Não há quem aguente tanta corrupção

Guilherme Almeida

Aparecem cada vez mais desvios na administração Sérgio Cabral. Assim não tem povo que aguente!

“As suspeitas sobre licitações de R$ 1,2 bilhão no Rio Um vencedor antecipado por ÉPOCA, em anúncio de jornal, e indícios de sobrepreço lançam suspeitas sobre licitações de R$ 1,2 bilhão no Rio”

http://epoca.globo.com/?ver=http://epoca.globo.com//tempo/noticia/2013/07/suspeitas-sobre-licitacoes-de-br-12-bilhaob-no-rio.html

Quem é professor e ministra aulas, observa nas conversas com os jovens que ninguém escapa – político, tanto da situação como da oposição, é sinônimo de “ladrão”.

Esta imagem vem se formando há décadas, desde quando os militares saíram. Exemplos é que não faltam: Sarney, Renan, Henrique Eduardo Alves, Jader Barbalho, Collor, Maluf, Severino, Sanguessugas, Mensalão, Lula, promessas não cumpridas, Rosemary, Lulinha, Banco do Silvio Santos, Banco Votorantim, Globo, sangria dos aposentados, abusos com aviões da FAB etc.

O pior é que no pensar dos jovens não escapam as ONGS e entidades classistas (como CUT, MST etc.) e nenhum setor do estado brasileiro, incluindo ai o Judiciário e as Forças Armadas. Exemplos é que não faltam: Daniel Dantas, inocentado entes de se ler o processo, turista espacial que viveu anos às custas do povo no exterior recebendo diárias não tributadas e após seu passeio espacial reformou-se para tomar ganhar com alguns extras com palestras, provavelmente não passando informações técnicas para seus companheiros, metrô de São Paulo, é um escândalo atrás do outro..

“Cada povo tem o governo que merece!” – Conde Joseph-Marie de Maistre, (1753 —1821) escritor, filósofo, diplomata e advogado.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

6 thoughts on “Não há quem aguente tanta corrupção

  1. ENTENDA A FARSA DO CÁLCULO DA INFLAÇÃO.
    O IBGE alterou em 2012 a forma de cálculo do IPCA, índice usado oficialmente para medir a inflação no Brasil.
    Até dezembro de 2011, o indicador tinha 384 itens que resumiam o consumo médio do brasileiro. Desde janeiro de 2012, porém, passou a ter 365 itens.
    No lugar dos que saíram, entraram novidades como o salmão e o celular com internet, produtos que a maioria da população não compram com frequência.
    “A atualização do IPCA é um procedimento de praxe”, afirmou a coordenadora de índices de preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, em 2012, quando a mudança foi anunciada.
    Pois é, disseram que é um procedimento de praxe, tanto que desde 1979 (33 anos), a forma de calcular o índice só mudou cinco vezes, isto porque, aconteceram diversos planos econômicos, uma nova constituição etc.
    Pois bem, o governo do PT achou melhor mudar o cálculo da inflação, justamente quando a inflação voltou com força no Brasil, por que será?
    Quando foi anunciada no início de 2012, a nova estrutura do IPCA provocou uma onda de revisões das estimativas para a inflação naquele ano. Por coincidência, todas para baixo !
    Isso porque a nova fórmula de cálculo dá importância a itens que estão com preços em queda, como automóveis e eletrodomésticos, e reduz o peso de itens que estavam em aceleração, como os serviços domésticos e alimentação.
    Por exemplo, produtos que a maioria da população procuram economizar em momentos de recessão tiveram aumento de peso, como aparelhos eletrônicos (de 1,38% para 2,77%), veículos (de 7,37% para 12%) e etanol (de 0,42% para 0,84%), enquanto educação (de 7,27% para 4,21%), empregado doméstico( de 3,67% para 3,03%) e alimentos (de 23,32% para 22,09%) perderam importância, apesar de que, a inflação aumentou mais justamente nestes três itens nos últimos anos.
    O mais bizarro é que em 2001, o governo FHC já tinha efetuado mudanças nos cálculos, com a incorporação de comunicação e educação, enquanto vestuário por exemplo, perdia importância, caindo à metade em relação à 1991, resultado do barateamento de roupas e calçados, medida oposta à adotada pelo governo do PT, isto é, no governo FHC produtos que ficaram mais baratos perdiam peso no cálculo, enquanto no governo atual, produtos de grande consumo e importância perdem importância.
    PRA MELHORAR A MAQUIAGEM, O PT TAMBÉM ALTEROU A FATIA DAS REGIÕES NO CÁLCULO DO PESO DA INFLAÇÃO.
    Por exemplo, São Paulo tinha até dezembro de 2012, 33,1% de peso no total do IPCA, devido ao grande consumo. A partir de 2012, participa com 31%. Há 15 anos, tinha fatia de 36%, apesar da população do Nordeste ter crescido apenas 1,07%, indo de 47,7 milhão (2000) para 53,1milhão (2010); enquanto a do Sudeste aumentou 1,05%, de 72,3 milhão (2000) foi para 80,4 milhões em 2010 (uma mudança de apenas 1,5157(2000) para 1,5141(2010), isto é, 0,1% de aumento populacional em relação ao Sudeste).
    Ou seja, as populações do Norte e Nordeste, onde o consumo de automóveis, internet e equipamentos eletrônicos tem consumo menor, receberam maior peso no cálculo da inflação.
    Fonte:
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/1046646-entenda-o-que-muda-no-calculo-da-inflacao.shtml
    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/908750-regioes-norte-e-centro-oeste-tem-maior-aumento-populacional.shtml
    By Carlos

  2. AMANHÃ A NOITE A PARTIR DAS 19 HORAS ESPERAMOS QUE TODOS OS AERONAUTAS E AEROVIÁRIOS VARIG PARTICIPEM DA VIGÍLIA QUE OCORRERÁ NO SANTOS DUMONT RIO DE JANEIRO ONDE ESTÁ O NOSSO AMIGO E COLEGA DE VÔO JOSÉ MANUEL EM GREVE DE FOME DESDE SEGUNDA-FEIRA. Quem puder participar esteja lá a partir das 19 hoiras para esta Vigilia que vai ocorrer no Santos Dumont amanhã dia 08 de agosto de 2013. Afinal de contas amanhã fazem 3 meses do pedido de vista feito pelo Ministro Joaquim Barbosa no Julgamento do Processo da Defasagem Tarifária. E até agora ele, Ministro, não se dispos de mostrar para todos no Plenário do STF o seu pedido de vista e nem fez voltar o Julgamento do Processo da Defasagem Tarifária que teve o voto magistral da EXMA. MINISTRA CÁRMEN LÚCIA. Então amanhã todos se possível na VIGILIA DO SANTOS DUMONT A PARTIR DAS 19 HORAS. O nosso amigo está se sacrificando por todos nós. Compareçamos para solidarizarse com ele e para fazer esta Vigilia.

  3. Pingback: Não há quem aguente tanta corrupção | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

  4. Sr. Guilherme, em País que o povo elege seu representante, mesmo de forma obrigatória, que é o caso de nosso País, portanto é “semidemocrático”;o Cidadão(ã) que vota vendendo de alguma forma “seu voto”, por cachaçada, churrascada, saco de cimento”, está elegendo seu “CLONE”, portanto compactua com a corrupção que lhe vem de encontro, “é a lei de ação e reação”, portanto não tem o “Direito de reclamar”, merece tudo o que aí está: corrupção total e irrestrita, esta é a realidade nacional.
    VOTO, MESMO OBRIGATÓRIO, TEM QUE SER CONSCIENTE E DIGNO, PELO QUE SIGNIFICA EM NOSSAS VIDAS.
    Por um BRASIL honesto e Justo, chega de hipocrisia!!!

  5. Nas análises de nosso momento, tenho a impressão de escapar aos olhares atentos de tantos, que a aversão à participação de qualquer tipo de organização nas Manifestações do Multitudo, indica o esgotamento da legitimidade política destas organizações, a percepção de agirem em razão de interesses descomprometidos com os público em geral, mesmo o de seus diretamente representados, e a oportunidade de mudanças realmente inovadoras no modo de fazer política há tanto concebido.

    A Manifestação do Multitudo é a manifestação do poder real pertencente efetivamente ao povo, conquanto apropriado pelas minorias organizadas em partidos, sindicatos, ong’s, uniões de toda sorte, esquartejadoras da vida-viva e militarizantes do político em tempos de paz.

    As imputações de fascismo lançadas ao bloqueio pelo Multitudo à apropriação político-midiática tentada por alguns que se creem como qualquer religioso-institucionalizado, representantes da verdade divina, inda que travestida de racionalista, mas não menos absolutista, não passam de juízo de si próprio projetado no outro, o estranho, o insurgente, que ousa não obedecer aos “elitos” para mandar, ou seja, expressão o estertor narcisista da histeria que os caracteriza.

    Esperar de agentes situacionistas – e neste rol pouco importa se oposição ou não, pois está em causa é ser agente de um processo político, cujas características como um todo as Manifestações repudiam – esperar que revolucionem o “modus faciendi” da política, é no mínimo otimismo ingênuíssimo.

    Importa, sim, dar prosseguimento às Manifestações do Multitudo, e deixar que o curso dos acontecimentos desvelem novas, verdadeiramente novas, e não fascistas formas de fazer política, assim, no melhor estilo do resistir, ter atitude, quiçá, sabotar (não comprar, não participar de moda já é sabotagem), cotidianamente, em todos nossos momentos, ao menos, o mais das vezes, afinal, ficando quietos como gado, tocado para lá, ou para cá, ao gosto do sacerdote de plantão (seja tecnocientífico, seja religioso-institucional, seja tão-só político), é fazer o jogo deles.

    Saudações libertárias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *