Na economia, o leão (EUA) pode repartir a presa como quiser. E as hienas ficam com os restos…

José Flávio Bortolotto

Assim como o FED (Banco Central americano) está injetando trilhões de dólares para salvar seu sistema bancário e recuperar a Bolsa de Valores e o mercado imobiliário, não vejo por que nosso Banco Central não possa também fazer um pequeno “quantitative easing” de alguns bilhões de  reais para comprar todas as ações das empresas X de Eike Batista, mantendo-as sob controle do capital nacional (o que seria estratégico) e livrando do prejuízo tantos acionistas, entre eles grandes fundos de pensão.

É só uma questão de política, pois tecnicamente nada impede. Mas claro, se fizéssemos isso, as agências internacionais iriam rebaixar nosso rating abaixo de zero, o real perderia sua conversibilidade internacional etc, etc.

Mas por que o rating dos EUA não caem também abaixo de zero, e o US$ dollar não perde sua conversibilidade internacional? É que o leão pode repartir a presa como quiser, enquanto que nós, as hienas, temos que nos contentar com as sobras.

COTAÇÃO DO DÓLAR

A meu ver não é tanto o dólar que é incontrolável, mas o fato da economia brasileira quase sempre operar em duplo déficit. Ou seja, déficit no Balanço de Pagamentos Internacional (entre US$ 80 e 100 Bi/ano), e déficit Fiscal(Orçamentário) de aproximadamente 3,5% do PIB (R$ 175 Bi/ano).

Nosso Governo gasta muito com juros, custeio e aposentadorias/pensões, principalmente do funcionalismo. Cobrimos esses déficits, que são frutos de custeio da máquina e não de investimentos, com capital internacional, em outras palavras, desnacionalizando a economia brasileira (privada e estatal).

Só de 2004 a 2008 conseguimos reduzir nosso déficit no Balanço de Pagamentos e formamos uma bendita reserva de US$ 420 bi, que agora temos que ir queimando para tentar controlar o câmbio, e estamos hoje com reservas de apenas US$ 370 Bi.

Quando a conjuntura era favorável ao ingresso de capital internacional, pois ganhavam nos juros e no câmbio, com o real se valorizando, eles investiam aqui, agora que perdem mais no câmbio do que ganham de juros, retornam para o exterior.

Estima-se que o dólar chegará a R$ 2,70 até o fim do ano. É triste a vida de quem depende dos outros. Precisamos ir reduzindo nosso duplo déficit, e ir nos “independizando” do capital internacional. Capital bom é capital nacional.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGÉ preciso extrair algo positivo, sempre que nos acontece algo negativo. No caso do câmbio, dólar a R$ 2,70 estará de bom tamanho para reduzirmos as importações desnecessárias e aumentarmos as exportações, para gerar superávit comercial. Seria bom ver nosso mestre Bortolotto analisando essa situação. (C.N.)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

33 thoughts on “Na economia, o leão (EUA) pode repartir a presa como quiser. E as hienas ficam com os restos…

  1. Apesar de não ser especialista no assunto Câmbio, aliás um dos mais complexos da Economia, eis minha opinião: Uma Economia é tanto mais geradora de Padrão de Vida para a média do Povo, quanto mais ela for realizada por Empresas Nacionais (Privadas/Estatais). Sua eficiência será tanto maior quanto sua Poupança/Investimento (Renda não consumida), for maior e reinvestida. O câmbio, Real x Dólar, que mais favorecer isso, é o de equilíbrio, o melhor. A partir de 1973, o Câmbio passou a ser “flutuante”, não mais uma relação fixa como no Regime de Bretton Woods, criou-se em Nova York um Mercado Internacional de Moedas, e os Bancos Centrais, através de Compra/Venda de Dólares/Derivativos tipo SWAPs, etc, “fazem o Cãmbio de sua Moeda”. Gigantescos fluxos de Dólares perseguindo Taxas de Juros, e variação no Valor de Moedas, fluem e refluem desse gigantesco Mercado de Nova York. Apesar de nossas boas Reservas de Dólares, o Banco Central se vê atordoado para controlar essas gigantescas ondas desestabilizadoras. Foi ruim quando após 2008 esses fluxos de Dólares entraram no Brasil e apreciaram o Real até US$ 1,50 e agora que refluem depreciam o Real a US$ 2,35, com viés de alta, pior ainda. Em 2013 (Ago) o Real já depreciou +- 17%, e se realmente for a US$ 1 = R$ 2,70, será um variação de +- 35% em menos de um ano. O problema vai ser essa transição, pois quem estiver devendo em Dólares vai passar muito apertado. E isso vai gerar uma grande pressão inflacionária que exigirá Selic de 2 dígitos, coisa que nossa Presidenta Dilma não admite. A difícil tarefa do BC é conduzir essa transição com o mínimo de dano possível, porque muito dano vai haver. Passada a transição, me parece que um Dólar a 2,70 – 3,00 estaria mais perto do ponto de equilíbrio. Mas nada disso adianta muito se não eliminarmos nosso Duplo Deficit. Abrs.

  2. Prezado Sr. Paulo Barão, Saudações.

    Do ponto de vista técnico a Economista Profª Maria Lúcia Fatorelli tem toda razão. O problema a meu ver, é Político. Como nossa Economia é dominada em seus setores mais dinâmicos e rentáveis por Empresas de Capital Internacional, ditas TransNacionais, e operamos em Duplo Deficit ( do Balanço de Pagamentos US$ 80 – 100 Bi/ano, e Fiscal de +- 3,5% do PIB, R$ 175 Bi/ano), somos MUITO DEPENDENTES do Capital Internacional. A curto/médio prazo teríamos mais a perder do que ganhar. Primeiro temos que ir reduzindo até eliminar nosso Duplo Deficit. Depois fazer um Fundo. Depois fazer a Auditoria da Dívida Pública. Países pequenos como o Equador, podem até arriscar, arriscou aliás, mas a 6ª Economia do mundo é outra coisa completamente diferente. Abrs.

  3. Perfeito Sr. Bortolotto. Participo da sua opinião. A tendência é que o dólar se estabilize entre RS$2,70 e RS$2,90. São quase vinte anos de valorização do real, ou seja, da sustentação de uma situação de desequilíbrio em desfavor do país e da economia como um todo.

    O dólar subvalorizado afetou negativamente o balanço de pagamentos, gastamos muito dinheiro lá fora (Flórida)com viagens e compras e substituímos muitos produtos nacionais pelos importados, simplesmente, porque se tornou mais barato importá-los que produzi-los.

    Com a moeda americana em patamares mais altos e mais realistas, o déficit da balança comercial aumentará, já que estamos importando muito combustível e derivados; e, fatalmente a Petrobrás terá de repassar o reajuste dos preços ao mercado interno. Situação em que incluo na transição descrita em seu excelente artigo.

    Não tem outro caminho, o Brasil tem de avançar para a autossuficiência em petróleo. Até lá, pagaremos o preço ditado pelo mercado externo, sob pena de tornar a Petrobrás inviável. Há aqui uma incógnita sobre o impacto inflacionário que essa medida de ajuste trará. Especialistas estimam que chegue a 0,25 pontos percentuais de impacto inflacionário num primeiro momento.

    A transição, também, incluirá novas acomodações de preços a outros produtos como veículos e eletroeletrônicos já que muitos componentes não são produzidos aqui no Brasil, mas, importados e apenas montados em nosso país.

    São acomodações que teremos de encarar. Por outro lado, a produção nacional, genuína, estará mais protegida da concorrência externa. Digo isto olhando para outros produtos como sapatos e roupas, por exemplo, cuja concorrência chinesa, principalmente, tem provocado desastres em nosso mercado de mão-de-obra. Melhor, também, para nossas exportações que ampliarão suas receitas.

    Como a desvalorização cambial (aumento do dólar frente ao real) é uma realidade que chegou para ficar, há uma tendência do aumento da taxa básica de juros (SELIC), necessária, a fim de restringir o crédito e não deixar que os produtos nacionais, com menor concorrência de produtos estrangeiros, não empurrem a inflação para cima. É, do mesmo modo, um ajuste da política monetária frente ao aumento da cotação do dólar. É muito provável, com já disse aqui há alguns meses, que a SELIC termine o ano em 9,75% a.a.

    Não tem outro jeito, já entramos no período de transição.

    Forte abraço.

  4. http://en.rian.ru/military_news/20130516/181177002/Russian-Pacific-Fleet-Warships-Enter-Mediterranean.html

    Google foi criado com dinheiro de semente CIA na década de 1990, com a NSA parceria

    Sobre o mesmo tempo, a CIA pegou pornografia vendedor Jimmy Wales para fundar projeto Wikipedia da CIA, tendo identificado sionista judeu Sabbatean País de Gales como alguém que gostava de crimes de prejudicar as crianças e ajudar matar pessoas inocentes

    Os EUA percebi muito rapidamente que precisava dominar a internet e resultados de pesquisa de controle, e eles descobriram, com a ajuda da mídia, eles poderiam essencialmente fazê-lo com apenas 2 sites, Google e Wikipedia

    ‘Ex-agente: Dinheiro CIA ajudou a lançar a semente do Google, se aposentou inteligência agente Robert David Steele entrevistado por Paul Joseph Watson, e falando da CIA Dr. Rick Steinheiser e suas conexões com o Google: http://www.infowars.com/articles / bb / google_cia_seed_money_launched_googl …

    «E-mails interceptados expor Google como um contratante inteligência abertamente envolvido em ajudar organizações terroristas em toda a África, da Ásia e do mundo, trabalhando bem fora de qualquer fiscalização oficial e autoridade, muito além até mesmo selvagens abusos da CIA. »
    ‘Google, além da CIA: Insurgência e Espionagem Factory’ http://www.veteranstoday.com/2013/04/10/google-beyond-the-cia-insurgency

    «Wikipedia … Serviços de inteligência de Israel. Eles controlam Wikipedia e usá-lo para dar cobertura a crimes de guerra, campanhas de difamação e como cobertura para operações de espionagem … Muitos Wikipedia “editores” são, na verdade, terroristas, espiões ou pessoas altamente perturbados »
    – Gordon Duff, editor, Veterans Today, uma publicação que também observa:

    «Wikipedia é saudado por sionista Israel como” … a principal fonte de informação no mundo. ” Eles ainda anunciar … que a Wikipedia é “… sob constante revisão, pagos de ativos sionistas.” »Citando: http://www.ascertainthetruth.com/att/index.php/the-media/who-controls-th

    http://www.ascertainthetruth.com/att/index.php/the-media/who-controls-the-media/429-zionist-control-of-wikipedia

    Zionist Control of WikiPedia
    http://www.infowars.com/articles/bb/google_cia_seed_money_launched_google.htm

    Ex-Agent: CIA Seed Money Helped Launch Google
    http://www.infowars.com

    http://www.veteranstoday.com/2013/04/10/google-beyond-the-cia-insurgency-and-espionage-factory/

    Google, Beyond the CIA: Insurgency and Espionage Factory
    http://www.veteranstoday.com

    http://www.reuters.com/article/2011/10/27/us-cybersecurity-banks-idUSTRE79P5E020111027

    Exclusive: NSA helps banks battle hackers
    http://www.reuters.com

    “Quando Zuckerberg estava em Harvard, a CIA – “laço sionista da estrela da internet” já estava bem estabelecido, e Zuckerberg foi escolhido para dirigir outra CIA – projeto de internet ao lado da CIA Google e Wikipedia da CIA

    «… financiamento no Facebook ($ US12.7 milhões) vieram de capital de risco Accel Partners. Seu gerente de James Breyer … atuou no conselho … de In-Q-Tel, uma empresa de capital de risco estabelecidos pela Agência Central de Inteligência, em 1999. Uma das áreas-chave da empresa de especialização são em “tecnologias de mineração de dados”. » http://adventofdeception.com/facebook-ciacover-nwo-agenda/

    Google ea NSA: Quem está segurando o ‘merda-bag’ agora?

    http://thestringer.com.au/google-and-the-nsa-whos-holding-the-shit-bag-now/#.UhvKDNKkrqV

    Google Track you!!
    http://donttrack.us/

    Síria e Irã faz o primeiro aviso explicito a Israel se os Estados Unidos atacarem;
    ‘Temos armas estratégicas e somos capazes de responder ” diz oficial Damscus;
    Rússia: Ocidente tem nenhuma prova de ataque químico
    http://www.timesofisrael.com/syria-iran-issue-explicit-warning-to-israel-if-us-attacks/

    VLADIVOSTOK, 16 de maio (RIA Novosti) – Um grupo de navios de guerra da Frota do Pacífico da Rússia entrou nas águas do Mediterrâneo, pela primeira vez em décadas, um porta-voz da frota, disse nesta quinta-feira

    http://en.rian.ru/military_news/20130516/181177002/Russian-Pacific-Fleet-Warships-Enter-Mediterranean.html

    Putin responde a Síria Escalation: Pode “Reforçar Agrupamento naval no Mediterrâneo” Following acúmulo EUA

    http://www.zerohedge.com/news/2013-08-24/putin-responds-syria-escalation-may-reinforce-naval-grouping-mediterranean-following

    A Russia tem o Monopólio da venda do Gás natural para Europa, Só ela consegue fornecer gás Natural a um custo baixo com a infraestrutura de tubulações montada, que financia predominantemente sua Economia, A Síria impede que o Quatar construa um gasoduto que atravesse solo Sírio para que não retire o monopólio da venda do Gás Natural da Rússia essa por sua vez da Proteção a Síria, o Qatar tem que liquefazer o Gás Natural para vender para Europa, aumentando o custo, assim o qatar financia a Guerra na iminência de mudar o governo e ter autorização para construção do Gasoduto.

    Estados Unido tem uma divida interna de 16 trilhões de dólares, Impagável, Já a Russia é o País Emergente mais austero, com receitas em exportação de petróleo e gás, além do 2ª Maior força terrestre, enquanto a economia dos Estados unidos se degrada a Russia conseguiu se reerguer com uma dívida baixíssima.

    Objetivo do Estados Unidos é afetar a Russia economicamente acabado com o monopólio da venda de Gás Natural para Europa, Fazer uma Cabeça de Ponte para invasão do Irã.

    http://www.economist.com/content/global_debt_clock

    http://portuguese.ruvr.ru/2013_08_23/Armas-quimicas-como-meio-de-manipular-opiniao-publica-4125/

    Mistério Patrocinador de armas e dinheiro para sírias mercenários “rebeldes” Revelado

    http://www.zerohedge.com/news/2013-05-16/mystery-sponsor-weapons-and-money-syrian-rebels-revealed

  5. A questão é a grande dependência dos importados – matérias primas, componentes e produtos acabados. O impacto na inflação é inevitável.
    É verdade que será necessária a substituição de produtos importados por fabricados aqui. Mas, aí entra o tal do custo Brasil.
    Também é verdade que irá melhorar o balanço de pagamentos com o aumento das exportações, via aumento da competitividade dos produtos made in Brasil.
    Mas, por outro lado, irá crescer o serviço da dívida.
    Enfim, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Foi isso que os iluminados do PT fizeram com a precária economia brasileira.

  6. Sauditas oferecer a Rússia o negócio do petróleo em segredo se Síria cair.

    Arábia Saudita ofereceu secretamente aos russos um acordo abrangente para controlar o mercado mundial de petróleo e salvaguardar os contratos de gás da Rússia, se o Kremlin se afasta do regime de Assad na Síria.

    “Entendemos grande interesse da Rússia no petróleo e gás no Mediterrâneo de Israel para Chipre. E nós compreendemos a importância do gasoduto russo para a Europa. Nós não estamos interessados ​​em competir com isso. Podemos cooperar nesta área “, disse ele, pretendendo falar com o total apoio dos EUA.

    http://www.telegraph.co.uk/finance/newsbysector/energy/oilandgas/10266957/Saudis-offer-Russia-secret-oil-deal-if-it-drops-Syria.html

    Nunca O Twain
    http://www.mauldineconomics.com/ttmygh/never-the-twain

  7. E mais uma vez, aqui está o estrangeiro aviso Lavrov ministro russo contra uma intervenção sem uma primeira votação da ONU (que a Rússia iria vetar, obviamente):

    Oh, e de alguma forma a Coreia do Norte está envolvido agora também:

    BLOCOS DA TURQUIA COREIA DO NORTE ARMA embarque para a Síria, Diz Sankei

    http://www.zerohedge.com/news/2013-08-26/syriana-official-tells-cnn-us-could-strike-within-hours-russia-warns-against-attack

  8. Sempre importante e didatico, o Mestre Bortoloto nos explica como funciona a nossa outrora falida economia. Todos que aqui frequentam, aprederiam muito lendo Bortoloto.
    Newton, pela vez primeira, concordo com a Nota da Redação

  9. A nota da redação, que concordo, eu gostaria de ver Mestre Bortoloto tecer comentarios, e nos dizer porque nos anos de fhc, o dolar chegou a estratosfericos 3,57 e mesmo assim, o Brasil continuava a ter deficit ano apos ano. Sera que era incompetência deles, ou era aquela mania de se exportar e importar sem documentos, os famosos caixa dois?

  10. Existem comentarios dizendo que são 20 anos de valorização do Real, engano o Real valorizou-se no inicio do Plano, nos ultimos anos do governo fhc, o Real foi uma das moedas que mais se desvalorizaram, chegando a desvalorizar-se de 0,83 governo Itamar para 3,57 governo fhc. Desvalorizou-se em 8 anos 320,12%.

  11. Desculpe-me, mas, não há engano algum. A informação é esta mesma: o real está com paridade cambial valoriza há quase vinte anos. Sustentada artificialmente pela política cambial.

    Lembrar que não estamos tratando do efeito inflacionário, isto é, da desvalorização da nossa moeda por efeito inflacionário, internamente. Mas, de paridade cambial.

    Se formos verificar o quanto a nossa moeda se desvalorizou internamente desde 1984 chegaremos a 273,54%, com uma taxa média anual de inflação em torno de 7,18%. Mas, essa desvalorização interna não tem conexão com o câmbio, mantido pelo Banco Central a determinada paridade.

    Antes de tudo, é preciso comparar a inflação interna com a externa. Fazendo isto, os especialistas chegam ao valor de paridade legítima do real com o dólar que está, atualmente, entre R$2,70 e R$2,90 por dólar.

    Se o câmbio está sendo mantido a um valor abaixo disso por questões múltiplas, a R$2,34 por exemplo, é porque está sendo mantido artificialmente. E é o caso do Brasil.

  12. Desculpe-me mas a informação correta é esta: O Real desvalorizou-se, desde o fim do governo Itamar, onde um dolar valia 0,83 centavos de real, e em 31 de dezembro de 2012 a “competencia” tucana, derrubou a moeda chegando um dolar a custar R$ 3,57. Foi a moeda que mais se desvalorizou no mundo naquela epoca. É so fazer contas que veremos o desastre que fizeram com Pais

  13. Desculpe-me, novamente, mas, o que fica claro é que além de ignorar a realidade o equívoco ocorre com o reconhecimento dos erros dos governos. E os maiores erros foram se somando nos dez últimos anos do governo petista.

  14. Prezado Sr. Francisco de Assis, Saudações.

    Obrigado pelas palavras elogiosas. Outros Comentaristas, especialmente o Sr. Wagner Pires acima, escrevem e explicam melhor do que eu. Tenho certeza de que muitos Leitores sabem, e tem bem mais prática do que nós, mas não Comentam. É uma pena. Quanto mais Comentários, melhor.
    Minha resposta.
    No octavonato de FHC/Marco Maciel, o US$ Dólar chegou a R$ 3,57 mas foi num pico, questão de poucas semanas no fim do Governo em Dez 2002. Houve flutuações mas no geral o Governo FHC/Marco Maciel operaram com o Real sobre-valorizado. Tiveram crescimento médio do PIB de 2,5%aa, muita Recessão e Desemprego sempre próximo de 15% da |Força de Trabalho. Inflação +- dentro da meta. Reservas Banco Central +- US$ 30 Bi.
    No octavonato Lula/José Alencar, US$ Dólar flutuou menos, R$ 1,60 – 2,00, crescimento médio do PIB de 4,5%aa, bom, acabou a Recessão e o Desemprego caiu até 6% da Força de Trabalho. Inflação +- dentro da meta 4,5%aa. Reservas no Banco Central de US$ 420 Bi. Tiveram sorte de pegar uma Conjuntura internacional boa com valorização de nossas Commodities e usaram bem o Crédito de médio e longo prazo no financiamento de automóveis/bens duráveis e Imóveis, que passou de 15% do PIB para os atuais 60% do PIB. Governaram melhor e fizeram a sucessora.
    No Governo Dilma/Temer, Dólar flutuando de R$ 1,70 – 2,40, crescimento médio do PIB de 2%aa, com viés de alta. Desemprego +- 5,5% da Força de Trabalho, Inflação +- dentro da meta de 4,5%aa – 6,5%aa. Reservas BC US$ 370 Bi. Levar em conta que a Presidenta Dilma partiu de um patamar alto, crescimento do PIB 7,5% em 2010/2011 quando assumiu, nosso Mercado de Commodities está desacelerando e o motor do Crédito está quase esgotado. Se manter o Desemprego no atual nível, conseguir Inflação dentro da meta e aumentar um pouco o crescimento econômico em 2014, apesar de tudo é fortíssima Candidata a se re-eleger. Dilma/Temer baixaram os Juros Reais até ZERO, praticamente a Tx, de Inflação, subsidiaram os Combustíveis, baixaram a Energia Elétrica +- 20% Residencial e 30% Industrial, e contavam com certa depreciação do Real, como está acontecendo, para fazer a Economia decolar. Não decolou, ainda está rolando na pista. Na Teoria estava tudo certo, mas a prática ainda exigia transmitir CONFIANÇA no Empresariado, despertar os animal spirits do Empresariado, tomar muitas pingas com o Pessoal da FIESP para INVESTIREM. Agora está consertando e acho que vai. Abrs.

  15. quem agradece sou eu, caro Bortoloto, pela sua aula sobre economia. Gostaria, se possivel uma avaliação da divida brasileira em relação ao PIB, governo Sarnei, Collor, Itamar, FHC, Lula e Dilma

  16. Prezado Sr. Francisco de Assis, Saudações.

    Dados da Revista BNDS, Economista Prof. Fábio Giambiagi.
    Governo Sarney 1985 – 1990 Dívida Pública Líquida/PIB média de 55% do PIB.
    Governo Collor 1990 – 1992 ” “” “” 50% do PIB
    Governo Itamar 1992 – 1994 ” “” “” 40% do PIB
    Governo FHC 1995 – 2002 (Plano Real) “” “” 30% do PIB
    Governo Lula 2003 – 2010 “” “” “” 37% do PIB
    Governo Dilma 2011 – 2013… “” “” “” 35% do PIB
    Abrs.

  17. Mestre Bortolotto, divulgue do mesmo modo a dívida bruta, pois o PIB brasileiro aumentou muito de 1985 para cá, diluindo a dívida líquida, e dando a impressão errônea de que os números melhoraram por competência do governo petista, quando na verdade o volume da dívida aumentou demasiadamente!

    Evolução da Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG):(Fonte: Banco Central)

    2002: R$994,0 bilhões
    2003: R$1,048 trilhões
    2004: R$1,101 tri
    2005: R$1,215 tri
    2006: R$1,337 tri
    2007: R$1,543 tri
    2008: R$1,741 tri
    2009: R$1,973 tri
    2010: R$2,011 tri
    2011: R$2,243 tri
    2012: R$2,583 tri
    junho/2013: R$2,715 trilhões

    E como a dívida, hoje, está dividida? Está assim:

    – títulos atrelados ao câmbio: 5%
    – títulos atrelados aos índices de preços: 25,1%
    – títulos atrelados à selic: 39%
    – títulos atrelados à TR: 1,9%
    – títulos pré-fixados: 29%

    Isto quer dizer que, como grande parte da dívida está atrelada aos índices de preços, à selic, e mesmo ao câmbio, quanto maiores forem a inflação, a taxa de juros básicos e o câmbio, maiores serão as remunerações desses títulos aumentando ainda mais a nossa dívida pública.

    O quadro não é animador, mesmo olhando a dívida pública pelo critério da dívida líquida, uma vez que os sucessivos “pibinhos” previstos até 2020 farão esta dívida aumentar muito a partir dos 35% atuais. Uma vez que o governo, mantido os “pibinhos”, continuará emitindo títulos com remunerações cada vez maiores.

    O quadro não é alvissareiro!

  18. Obrigado pelos sua forma gentil de nos informar Bortolotto.
    O cheque com fundos que o Brasil pode emitir HOJE é de 470 bilhoes de dolares.
    Nos anos de Fernando Henrique o Pais não conseguiria emitir um cheque de 40 bilhoes. Mudamos para muito melhor.

  19. Prezado Sr. Wagner Pires, muito obrigado pela complementação com os Valores da Dívida Bruta do Governo Geral. Ela atinge no momento pouco mais de 60% do PIB. Como nossa Dívida Pública é girada a média de Juros de mais de 10%aa, seu custo é altíssimo e atinge +- R$ 275 Bi/ano. E como ainda temos o Duplo Deficit para tampar, concordo plenamente que não é uma situação confortável. Mas também não é nenhuma tragédia, dá para administrar. Temos mesmo é que ir reduzindo até ZERAR o Duplo Deficit. Abrs.

    Prezado Sr. Francisco de Assis, eu diria que o cheque com fundos que o Brasil poderia emitir hoje é de +- US$ 370 Bi. O Governo PT-Base Aliada governou melhor, tanto que conquistou das Agências Internacionais de Rating o famoso “Investment Grade”. Mas como bem alerta acima o Sr. Wagner Pires, arrisca-se a perdê-lo em futuro próximo se o Governo deixar as Contas Nacionais se deteriorarem. Abrs.

  20. Não existe importação ou exportação desnecessárias. O País já é totalmente fechado ao mundo e ainda querem fechá-lo ainda mais? Para quê? Para nos tornarmos uma Venezuela e nem podermos mais limpar o nosso traseiro com um bom papel higiênico?
    A primeira parte do texto é de uma fraqueza terrível: os EUA não irrigam a sua economia para salvar os bancos, mas para salvar a sua economia como um todo e para gerar empregos e renda. Alguns bancos foram salvos na crise de 2008, o estado acabou se tornando sócio de alguns deles, o que gerou LUCRO para o país, haja visto que as ações subiram. E os bancos antes salvos praticamente já recompraram todas as suas ações em poder do estado. Muito diferente do que fez aqui o Governo Federal com o Pan-Americano, por exemplo.
    Muito menos para recuperar a Bolsa. Bolsa sobe e Bolsa desce, os agentes andam sempre na frente, vivem de expectativas, fazem suas apostas e são recompensados por isso. Muitas vezes são duramente penalizados também.
    Fazer um QE para salvar a OGX seria uma coisa patética: o Eike, que vendia a idéia de extrair 50.000 barris de petróleo por dia, recentemente disse que não vai conseguir honrar nem 5.000! Mais dinheiro que o BNDES(leia-se NÓS CONTRIBUINTES!!!) já doamos para ele seria demais! O Governo capta a 9,0%aa e “doa” ao Eike por TJLP mais ou menos, hoje na casa dos 5%aa! Quem paga essa palhaçada somos nós! Dinheiro que deveria ir para escolas, hospitais, estradas, aeroportos, segurança pública…
    Saiba que o rating oficial do país ainda não caiu, mas os prêmios de risco negociados no exterior (CDO, CDS), já embutem um downgrade do Brasil há algum tempo.
    E não adianta colocar a culpa dos NOSSOS problemas nos EUA. Olha o Chile! Olha o Perú! Olha a Colômbia! Olha o México! O problema somos nós!

  21. Há um caminho longo para podermos abrir a economia. Antes, temos de promover a integração nacional por linhas férreas, temos de enxugar o custo-Brasil com a reforma tributária, reforma trabalhista; temos de tornar o Brasil um país que tenha mais que os atuais 27% de participação do PIB em produtos industrializados.

    Não somos competitivos, não temos poder de fogo para concorrer com o mercado externo.

    A chave para o país é a integração nacional e pesados investimentos em infraestrutura para atrair o capital externo – o Investimento Estrangeiro Direto – (IED); que já é significativo – 31% do PIB. Mas, temos de atrair mais, pois não temos recursos para investimentos. Temos que realocar recursos para isso e continuar atraindo o capital externo.

    Defendo a ideia de fazer mais dívida para alocar recursos, necessariamente, em infraestrutura.

    O governo petista está fazendo uma administração populista e não revolucionária-progressista.

    É um governo de engôdos.

  22. Prezado Sr. Rodolfo, Saudações.

    Quanto a “abertura/fechamento relativo de nosso Mercado”, o brilhante Sr. Wagner Pires acima expôs o problema claramente. Penso igual a ele. Na verdade não é bem abertura/fechamento de Mercado Interno, mas NOS INDUSTRIALIZARMOS. Quanto ao Investimento Estrangeiro Direto – IED, eu o exigiria sempre em associação com o Capital Nacional, como faz hoje a China. Portugal que em 1703 com o Tratado de Methuen, (Panos e Vinhos), nunca mais se industrializou, até hoje como o Brasil é carente de Capital. Já a Holanda aí ao lado, que se industrializou ainda no sec XIX, nada em Liquidez, (Padrão de Vida 3 X mais que Portugal).
    Quanto a ideia de nosso BC fazer um QE de alguns R$ bilhões para salvar TODAS as empresas X do Sr. Eike Batista, não me parece tão patético assim, porque o que está acontecendo é a passagem do controle de todas as suas Empresas X para o Capital Internacional, que atualmente compra Ações X de R% 1, por 01 centavo. Me parece que o prejuízo para o Povo, (Tesouro Nacional), é maior ainda.
    É um prazer trocar idéeias com Pessoas inteligentes como o senhor, Sr. Rodolfo. A gente tem que pensar para responder ao senhor. Agradeço a todos que me honraram com Comentários, e solicito que outros também opinem. Sei que tem tem Gente muito experiente que nos lê, seria importante saber suas Opiniões. Abrs.

  23. Flavio,
    O país teve a chance de se industrializar nesses últimos 10 anos e preferiu ser mero exportador de matéria-prima. Isso é um fato. Tivemos por quase uma década um câmbio apreciado, o que poderia(e deveria!!!) gerar importação de máquinas e equipamentos para renovarmos e ampliarmos os parques fabris, os juros puderam ser reduzidos porque os EUA reduziram os juros de lá e nós não fizemos o dever de casa.
    O governo preferiu seguir uma ideologia patética, totalmente ultrapassada(marxismo), deixou-se guiar pelo Foro de São Paulo, inchou a máquina pública como “nunca antes na história desse país”, resolveu criar os seus “heróis nacionais”, trocou uma dívida em dólares a taxa zero por cento ao ano por outra em moeda nacional a taxa de 10%aa ou mais, criou barreiras, enfim… só fez CAGADAS na economia!
    Industrialização não combina jamais com marxismo e intervenções estatais! Esqueça industrialização com esse governo do PT no poder. Eles querem manter o povo no cabresto, como cavalos no pasto! Quem é o louco que hoje investiria capital nesse país, com as regras mudando a cada instante? Vejo que você é adepto de intervenções e de um controle estatal. Veja os países desenvolvidos e repare como quase não há intervenções do estado. Estado não sabe ser empresário! E nem é papel dele. Estado tem que fornecer as bases para o desenvolvimento, educação, saúde, segurança e infra-estrutura. O resto, o MERCADO se acerta.
    A Coréia do Sul há uns 15 anos atrás era pobre, analfabeta, burra e miserável como o país. Fizeram a lição de casa, soltaram a economia e hoje é uma das maiores potências mundiais. Pergunta ao povo de lá se ele preferia o país de 15 anos atrás ou o que o país é hoje. TODOS VIVENDO MELHOR, com MAIS EMPREGO, MAIS RENDA, MAIS SAÚDE e MAIS EDUCAÇÃO! Essa é a essência do capitalismo! Enquanto isso, sua vizinha do Norte… Nem preciso falar!
    Sobre o Eike Batista e suas empresas, seria um favor que alguma empresa de fora comprasse aquilo e pagasse as dívidas, não somente do BNDES, mas de todos os bancos credores. Sim, porque quem compra uma ação, seja ela em bolsa ou numa relação particular, leva junta suas dívidas. Compra-se o “equity”. E ainda, qual o problema se uma empresa de fora comprar uma empresa aqui dentro? Isso é ruim? Por quê? A Petrobras tem 1/3 do seu capital negociado em NY. A Vale idem! A Gerdau é dona de várias empresas de metalurgia nos EUA. Nós podemos comprar empresas no exterior e eles não podem comprar empresas no Brasil? Capital externo é ruim Por quê? Você não disse que deveríamos nos industrializar? Como fazer isso sem capital externo, haja visto que a nossa poupança interna é ridícula?
    Pense nisso! Menos estado! Muito menos intervenções! Um abraço!

  24. Concordo.

    Só duas observações:

    1 – a taxa de remuneração média dos títulos públicos aos bancos privados é de 15% a.a. (Fonte: Banco Central). Impressionante. Enquanto o T-bonds americano rende menos que 3% a.a. O Brasil deixou escapar uma grande oportunidade de transformar a sua dívida interna em dívida externa com juros baixíssimos. Eu alertei isso aqui na Tribuna da Imprensa há uns meses atrás.

    2 – a miserável poupança nacional é de 12% do PIB, quando deveria estar em torno de 30% do PIB para promover alavancagem do desenvolvimento nacional calcado em infraestrutura. O governo não estimula a nossa poupança, ao contrário.

    O PT é uma tragédia para nossa economia.

  25. Prezado Sr. Rodolfo.

    Muito Obrigado pelo trabalho de me ter dado Resposta, com a qual concordo em +- 75%. Sou um micro-empresário da construção civil, semi-aposentado, Liberal-Democrata, Nacionalista, oriundo da velha UDN, corrente LACERDISTA. Tenho dedicado certo tempo ao estudo de: Por que o Brsil é a 6ª Economia do Mundo, PIB +- US$ 2.500 bi, Renda per-Capita +- US$ 14 – 15.000 e não saímos disso, agora regredindo devido ao Câmbio, e o pior, 84º em IDH (Índice de Desenvolvimento Humano)?
    Concordo plenamente com sua crítica econômica ao Governo PT-Base Aliada, que perdeu boa oportunidade de melhorar muito nossa Industrialização numa hora em que a Conjuntura Internacional estava favorável, mas devido a atuação do brilhante Vice-Presidente José Alencar, Mega-Empresário NACIONAL, ex-Presidente da FIEMG, etc, e que teve muita participação naquele Governo, a coisa não foi de todo mal, e muita coisa boa se fez. Trocar nossa Dívida Pública Externa de baixo Custo, por uma Interna de bem maior Custo, a meu ver ainda é vantajoso devido a não dependermos de outros, de US$ Dólares, de termos AUTONOMIA. O que está errado é ir aumentando sempre essa Dívida, tínhamos é que ir reduzindo em relação ao PIB e até em valores absolutos. Zerar nosso Duplo Deficit (Fiscal e o do Balanço de Pagamentos). O ESTADO não deve ser Empresário. Deve atuar exatamente nas áreas indicadas pelo senhor, MAS controlando firmemente INDIRETAMENTE a Moeda, hoje Crédito, e o Sistema Bancário/Financeiro.
    Considero o modelo de MENOR CUSTO-BENEFÍCIO para Industrializar via principalmente o Capital Nacional, o modelo do JAPÃO,(Revolução Meiji (1868 – 1912). Tudo o que o Governo Japonês fez naquela época, deveríamos adaptar as nossas condições, e fazer igual. A Coreia do Sul fez isso.
    A Revolução de 1930, liderada pelo grande Presidente Getúlio Vargas, implantou as bases da nossa Industrialização baseado na Empresa Estatal, e chegou até um certo ponto.
    A partir de 1955, o Presidente Juscelino Kubitschek acelerou nossa Industrialização baseado na Empresa de Capital Internacional (Multi-Nacionais) e também chegou até certo ponto.
    A Revolução de 1964 se inclinou mais para o Modelo de VARGAS, e a Redemocratização mais para o modelo de JK. Ambos a meu ver erraram, porque não deram preferência para a EMPRESA PRIVADA NACIONAL. Não é fácil fazer isso, é o caminho mais íngreme, mas me parece o único que nos levará ao dos Países Desenvolvidos. A todos os que chegaram até aqui, e em especial ao Sr. Rodolfo, meu muito obrigado.

  26. Gostaria, caro Bortoloto, de dar meu pitaco sobre divida interna e externa. O governo acertou ao transformar nossa divida externa em interna. Se tivessemos mantido da forma anterior seriamos refens dos “Soros”, e o dolar, nesses picos iguais aos de agora, chegariam possivelmente a 4,00 reais, e estariamos importando uma inflação, como foi no governo dos tucanos que chegou a 12,57% o dobro do que é hoje.

  27. Agora não adianta mais, a janela de oportunidade se fechou com o Banco Central americano sinalizado o aumento de juros. O Brasil perdeu uma grande oportunidade nestes dez anos. Melhor seria pagar juros entre 3% a 4% lá fora que pagar 15% aqui dentro a bancos, inclusive, estrangeiros.

    Transformar a dívida externa em interna foi um engodo utilizado, também, para fins políticos eleitoreiros.

    Para quem conhece, realmente, os números, e não de ouvir dizer, sabe, como foi mostrado acima, que a dívida pública brasileira é um absurdo e ficará, ainda, pior.

    É simples.

  28. Prezado Sr. Francisco de Assis, tanto a Dívida Pública Externa em US$ Dólares, girada a Juros Médios de +- 5%aa, quando dependemos dos outros, de US$ Dólares, como a Dívida Pública Interna em Reais, girada a Juros de +- 15%aa são “dose para cavalo”. Temos mesmo é que ir reduzindo essa enorme Dívida Pública. Mas como temos Reservas de US$ 372 bi, temos certo tempo para ir arrumando a casa. Não é uma catástrofe mas uma situação perigosa. Abrs.

  29. Perfeito, mestre Bortolotto, a nossa salvação são as nossas reservas cambiais. Oxalá queira que a política de concessões – atitude acertada do governo petista – nos traga mais investimentos a partir do ano vindouro, tando de capital genuinamente nacional (como bem frisa em seu excelente artigo) quanto de Investimento Estrangeiro Direto, a fim de que haja dólar suficiente ingressando no país de modo a suprir o déficit no balanço de pagamentos, sem termos a necessidade de queimar as nossas boas reservas.

    Grande abraço!

  30. O mix de títulos do governo é este aí que já divulguei:

    – títulos atrelados ao câmbio: 5%
    – títulos atrelados aos índices de preços: 25,1%
    – títulos atrelados à selic: 39%
    – títulos atrelados à TR: 1,9%
    – títulos pré-fixados: 29%

    O rendimento médio que os títulos do governo, dentro deste mix, rendem aos bancos privados é da ordem de 15% a.a. conforme notas à imprensa do Banco Central.

    Obs: O COPOM acaba de aumentar a selic para 9%a.a.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *