Nervoso e confuso, Zavascki parecia réu e não candidato a ministro

Altamir Tojal

Teori Zavascki esteve tão enrolado e nervoso em alguns momentos da sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que mais parecia um réu e não um jurista renomado e experiente indicado pela presidente da República para o cargo de ministro do STF.

Zavascki não convenceu

Não conseguiu deixar claro se pretende ou não participar do julgamento do mensalão e, portanto, alimentou ainda mais a suspeita de que toda a correria para a sua nomeação – deflagrada por Dilma Rousseff e turbinada por José Sarney e Renan Calheiros – tem mesmo o objetivo de melar o processo ou pelo menos aliviar a situação dos acusados ligados à cúpula do PT.

A esta altura do campeonato, a participação do novo ministro no julgamento em curso não traz qualquer benefício, seja para o desenrolar do processo em si seja para as suas repercussões no aprimoramento da justiça e no combate à impunidade. Será na certa um fator a mais de atraso e, provavelmente, de dúvidas e polêmicas que só beneficiarão os réus, contrariando, portanto, o interesse e o desejo da sociedade.

A expectativa dos brasileiros é que o STF faça justiça e que o desfecho dessa ação penal introduza o temor à lei nos poderosos que se sentem à vontade para usar dinheiro e cargos públicos para se locupletarem e reproduzirem o domínio político.

Suores e altercações não vão bem em sabatinas. Jurista tarimbado, Zavascki deve saber que é assim que a banda toca. O que vai bem é chá de camomila. Sinceridade e clareza também ajudam. Para espantar as suspeitas basta dizer: “Não vou participar do julgamento”.

(Artigo enviado por Mário Assis, publicado no Blog de Olho no Mensalão)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *