Nada disfarça o apuro do amor, dizia a poeta Ana Cristina César, sempre lembrada

É sempre mais difícil ancorar na poesia - seLecT

Ana Cristina César e o desejo de singrar

Paulo Peres
Poemas & Canções


A professora, tradutora e poeta carioca Ana Cristina Cruz Cesar (1952-1983) é considerada um dos principais nomes da geração mimeógrafo (ou poesia marginal) da década de 1970. Para ela “Nada Disfarça o Apuro do Amor”.

NADA DISFARÇA O APURO DO AMOR
Ana Cristina Cesar

Um carro em ré.
Memória de água em movimento. Beijo.

Gosto particular da tua boca.
Último trem subindo ao céu.
Aguço o ouvido.
Os aparelhos que só fazem som
ocupam o lugar clandestino da felicidade.
Preciso me atar ao velame com as próprias mãos.
Singrar.
Daqui ao fundo do horto florestal ouço coisas que
nunca ouvi, pássaros que gemem.

One thought on “Nada disfarça o apuro do amor, dizia a poeta Ana Cristina César, sempre lembrada

  1. 1) Grande sensibilidade da poetisa Ana, que foi embora muito cedo.

    2) Licença… em 28/09/1921, Monteiro Lobato lançou em SP a primeira edição de “A Menina do Narizinho Arrebitado” com 50 mil exemplares. Sucesso absoluto.

    3) No mês seguinte o então Governador de SP, Washington Luiz mandou imprimir mais 30 mil para distribuir nas escolas.

    4) Até hoje é sucesso e foi adaptado para a TV na famosa série “O Sítio do Pica Pau Amarelo”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *