Não há pergunta sem resposta

Charge do Oliveira, reproduzida do Diário Gaúcho

Carlos Chagas

A Polícia Federal escolheu o nome certo da mais recente operação batizada para caracterizar a nova caça aos ladrões: Septicemia. Significa infecção generalizada.  Salvo engano, passaporte para o cemitério. A ação contra Carlinhos Cachoeira e sua quadrilha revela que se entrelaçam os diversos tipos de roubalheira e assalto aos cofres públicos. Marginais que recebiam mesadas no mensalão são os mesmos aquinhoados com propinas de empreiteiras distribuídas para celebrar contratos de aluguel de navios, superfaturamento de despesas, compra e venda de favores, recebimento de comissões, falsificação de documentos e mil outros expedientes destinados a enriquecer seus agentes e transformar os serviços públicos em atividades criminosas.

O prejuízo causado ao governo e ao estado nacional mal começa a identificar os meliantes em suas diversas demonstrações de roubalheira e logo se nota a participação dos mesmos bandidos em diversas atuações. Misturam-se. Avançam em todas as formas de falcatruas, num sistema de vasos comunicantes a ponto de confundir os investigadores.

CUNHA É EXEMPLO – Tome-se o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Está medido em todas. Desde desvios no FI-FGTS até superfaturamento de compras e recebimento de propinas para agilizar processos. Nada que diga respeito ao serviço público está livre de suas incursões. Sem falar na participação na distribuição de dinheiro para as campanhas eleitorais.

Três vezes denunciado ao Supremo Tribunal Federal, mil vezes denunciado como participante de crimes, até agora continua em liberdade e procurando manter seus poderes. Não demora e logo estará atrás das grades, mas persiste como se nada houvesse.

Indaga-se porque recebe tantas atenções e mesuras do poder, até do presidente Michel Temer, e a  resposta só pode ser uma: sabe das coisas. Tem informações sobre a participação de meio mundo nas tramóias investigadas. Deve andar ameaçando quantos poderiam prejudicá-lo por saber demais a respeito deles.  Quem quiser que conclua, mas não há pergunta sem resposta.

4 thoughts on “Não há pergunta sem resposta

  1. Já venho estranhando a tempos a conduta de vários magistrados do Supremo Tribunal Federal desde o mensalão, quando o ministro Tóffoli se uniu ao ministro Lewandowski para atenuar as penas ou mesmo desclassificar os delitos, contrariando o Procurador Geral da República e, especialmente, na oposição ferrenha ao ministro Joaquim Barbosa. Nesta linha de frente, Lewandowski e Tóffoli receberam um sistemático apoio da ministra Carmen Lúcia, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso .

    O resultado deste julgamento acabou sendo a condenação da presidente do Banco Rural, que continua presa e de Marcos Valério, condenados a muitos anos de prisão. Mas nenhum político, a começar do réu confesso Roberto Jefferson está preso: José Dirceu 7 anos e 11 meses de prisão, mais R$ 971.128,92 mil em multa. Dirceu cumpriu 11 meses e 20 dias de sua pena em regime semiaberto. O ex-deputado do PT José Genoino foi liberado em agosto deste ano pela justiça do Distrito Federal para cumprir pena em prisão domiciliar, após ficar um sexto do tempo na prisão. Havia sido condenado a modestos 4 anos e 8 meses de prisão, que cumpre confortavelmente em sua casa.

    DELÚBIO SOARES:- Ex-tesoureiro do PT Situação: Cumpre pena em casa desde setembro Crime: Corrupção. Condenação: 6 anos e 8 meses de prisão no regime semiaberto e multa de R$ 466.888,90. No dia 30 de setembro, Delúbio recebeu autorização para cumprir o restante de sua condenação em casa, após cumprir um sexto da pena. João Paulo Cunha, deputado federal do PT: Condenação: 6 anos e 4 meses de prisão em regime semiaberto e multa de R$ 373.500. Mais informações: O ex-deputado aguarda agora decisão do STF sobre seu pedido de progressão de regime. Cunha já cumpriu 9 meses no semiaberto e teve outros 115 dias descontados por trabalhar. Cada três dias de serviço descontam um de prisão. A progressão de regime é permitida após cumprimento de um sexto da pena, para quem tem bom comportamento.

    MARCOS VALÉRIO:- Empresário e publicitário Situação: Preso em regime fechado em Minas Gerais. Crimes: Corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e peculato. Condenação: 37 anos, 5 meses e 6 dias em regime fechado, mais multa de R$ 4.446.384,39.:Considerado o operador do mensalão do PT, Valério está preso em Minas Gerais. O publicitário também foi condenado em ações do mensalão tucano; sua defesa entrou com apelação no processo. No mês passado, o empresário foi condenado ainda a pagar, junto com seus ex-sócios, R$ 4 milhões ao Banco do Brasil e ao fundo Visanet. De acordo com a decisão, Valério e seu grupo recorreram à Justiça pela acusação “por má-fé” ao tentar cobrar pelo pagamento de serviços de publicidade não prestados.

    CRISTIANO PAZ:- Publicitário, ex-sócio de Marcos Valério Situação: Preso no presídio da Papuda, em Brasília. Crimes: Corrupção, lavagem de dinheiro e peculato Condenação: 23 anos, 8 meses e 20 dias de prisão em regime fechado, além de multa de R$ 2.655.222,04. Mais informações: Assim como Marcos Valério, Paz também foi condenado no mensalão tucano e ainda deverá pagar, junto com seus ex-sócios da DNA Propaganda, R$ 4 milhões ao Banco do Brasil e ao fundo Visanet. De acordo com a decisão, o grupo recorreu à Justiça pela acusação “por má-fé” ao tentar cobrar pelo pagamento de serviços de publicidade não prestados.

    RAMON HOLLERBACH:- Publicitário, ex-sócio de Marcos Valério Situação: Preso no presídio da Papuda, em Brasília.Crimes: Corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e peculato Condenação: 27 anos, 4 meses e 20 dias de prisão em regime fechado, mais multa de R$ 3.966.446,88.

    Assim como Marcos Valério, Paz também foi condenado no mensalão tucano e ainda deverá pagar, junto com seus ex-sócios da DNA Propaganda, R$ 4 milhões ao Banco do Brasil e ao fundo Visanet. De acordo com a decisão, o grupo recorreu à Justiça sob a acusação “por má-fé” ao tentar cobrar pelo pagamento de serviços de publicidade não prestados.

    SIMONE VASCONCELOS:- Ex-gerente da SMP&B Situação: Cumpre pena em regime fechado em Minas Gerais. Crimes: Corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Condenação: 12 anos, 7 meses e 20 dias de prisão em regime fechado, mais multa de R$ 787.754. Mais informações: Simone foi transferida para Minas Gerais para ficar mais próxima da família. Seu advogado questiona o tamanho da pena da ex-gerente, que foi condenada a mais tempo do que José Dirceu.

    VINÍCIUS SAMARANE:- Ex-vice-presidente do Banco Rural .Situação: Cumpre pena em regime fechado em Minas Gerais. Crimes: Gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro. Condenação: 8 anos, 9 meses e 10 dias de prisão em regime fechado, mais multa (sem correção) de R$ R$ 552 mil.

    JOSÉ ROBERTO SALGADO:- Ex-diretor do Banco Rural Situação: Cumpre pena em regime fechado em Minas Gerais. Crimes: Lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta Condenação: 14 anos e 5 meses de prisão em regime fechado, mais multa (sem correção) de R$ 926.400.

    KÁTIA RABELLO:- Ex-presidente do Banco Rural
    Situação: Cumpre pena em regime fechado em Minas Gerais. Crimes: Lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta. Condenação: 14 anos e 5 meses de prisão em regime fechado, mais multa de R$ 3,16 milhões.

    ROBERTO JEFFERSON:- Deputado Federal cassado (PTB-RJ) Situação: Cumpriu pena em regime semiaberto no Rio de Janeiro.Crimes: Corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
    Condenação: 7 anos e 14 dias de prisão em regime semiaberto, mais multa (sem correção) de R$ 689 mil. Meses depois passou a cumprir pena em regime domiciliar.

    VALDEMAR COSTA NETO:- Ex-deputado federal (PR-SP) Situação: Estava cumprindo pena em regime semiaberto em Brasília, mas não última segunda-feira, 10/11, o Supremo Tribunal Federal autorizou o cabra a cumprir o resto da pena em casa. Crimes: Corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Condenação: 7 anos e 10 meses de prisão em regime semiaberto, mais multa de R$ 1.668.784, 81. Mais informações: A defesa do ex-deputado entrou no último dia 22 com pedido para que Neto cumpra o restante de sua pena em casa. O STF decidiu favorável, e ele está em prisão domiciliar.

    JOSÉ BORBA:- Ex-deputado federal (PMDB-PR) Situação: Não chegou a ser preso. Crimes: Corrupção passiva. Condenação: 2 anos e 6 meses de prisão, convertidos em pena alternativa, mais multa (sem correção) de R$ 360 mil. Mais informações: A pena do ex-deputado foi convertida no pagamento de 300 salários mínimos, dinheiro destinado a entidade sem fins lucrativos. Borba também perdeu os direitos políticos. Em fevereiro, o ex-deputado foi chamado a prestar esclarecimentos devido à suspeita de fraude no pagamento da pena alternativa.

    CARLOS ALBERTO RODRIGUES (Bispo Rodrigues):- Ex-deputado (PR-RJ) Situação: Cumpre pena em casa desde setembro. Crimes: Corrupção passiva e lavagem de dinheiro Condenação: 6 anos e 3 meses de prisão em regime semiaberto, mais multa de R$ 1.057.072,56.

    PEDRO HENRY:- Ex-deputado federal (PP-MT)

    Situação: cumpre pena em regime semiaberto

    Crimes: corrupção passiva e lavagem de dinheiro

    Condenação: 7 anos e 2 meses de prisão mais R$ 888 mil em multa

    Mais informações: Pedro Henry cumpre pena atualmente em regime semiaberto, mas foi autorizado pela Vara de Execuções Penais de Cuiabá a cumprir o resto da condenação em prisão domiciliar a partir de dezembro, quando terá completado um sexto da pena.

    Como se nota, o grupo formado por Tóffoli ,Lewandowski , CarmenLúcia, Rosa Weber, Marco Aurélio , Celso de Mello – o decano que deu o voto de minerva criando os chamados e inéditos na Justiça “recursos infringentes” que permitiram, com a entrado de Luís Roberto Barroso ao grupo, a redução drástica da prisão dos políticos, mas só dos políticos.

    Recentemente e atualmente, vemos Teori Zavaski protegendo Lula , apesar de várias denúncias fundamentadas pelo PGR tem deixado Renan Calheiros e outras centenas de parlamentares em liberdade, sem concluir um só processo – e um STF inoperante, a não ser para ditar regras para a Câmara dos Deputados e para receber, aceitar e julgar em seis dias a ADPF do PCdoB, uma estranha ligeireza, passando inclusive por cima da Lei, que tem 14 artigos e só foram cumpridos 5 e fizeram da sessão de avaliação da pertinência da ação o julgamento de mérito, dando causa ao PCdo B.

    Que o STF tem sido leniente com os parlamentares é fato público e notório, além do nepotismo com o Executivo no caso de filhas de dois ministros do STF, sem concurso e experiência haverem sido nomeadas desembargadoras por Dilma Roussef. Mas tem mais coisa podre aí !

    No blog de ontem, chamado Blog do Moreno, que não dá informação errada e é um dos mais prestigiados no GLOBO, que além do Blog lhe dá colunas para escrever, consta a seguinte informação, ipsis litteris:

    Bomba! Bomba!

    Renomado advogado, considerado um dos melhores do país, soube que estava na mira das investigações.

    Não pensou duas vezes: procurou investigadores para oferecer tudo que sabe sobre o Judiciário — e relatou detalhes das relações nada republicanas com integrantes do Superior Tribunal de Justiça e também do Supremo Tribunal Federal.

    Detalhe: entregou nome de ministros.

    Quem teve acesso às negociações diz que não vai sobrar pedra sobre pedra quando a delação for fechada.

    Pode-se, então, conjecturar que esses magistrados do STF estão atolados até o pescoço em tenebrosas transações e temem as revelações à imprensa de parlamentares e advogados. Eis a explicação do mistério.

    Insuperável

    Nem a delação da Odebrecht, considerada a mais importante de todas até aqui, deverá superar a desse nobre causídico.

  2. Dr. Ednei,
    com todo o respeito, hoje em dia estamos programados para ler textos curtos. Acho que poucos conseguiram ler o seu texto todo. Eu não consegui, infelizmente.

    Mas gostaria de deixar uma pergunta: por que, até aqui na TI, há quem não criminalize o Cunha?

  3. Prezada Sra. OFÉLIA,

    Respeitando seu ponto de vista, informo que ainda há alguns que leem textos longos. Esse Texto do Dr. EDNEI é longo, porque a Lista dos “Peixes graúdos Políticos/Empresários Mancomunados”, é longa.
    Desconfio que aqui na TI onLine, há quem não criminalize o Presidente da Câmara afastado CUNHA, porque ainda não foi votado no Senado o Impeachment da Presidenta DILMA, que ocorrerá no final de Agosto. Dali para frente, a coisa será diferente.
    É por ser grande admirador de seus Escritos há mais de 5 anos, que ousei escrever o acima.
    Não fique “chateada” comigo. Abrs.

    • Nenhuma chateação, Bortolotto. Nenhuma. O que admiro aqui e no Newton é a liberdade de manifestação. Quando achei que deveria reclamar, reclamei com ele.

      Sempre li todos os textos do Dr. Ednei. Hoje não deu. E resolvi dizer como me sentia. Espero que ele, sim, não tenha ficado aborrecido. O corte em textos jornalísticos é uma realidade na imprensa, Newton sabe.

      Quanto à minha pergunta, eu quis demonstrar que algumas perguntas não tem (ainda se usa o chapeuzinho no plural?) resposta. Há perguntas sem respostas e há respostas sem perguntas.

      O país vive um surto de esquizofrenia política. Era o que eu queria dizer ao Dr. Ednei. A esquizofrenia política é tão doente quanto a clínica. Tenho uma parente bastante inteligente e gente boa que, no Facebook, não apenas curte, mas se filia a toda manifestação do tipo que envolve militares, FFAA, Bolsonaro etc. Está traumatizada com o PT e os políticos em geral. Bom, de certa maneira todos estamos. Mas ela extrapola nas manifestações. Se é que para ela isto é visto da mesma forma que eu vejo.

      Quanto aos longos textos, Bortolotto, eu deixo para os livros. Foi uma provocação do tipo Abujamra, já falecido. Mas o Dr, Ednei não me deu bola para que eu seguisse meu caminho de pensamento.

      E ao Chagas eu diria que o único lugar onde sempre há respostas é nas palavras cruzadas, que são feitas para serem encontradas (a concordância está correta?).

      Obrigada por seu elogio, Bortolotto.
      Abç

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *