Mulher de Daniel Silveira explica recebimento de auxílio emergencial : ‘Cancelar era bem complicadinho’

Paola alega que cancelar o benefício era “muito burocrático

Paulo Cappelli
O Globo

Mulher do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), a advogada Paola Daniel publicou um vídeo nesta terça-feira justificando o recebimento de auxílio emergencial mesmo ocupando cargo comissionado no Jardim Botânico, órgão federal.

Paola alega que cancelar o benefício era “muito burocrático” e ” bem complicadinho” e afirma que só soube da existência de dois depósitos de R$ 300 em sua conta após ser procurada pela reportagem do O Globo.    

“COMPLICADINHO” – “Descobriram que recebi o auxílio emergencial. Então veio aquele alvoroço. Realmente solicitei o auxilio emergencial, mas isso foi assim que saiu. Àquela época eu não morava com o Daniel. Não sou dependente dele. Eu tenho a minha dependência financeira, mas assim como muitos enfrentei dificuldades na minha área. Preenchi todos os requisitos para solicitar o benefício. Um tempo depois de solicitar o beneficio, soube que seria nomeada. Comecei a pesquisas sobre cancelamento do auxílio. Pesquisei e vi que o cancelamento era muito burocrático e, isso, se possível. Era bem complicadinho”, justificou.

“O tempo passou, minha nomeação não saiu. Demorou mais do que o previsto. Minha nomeação foi sair dia 20 de outubro. Como só saiu 20 de outubro, a folha de pagamento já tinha sido fechada, então eu só iria receber em dezembro. Para a minha surpresa, em novembro eu recebi uma parcela. Ora, fiquei até em dúvida. Falei: ‘Poxa, será que faço jus ou não?’ Até porque como minha nomeação foi 20 de outubro, de repente tenho direito à parcela de novembro. Vou pesquisar direitinho para saber se tenho que devolver”, disse.

“Fica tranquila, se você recebeu a última parcela é porque você tem direito. Se não o governo já teria cortado o seu benefício´”, disse ela no vídeo, sem no entanto, informar de quem havia recebido o comunicado”. “Tive essa informação e fiquei tranquila”, afirmou.

SURPRESA – “Como eu estava trabalhando em órgão federal, eu pensei, óbvio, os sistemas se comunicam, né? O meu benefício vai ser automaticamente cancelado. Para a minha surpresa, em novembro eu recebi uma parcela”, continuou.

Ela disse que só foi saber de duas parcelas de R$ 300 que caíram em sua conta após reportagem do O Globo entrar em contato. Segundo Paola, o dinheiro caiu em uma conta que ela não costuma movimentar.

“O jornalista printou e me mostrou. Eu falei `desconheço´. Peguei meu extrato, printei e mostrei o extrato de dezembro. Diante disso falei, vou dar uma olhada com calma na minha conta, porque como é conta que não movimento, não fico olhando. Olhei o extrato de janeiro e, para minha surpresa, tinha dois extratos de R$ 300, de 18 de janeiro. Eu desconhecia, tanto que o dinheiro ainda está lá. Já vi como faz para fazer a devolução. Já imprimi a guia. Hoje o sistema é muito mais fácil do que antes. Vou fazer a devolução. Não sou mal caráter nem tiro dinheiro de quem precisa. A questão da mídia não é a Paola, é o Daniel Silveira. Isso tudo é para denegrir a imagem dele”, finalizou.

5 thoughts on “Mulher de Daniel Silveira explica recebimento de auxílio emergencial : ‘Cancelar era bem complicadinho’

  1. Várias coisas graves.

    Primeiro ela ter solicitado o benefício. Como advogado é profissional liberal, com liberdade e autonomia, a esperteza parece que motivou a moça para obter o benefício, que na situação dela é imoral, antes de ilegal, apesar de alegar que preenche os requisitos.
    Isso porque os Tribunais não pararam de funcionar totalmente. Há tempos que os processos judiciais são eletrônicos. E advogado tem causas sob seus cuidados por meses, anos. Os honorários variam.
    Casos de advogados obtendo auxílios deveriam ser punidos pela OAB.

    Outra tendo sido nomeada para cargo público em comissão. Quais critérios para nomeação(??) Se fosse profissional tão boa na sua área e capaz não teria sequer (supostamente) precisado pedir auxílio emergencial algum.
    Essa nomeação revela claramente como são as coisas no serviço público. O cabide de emprego que se tornou certos órgãos. Tanto com cargos comissionados como contratações terceirizadas – tem órgão que triplicou o número destes últimos na área administrativa mesmo na Pandemia…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *