MST radicaliza e mantém a invasão da fazenda que dizem pertencer a Temer

Duartina,SP,Brasil 09.05.2016 MST invade fazenda que dizem pertencer a Michel Temer Foto:Divulgacao/MST ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***

A fazenda que seria de Temer foi invadida por mil famílias

Cleide Carvalho
O Globo

O impeachment e o aumento do desemprego devem aumentar a tensão com ocupação de terras no país. Depois de fechar estradas, marchar nas cidades e protestar ocupando agências bancárias e órgãos públicos, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) promete por fim à trégua dada ao governo do PT.

— Os conflitos tendem a se acentuar. Não vamos aceitar um governo ilegítimo, que vai priorizar o agronegócio e criminalizar os movimentos sociais — diz Marina dos Santos, da coordenação nacional do MST.

Entre 2004 e 2015, o governo investiu R$ 2,5 bilhões em reforma agrária – R$ 1,3 bilhão apenas na compra de terras. Mesmo assim, o país segue com mais de 80 mil famílias à espera de lotes, segundo o DataLuta, do núcleo de estudos de Reforma Agrária da (Unesp).

“FAZENDA DO TEMER”

Antes do impeachment, a meta do MST era invadir uma fazenda por dia. Foi substituída por uma ação eminentemente política: a ocupação de uma fazenda em Duartina (SP), que está em nome de um amigo do presidente interino Michel Temer. Para o MST, a fazenda é de Temer.

Duas áreas ocupadas no estado, em Marabá Paulista e Mirante do Paranapanema, foram esvaziadas para reforçar a ação na fazenda de Duartina, onde já estão concentrados cerca de mil militantes do MST.

Só em 2015, mais de 7.500 famílias de camponeses aderiram ao movimento e 27 novos acampamentos criados em oito estados.

CONFLITOS E MORTES

Em 2015, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) registrou 771 conflitos por terra no Brasil, 214 deles envolvendo movimentos sem-terra, com 47 mortes — os demais são ligados a disputas em territórios indígenas e quilombolas. A violência é maior no Maranhão, Pará e Tocantins.

E os problemas se avolumam. Em Eldorado dos Carajás (PA), 20 anos após o assassinato de 19 sem-terra, fazendeiros da região acusam os militantes do MST de se aliarem a quadrilhas de roubo de gado. Há 15 dias, fecharam a BR-155 e passaram a abrir valas com escavadeiras para impedir o acesso às propriedades.

— Eles cortam cerca e matam animais. A vala é um jeito de os animais não chegarem onde eles estão — diz João Barreto, de Curionópolis (PA).

ACORDO NÃO VALEU

Barreto conta que, seis anos atrás, os sem-terra invadiram uma fazenda vizinha. A Justiça deu reintegração de posse e o grupo acampou na estrada. Aos poucos, entraram na fazenda dele. Diz que fez um acordo e os sem-terra ficaram em parte da área, ainda pendente de regularização no Terra Legal, programa criado pelo PT para resolver a situação fundiária na Amazônia. Agora, o grupo ameaça ocupar a área toda.

Barreto acusa os sem-terra de se aliarem a bandos que roubam gado na região:

— O sem terra usa o bandido na hora de brigar e o bandido se esconde debaixo da bandeira dos sem-terra.

NOVA OCUPAÇÃO

Os sem-terra bloquearam há dez dias a rodovia que liga Curionópolis e Parauapebas e acusaram pistoleiros de terem atacado a tiros um acampamento . Além do MST, pelo menos outros oito movimentos de sem-terra atuam no Pará.

Em Poço de Trincheiras (AL), um acampamento instalado há dois anos teve os barracos queimados por encapuzados. Os sem-terra dizem que a dona da antiga fazenda quer retomar a área para arrendar.

No Tocantins, 80 famílias deixaram uma área que teve reintegração de posse determinada pela Justiça e ficaram na beira do rio Tocantins. A polícia queimou e derrubou os barracos.

12 thoughts on “MST radicaliza e mantém a invasão da fazenda que dizem pertencer a Temer

  1. Fora de pauta.
    Está na Folha: A cúpula do PT está reunida até amanhã em Brasília, para discutir o destino do partido depois do impeachment… O Lula não está presente…. Nois sempre discunfio que nessi partido tinha ladrão. Num são da nossa confiança..kkkkkaaasss.

  2. ÊTA LUGARZINHO ESCULHAMBADO É ESSE TAL DE BRASIL.
    E ainda tem doutor que enche o peito, arrota choco por entre os dentes amarelos e diz: …”estado democrático de direito”!!!

  3. A respeito da notícia hoje publicada neste blog da Tribuna da Internet, sobre a invasão pelo MST de uma fazenda que seria do presidente Michel Temer mas que estaria em nome de terceiro, este fato tem previsão no Código Penal e no Código Civil. Mas confesso não saber o que é mais grave, entre a invasão e o uso do Palácio da Alvorada como “bunker de resistência” ou “Centro de Inteligência” para articular a “contraofensiva ao governo Temer”—como publicado na Folha de São Paulo—, pela sua ocupante, a presidente afastada Dilma Rousseff.

    O Palácio da Alvorada é um próprio da União. Sua destinação, pela lei e pelo costume (e costume é uma das fontes do Direito) é para servir de residência oficial do presidente da República. Não pode ser utilizado para outro fim. É o presidente da República quem deve nele residir com sua família. E Dilma, mesmo ainda ostentando o cargo de presidente, já não o exerce mais, pelo menos por 180 dias a contar do dia do seu afastamento por decisão do Congresso Nacional. Dilma demostra desacato ao parlamento, desprezo com as leis do país e falta de compostura para quem ainda segue contemplada com o cargo de presidente, mesmo sem exercê-lo. Dilma deveria se preocupar com a defesa que precisa apresentar ao Senado Federal. Dilma deveria viver esses 180 dias no mais expressivo recato e respeito ao Congresso Nacional, que a afastou do cargo.
    No entanto, pelo que se lê nos jornais, Dilma e sua gente não reconhece legitimidade em Temer para exercer a presidência da República. Mas nada adianta pensar assim, porque o fato está consumado.

    A Procuradoria-Geral da República cabe agir contra o comportamento de Dilma ao permitir transformar o Paláco da Alvorada como trincheira para atacar justamente aquele que nele deveria estar residindo, mas não está devido às benesses e aos favorecimentos que o presidente do Senado, Renan Calheiros, concedeu à presidente afastada, sem previsão em lei, ao lhe garantir uso do Alvorada e até colocar um jatinho à disposição para que saia pelo país em sua campanha difamatória contra um governo legítimo e constitucional.

  4. (PS: Os sem-terra já se juntaram aos LADRÕES faz tempo e o Estado nada fez. Todo o mundo sabe disso! Será preciso que todas essas pessoas desempregadas, famintas e desgraçadas que perambulam pelas ruas se juntem aos TRAFICANTES e ASSALTANTES para que os governantes resolvam sair da MODORRA fazer alguma coisa? Pela inércia, parece até que estão com LOMBRIGAS.)

  5. Boa noite, Leitores (as):

    Senhora Cleide Carvalho ( O Globo ) , porque cargas d’água nenhum órgão de imprensa Brasileiro ou até mesmo Estrangeiro que atuam no Brasil, não questionaram e não cobraram a LEGITIMIDADE do que foi feito com esse mundo de terras PÚBLICAS doadas á fundo perdido a essa entidade que se auto denominou ” Movimento dos Sem Terra – vulgo MST ” , que não presta contas á ninguém ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *