Na visão do Supremo, impedir que a Polícia suba o morro vai salvar a democracia

Tiroteio deixa um morto no Morro do Urubu | Rio24Horas

Helicópteros estão proibidos de sobrevoar favelas no Rio

J.R. Guzzo
Estadão

Por ordem do Supremo Tribunal Federal, baixada pelo ministro Edson Fachin e apoiada por oito dos seus colegas de plenário, a polícia está proibida de fazer voos de helicóptero sobre as favelas do Rio de Janeiro e de montar operações de combate ao crime em torno de escolas e de postos de saúde. Na prática, então, ficamos assim: a partir de agora, os bandidos estão legalmente autorizados a circular nessas áreas, mas os agentes que a população paga para cumprir a lei não podem frequentar o mesmo espaço.

É uma aberração, talvez única no mundo. Mas, no Brasil, esse tipo de depravação social vai se tornando cada fez mais comum, em consequência direta da militância política cada vez mais agressiva daquilo que deveria ser a sua suprema corte de Justiça.

STF DO CONTRA – A maioria dos ministros do STF está convencida de que o seu dever principal é ficar contra tudo o que o atual governo faz, ou pretende fazer; como o combate ao crime é um dos seus objetivos, o tribunal toma decisões que vão na direção contrária, imaginando com isso formar a “vanguarda da oposição” no Brasil.

Pouco lhes importa o preço que a população está pagando por isso. Paciência, dizem eles. Impedir o governo de funcionar, na sua visão de mundo, é salvar a democracia brasileira – e salvar a democracia, o estado de direito, as “instituições”, etc., etc. é “mais importante” que qualquer outra coisa. O resultado são anomalias como a que o STF acaba de criar no Rio de Janeiro.

O direito constitucional do cidadão a ser defendido pelo Estado, por meio da polícia, não está em vigor nas favelas cariocas. As únicas garantias constitucionais que o Supremo reconhece ali são as que beneficiam os criminosos.

ARGUMENTO OFICIAL – Não vale a pena perder mais do que 30 segundos avaliando o argumento oficial – a decisão seria para salvar os moradores das favelas dos perigos que existem em operações policiais armadas. É hipocrisia em estado puro. Quem coloca em risco a segurança dos cidadãos são os criminosos, não a polícia.

A ideia de que a população das favelas vive em paz e em harmonia com os traficantes de drogas e toda a cadeia de bandidos que vem junto com eles só existe na cabeça dos que não moram lá – intelectuais, artistas de novela, responsáveis por telejornais do horário nobre e agora o STF, por ser de sua conveniência política.

Na vida real, o inimigo é a bandidagem. É dali que vêm, todos os dias, a violência, os estupros, a extorsão, o abuso das crianças, o roubo e tantos outros horrores que as famílias têm de pagar pela ausência da autoridade e pelo governo dos criminosos.

DIREITOS DO CRIME – O crime, por decisão do STF, tem agora direitos extraterritoriais nas favelas do Rio de Janeiro. Ali não é mais território nacional, sujeito à lei brasileira – como acontece com as embaixadas estrangeiras e as reservas indígenas, a autoridade pública não pode entrar. O que o cidadão comum vai pensar disso?

Os ministros não podem ficar reclamando, depois, do fato de estarem hoje entre os homens públicos mais desmoralizados e malquistos do Brasil. Queriam o que, agindo desse jeito? Não podem cobrar respeito, nem “apreço pela democracia”, se o seu comportamento não pode ser respeitado e se a democracia é isso que eles montaram aí. Já era ruim quando o STF funcionava, e continua funcionando, como um escritório de advocacia para corruptos capazes de pagar honorários acima dos R$ 10 milhões. Consegue ficar ainda pior quando age abertamente como facção política.

“O STF está sendo utilizado pelos partidos da oposição para fustigar o governo”, disse dias atrás o ministro Marco Aurélio Mello. “Isso não é sadio. Não sei qual será o limite.” Ninguém sabe.

9 thoughts on “Na visão do Supremo, impedir que a Polícia suba o morro vai salvar a democracia

  1. Artigo nota mil …sem comentários .

    Eu mesmo moro aqui no RJ , e sinto na pele melhor nem comentar .

    Parabéns CN …pela postagem .

    YAH SEJA LOUVADO SEMPRE ..

  2. Brilhante artigo, parabéns!Ontem a noite, em Rio Comprido, uma mulher baleada não pode ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, devido a disputa entre facções rivais, que a população que apoia a bandidagem e reclama da polícia e dos helicópteros peça socorro a eles ou aos deuses da STF, sábios democratas.

  3. Tb moro no Rio, mas na zona sul. Sinto que moro na “Área Verde”. Como em Bagdá. O policiamento está sendo vencido e recuando. O pior é que a Milícia agora está tb expandindo suas atividades extra favelas. Não entendo como o judiciário pode mandar no executivo?

  4. Pois agora mesmo, a segunda turma do STF, com os votos do Gilmar Mendes e do Lewandowsky, aceitou a arguição de parcialidade em um julgamento do ex juiz Sergio Moro, num caso do Banestado de 2013, também já confirmada a sentença pelo TRF 4 e STJ.
    Com o empate em 2×2, já que o quinto membro da turma, Celso de Melo esta de licença, o réu foi favorecido.
    Dizem que isto abra caminho para um outro caso mais famoso, que será julgado em breve e beneficiará um “figurão”
    A coisa esta de perguntar em latim: QUO VADIS.

  5. Já estamos acostumados com as ações ilegais e inconstitucionais dessa corte. Gente que não foi eleita como podem ter mais poder que os eleitos, os que verdadeiramente receberam poder do povo? Porque os eleitos Presidente é Legisladores tem que aceitar e não reagir ante tanto desmando e ilegalidade? Porque as entidades e funcionários públicos podem aceitar isto? Não seria possível deixar de cumprir decisões desses ministros, principalmente as monocráticas? Aonde vai o Brasil com gente assim nessa corte?

  6. VIOLECIA, ESTUPRO, ABUSO DE CRIANÇAS VIOLENCIA CONTRA A MULHER TAMBEM É COMETIDA NOS BAIRROS RICOS E LUXUOSOS.Era de paz a situação das favelas e periferias sufoquem as finanças dos traficantes e milicianos.Hoje os milicianos continuam a construir prédios com o apoio omissão das autoridades e o culpado é STF,tenha paciência.O crime organizado está dentro dos três poderes.

  7. Partidos de oposição a este governo, que luta contra o crime? A que país está se referindo o autor?
    Se a proibição da polícia de subir o morro facilita a atuação da familícia, onde a decisão do supremo contraria este governo? Pra este governo bandidos ruins são os dos outros. Os deles são tratados a nescau por defensores e ente do judiciário que recebe deste governo declarações de amor a primeira vista, outro nem tanto, de entes de órgãos de segurança da ponta do sistema, et caterva.

    Vade retro, minimizer!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *