ainda não tem as contas fechadas para o torneio. O Portal da Transparência do governo, montado pela Controladoria-Geral da União, diz que a Copa custará R$ 23,4 bilhões, mas a Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), que tem acordo de cooperação técnica com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e o Ministério do Esporte, trabalha com outros números.

A Abdib estima em R$ 112 bilhões o custo total do Mundial e em R$ 84,9 bilhões, se considerado o recorte feito pelo Portal da Transparência, com o cálculo incluindo só aeroportos, portos, segurança, arenas e mobilidade urbana.

O Ministério Público Federal acha que essa situação conduz o país ao risco de uma explosão de custos. Aí surge a pergunta: alguém esperava algo diferente? Isso é uma crônica mais do que anunciada? Alguém imaginou que se pudessem fazer obras de tal importância, sem plantas detalhadas e um projeto bem planejado, e evitar corrupção? Como dizia Bussunda, fala sério.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *