Ministros da ala militar tentam minimizar presença de Bolsonaro em ato contra a democracia

Cúpula militar diz que não há risco de ruptura democrática

Andréia Sadi
G1

A cúpula militar do governo tenta, nos bastidores, minimizar a presença do presidente no ato pró-intervenção militar deste domingo, dia 19, em Brasília. O argumento é que Bolsonaro quis agradar sua base de apoiadores ligada à ala ideológica.

Atuando como bombeiros, ministros da ala militar repetem quase em coro que não existe qualquer ameaça concreta à democracia porque as Forças Armadas rechaçam apoio a essa ideia. “Não há risco”, disse um general ao blog.

FORA DE COGITAÇÃO – Outro integrante da ala militar do governo ouvido pelo blog vai na mesma linha: diz que o presidente “dá vazão” a esses apoiadores antidemocráticos “na retórica”, uma vez que ele não teria “poder sozinho” a respeito de uma ruptura democrática, pois isso está fora de cogitação para as Forças Armadas.

“O ator principal do pedido desse agrupamento são as Forças Armadas, que estão totalmente fora, não concordam com nada do que estão defendendo”, disse esse general ao blog.

RELAÇÃO COM CONGRESSO – No entanto, reservadamente, auxiliares do presidente reconhecem que a relação com o Congresso, que já estava ruim, vai se inviabilizar em um momento em que o Planalto tentava construir uma ponte paralela com líderes do centrão, isolando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Após os ataques de Bolsonaro ao que chama de “velha política”, parlamentares de diferentes partidos reagiram nos bastidores com críticas ao discurso do presidente.

NO STF – O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) comentou ao blog a ida do presidente ao ato. Para o ministro, “não há espaço para retrocesso”.

“Os ares são democráticos e assim continuarão. Visão totalitária merece a excomunhão maior. Saudosistas inoportunos. As instituições estão funcionando”, disse o ministro.

7 thoughts on “Ministros da ala militar tentam minimizar presença de Bolsonaro em ato contra a democracia

  1. Juramento a Bandeira Nacional

    ““Incorporando-me (à Marinha do Bras o Exército Brasileiro; ou à Força Aérea Brasileira), prometo cumprir rigorosamente as ordens das autoridades a que estiver subordinado, respeitar os superiores hierárquicos, tratar com afeição os irmãos de armas, e com bondade os subordinados, e dedicar-me inteiramente ao serviço da Pátria, cuja Honra, Integridade, e Instituições, defenderei com o sacrifício da própria vida. ”

    Quais seriam as Instituições?

    Significado de Perjuro
    adjetivo Característica do que perjura. substantivo masculino Aquele que falha em seu próprio julgamento. Aquele que comete perjúrio ou que jura falsamente. Etimologia (origem da palavra perjuro).

  2. Ninguém de bom senso pode aceitar nem admitir colossal estupidez de um presidente eleito democraticamente, que não aceita nem gosta de críticas. bota os pés pelas mãos e dispara bobagens contra adversários e instituições. Oremos.

  3. Sempre pautei minhas ações pela convicção de que sou normal como qualquer outro ser da minha espécie. Depois de uma longa vida de aprendizado mudei de convicção: hoje me sinto mais altivo, feliz, com a auto-estima elevadíssima; sinto-me como se fosse um dos escolhidos pelo criador.
    Devo esse sentimento a Lula, Dilma e agora ao Bolsonaro. Nunca me senti tão superior diante dessas mulas.

  4. Acho que em algum lugar da constituíção federal diz algo sobre o presidente ser o comandante supremo das forças armadas?

    O núcleo duro do governo no Planalto são todos generais. Pouco provável que nada saibam ou que ousem conspirar para derrubar o presidente.

    Para impichar o presidente, precisam do apoio popular, que não tem. Para dar um golpe, precisam de força armada, como os militares não se prestarão a esse serviço, não apoiarão congre$$o ou $tf. Como o presidente não desobedeceu qualquer artigo da constituíção, o plano fica impossível de ser concretizado.

    A impren$a acha que enganam quem com essa esparrela?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *