Mirando a reeleição, Bolsonaro aceita desafio de Lula na estrada das urnas de 2022

Resultado de imagem para lula solto charges"

Charge do Amarildo (Arquivo Google)

Pedro do Coutto      O presidente Jair Bolsonaro, ao anunciar sua saída do PSL e a ideia de criar um novo partido com base numa aliança nacional, partiu para acirrar a polarização política no panorama político brasileiro. O Globo, Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo deram grande destaque ao tema. O foco mais acentuado sobre a polarização lançada com antecedência de três anos foi destacado pela edição de O Estado de São Paulo de quarta-feira.

A reportagem, de página inteira, está assinada por Mateus Vargas, Rafael Moraes Moura, Camila Turtelli, Renato Onofre e Lígia Formenti. Com isso teve início antecipado, por incrível que pareça, o debate em torno da sucessão presidencial. 

LULA INELEGÍVEL – Entretanto, o presidente da República pode lançar a polarização contra as forças que considera de esquerda, mas não contra o ex-presidente Lula, simplesmente porque está sendo considerado inelegível, já que enfrenta outros processos no seu caminho e tem a ficha suja.

Assim, Jair Bolsonaro lançou praticamente um desafio ao PT, sigla contra a qual alcançou a vitória nas urnas em 2018. 

Mas não só de desafios políticos vive a administração nacional. Bolsonaro tornou-se autor de uma série de projetos que mudam a economia e boa parte dos direitos sociais. Na minha opinião a caminhada para Brasília vai depender sensivelmente dos resultados positivos que alcançar para a sociedade brasileira, na medida em que conseguir fixar uma nova distribuição de renda e paralelamente diminuir o escandaloso índice de desemprego destacado pelos olhos de todos.

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – O presidente Jair Bolsonaro considera muito importantes as eleições municipais de 2020, porque nelas poderá fixar as bases de uma trajetória vitoriosa. No entanto, há o risco de seus projetos não serem aceitos como positivos e, nesta hipótese, sofrer os reflexos nas urnas.

Mas falei em eleições municipais. Pois é. Deve-se levar em conta que a lei eleitoral exige um ano de filiação partidária e, assim, aqueles que abandonarem seus partidos e pretenderem ser candidatos a Prefeituras não poderão registrar suas candidaturas. É o caso de vários deputados e senadores dispostos a disputar a eleição municipal.

Nesse caso somente poderão fazê-lo se permanecerem nas siglas em que se encontram no momento. É o caso da deputada Joice  Hasselmann, que deverá permanecer nos quadros do PSL mesmo sob o risco de um desabamento da legenda com o rompimento de Jair Bolsonaro. Coisas da política. Ela se encontra disposta a concorrer a prefeitura da cidade de São Paulo. Mas este é um outro assunto. 

TUDO ESTÁ INDEFINIDO – O certo é que as reformas da Previdência e a trabalhista terão de enfrentar as ruas até chegarem nas urnas de 2020 e de 2022. E não faltam candidatos à sucessão presidencial. É o caso do governador paulista João Dória, pelo PSDB, do também governador fluminense, Wilson Witzel, do PSC, do ex-ministro Ciro Gomes, do PDT, e da ex-senadora Marina Silva.

Mas o quadro ainda está longe de ser definido. Aliás, como ocorre com todos os lances de uma coisa chamada política.

6 thoughts on “Mirando a reeleição, Bolsonaro aceita desafio de Lula na estrada das urnas de 2022

  1. Esta polarização política a que alude o articulista já deu, confesso o meu cansaço e acredito que uma grande maioria do povo brasileiro também o tem, na medida em que o povo já está fatigado deste radicalismo, seja à esquerda, seja à direita, inócuo, sem ideias, enfim ninguém pensa no país como nação que deixaremos para os nossos filhos, netos e bisnetos, todos só pensam em tirar uma lasquinha do Brasil. Para a grande maioria do povo brasileiro o que interessa, o que importa verdadeiramente é a geração de milhões de empregos, pois as contas chegam todos os meses e todas elas precisam ser pagas.
    O Brasil FALIU.
    Precisamos fazer um NOVO Brasil.

  2. KKK o boçal acredita que vai ser uma guerra entre o Bem, ou seja, ele. E o Mal, na figura do 51. Não sei se desta vez esta jogada cola, na vez passada o candidato fake do 51 era muito ruim, sem carisma algum e sem personalidade alguma, apesar de posar de intelectual.

  3. Esse Lula molusco é um pulha cagão.
    Se prestasse teria por hombridade chamado o Bozocraudio para um duelo na praca dos 3 poderes…
    Questao de minutos, tudo estaria resolvido, pro atirador ou pro maneta….

    Nao aconteceu porque estão preocupados em duelar com o umbigo, picaretas safados que são…

    A culpa é sua, povo brasileiro, que votou nestes trastes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *