Moraes mantém delegados e dá continuidade às investigações da família Bolsonaro

Pedido de Moraes foi feito logo após demissão de Moro

Marcos Losekann e Márcio Falcão
G1

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou, nesta sexta-feira, dia 24, que o comando da Polícia Federal mantenha no posto os delegados que trabalham em duas frentes de investigação na Corte. Uma delas apura ofensas, ameaças e “fake news” contra ministros do Supremo, e a outra envolve a organização e financiamento de atos com pautas antidemocráticas.

Moraes é relator dos dois casos, e responsável por coordenar as investigações junto à Polícia Federal. A decisão foi tomada horas após o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pedir demissão do cargo e apontar supostas tentativas de interferência do presidente Jair Bolsonaro no trabalho da PF.

INFORMAÇÕES – No pronunciamento, Moro disse que Bolsonaro admitiu que a mudança na diretoria-geral da PF – oficializada nesta sexta e estopim para a demissão do ministro – tinha como objetivo nomear alguém que passasse informações de inquéritos à Presidência da República.

Segundo Moro, Bolsonaro disse que tinha preocupação com essas investigações em curso no Supremo. “Também não é uma razão que justifique a substituição, é até algo que gera uma grande preocupação”, disse Moro.

NEGATIVA – Em pronunciamento no fim da tarde, no Palácio do Planalto, Bolsonaro negou as afirmações de Sergio Moro e disse que jamais agiria para interferir em investigações. “Nunca pedi para ele para que a PF me blindasse onde quer que fosse”, disse.

Na prática, a decisão de Alexandre de Moraes tenta “blindar” as investigações, independentemente de quem assuma o comando da PF ou do Ministério da Justiça. A decisão alcança os seguintes inquéritos:

AMEAÇA A MINISTROS – O inquérito que apura ataques ao STF, conhecido como “inquérito das fake news”, foi aberto em março de 2019. O prazo para conclusões das investigações se encerra em junho, mas pode ser prorrogado. Essa linha de investigação já identificou ao menos 12 perfis em redes sociais que atuam na disseminação de informações, de forma padronizada, contra ministros do tribunal.

Isso significa, por exemplo, que esses perfis encaminham o mesmo tipo de mensagem, da mesma forma, na mesma periodicidade. Agora, os técnicos cruzam informações para tentar localizar financiadores desses perfis.

ATOS ANTIDEMOCRÁTICOS – O inquérito contra ataques à democracia foi aberto nesta semana por Moraes após manifestações de domingo, dia 19, em todo o país e que tinham entre os manifestantes defensores do fechamento do Congresso, do STF e da reedição do AI-5, o ato institucional que endureceu o regime militar. O caso tem deputados federais entre os alvos, o que justifica a competência do STF para a apuração.

No domingo, o presidente Jair Bolsonaro discursou em um dos atos, em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília, mas ele não está entre os alvos do pedido da Procuradoria-Geral da República. No dia seguinte ao ato, Bolsonaro defendeu Congresso e STF “abertos e transparentes”.

9 thoughts on “Moraes mantém delegados e dá continuidade às investigações da família Bolsonaro

  1. Pelo que eu entendi o superintendente da PF estava com problema no aquecedor da piscina, chamou o INMETRO que decidiu trocar os taximetros do RJ por causa da Mariele que recebeu a ligacao do porteiro dizendo que o Paulo Guedes que ia dar uma facada no Bolsonaro porque tava com inveja do Dudu que pegava todo mundo do condomínio.
    Mas vou esperar a dilma pra esclarecer melhor…

    Cordialmente.

  2. A guerra entre bandidos contra aqueles que querem acabar com eles aqui neste país encontra mais apoiadores aos primeiros e a imprensa velha se coloca entre os primeiros colocados nessa linha de frente
    Como em toda a guerra a verdade é a sua primeira vítima , a imprensa velha se incumbe dessa tarefa com uma competência de fazer inveja à Goebbels.

    • A mesma imprensa velha que prega o isolamento da sociedade , pouco repercutiu a liberação de criminosos por juízes bandidos em que até haviam duas razões para seu isolamento: uma pela punição aos seus crimes e a outra por recomendação médica para não se contaminarem com o coronavírus.

  3. Eu doei um livro de Direito Constitucional de autoria deste amável juiz quando tomei conhecimento do advogado do PCC. E este “amável juiz” vai por conta de Carlos Newton que só aceita palavras chulas – digamos – de pessoas a quem ama. Saulo Ramos, por exemplo.

  4. Nem parece que já tivemos governos que mantinham seus ministros trabalhando sem barraco. Cada um sabia a orientação a seguir e eram acompanhados, cobrados, mas sem barraco.

  5. Mas por que o presidente quer remover os delegados em questão? Sua excelência, o presidente, simplesmente tem uma informação que não pode revelar porque é secreta, que justifica as mudanças. E se não aceitarem a justificativa, ele quer porque quer e ele está no topo da pirâmide e manda, é o macho. Pronto, soa racional? Mas é isso: it is what it is!
    Até o impeachment…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *