Não fui morrer

Desci em Fortaleza, peguei um taxi :

– Por favor, para o palácio.

– O senhor vai ver o governador Parsifal Barroso?

– Tenho uma entrevista marcada com ele. Sou jornalista.

– Moço, o doutor Parsifal é um homem muito bom, muito serio, muito honrado, muito culto, fala muitas línguas, toca piano, mas, se o senhor permite um palpite, eu acho que o senhor deve falar também com a esposa dele. Quem manda no Ceará é a mulher de Parsifal, dona Olga.

 A manchete da matéria já ficou roendo minha cabeça : – Quem manda no Ceará é a mulher de Parsifal.

Precisava conferir, embora eu já soubesse que o melhor repórter de uma cidade é motorista de aeroporto e rodoviária.

***
PARSIFAL

Fui, conversei longamente com o governador. A cada pergunta ele dava uma resposta de cinco minutos, ela falava vinte, trinta. Depois, passei três dias na cidade, hospedado no velho hotel San Pedro, no centro, ouvindo politicos e jornalistas e conclui que o motorista tinha razão.

Baixinho, calvo, de bigode, Parsifal começou a vida como jornalista, redator do jornal “O Estado”, de Fortaleza. No segundo ano de Direito, fez concurso para professor de Quimica no Liceu, tirou o primeiro lugar com a tese “As Teorias de Geber”, mas não tomou posse por não ter 21 anos. No ano seguinte, nomeado catedrático de alemão no mesmo colégio. Já tinha 21.

Foi professor de Filosofia e Economia da Faculdade de Filosofia e Ciências Econômicas do Ceará. Em 1947, constituinte estadual, em 1950 deputado federal e em 1954 senador, sempre pelo PSD. De 56 a 58, ministro do Trabalho de Juscelino, indicado pela Igreja. Em 58, governador.

(Quando deixou o governo do Estado, foi deputado federal de 1971 a 77 e ministro Conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal. Morreu em abril de 1986).       

 ***
DONA OLGA

Parsifal era um padrão de simpatia, elegância e honradez, mas na hora de decidir a palavra final era sempre a opinião da primeira dama, dona Olga, inteligente e competente, filha do poderoso coronel Chico Monte. 

Voltei a Salvador, “A Tarde” publicou a matéria assinada na primeira pagina (era a primeira vez, nos seus quase 70 anos, que “A Tarde” publicava reportagem assinada na primeira página) :

– “Quem Manda no Ceará é a Mulher de Parsifal”.

Dois dias depois, o jornal “O Povo”, da UDN de Paulo Sarrazate, que comandava a oposição no Ceará, transcreveu minha reportagem na integra, dando-lhe a manchete da primeira pagina, em letras garrafais:

“Jornalista Baiano Comprova: – Quem Manda no Ceará é a Mulher de Parsifal”.

***
TELEGRAMAS

Mais um dia, entrei no jornal, havia um telegrama para mim:

– “Jornalista Sebastião Nery, jornal “A Tarde”, Salvador :     

“Governador e eu indignados. Venha morrer no Ceará.

(Assinado) Themistocles de Castro e Silva, assessor de imprensa do Governo do Estado do Ceará”.

Desci ao telegrafo, que ficava ao lado do jornal, respondi:

– “Jornalista Themistocles de Castro e Silva, assessor de imprensa do Governo do Ceará: – Não vou”.

(Assinado) Sebastião Nery.

E não fui.

***
THEMISTOCLES

Não fui, continuei vivo e nunca mais vi o Themistocles. Em janeiro de 1975, estava eu na democrática Assembléia Legislativa do Ceará (eu era um deputado cassado, sem direitos políticos, e os cassados não podiam participar de nenhuma atividade política), lançando meu livro “As 16 Derrotas Que Abalaram o Brasil”, sobre as eleições de 15 de novembro de 1974, em que a oposição, o MDB, tinha acabado de derrotar o governo militar, a Arena, elegendo 16 senadores contra 6 da Arena, quando vejo o Themistocles, alto, elegante, garboso, cabeleira cheia, entrando no plenario.

Pensei no pior. Ele podia, quinze anos depois, querer dar o troco da entrevista de 1960. Continuei autografando os livros para a fila enorme, mas de olho nele. Foi chegando, abriu os braços com um sorriso enorme :

– Que bom, Nery, que você não veio morrer no Ceará.

E me deu um forte abraço. Mais: pegou o microfone e fez um belo discurso, sobretudo sobre meu livro anterior,“Socialismo com Liberdade”.

No fim de semana, estava eu em Jaguaquara, interior da Bahia, meu sempre amigo Paes de Andrade me telefonou de Fortaleza: o Themistocles tinha acabado de morrer. Esta coluna é uma saudade e um abraço pago.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *