Ministro do Trabalho (o ‘indemissível’) convoca superintendentes para apurar a corrupção


Heloisa Cristaldo
Agência Brasil

O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, convocou uma reunião com os superintendentes regionais para a manhã da próxima terça-feira (24) para reforçar o levantamento e análise de convênios da pasta. A Polícia Federal deflagrou, no início do mês, a Operação Esopo que investiga irregularidades em contratos firmados pelo ministério.

Ao todo, 27 superintendentes, um representante de cada capital do país, vão participar da reunião. Segundo nota do ministério, o objetivo do encontro é envolver as unidades da pasta “no mutirão que avalia os convênios vigentes e as prestações de contas daqueles que foram realizados”.

No início desta semana, a pasta informou que diversos órgãos federais ajudarão na análise dos convênios. A Advocacia-Geral da União (AGU) dará apoio jurídico nos estados onde foram constatadas fraudes e a Controladoria-Geral da União (CGU) informará sobre as pendências de entidades privadas, com registro de irregularidade, que sejam parceiras em convênios. Além disso, o ministério anunciou a suspensão de repasses de recursos por 30 dias, até que sejam concluídos os levantamentos que identificarão a situação de cada convênio.

A operação policial revelou esquema de fraudes em licitações do ministério, com prejuízos de R$ 400 milhões aos cofres públicos. As investigações apontam indícios de fraudes em licitações de prestações de serviços, de construção de cisternas, de produção de eventos turísticos e de festivais artísticos.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGO comportamento do ministro Manoel Dias é revelador da situação a que chegou a política brasileira. Depois de ter a se do Ministério invadida pela Polícia Federal, na Operação Esopo, e de ver demitidos os integrantes da cúpula da pasta, inclusive o secretário-geral, ele deu entrevista dizendo que não aceita ser demitido e ameaçou o governo de fazer revelações caso seja exonerado. E não aconteceu nada? Traduzindo: a política no Brasil tornou-se uma atividade de malfeitores. Simples assim. (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

8 thoughts on “Ministro do Trabalho (o ‘indemissível’) convoca superintendentes para apurar a corrupção

  1. Sr. Newton, a NR diz tudo. Eles não precisam se preocupar, os milhões roubados, darão suporte para não serem condenados (Olha o mensalão), os bons advogados, cuidarão disso, a “peso de ouro”.
    Digo sempre: roubar o cofre público não dá em nada, e o ladrão ainda é chamado de excelência!!.
    De Gaulle com razão, e Rui atualíssimo.
    Essa ameaça do ministro, de por a boca no trombone, era só que faltava, para a desmoralização total e irrestrita do governo.
    Que esse povo tenha vergonha na cara em 05 de outubro de 2014, não reelegendo, votando nulo, inclusive os chamados grande partidos e nanicos sócios do roubo.
    Enquanto isso EDUCAÇÃO sucateada (fonte da ignorância do povo) , Saúde no caos, Segurança com bala perdida, transporte com 6 horas perdida na ida e vinda- trabalho-lar.
    Com essa noticia (continuo ministro ou falo) Dª Dilma/Lula, devem no mínimo uma explicação a NAÇÃO.
    Srs. até Deus está duvidando dos acontecimentos tenebrosos, pois, o sonho do pTrabalhador virou pesadelo macabro!!!.

  2. Os donos do PDT, partido que já foi muito respeitado, não têm um mínimo de respeito pela história e biografia de Leonel Brizola que, certamente, revira-se, sem parar, no caixão. Verdadeiros calabares do Trabalhismo. Muito triste!!!

  3. Pingback: (o 'indemissível') convoca superintendentes para apurar a corrupção | Veja, Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *