Nem tudo está perdido para o PT

Carlos Chagas

Faz tempo, doze anos e sete meses, para sermos precisos, que o partido mudou. Mesmo gradativa, a mudança tornou-se clara e infeliz. Foi para pior. Os companheiros vestiram os andrajos dos demais partidos, igualando-se aos que faziam da política mero trampolim para a satisfação de seus interesses pessoais. Inebriaram-se pelo poder e suas benesses. Fora, é claro, os que já se haviam desligado, como os intelectuais, a Igreja, parte da lideranças sindicais e grupos de políticos desiludidos com o abandono do programa sob o qual o PT foi fundado.

Mesmo assim, sentem-se ventos de recuperação, por enquanto frágeis, mas capazes de promover a volta às origens.

Vale referir um entre mil abnegados petistas que continuam acreditando na mensagem inicial, pois a História, ao contrário do que sustentam alguns doutos, é escrita por indivíduos. Não existiria sem eles.

A referência vai para um companheiro histórico, daqueles que se mantêm esperançosos da reviravolta e não abandonam a sigla. Falamos do três vezes deputado, Emiliano José, baiano por adoção, doutor em Comunicação Social, 25 anos lecionando jornalismo, torturado nos tempos de chumbo, preso por quatro anos até a anistia, hoje secretário do ministério das Comunicações encarregado do setor da televisão digital.

Para Emiliano, é preciso ordenar o caminho de volta, ainda que não negue elogios ao trabalho do Lula e mesmo da Dilma, na óbvia transformação social do país. Para ele, torna-se necessária a renovação. O apelo à juventude, para começar. O enfrentamento das forças reacionárias que tiram proveito dos erros praticados pelo partido, empenhadas na cantilena de sempre, de conter anseios sociais e de promover a permanência das elites no processo político nacional. Está em marcha a elaboração de um projeto que signifique novos avanços para a maioria da sociedade.

Vale à pena conhecer esse misto de D. Quixote e Getúlio Vargas, através de seus artigos e livros que a parte podre do próprio PT procura esconder. O sucesso parece difícil para tamanha empreitada, mas outros, como ele, começam a despontar. Nem tudo está perdido, mesmo com o partido despencando nas profundezas.

APELO OU HUMILHAÇÃO?

Pode ter parecido uma humilhação o apelo da presidente Dilma aos presidentes da Câmara e do Senado, esta semana, para que venham em socorro do governo no duelo contra a recessão. Por mais que se aponte os erros de Madame, tratou-se de um ato de coragem. Não que Eduardo Cunha ou Renan Calheiros disponham de condições para minimizar a confusão, mas, ao menos, poderão recolher as armas e evitar que o entrevero se transforme em derrota. Hoje, sente-se estar um pouquinho mais longe a sombra do impeachment. Votar medidas de arrocho econômico é impossível, para o Congresso, mas será sempre possível deixar de votar iniciativas capazes de tornar a crise ainda pior.

 

3 thoughts on “Nem tudo está perdido para o PT

  1. PT não é ou será um Fênix da mitologia grega que renascia das próprias cinzas.

    A imagem do PT é de um partido sindicalistas corruptos e esta ficará por décadas. Para comprovar isto dona Dilma tem nas pesquisas uma aprovação menor que 7%, praticamente o número de seus afiliados.

    Na política brasileira a tendência do PT é se transformar em um partido médio ou nanico, igual PDT, PP, DEM e outros. Em 2016, veremos a maior redução de Prefeitos e Vereadores do PT eleitos.

    Quem viver verá.

  2. O PT, nunca viu tanto dinheiro e oportunidade de enriquecimento na vida e aproveitaram legalmente e ilegalmente. Essa é a história do governo do PT. Um ditado antigo diz: O pior capataz é um ex escravo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *