Na Davis, o verdadeiro Nadal

Não estava firme no primeiro set, lutou até o 5 a 5. Quebrou Berduych, fez 6 a 5, fechou. No segundo, absoluto, o espanhol marcou 6/0.

Veio o terceiro, a expectativa era de recuperação, tem acontecido.

Mas Nadal continuava firme, ganhou o terceiro set, vibrava muito. Não sei se pelo fato de jogar bem, ou se comemorava a volta ao saibro.

Eram 3:40, o Brasil, do outro lado do mundo, conhecia seus adversários. Em 2006 teve que enfrentar a ele mesmo e ao exibicionismo de Parreira.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *