Muito obrigado, Francisco!

Percival Puggina

Como pode ser tão imenso o bem que não se vê? O mal me cansara os olhos e turbara meus ouvidos. A sociedade brasileira, pastoreada por lobos, emitia sinais de completa perdição. Quantas vezes, nas últimas décadas, obriguei-me a escrever – totalmente em vão, pensava – contra as muralhas que se erguiam para apartar os brasileiros da fonte de todo o bem. Eram muralhas erguidas com as pedras de uma certa mídia dotada de princípios e virtudes incertos, com as pedras de ideologias malsãs, com as pedras do deboche e da avacalhação.

Eram tão ferozes e tão continuados os ataques à Igreja (por dentro e por fora), andava tão desprotegida a vítima, que o coração dos fieis temia pelo futuro. Mas havia também, absconditus, um imenso bem que eu não via.

Por isso, a visita do Papa Francisco foi, de modo muito especial para mim, uma bênção e um bálsamo. Sua figura acolhedora e suas palavras ternas, plenas de verdade, conquistaram o povo brasileiro que, às dezenas de milhões, o acompanhou nos eventos do Rio, ao vivo ou pela tevê, cativado por seus exemplos e suas mensagens. O modo como os brasileiros o recepcionaram embasbacou os meios de comunicação. A audiência era tanta que se impôs uma cobertura quase permanente.

EM SARAGOZA

Há alguns anos, em viagem pela Espanha com minha mulher, decidimos num fim de tarde entrar na cidade de Saragoza. O trânsito estava tão lento e pesado que estacionei o carro no primeiro hotel que vi. Registrei-nos e saímos para uma caminhada até o centro da cidade. De repente, as pessoas surgiram de todos os lados e, em instantes, nos vimos no meio de uma multidão formada por centenas de milhares de devotos de Nossa Senhora del Pilar, padroeira da Espanha, cuja festa anual ocorre principalmente em Saragoza e exatamente naquele dia.

Lembro até hoje da sensação de haver iniciado a caminhada como indivíduo e ir me transformando, aos poucos, em parte da humanidade. Senti a mesma coisa diante das imagens das grandes concentrações ocorridas em Copacabana, a princesinha do mar e esplêndido umbigo da frivolidade nacional. Não, não estamos sós. Nem tudo está perdido. O povo brasileiro ainda conserva a capacidade de emocionar-se, de amar a Deus e ao próximo, de flexionar os joelhos diante do altar do Senhor.

Não houve qualquer dessas coisas frívolas que cremos serem as únicas capazes de tirar as pessoas de casa. Houve lágrimas rolando pelas faces e pelos corações. Houve risos da mais pura alegria. Houve um imenso testemunho coletivo de fé proporcionado por um público majoritariamente jovem, do mundo inteiro e do mundo moderno. Quanto isso deve ter embasbacado os inimigos da Igreja, os militantes do ateísmo e os sumo sacerdotes do materialismo! Como soaram patéticas e bisonhas as investidas da marcha das vadias e da militância ateísta contra a Igreja e contra a vinda do Papa Francisco! Ali, nas areias da Praia de Copacabana, milhões de brasileiros mostraram haver, na fonte de todo o Bem, verdades que libertam, belezas que encantam e forças restauradoras que salvam.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

4 thoughts on “Muito obrigado, Francisco!

  1. Meu caro Percival, surpreendeu também que até emissoras de tv notoriamente anti-católicas, como a Globo e a Record, elogiaram a JMJ e o Papa Francisco. Um homem de Deus, verdadeiramente o Vigário de Cristo na Terra!

  2. Sou ateu, mas não irracional. Há coisas boas e ruins de um modo geral da passagem do Papa.
    Quando o autor do texto fala em militantes, acredito que seja por ignorância, ao menos em parte. Claro que extremos há nos que seguem o ateísmo, como também naqueles que seguem qualquer filosofia/religião.
    Porém, falando-se em religião em específico, convém que saibamos que antes dela, vem o ser. O Estado laico requer que seja um todo organizado para a vida em sociedade dos diferentes. Dessa forma, patrocínios estatais a algo que é supérfluo desta ou daquela categoria não podem/poderiam ocorrer. Contratação pelo regime estatutário (se o Estado quiser, depois, acabar com tal ensino, os professores ficarão recebendo seus vencimentos integrais em disponibilidade) de 300 (trezentos) professores para ministrar religião confessional, ao custo de 2 milhões mês ou contratar profissionais da saúde extras para o evento da JMJ em razão da Dreams Factory não ter conseguido até os últimos meses antes do evento dar conta do recado.
    Emfim, a razão em primeiro lugar. O Estado é laico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *