Não é o jogo do século

Não é o jogo do século

Tostão (O Tempo)

Juca Kfouri gosta de dizer que foi meu motorista na Copa da África do Sul. Nesses dias, fui sua baby-sitter, como ele mesmo disse. No hospital, me encontrei com alguns brilhantes e experientes médicos, que foram meus alunos na Faculdade de Medicina. O tempo passa. Tive várias atividades profissionais. Gostei de todas, principalmente a de baby-sitter do Juca.

Os torcedores que vão aos estádios, ver o Brasil jogar, estão orgulhosos de cantar o Hino Nacional e de torcer pela seleção. Temia-se o contrário. Enquanto isso, os torcedores que não foram ao campo, mesmo os indiferentes aos protestos e os que gostam de futebol, parecem não ligar para a Copa das Confederações.

A Fifa nunca imaginaria tudo o que está acontecendo no “país do futebol”. Ela achava que os brasileiros eram alienados. A Fifa está tensa e preocupada com a possibilidade de os protestos continuarem até o Mundial e de se tornarem mais seletivos, contra os enormes gastos públicos para a realização da Copa. Se isso ocorrer, o Mundial corre riscos.

Gosto de ver a Espanha atuar, pelo jogo limpo, bonito e quase sempre eficiente, mas não acho que seja uma equipe excepcional, mesmo com tantas conquistas. A Espanha não tem um bom lateral-direito nem um ótimo atacante.

Barcelona e Real Madri são melhores que a seleção da Espanha, por causa, principalmente, de Messi e Cristiano Ronaldo. Já a defesa do time espanhol é superior à do Barcelona por ter Sergio Ramos ao lado de Piqué, ainda mais quando Puyol não joga. Se Puyol estivesse bem, Sergio Ramos jogaria de lateral-direito.

Daniel Alves é muito melhor que Arbeloa, no apoio. Na seleção, Daniel Alves marca mais e apoia menos que no Barcelona. Daí, a decepção com suas atuações.

TITULARES

Além de Júlio César, que tinha de ser titular, outro jogador que conquistou a posição, nos amistosos e na Copa das Confederações, foi Luiz Gustavo. Não foi surpresa. Ele, reserva do Bayern, joga bem quando entra. Luiz Gustavo desarma muito e tem um passe rápido. Volante que recebe a bola e demora um dia para ajeitar o corpo e pensar no que vai fazer facilita a marcação da outra equipe.

Ganhar da Espanha, em uma final, aumenta a confiança do time brasileiro. Mas sem oba-oba. Na Copa das Confederações anterior, a Espanha foi eliminada pelos Estados Unidos, que é inferior ao Brasil, e, depois, foi campeã do mundo.

Uma das razões que aumentam as chances do Brasil é a grande importância que jogadores, comissão técnica e parte da imprensa dão a esse título. Na entrevista coletiva de sexta-feira, com Neymar, um repórter, antes de fazer a pergunta, disse que é o jogo do século.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Não é o jogo do século

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *