MPF considera os peritos da Previdência uma casta de privilegiados que pune os mais pobres

INSS: Secretário de Previdência cogita ir à Justiça para que peritos voltem  ao trabalho

Peritos do INSS estão se recusando a voltar ao trabalho

Vicente Nunes
Correio Braziliense

O Ministério Público Federal (MPF) usou argumentos fortes para convencer a Justiça à obrigar os médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a retornarem imediatamente ao trabalho. Esses profissionais estão prejudicando mais de 700 mil trabalhadores, a maioria, de baixa renda.

Na visão dos procuradores que movem ação civil pública para a volta dos médicos peritos ao trabalho, esses servidores tornaram-se castas que punem os mais pobres. Os privilégios são resultado da reestruturação da carreira promovida pelo governo. Os médicos peritos, agora, estão reunidos em uma subsecretaria vinculada ao Ministério da Economia.

SEM CARGA HORÁRIA – Por essa nova estrutura, os médicos peritos não estão sujeitos mais à carga horária semanal como todos servidores públicos, não tendo que assinar folha de frequência, bater ponto eletrônico e cumprir carga horária de 30 ou 40 horas semanais. Portanto, trabalham se quiserem e quando quiserem.

“Com essa alteração, passaram a ser servidores da administração direta da União Federal e, pasmem, passaram a ser tratados como verdadeiros agentes políticos”, ressaltam os promotores do Ministério Público.

JOGADOS À PRÓPRIA SORTE – Enquanto isso, os trabalhadores que dependem da perícia do INSS para receber, muitas vezes, a única fonte de renda da família, passam horas dentro de ônibus para chegar aos postos de atendimento — isso, quando não dormem ao relento em frente às agências — sem a garantia de que serão avaliados, como está acontecendo agora, porque os médicos peritos não atenderam à convocação do INSS para o retorno ao trabalho.

Diz mais do Ministério Público Federal: “A extensa recusa dos médicos peritos vem causando graves prejuízos aos segurados da Previdência Social e ao sistema previdenciário nacional, como um todo, já que atingiu, individualmente, milhares de indivíduos necessitados de perícias consideradas de caráter urgente e, por extensão, desorganizou a estrutura de atendimento do INSS, que acumula um passivo significativo de exames, que, para que seja exaurido, demandará concentração de esforços humanos e materiais, que poderiam ser canalizados para outras demandas dos segurados”.

CONDIÇÕES DE SEGURANÇA – Os médicos peritos alegam que o INSS não está oferecendo as condições de segurança necessárias para proteção durante a pandemia do novo coronavírus.

Tanto o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, quanto o presidente do INSS, Leonardo Rolim, garantem que tudo está dentro dos conformes.

A ação pública para o retorno dos médicos peritos aos trabalho corre na 2ª Vara Federal Cível e Criminal de Uberaba (MG).

9 thoughts on “MPF considera os peritos da Previdência uma casta de privilegiados que pune os mais pobres

  1. Mas o culpado por tal estado de coisas é um só, o próprio governo federal que resolveu extinguir o MPS fundindo-o com o do Posto Ipiranga. Como amadorismo no serviço público só resulta em m…, digo isto com conhecimento de causa(fui servidor público federal), deu no que está aí. O INSS nunca tratou bem os seus segurados, agora está conseguindo se superar, está tratando ainda pior.

  2. Boa tarde , leitores (as):

    Senhores Vicente Nunes ( Correio Braziliense ) , Carlos Newton e Marcelo Copelli , desde quando a ” Pandemia do Coronavirus – Covid 19 ” , surgiu no Brasil , e o Presidente Presepeiro Jair Messias Bolsonaro fez ?
    Exatamente nada , mas preferiu desqualificar , desonrar e desrespeitar literalmente todos os profissionais de saúde tanto Brasileiros ou Estrangeiros , que não pensavam como ele , ou seja , o Presidente teve tempo mais que suficiente encaminhar ou equacionar o problema , mas o fez porque não quis .
    Mas preferiu corromper e destruir os órgãos de controle , fiscalização e proteção do Estado Nacional Brasileiro , e agora covardemente culpa suas vítimas .

  3. Apesar de ter estudado História Geral na época central do governo militar, não foi ocultado de mim ou de meus colegas as razões que levaram o povo francês à Revolução Francesa ou o povo russo à derrubada do czar.

    Como espero que estes fatos sejam ainda inteiramente ensinados hoje em dia nas escolas, dou razão a Obdulio Varela: “O brasileiro é bom de bola mas”.

    Podem explorar à vontade, senhores dos poderes. Nada lhes acontecerá.

  4. Boa tarde , leitores (as):

    Senhores Vicente Nunes ( Correio Braziliense ) , Carlos Newton e Marcelo Copelli , desde quando a ” Pandemia do Coronavirus – Covid 19 ” , surgiu no Brasil , e o Presidente Presepeiro Jair Messias Bolsonaro fez ?
    Exatamente nada , mas preferiu desqualificar , desonrar e desrespeitar literalmente todos os profissionais de saúde tanto Brasileiros ou Estrangeiros ,que não pensavam como ele , com o agravante de ” DEBOCHAR / CAÇOAR ” de quem morreu e seus familiares e se apresentar como garoto propaganda de medicamentos , fugindo de suas atribuições para a qual eleito Presidente da República do Brasil , ou seja , o Presidente teve tempo mais que suficiente encaminhar ou equacionar o problema , mas o fez porque não quis .
    Mas preferiu corromper e destruir os órgãos de controle , fiscalização e proteção do Estado Nacional Brasileiro , e agora covardemente culpa suas vítimas .

  5. Bom quanto à obrigatoriedade de trabalhar em plena pandemia, deixo a discussão para os experts. Embora tenha sido operado semana retrasada pelo SUS.
    Quanto a essas perícias, não são muito diferentes dos famosos “exames admissionais”, Deveriam buscar experts no assunto para remodelar totalmente esse (des)serviço.
    Numa única vez que me deparei com essa gente tive as piores das impressões, em todos os sentidos. Inclusive a cara de nojo com que fui olhado. Parecia que eu, que sou uns milhões que lhe paga o salário e mantém o INSS, estava ali mendigando umas migalhas à realeza.
    Não posso, nesse aspecto do atendimento, generalizar, mas não creio que seja algo personalíssimo, mas da própria estrutura do (des)serviço.
    Inclusive achei uma maravilha ter feito o pedido do auxílio-doença pela Internet. Pois, além da fratura do tornozelo, não mereço ter o estômago embrulhado.

    • Aposto que o salário de um médico-perito seja cerca de 1/3 do vencimento dum procurador federal. Por isso, os peritos tratam o emprego do INSS como “bico”, e só vão o dia que querem.

  6. Esses tais peritos são cruéis no tratamento dispensado aos beneficiários do INSS. É uma categoria que não cumpre carga horária. São muito bem remunerados e deveriam ter um mínimo de compaixão pelo próximo.

  7. A períca médica é algo medieval. Com vários exames sofisticados, utrasonografia, raio-x, etc., o segurado debilitado, recém-operado ou acidentado tem que comparecer frente ao Tribunal da Inquisição para ser humilhado e ter, muita das vezes, seu benefício negado.
    É o sadismo burocrático elevado à quinta potência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *