Morte de Ustra, torturador e assassino, consagra impunidade

http://img.estadao.com.br/thumbs/550/resources/jpg/9/2/1444917763229.jpg

Ustra dizia apenas cumprir ordens, ao torturar e matar

Mário Magalhães

A morte do coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, aos 83 anos, consagra a impunidade no Brasil. Na condição de major do Exército Brasileiro, Ustra comandou de 1970 a 1974 o Destacamento de Operações de Informações do II Exército, em São Paulo.

O DOI chefiado por Ustra (não confundir com Codi) foi o principal centro urbano dedicado a tortura, morte e desaparecimento de oposicionistas durante a ditadura que vigorou de 1964 a 1985.

Ninguém torturou e matou tanto quanto a turma do DOI de Ustra. Lá os agentes do Estado, violando até as leis da ditadura, cometiam toda sorte de barbaridades contra presos políticos, incluindo o estupro de moças e o empalamento de moços.

DEPOIMENTOS E PROVAS

Há incontáveis depoimentos e provas de que Ustra não só ordenou como participou de sessões de tortura.

O DOI era um campo de concentração tipicamente nazista.

Se não matava seres humanos em câmaras de gás, tirava-lhes a vida com tamanha violência que fragmentos do cérebro ficavam grudados às paredes.

IMPUNIDADE

A morte de Ustra é uma triste notícia para as consciências democráticas. Porque o comandante de campo de concentração escapou de ser punido pela Justiça.

Ainda chegará o dia em que o Brasil, em passo civilizatório, não eternizará a impunidade dos autores de crimes imprescritíveis, de abusos contra a humanidade.

Ustra, contudo, não estará mais aqui para ser julgado e condenado.O coronel retrata a impunidade maldita que estimula novas gerações a repetirem o que de mais terrível foi feito pelas do passado.

É como o nazista matador que escapou dos tribunais. O torturador e assassino, covarde a soldo do Estado, foi embora sem pagar pelo que fez. Triste Brasil.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGEste artigo de Mário Magalhães, jornalista e historiador, foi enviado por Sergio Caldieri. Ustra era mesmo uma besta-fera, um criminoso covarde que manchou a farda verde-oliva. Para escondê-lo quando a tortura acabou, o governo militar o nomeou para trabalhar no exterior. Mas foi reconhecido pela atriz Bete Mendes, que por ele havia sido torturada no DOI de São Paulo. Sua impunidade é ultrajante e mancha também a Justiça brasileira. Tortura é crime contra a humanidade, não pode ter o privilégio da anistia. (C.N.)

30 thoughts on “Morte de Ustra, torturador e assassino, consagra impunidade

  1. Acho que nada justifica a violência. Mas terroristas, que sequestraram (crime hediondo) e foram responsáveis por mortes, também não pagaram por seus crimes, pelo contrário foram anistiados e ainda recebem indenização. Dois pesos e duas medidas?

  2. Caro Jornalista,

    Por falar em tortura, fico pensando nas pessoas que já vi morrer (e que ainda devem morrer) nos Hospitais do Distrito Federal (e por aí):
    Jogados em uma maca imunda… em um corredor ou em uma sala qualquer… um soro na veia para dizer que estão sendo atendidos – com fluxo regulado para durar quatro horas ou mais… um tubo enfiado no nariz… Sem médico e sem enfermeira… E SÓ!
    -Quantos?
    -Não é divulgado, mas acredito que deva ser milhares (seria milhões?) acima do número oficial de homicídios!
    -Homens, mulheres e crianças. De todas as idades.
    Em comum todos eles têm a classe social e terão o ATESTADO DE ÓBITO, omitindo a “real causa da morte”, que absorverá os atuais governantes, HOMICIDAS e TORTURADORES.

    Abraços.

  3. Estranho!!!.
    Nem uma palavra sobre os terroristas que explodiram bomba no aeroporto de Guararapes (Pernambuco), causando mortes e feridos, sobre os que mataram o Capitão americano Chandler na frente dos filhos, sobre os que mataram o marinheiro inglês na Av Rio Branco no Rio, sobre os que mataram o Cabo Kosel. Estão todos anistiados, soltos e receberam vultosas indenizações pelos seus crimes. estamos diante de uma imprensa caolha maniqueista, que só enxerga com o olho esquerdo.

  4. CN
    Não sou a favor da tortura, mais o outro lado também cometeu tremendas barbaridades, como por exemplo:
    Explodiram um “carro bomba” no qual foi explodido junto o Recruta Mario Kozel Filho ( o resto do seu corpo foi recolhido com uma pá). Acredito terem feito escola para o pessoal do famigerado EI.
    Inclusive o autor da explosão (Diogenés do PT) também foi anistiado e recebe uma grana maior do que a família da vítima.

  5. A pergunta que não quer calar: não há mais torturas e assassinatos praticados pelos governos atualmente? Chega desse cinismo nojento! Francisco Vieira, sua argumentação é irrefutável. Se em Brasíia está assim, pelo Brasil a fora está muito pior!

    • Caro Rodrigo,

      EU VI, já neste ano, a Dona Yolanda, uma senhora com 86 anos de idade, ficar QUINZE DIAS DEITADA sobre uma cama no Hospital Regional de Sobradinho, tomando banho de toalha molhada, dado por uma das filhas.
      Ela havia fraturado o fêmur em uma queda. A última vez que a visitei estava com a coxa toda roxa e ainda não havia perspectiva de a cirurgia ser feita por falta de médico e/ou de sala cirúrgica disponíveis! Quando tinha uma coisa, faltava outra.
      -Isso não seria uma forma de tortura?

      -Se algum coágulo tivesse de desprendido do ferimento, no Laudo Cadavérico não constaria o tempo que ela ficou presa a uma cama esperando o atendimento, nem responsabilizaria os responsáveis. Constaria apenas “embolia pulmonar”, por exemplo, e ponto final.
      Nunca se torturou tanto neste país (nem entrarei no caso de Pedrinhas…)

      Mas concordo com o Jornalista:
      -Não se deve inocentar os torturadores do passado, mas prender os do presente!

      Abraços.

  6. Sou brasileiro mas não sou babaca.
    AINDA CHAMAM ESTE PAÍS DE M….. DE DEMOCRACIA.

    Infelizmente, nós povo, somos talvez os maiores culpados desta patifaria toda.
    Enfim…..

  7. Não entendo como se quer diferenciar a morte em formas mais amenas ou mais graves, se o resultado é o mesmo!
    É como aquela anedota de um sujeito que, sem saber o que dizer no velório, pergunta à viúva do que havia morrido o seu marido.
    Ela chorosa e muito sentida, responde:
    – Meu esposo morreu de pneumonia.
    – Dupla ou simples, pergunta o indeivíduo.
    – Simples.
    – Menos mal, menos mal!
    Ora, respeitosamente, pergunto onde está a diferença das mortes provocadas pela falta de assistência à saúde e segurança pública atualmente no Brasil, daquelas produzidas violentamente pelas FFAA e também pelos subversivos?
    Não vejo onde os assassinatos praticados por péssimos militares e terroristas podem ser diferentes desses que assistimos, de gente morrendo em calçadas dos hospitais ou que perambulam de ambulância à procura de atendimento ou morrem baleados por bandidos ou queimados dentro dos ônibus ou sequestrados em seus automóveis!
    Qual é a diferença da violência de hoje para aquelas das décadas de sessenta e setenta?!
    Ideologia?
    Mas, o resultado não é a morte, que tanto faz ter sido cometida por enforcamento, tiro, microondas, e os assassinos continuam impunes, assim com o os responsáveis por essas chacinas diárias?!
    O que é feito do dinheiro fabuloso arrecadado dos impostos?
    Por que esta dívida brutal, se a cada ano que o desgraçado PT assumiu o poder aumentam as contribuições dos cidadãos?
    O que fizeram do nosso dinheiro, a dupla do mal, Lula e Dilma?!
    Não bastasse a carga tributária insuportável, os petistas roubam as estatais, assaltam o erário, gastam mais do que arrecadam, divertem-se com o nosso dinheiro, viajam, compram objetos caros, frequentam hotéis luxuosos, refeições em restaurantes caríssimos, casas, iates, carros suntuosos, apartamentos de cobertura – não seria uma violência desmedida contra os aposentados, os pobres, exatamente aqueles que foram condenados pelo Bolsa Família à miséria?!
    Qual é a diferença de lula e Dilma para o coronel assassino, Ustra?
    Por que este presenciou e mandou matar algumas pessoas e, Lula e Dilma, conforme o menosprezo pelo povo, permitem as matanças Brasil afora sem qualquer proteção, pois à mercê de ladrões do Congresso e do PT?!
    Dinheiro desviado – aliás, BILHÕES – da educação, saúde e segurança, que foram para os bolsos dos petistas e aliados, criminosamente?!
    Com razão o meu xará, de Brasília, Francisco Vieira, que me obriga a comungar do mesmo pensamento com relação a esta história cansativa de mortes entre terroristas e FFAA, pouco mais de quatrocentas vítimas, mesmo assim indesculpáveis e inesquecíveis, evidentemente, enquanto que milhares morrem assassinados anualmente em plena época “democrática”, e em quantidade infinitamente maiores que no passado!
    Aonde a diferença da violência dessas mortes por omissão e responsabilidade direta deste governo ladrão com aquelas produzidas pela tortura?!
    Sinceramente, que falta de senso de medidas, por favor, como se as vítimas do passado fossem mais valorizadas que os inocentes imolados hoje, e em tempo de paz!
    Quantos mortes no trânsito, em face de estradas ruins?
    Quantas mortes à espera de atendimento médico?
    Quantas mortes produzidas pelas milícias?
    Quantas mortes cometidas pelos traficantes?
    Quantas mortes ocasionadas pelas drogas?
    Quantas mortes geradas pela violência em estádios de futebol?
    Quantas mortes que os parlamentares e governantes são responsáveis por que roubaram o dinheiro que seria destinado à melhoria de vida do povo?!
    Não vejo diferença alguma entre os governos após a ditadura, portanto, de Sarney até Dilma, quanto às injustiças contra o povo, a violência desmedida porque à mercê de criminosos de todas as matizes, principalmente do colarinho branco, dos parlamentares, dos membros do Executivo.
    Basta de querermos esconder o sol com a peneira, e tomemos coragem para afirmar categoricamente que estamos sendo comandados por assassinos, ladrões, bandidos da pior espécie!
    Ou alteramos este quadro atual ou, então, temos mais é de chorar na cama porque é lugar quente!

  8. Não foi a morte que lhe consagrou a impunidade, mas ter vivido sem punição. Tortura é próprio de bestas-feras, sejam quais forem os torturados.Os terroristas lembrados aqui também não tiveram punição; ao contrário, foram indenizados.Mas, um erro não justifica outro erro.

  9. Continuando a tua lista, Alverga/Gilson,
    Lula, Dilma, Zé Dirceu, Vaccari, Tarso Genro, João Paulo, Rui Falcão, Jacques Wagner, Delcídio, Calheiros, Cunha, … a cúpula petista e aliados, certamente (2)!

  10. Caro Bentl,

    Concordo contigo. Por que será essa fixação em torturadores do PASSADO, quando pessoas são torturadas em cada hospital, em cada delegacia, em cada periferia, em cada presídio, no PRESENTE?

    Não seria mais lógico, ao invés de correr atrás de mortos e torturadores do passado, primeiro IMPEDIR QUE A TORTURA OCORRA nos vivos do presente?
    -Primeiro o governo deve impedir que ocorra a tortura sob as suas barbas;
    -Depois, prender os atuais torturadores;
    -Aí, sim! Quando o país estiver com a HISTÓRIA ATUAL LIMPA de tortura, poderemos mandar a Maria do Rosário investigar e prender os torturadores do passado…
    O resto, ao meu ver, é apenas holofote para desviar o foco da calamitosa situação atual. Uma maneira de induzir os incautos que o Brasil está melhor (no que se refere ao respeito à vida) do que na época do Ustra, simplesmente porque os ATUAIS TORTURADOS não têm sobrenome famoso ou não são da classe média/alta que gosta de ficar em evidência na mídia, discutindo sociologia e sexualidade…
    -Senhores… Os senhores precisam conhecer os hospitais públicos… fazerem uma doação de sangue… Uma simples visita, ainda que seja “eclesiástica”… Levar uma palavra de consolo…
    -Ver idosos, homens, mulheres e crianças morrendo em trapos feitos RATOS é diferente de “ouvi falar”…

    (bem… isso é apenas a minha opinião)

  11. Caro CN, incrível a participação de certos elementos neste blog. Estão a me lembrar as bestas feras, os próprios torturadores. Será que esses elementos não suportam deparar-se com opiniões diversas das suas próprias?

    Tenho para mim, que o resultado morte/tortura praticado por torturadores militares ou revolucionários (que, eventualmente, podem ter torturado também), ainda que idêntico, não os iguala.

    Os militares representam o Estado. O Estado, institucionalmente, não pode agir assim.

    Além do mais, os revolucionários (no mínimo, em tese) buscavam a libertação do povo. E os militares lutavam, em última análise, contra o povo que lhes pagava os salários.

    No entanto – e essa me parece a questão fundamental -, a anistia foi instituída para ambos os lados. A imputabilidade para os chamados “crimes contra a Humanidade”, de forma a excluir seus autores dos benefícios da anistia, é regra vigente no Brasil, sim, porém posterior a decretação da própria anistia. E é princípio jurídico básico que a lei não retroage. Salvo para beneficiar o réu, e em certas e especiais condições.

    Os que defendem a anistia unilateral pretendem que a lei retroaja. E para prejudicar, para agravar, os culpados pela tortura.

    Assim, com dois pesos e duas medidas é que não se vai construir uma sociedade justa, respeitada e respeitável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *