Mourão diz que, com o pagamento de auxílio emergencial, ‘as pessoas estão se alimentando melhor’

Mourão pensa que com R$ 600 um desempregado consome mais

Julia Lindner
Estadão

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, relacionou, nesta quarta-feira, dia 9, a alta no preço de alimentos à injeção de recursos na economia pelo governo durante a pandemia, como o auxílio emergencial. Segundo ele, as pessoas estão “se alimentando melhor e melhorando as suas casas”.

“É a questão da lei de oferta e procura. Uma porção de gente comprando porque o dinheiro que o governo injetou na economia foi muito acima daquilo que as pessoas estavam acostumadas. Tanto que está tendo grande compra de alimentos e material de construção. Então, as pessoas estão se alimentando melhor e estão melhorando as suas casas. Essas são as duas áreas onde está havendo bastante gasto”, disse Mourão a jornalistas, na entrada da vice-Presidência.

EXPORTAÇÕES – Segundo ele, o aumento das exportações brasileiras e questões sazonais também influenciam na alta dos preços. “Estamos vendendo bastante para o mercado externo”, disse, citando o caso do arroz. Mourão disse que a área plantada com o grão diminuiu porque os arrozeiros tiveram prejuízo e “o cara muda de ramo. Aí, agora, eles estão replantando. É um momento sazonal, daqui a pouco volta tudo ao normal”, declarou.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro demonstrou receio do risco de inflação e pediu “patriotismo” aos donos de supermercados para tentar baixar os preços de produtos que compõem a cesta básica.

Na terça-feira, dia 8, em entrevista exclusiva ao Broadcast/Estadão, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse que o governo não fará nenhum tipo de intervenção nos preços dos principais alimentos da cesta básica brasileira, que têm apresentado forte inflação nas últimas semanas, como arroz, feijão, leite, carne e óleo de soja. Há registros de aumento de mais de 100% nas gôndolas de supermercados.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Será que Mourão tentou com essa máxima entrar na disputa de Piada do Ano ? Afirmar que o cidadão que teve que apelar para o recebimento do auxílio motivado pela pandemia agora come mais e ainda tem dinheiro até para fazer obra em sua casa beira à alucinação. Nem sendo mágico. Milhares de pessoas não conseguem sequer decidir se pagam o aluguel, compram o básico ou quitam as contas, e o vice-presidente pensa (?) que a população com o minguado auxílio está ostentando, comprando filé mignon e dando um tapa no visual das moradias. É de chorar! (Marcelo Copelli)

19 thoughts on “Mourão diz que, com o pagamento de auxílio emergencial, ‘as pessoas estão se alimentando melhor’

  1. As afirmações do vice-presidente gen. Mourão são estarrecedoras, invariavelmente!

    Não pela importância de suas palavras e modo autoritário em pronuncia-las, não, mas porque absurdamente ridículas e patéticas!

    A mim não surpreendem mais as suas conclusões, depois do que disse após a sua posse sobre o salário mínimo, que causa dos problemas econômicos brasileiros ter sido reajustado acima da inflação!

    Mas, essa, de agora, de que o auxílio governamental em razão da pandemia o povo está se alimentando melhor e podendo reformar a sua casa, Mourão bateu o recorde da pilhéria, do deboche, do escárnio contra uma população desesperada!

    Das duas uma:
    ou o general fala sem pensar ou está confessando que as FFAA e os membros que constituem os Três Poderes ganham proventos desnecessários, pois muito acima do que merecem e que poderiam viver muito bem!

    Como que um vice-presidente poderia dizer tamanhas asneiras, afirmações dignas de um alienado com relação à situação do povo??!!
    Nessas alturas, Bolsonaro em comparação ao seu imediato na função é equilibrado, sensato e um sábio!

    Dia desses, escrevi que um militar jamais conseguiria ser político porque o político nunca seria um militar. Qualquer tentativa de um ou outro nas funções onde são incompatíveis naturalmente seria trágico.
    Mourão não poderia ter confirmado o meu comentário de maneira tão exemplar e veemente!

    Por outro lado, afora a idiotice e imbecilidade do que andou falando, só falta propor ao congresso que, para o próximo ano, o salário mínimo seja decretado em 600,00 por mês!
    Dá para comer bem e até fazer reforma no barraco, no casebre e, se o abastado for inteligente e bom administrador, ainda sobrará dinheiro para comprar eletrodomésticos e, forçando um pouco mais. adquirir uma moto usada!!!

    Che, troquem a máscara do vice Mourão por uma MORDAÇA!

  2. Esqueci:

    “Então, as pessoas estão se alimentando melhor e estão melhorando as suas casas. Essas são as duas áreas onde está havendo bastante gasto”,

    Para o vice, 600,00 se mostram uma quantia que se pode gastar muito em alimentos e materiais de construção!!!!

    O vice deve ter comido cogumelos estragados para viajar na maionese dessa forma!

  3. Essa afirmação do Mourão é uma piada, e de mal gosto.

    Ele deve está tomando algum remédio( para não dizer outra coisa), que deturpa a sua mente.Só pode!

  4. Foi mal e lamentável, Mourão. Precisa ter cuidado para não começar a declarar sandices, como o chefe dele. Mourão é cordial. gosta de parar para atender os coitados dos setoristas, na vice-presidência. Mas é preciso medir as palavras. Não responder de afogadilho, tudo que perguntam.

      • EM TEMPO:

        E a rapaziada dona de supermercado também já sabe, né?

        Sejam patriotas! Nada de subir o preço dos alimentos, hein?

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk xD

        • “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          “Ainnnnnnnnnnnnnnnn, arroz tá caro!! Vô comprá macarrão!!!!!!!!!!”

          (Escrito em MODO JUMENTINHO HISTÉRICO BORXONARISTA BINÁRIO COMEDOR DE MACARRÃO)

          • EM TEMPO:

            “Governo liberal”

            kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (Pausa pra respirar!) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (Outra pausa!) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (engasgando de tanto rir!) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (Ufa!) kkkkkkkkkkkkkkkkk xD

          • https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2020/09/09/internas_economia,1183886/ministerio-da-justica-notifica-supermercados-e-empresas.shtml

            “Ministério da Justiça notifica supermercados e empresas por alta dos alimentos”

            “GOVERNO LIBERAL”

            kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (Pausa pra respirar!) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (Outra pausa!) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (engasgando de tanto rir!) kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk (Ufa!) kkkkkkkkkkkkkkkkk xD

  5. Cada dia que passa este governo, infelizmente, se revela mais bisonho e inoperante, o presente affaire do arroz é estarrecedor. Como pode um governo ser surpreendido, vulgo “pego de calça na mão” pela iminente falta de arroz no país, Arroz, que diga-se de passagem, é o alimento básico nacional.
    Após sucessivos fracassos em Educação, Saúde, Meio Ambiente, Relações Exteriores, Economia, Transparência, Infraestrutura, inagurando recapeamento de pista, tinham sobrado, praticamente, Agricultura e Secom (propaganda) e aí, surge do nada a ameaça de desabastecimento geral do país, sobrando apenas a Propaganda, mantida com robustas verbas do nosso superavitário orçamento nacional.
    Entendo eu, que assim como o MA mantém órgãos de previsão, estatística e controle das safras, deve ter outras unidades destinadas ao dimensionamento e controle do consumo interno, armazenamento e escoamento dos excedentes através da exportação.
    O que aconteceu? Simples, o dólar aumentou e o agricultor e o atacadista, dentro de um regime de livre mercado, passaram a exportar a preços super atrativos pelo câmbio, deixando a preocupação com estoques para o ente regulador.
    O que falhou? Simples, o enaltecido Ministério da Agricultura e sua titular, seguramente estavam distraídos com alguma campanha eleitoral para 2022 idealizada pela próspera Secom, ou pior, considerando que alguns postos importantes do MA foram negociados com o centrão, talvez a explicação fique com a Lavajato.
    No, próximo capitulo, aguardem mais trapalhadas, a solução para a Crise do Arroz.

  6. Sempre defendi que Matemática Financeira, Noções de Direito e Noções de Economia deveriam ser disciplinas do Ensino Médio.

    Se assim fosse, não se teria torcedores pretendendo revogar a Lei da Oferta e da Procura (congelem os preços … ). E entenderiam também o efeito do 13º salário sobre a economia em dezembro.

    “O importante agora é pensar no povo, a Economia a gente vê depois”. Pois é, o advérbio de tempo chegou.

    Plantio e colheita também ficaram para depois.

  7. Como as pessoas mudam, né não?
    Logo o morão que, quando arrimo de cerca na caserna, achava q 13º para quem trabalha é penduricalho, agora, numa bocarra federal, está feliz com a melhoria de vida dos recebedores do auxílio pandemia. Se estes conseguem até dar um grau nos seus barracos, imagine a habitação do vice, como deve ter evoluido, com as mordomias que “faz jus”.

    Vade retro, garrula!!

  8. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1991), mestrado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1995) e doutorado em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de São Carlos. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em antropologia da guerra e em sistemas hierárquicos, atuando principalmente nos seguintes temas: hierarquia, individualismo, estado, guerra e militares. Desde 2013 também realiza pesquisa no alto rio Negro, sobre hierarquia em sistemas tukano. (Fonte: Currículo Lattes)

    Tudo o que faz é bancado pelo contribuinte. Mais um FHC da vida. “Antropologia Social”: só no Brasil. Mais um curso “superior”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *