New York Times diz que “ameaça de golpe militar abala Brasil na expansão da Covid-19”

Matéria de cada do jornal americano New York Times traz reportagem sobre clima tenso no Brasil Foto: Reprodução

Jornal deu na primeira página a explosiva reportagem sobre o Brasil

Deu em O Globo

Destaque na capa do jornal ressalta número de óbitos entre os mais altos do mundo, investidores em fuga e família do presidente sob investigação

A edição desta quarta-feira do jornal “The New York Times” traz matéria de capa sobre o clima tenso vivido no Brasil em meio ao aumento de mortes pela disseminação do novo coronavírus. Com o título “Ameaça de golpe abala Brasil em meio a aumento de mortes por Covid-19”, o texto afirma que as ameaças de golpe giram em torno do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), detalhando o momento delicado que ele e aliados enfrentam: as mortes mais altas do mundo, investidores fugindo do país, ele, seus filhos e apoiadores estarem sob investigação, além de sua eleição correr o risco de ser anulada, diz o jornal.

A publicação citou frases do filho do presidente, o deputado estadual Eduardo Bolsonaro, com elogios ao antigo regime militar do Brasil, e replicou sua afirmaçao a um blogueiro de que uma ruptura institucional semelhante era inevitável (“Não é mais uma opinião sobre ‘se’ mas ‘quando’ isso acontecerá”).

GOLPE IMPROVÁVEL – O texto diz que líderes políticos e analistas comentam que uma intervenção militar permanece improvável. Mesmo assim, a possibilidade paira sobre as instituições democráticas do país, que estão investigando Bolsonaro e sua família em várias frentes. O jornal lembra que quase metade de gabinete do presidente é composta por figuras militares, e diz que ele usa a ameaça de uma intervenção militar para afastar os desafios a sua Presidência.

O NYT lembra também episódios em que alguns dos militares mais poderosos do país ameaçaram a democracia, como o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que afirmou em nota que a eventual apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro seria “inconcebível” e teria “consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

 O comentário se referia ao fato de o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR) três notícias-crime apresentadas por partidos políticos e parlamentares à Corte, pedindo, entre outras providências, a apreensão do celular do presidente.

DESCASO COM A COVID-19 – A maneira como conduz a crise sanitária no país, escondendo os dados de mortos pela Covid-19 (mais de mil por dia), também pode levar o presidente a enfrentar problemas na Suprema Corte, diz o NYT, que destaca a decisão do STF para que o governo Bolsonaro volte a divulgar as informações sobre as vítimas do coronavírus. Faz ainda menção às trocas de ministros da Saúde e da frustrada campanha pela expansão do uso da hidroxicloroquina.

O artigo contextualiza o momento atual do Brasil, com fuga de capital atingindo níveis nunca vistos desde os anos 1990 e com previsão de encolhimento da economia em cerca de  8% este ano. Afirma que Bolsonaro vem perdendo apoio da população à medida que o coronavírus avança e mata mais cidadãos e que ele tem sido criticado por, além de subestimar o vírus, sabotar medidas de isolamento e comandar o país com um dos mais altos números de mortes no mundo com frases como: “Sentimos muito por todos os mortos, mas esse é o destino de todos”.

OUTRAS ACUSAÇÕES – De acordo com o NYT, Bolsonaro, sua família e seus apoiadores também estão sendo perseguidos por acusações como abuso de poder, corrupção e disseminação ilegal de fake news. E que o STF recentemente autorizou um inquérito sobre alegações de que Bolsonaro tentou substituir o chefe da Polícia Federal para proteger sua família e amigos.

A reportagem conta que dois dos filhos do presidente estão sob investigação pelo tipo de campanha de desinformação e difamação que ajudou a eleger o pai em 2018, lembrando que no final do mês passado a Polícia Federal invadiu várias propriedades ligadas a influentes aliados de Bolsonaro. E explica ainda que o Tribunal Superior Eleitoral tem autoridade para usar evidências do inquérito para anular a eleição e remover Bolsonaro do cargo.

SEM IMPEACHMENT – A pretensão de dar um golpe, explica o NYT, segundo os aliados de Bolsonaro, seria uma maneira de “impedir qualquer tentativa das instituições legislativas e judiciais do Brasil de expulsar o presidente” e cita o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, pastor Silas Lima Malafaia: “Não é um golpe. É incutir ordem onde há desordem.”

Pela análise do jornal americano, as autoridades pró-Bolsonaro não se referem à maneira como os golpes são realizados na América Latina, com as Forças Armadas derrubando um líder civil para dar posse a um deles. E que pedem por algo que ocorreu no Peru em 1992, quando Alberto Fujimori, o líder de direita, usou os militares para dissolver o Congresso, reorganizar o Judiciário e caçar oponentes políticos.

O jornal lembra que Bolsonaro ainda conta com o apoio de cerca de 30% dos brasileiros e que o país tem mais de 700 mil casos confirmados de Covid-19, atrás dos EUA, e pelo menos 37 mil mortes.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Se o grande chargista Henfil ainda estivesse entre nós, estaria apavorado. Para ele e muitos outros destacados brasileiros, quando o New York Times publica uma matéria desse tipo sobre o Brasil, é tudo verdade, porque a espionagem dos States conhece nosso país melhor do que os próprios brasileiros. Henfil dirigiu até um filme, sob o título “Deu no New York Times”. (C.N.)

18 thoughts on “New York Times diz que “ameaça de golpe militar abala Brasil na expansão da Covid-19”

  1. Um general responde pela saúde como se o covid19 fosse alvo para canhão; um capitão extremamente mal qualiicado para comandar soldados, expurgado do exército, comanda o país. Tivemos Lula, um ignorante mular que nos governou e roubou por 8 anos, e ainda elegeu uma Economista que mal sabia somar para continuar a gastança. Resultado: o país virou zona! (moralmente falando).
    Ainda há quem alimente esperanças? Não com essa besta no comando.

  2. Que foi? Adulteram sua cachaça?

    Bolsonaro não está nem aí se você morrer, esqueça, volte a fazer cocô todos os dias e arrume um emprego lícito…
    O melhorjsirseacostumando já saiu fora desse bico de robô medíocre…
    Faltam semanas pro seu ruir…

  3. JAIR MESSIAS BOLSONARO É, REALMENTE, UM SUJEITO MUITO MAL INTENCIONADO! Quando falou a sua claque, para tentar-se retratar dos impropérios destilados numa das manifestações, perante o QG do exército, em Brasília, o presidente parafraseou o rei francês, Luís XIV: “L’É’tat C’est Moi”, Eu Sou o Estado! O nosso destemperado Jair Messias Bolsonaro preferiu usar a frase: “Eu sou a própria Constituição”.
    Luis XIV também atendia pelo epíteto, Rei-Sol. Sol é o símbolo do Absolutismo, onde o Monarca é o poder único.
    -Desde os primórdios de sua campanha, o Capitão sempre se mostrou um energúmeno imbuído de más intenções. Quem quiser continuar duvidando, basta verificar a falange de generais, almirantes, brigadeiros, coronéis, delegados e demais membros de facções legalistas; que ele fincou nos cargos-chave da República. E por vinculação familiar, pode-se até afirmar que Bolsonaro cultiva laços estreitos com milicianos, já que, contra os seus três filhos, há fartos e veementes indícios de que formam simaquia com facciosos do crime organizado carioca.
    Com essa defesa prévia, ele está se armando para quê?
    Ele tem plena convicção de que foi um candidato eleito pelo ódio: pelo ódio dos tradicionais inimigos do PT, somado ao ódio dos simpatizantes que se frustraram com o próprio partido.
    E o governo eleito pelo ódio é como filho concebido em estupro: a mãe sabe que está condenada a tolerar uma criança, que para trazê-la ao mundo, ela precisou ser violentada!
    Mesmo sabendo que grande parte dos militares não o digere, devido à tentativa de explodir o quartel onde “servia” no Rio de Janeiro, e por outras máculas que porta, Bolsonaro já tentou por todos os meios sorrateiros atrair as forças armadas para um golpe. Sem conseguir cooptar a caserna, agora ele satura e encharca o seu governo com militares, a fim de que a classe se sinta parte cúmplice da equipe. Para que, no caso de um golpe começado de dentro, os companheiros externos dêem o apoio bélico aos golpistas, ao invés de reprimi-los!
    Hoje já existe um staff de 2.900 funcionários militares, na administração pública federal. Contudo e apesar de tudo, até o momento, as forças armadas ainda não atenderam ao chamamento neofascista do presidente tresloucado!
    Ainda assim, as manifestações organizadas pelo seu Gabinete do Ódio, e apoiadas pelo próprio, a cada dia, vem ganhando contornos mussolinistas. Já é passada a hora do covarde Rodrigo Maia se unir ao reagente STF e despachar os 32 pedidos de impeachment que o chefe da Câmara Federal tem sobre a mesa!

    • Existem governos ou, mesmo, governantes que imaginam estar a bordo do Titanic.
      Já perceberam que o navio está indo a pique, mas acham que é uma bobagem, porque a orquestra ainda está tocando.

  4. Atualmente não confio nos artigos da grande mídia, nacional e internacional.

    Sempre tem alguma coisa ou interesses por trás desses artigos.

    Li em um artigo, a manchete dizia, que aproximadamente 70% das mortes por Covid19 na cidade de Chicago eram de Pretos e Pardos. No artigo chegaram a diversas conclusões: poder aquisitivo, cultura e baixa escolaridade deles.

    Gostaria que o New York Times explicasse por que a Taxa de Letalidade (número de mortes por Covid19/número de casos confirmado) França 18,89%, Bélgica 16,16%, Itália14,47% , UK 14,17% e Holanda 12,56% (países ricos) é mais de 200% que a dos USA 5,58% e Brasil 5,14%.

    Isso mesmo, enquanto na França de cada 100 pessoas que tiveram Covid19 confirmado 18,89 morreram. Já no Brasil, com toda esta bagunça damídia, governo, governadores, etc. . . de cada 100 que tiveram Covid19 confirmado 5, 14 morreram.
    Trump quando meteu o pau no Brasil jogou para a galera, sabe como é ano de eleição. A Taxa de Letalidade dos USA (maior potência do globo) anda pior que a do Brasil.
    Aqui no Brasil os governantes se cercam de baba ovos que não sabem nem interpretar os dados que eles mesmo divulgam não mostrando ao povo que o que interessa que é a Taxa de Letalidade, que no país vem caindo desde 29 de abril de 2020, 6,99%.
    Isto aqui é uma casa da Mãe Joana.

  5. Tomando como base os número dos países que mais testam (e cujos sistemas de saúde não entraram em colapso), a taxa de letalidade que mais se aproxima fica em torno de 0,5% a 1%. Quem tem um número muito superior a esses é porque a testagem é insuficiente.

    Portanto, no Brasil o número real de infectados acumulados deve estar em mais de 5 milhões. Nos EUA em mais de 10 milhões. No Brasil, uma pesquisa feita aleatoriamente, confirmou que o número de infectados é muito maior do que o número de testes mostra.

  6. O STF travou o presidente, ele só libera o dinheiro para os estados, quem administra a pandemia são os governadores e prefeitos.
    A safadeza ocorre nos estados e a mídia golpista bota os mortos na conta do Bolsonaro.
    O NYT é um jornal esquerdista quer derrubar o Trump e de gorjeta o nosso presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *