Não há pressa mas tem que haver urgência

Carlos Chagas 

Encerrou-se ontem o prazo para os 25 réus do mensalão apresentarem seus embargos às condenações já impostas pelo Supremo Tribunal Federal. Nenhum deixou, através de seus advogados, de tentar reduzir penas e multas. Marcos Valério, condenado a 40 anos, pediu outro julgamento.

O Estado de Direito garante a defesa de todos os acusados, durante e até  depois do processo a que respondem. Enquanto  a sentença não transitar em julgado, ou seja, esgotados todos os recursos para modificá-la, caso não constitua perigo para a vida em sociedade,  o réu fica em liberdade. Em se tratando dos mensaleiros, apesar do horror que praticaram, é natural que permaneçam em suas casas, mesmo tendo o Supremo Tribunal Federal recolhido seus passaportes para tentar evitar fugas para o exterior. Tentar, é claro, porque escafeder-se com papéis falsos através de nossas monumentais fronteiras torna-se rotina para qualquer um.

Não há pressa no julgamento dos embargos, disse ontem o ministro Ricardo Lewandowski, vice-presidente em exercício da mais alta corte nacional de justiça, na ausência do presidente Joaquim Barbosa, em viagem pelo Caribe.

Pressa não pode haver, mas urgência é o que o país inteiro reclama. Há anos que se arrasta o julgamento dos participantes de um dos maiores escândalos de nossa história. Depois de definidas as condenações, tornou-se difícil para a torcida do Flamengo entender porque não haviam os condenados  sido recolhidos à prisão. Coisas da democracia e do Bom Direito, diga-se, mas tudo tem um limite. Caso venham a decorrer meses no exame dos embargos, ganhará as ruas a  certeza do mote popular de que, no Brasil, cadeia vale apenas para ladrões de galinha.

A pergunta que se faz  é se o Supremo reafirmará as sentenças, mesmo  com algumas alterações, ou se reverterá o sentido do julgamento exarado. São dez os ministros, já que a presidente Dilma hesita em indicar o décimo-primeiro, sabe-se lá se por falta de encontrar personagens  de reputação ilibada e alto saber jurídico ou por estratégia destinada a ajudar companheiros condenados. Porque dez votos, ao menos na teoria, podem resultar em empate de cinco a cinco. Nessa hipótese, beneficiando o réu.

Há que aguardar o trabalho dos Meretíssimos, previsto para se iniciar na segunda quinzena deste mês. Caberá ao  maestro da orquestra, Joaquim Barbosa,  dar  o tom da sinfonia. “Alegro, ma non tropo”, seria o ideal, já que a “Cavalaria Rusticana” poderia produzir ruídos em demasia.

DESFAÇATEZ

Não tem limites a desfaçatez da banda  podre  do empresariado,  agora empenhada em surripiar o que sobrou dos direitos trabalhistas,  em nome de defender falsamente a garantia de empregos. Por coincidência, quando está no poder o Partido dos Trabalhadores. O processo começou nos idos de 1964, quando o regime militar suspendeu  a proibição de assalariados serem demitidos depois de trabalhar dez anos consecutivos na mesma empresa. Em seguida veio o desmonte de prerrogativas fundamentais do trabalhador, como se constituíssem entraves ao desenvolvimento. Logo estarão  pregando  a revogação da Lei Áurea.

PERDÃO, POR QUÊ?

Espera-se que quando o Papa Francisco desembarcar no Brasil, em  julho, não traga como ponto fundamental de sua estada entre nós  a importância de  pedirmos  perdão a Deus em todas as horas do dia e da noite.  Ora, porque Adão e Eva comeram o fruto proibido? Porque crucificaram Jesus? Porque queimaram na fogueira milhões    de seres humanos que pensavam diferente? Porque estamos condenados ao fogo eterno por faltar à missa num domingo de praia radiante? O Sumo Pontífice deve estar recebendo informações preciosas do clero brasileiro para transmitir à nossa juventude aquilo de que realmente ela precisa.  Sejamos otimistas.

 

 

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

One thought on “Não há pressa mas tem que haver urgência

  1. Caro Chagas, como sempre, dando pauladas na hipocrisia e farisaismo de governo e da religiosidade, como fruto do egoismo humano, de explorar o “próximo”.
    Os Direitos do trabalhador, que com “suor e lágrimas” constroem esse País, os generais ditadores, deram inicio ao desmonte da CLT, criada por Vargas, a paisanada, ao ter o “poder de governo” de volta, teve em FHC, o simbolo da “sacanagem” ao trabalhador, dando continuidade, a perda de Direitos humanos do trabalhador, como fruto de seu trabalho. Os aposentados e pensionistas, não nos deixa mentir. O SMM, mal dá para sobreviver, e o governo arrota:o SMM subiu como nunca, isso é a maior “cara de pau”.
    O PT sonho, ao ser governo, passou à pesadelo, o mensalão, põe à público, a elite do PT, e a Justiça, está na berlinda, o povo esperando que ela deixe de punir só os ladrões de galinha!!.
    O maior desafio do Papa Francisco, é trazer à Igreja Católica Apostolica Romana, ao Evangelho de Jesus, em sua sintese: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”.
    O perdão se consegue, com o arrependimento e e reparo do erro cometido, da “individualidade” ou “individualidade coletiva”

Deixe um comentário para Theo Fernandes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *