Ministro da Justiça diz que Pezão e secretário compactuam com o crime no Rio

Resultado de imagem para torquato jardim

Torquato denuncia que está tudo dominado no Rio

Josias de Souza
UOL Notícias

O ministro Torquato Jardim (Justiça) faz um diagnóstico aterrador do setor de segurança pública no Rio de Janeiro. Declara, por exemplo, que o governador fluminense, Luiz Fernando Pezão, e o secretário de Segurança do Estado, Roberto Sá, não controlam a Polícia Militar. Para ele, o comando da PM no Rio decorre de “acerto com deputado estadual e o crime organizado.” Mais: “Comandantes de batalhão são sócios do crime organizado no Rio.”

Torquato declara-se convencido de que o assassinato do tenente-coronel Luiz Gustavo Teixeira, que comandava o 3º Batalhão da PM carioca, no bairro do Méier, não foi resultado de um assalto.

EXECUÇÃO – ”Esse coronel que foi executado ninguém me convence que não foi acerto de contas.” O ministro conta que conversou sobre o assunto com o governador e o secretário de Segurança do Rio. Encontrou-os na última sexta-feira, em Rio Branco (AC), numa reunião com governadores de vários Estados.

“Eu cobrei do Roberto Sá e do Pezão”, relata Torquato. Entretanto, os interlocutores do ministro reiteraram que se tratou de um assalto. E o ministro: “Ninguém assalta dando dezenas de tiros em cima de um coronel à paisana, num carro descaracterizado. O motorista era um sargento da confiança dele.”

Na avaliação do ministro da Justiça, está ocorrendo uma mudança no perfil do comando da criminalidade no Rio. “O que está acontecendo hoje é que a milícia está tomando conta do narcotráfico.” Por quê? Os principais chefões do tráfico estão trancafiados em presídios federais. E o crime organizado “deixou de ser vertical. Passou a ser uma operação horizontal, muito mais difícil de controlar.”

SÓCIOS DO CRIME – Ao esmiuçar seu raciocínio, Toquato declarou que a horizontalização do crime fez crescer o poder de capitães e tenentes da política. “Aí é onde os comandantes de batalhão passam a ter influência. Não tem um chefão para controlar. Cada um vai ficar dono do seu pedaço. Hoje, os comandantes de batalhão são sócios do crime organizado no Rio.”

Torquato diz acreditar que o socorro do governo federal ao Rio, envolvendo as Forças Armadas, a Força Nacional de Segurança, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária, vai atenuar os problemas. Mas “a virada da curva ficará para 2019, com outro presidente e outro governador. Com o atual governo do Rio não será possível.”

O ministro relata: “Nós já tivemos conversas —ora eu sozinho, ora com o Raul Jungmann [ministro da Defesa] e o Sérgio Etchegoyen [chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência]—, conversas duríssimas com o secretário de Segurança do Estado e com governador. Não tem comando.”.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEsta realidade descrita pelo ministro é visível a olho nu. Basta conferir os carros de luxo dos policiais militares, estacionados perto dos quarteis. É uma relação de causa e efeito. O país está de cabeça para baixo. Ou de ponta cabeça, como dizem os paulistas. (C.N.)

25 thoughts on “Ministro da Justiça diz que Pezão e secretário compactuam com o crime no Rio

  1. O crime oganizado conseguiu seu intento: está presente em todas as esferas do poder. Todos nós sabemos que desde há muito da corrupção na PM, mas como combater se todos têm o seu naco no negócio? Aqueles que tentaram combater o sistema estão no cemitério. Os sucessivos cortes na Defesa ajudam em muito o status quo reinante, logo, nada acontece por acaso. E, claro, o coitadinho do usuário também contribui para o negócio. O cancer está em metástase

  2. Precisamos preservar as autoridades que nao tem medo de mostrar a verdade
    E claro e obvio que nao so o Pezao ladrao mas o Cabral lalau
    Justca tem que ser feita a qualquer custo nos estamos pagando caro em todos os setore seja federal ou estadual e alguns casos municipal tambem
    Vemos novamente esse Gilmar Mendes agir de uma forma autoritaria que apoia os bandidos e pronto falei escrevi e pronto
    Precisamos nos povo urgentimente de uma intervencao que seja ate externa por que interna nao estao dando sinais de amor a patria e nem ao povo

  3. ”Esse coronel que foi executado. Ninguém me convence que não foi acerto de contas.”

    É sempre assim. Neste país, as pessoas importantes não podem sofrer acidentes, nem diarreia ou serem mortas em um assalto, como os milhares de cidadãos mortos anualmente por viverem nesta terra sem lei.
    São muito importantes para isso. Só podem morrer ou se acidentar se o fato fizer parte de uma importante “trama” política, algo mais complexo e de alcance mundial ou, quanto pouco, de abrangência nacional.

    -Eu, morrer em um assalto como se fosse um simples PM, um simples estudante ou um simples comerciante da periferia? Esconjuro!

  4. Os funcionarios de uma empresa recebem seus salarios religiosamente em dia. Acontece que estes sujeitos resolveram nao mais cumprir corretamente com suas funções. O que faz o patrão? Numa logica cartesiana, pé na bunda!
    Mas como no Brasil, o rabo abana o cachorro, o patrão vai à rua protestar, clamar para que seus funcionarios voltem a trabalhar. Pois é meus amigos, assim caminha aquela que outrora foram as Forças Armadas.
    Prevaricam sem limite. O patrão que se exploda!

  5. É claro que o crime organizado, no Rio de Janeiro, funciona em promiscuidade com a própria polícia. E que o governo deste Estado dá o aval para isso tudo!

    É tudo combinado, para que tudo fique “dominado”, conforme se diz. No entanto as combinações nem sempre dão muito certo, por causa da cobiça desenfreada dos envolvidos, e acabam ocorrendo conflitos, aqui e ali.

    E como o crime só aumenta (ano após ano) a sua área de atuação, a economia formal e legal deste Estado vai sendo esfacelada.

    Enquanto isso Brasília e as nossas forças armadas assistem imóveis a toda essa degradação…

  6. Ele citou “acerto com deputado estadual e o crime organizado.” Um doce para quem descobrir o nome do pomposo deputado. Eu diria que começa com “Pi” e termina com “ani”…
    Se o ministro sabe deste conluio, não denunciar e investigar seria prevaricação?

    • Verdade. O Ministro da Justiça sabe dos crimes e dos criminosos… E fica só curtindo a vida na proa do Titanic, recebendo o salário e gordas gratificações.

  7. O que acontece no Rio de Janeiro, não tem absolutamente nada de diferente do que aconteceu em Cali ou Medellín!
    Qualquer semelhança não é mera coincidência…
    Lá estava tudo dominado… aqui também!
    O pior é que aqui é no país inteiro… e pra resolver isso só uma Bomba Atômica que aniquile somente os traficantes e os políticos em todas as esferas…
    Como isso é impossível, aguardemos pelo pior…
    O País acabou!
    Simples assim.
    Atenciosamente.

  8. Boa tarde.
    VIVEMOS NUM MUNDO IMAGINÁRIO?

    Segundo o Ministro Torquato Jardim a segurança pública está em frangalhos, nenhuma novidade. Ele diz que solução só melhoraria em 2019.

    Será que Temer pensa em reeleição ou o Torquato é candidato do Temer disputando com o Paulo Rabello de Castro, que quanto a este, li seu último livro e o acompanhei no Canal Livre.
    Parece que tudo que escreveu era teoria do otimismo.
    “O otimista é um tolo, o pessimista um chato, bom mesmo é ser um realista esperançoso”, e que esta seja filha da indignação e coragem.
    Segundo o Ministro Torquato os Comandantes da PM são criminosos. Ele possui seu serviço de inteligência, não falaria isso à toa.
    Diante deste caos, é seu dever colocar em cada quartel da PM um coronel do Exército sob sua administração, o que não seria nada de muito diferente como outrora.
    As escolas de Manaus e Goiás, hoje em dia, estão virando um exemplo de disciplina e hierarquia e, claro que os mesmos querem um professor sem preparar suas aulas com alegria, como está acontecendo.
    Assim faríamos uma nova segurança pública, onde a população voltaria às ruas, com seus direitos de ir e vir, e o povo ainda mais agora, diante de tal informação, não olharíamos ainda mais desconfiados à PM.
    Agora mais do que nunca cabe uma solução.

  9. E tem gente que diz que nossas instituições funcionam.
    Imagina se não funcionassem!
    O país é uma vergonha.
    Anos e anos e o povinho acostumou.
    Tudo é normal. Tudo é a modernidade.
    Acontece em todos os lugares.
    Já foi pior.
    As desculpas são muitas, múltiplas.
    O crime e os criminosos tomaram conta de tudo. Afinal, o crime é organizado e a sociedade é desorganizada.
    Quem achou que ganharíamos esta guerra?
    Fallavena

  10. O ministro foi “macho” para dizer “na lata” tudo o que já se sabia, há muito tempo, nos bastidores, sobre a criminalidade endêmica misturada com o poder público, no Estado do Rio de Janeiro!

    Mas vamos ver se continuará “macho” para sustentar o que disse. Ou se voltará atrás ainda hoje, ou quem sabe amanhã…

Deixe uma resposta para Douglas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *