Mulher de João Santana sonha com uma delação que a força-tarefa despreza

Renato Onofre
O Globo

Os investigadores da Operação Lava-Jato suspeitam que a publicitária Mônica Moura, mulher do marqueteiro petista João Santana, pode ter tentando apagar os rastros de recebimentos de recursos de campanha não declarados. A força tarefa da Lava-Jato apreendeu, em fevereiro, uma caderneta azul da publicitária com anotação: “Determinar final de operações PF”.

Para os investigadores, a anotação pode significar uma ordem para parar de receber dinheiro “por fora” (PF). O casal de publicitários está preso na Lava-Jato desde fevereiro acusado de receber cerca de US$ 20 milhões da construtora Odebrecht e do operador Zwi Skornicki em contas secretas no exterior, não declaradas à Receita Federal. A Lava-Jato afirma que parte dos recursos foram desviados da Petrobras.

Em depoimento à Justiça, Mônica Moura admitiu ter recebido recursos não declarados, mas disse que eram relativas a contratos no casal no exterior e que não tinham ligação com a estatal.

ESTRATÉGIASOutra anotação chamou a atenção dos investigadores. Nela, aparece a palavra “ÉTICA” e, abaixo, seis tópicos com referências políticas. Entre eles, a frase: “todos do povo foram acusados (GET, JK, BRIZOLA)”. A anotação, segundo as investigações, pode significar estratégias e orientações de João Santana para o governo da presidente afastada Dilma Rousseff.

Em discursos e pronunciamentos, Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, repetidamente, fazem analogias a suposta perseguição contra os governos petistas a situações vividas por ex-presidentes populistas como Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek e o ex-governador do Rio, Leonel Brizola.

ANOTAÇÕES FATAIS – O hábito de Mônica Moura fazer anotações foi que levou a deflagração da 23ª fase da Lava-Lato. Um documento apreendido na 9ª fase da operação mostrou uma ligação entre Monica Moura e o lobista Zwi Skornicki, apontado como um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras. Na anotação, havia um recado sobre um contrato entre a offshore Shellbill Finance S.A. e Zwi:

“Mando cópia do contrato que firmei com outra empresa como modelo. Acho que o nosso pode ser simplificado, este é muito burocrático, mas vcs que sabem. Apaguei, por motivos óbvios, o nome da empresa. Não tenho a cópia eletrônica, por segurança. Espero notícias. Segue também os dados de minha conta com duas opções de caminhos. Euro ou dólar. Vcs escolhem o melhor. Grata. Abs. Mônica Santana”.

A carta indicou números de contas do Citibank em Nova York e em Londres, que correspondiam a uma conta na Suíça, usado pelo casal para ocultar valores no exterior.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A delação premiada não sai, porque a força-tarefa já sabe tudo sobre o casal,  e Mônica se desespera. O mais incrível é que o João e Mônica Santana já estavam podres de ricos, em todos os sentidos, não precisava continuar a se corromper. Mas os dois foram em frente, querendo mais, cada vez mais. Para quê? Para nada – como ensinou o escritor Miguel de Cervantes, no romance Dom Quixote, e Ascenso Ferreira depois passou adiante, em louca disparada. (C.N.)

9 thoughts on “Mulher de João Santana sonha com uma delação que a força-tarefa despreza

  1. Acho que Cuba deveria criar a exemplo do Brasil o Bolsa Companheiros em apuros e o MP enviar para la todos os petistas ja condenados, assim ficaríamos livres deles e das despesas com a prisão.

  2. Precisa falar alguma coisa a mais. “Na prisão eu não fico” coloco todo mundo.
    O STF não precisa de mais nada para ver que a aprovação da condenação a partir da 2ª instância , precisa ser amanhã.
    Atentai-vos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *