Nação brasileira passou a rejeitar o Estado

Carlos Chagas

Nas primeiras semanas na Faculdade de Direito aprendíamos, décadas atrás, ser uma Nação formada por indivíduos detentores de um passado, uma cultura e uma história  comum, falando  a mesma língua, geralmente habitando  o mesmo território e, acima de tudo, com  a vontade de continuar juntos.

Já o Estado era a nação politicamente organizada, ou seja, com leis, quase sempre  uma Constituição, poderes e instituições definidas.

Nos bancos escolares de antanho sempre se registravam duvidas e dificuldades, como as de  uma Nação estar  dividida em dois Estados, a exemplo da  Alemanha antes da queda do muro de Berlim, ou a Coréia até hoje, assim como um Estado englobando várias Nações, do tipo da antiga Iugoslávia e até a Rússia atual.   Naqueles idos havia também uma nação sem território, como a dos judeus até a  criação de Israel.

Era assim que as coisas funcionavam, pelo menos até junho, quando tudo se embaralhou, levando muitos à tentação de  voltar às Faculdades de Direito.

Porque estamos assistindo a erosão de antigos conceitos. Entre nós, a   Nação  começou  a contestar o Estado. Não se fala de etnias, já que para muitos doutos existem no Brasil as Nações  dos pretos, dos pardos e dos brancos, para não falar dos índios. Assim como a Nação dos ricos e a Nação dos pobres.  A Nação da Rocinha e a Nação do Leblon.  Até pouco, conviviam essa “Nações” numa só, mas as manifestações e protestos nas ruas de todo o país, com seus excessos, levantam dúvida fundamental: a Nação estaria rejeitando o Estado?

Por conta da falência de suas instituições,  o Estado brasileiro está posto em xeque. É a Nação que se levanta contra  a precária prestação de serviços públicos, com ênfase para a educação, a saúde e os transportes, contra  a corrupção que assola as estruturas representativas e contra a violência urbana e rural. Quando jovens e velhos partem para rejeitar os poderes públicos, não estarão sinalizando a decisão de desligar-se do Estado, mais do que tentar reformá-lo?

Seria bom meditar a esse respeito porque se pela ordem natural das coisas a Nação coloca-se acima do Estado, e este acima dos Governos, quem garante que logo não  surgirão propostas para se colocar a Humanidade acima da Nação?

Quem parte  dessa dúvida ou desse risco para diante, que também reconhece, é o historiador Lorenzo Carrasco, em livro recém-lançado, onde  denuncia estarem as Nações e os Estados Nacionais sendo solapados e destruídos por uma conspiração de grupos empresariais do Hemisfério Norte, empenhados  em estabelecer um Governo Mundial  de acordo com seus interesses multinacionais.

Não é preciso concordar com o autor, seus desdobramentos e conclusões, bastando ficar na estranha preliminar que qualquer estudante de Direito reconhecerá: a Nação brasileira começou a rejeitar o Estado brasileiro.

COMPOSIÇÃO DIFÍCIL MAS NÃO IMPOSSÍVEL

Foi em parte produtivo o encontro dos líderes dos partidos da base oficial com a presidente Dilma. Poderá dar frutos, se continuar sendo regada com a boa vontade da  chefe do governo de escrever um novo capítulo nas relações entre  o Executivo e o Legislativo.  Existem problemas, como o da apreciação dos vetos mais recentes da presidente a projetos como o dos royalties do pré-sal ou da extinção dos 10% de multa sobre demissões imotivadas.

Dilma, no entanto, acaba de liberar 6 bilhões de reais para as emendas individuais de deputados e senadores ao orçamento. Além de não ser fácil a derrubada de vetos, que exige 257 votos dos 513  deputados e 41 entre  81 senadores. Projetos em curso, como  o do orçamento impositivo, incomodam o palácio do Planalto, da mesma forma como o racha entre PT e PMDB, além do leilão aberto por pequenos partidos a respeito da sucessão presidencial do ano que vem. Mesmo assim, vale repetir: se houver boa vontade de parte a parte…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

6 thoughts on “Nação brasileira passou a rejeitar o Estado

  1. Em Junho/13 “o gigante acordou” e foi às ruas pedir mudanças. A classe política faz “ouvidos de mercador”. Em breve “o gigante acordará” e exigirá que sejam levados ao PAREDÃO os que se acham “donos do estado”.

  2. Um programa federal que se faz urgente, urgentíssimo, é a importação de políticos com vergonha e moral. Poderiam vir de preferência do Japão, onde quando e se um político é pego num deslize, cai fora de imediato, quando não pratica haraquiri.

  3. Não há Nação Brasileira. Nunca existiu isto. O que há é um país onde o cidadão tem mais direitos que obrigações. Tudo é permitido. Os BMERJ invadiram o QG, enfrentaram a PM e destruirão patrimônio público. Foram expulsos e estão de volta com os salários atrasados garantidos. Os PM’s punidos, também, são anistiados. Juízes aposentados por causa de crimes recebem salários. Jornalistas servem de lacaios dos políticos. Isto é uma nação ou um punhado de gente sem projeto de Nação?

  4. Todo problema do Brasil passa pela corrupção. O início de solução para reverter esse quadro passa pelo rodízio constante dos políticos. Para isso seria necessário fazer reforma política com Medida Provisória e se fosse derrubada, lá na frente, o (a) presidente da república convocaria cadeia de rádio, televisão (e redes sociais, talvez) e denunciaria todos os que foram contra mesmo sob pena de sofrer impeachment e outras perseguições. Mas existe algum cabra-da-peste capaz de fazer isso? Talvez ainda esteja por nascer.

  5. Pingback: Nação brasileira passou a rejeitar o Estado | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *