“Ninguém me ama, ninguém me quer, ninguém me chama de meu amor…”

Antonio Maria e Fernando Lobo, dois mestres da MPB

Paulo Peres
Poemas & Canções

O cronista, comentarista esportivo, poeta e compositor pernambucano Antônio Maria de Araújo Morais (1921-1964), entusiasta de vida noturna carioca da década de 50, juntamente com seu parceiro Fernando Lobo,  compôs uma das mais famosas canções de amor – “Ninguém Me Ama”.
Este samba-canção, gravado por Nora Ney, em 1952, pela Continental, foi composto somente por Antônio Maria, que não acreditava que a música fizesse sucesso e deu parceria a Fernando Lobo, em troca de parceria com uma outra canção escrita por Lobo, que todos achavam que ia fazer sucesso, mas isso não aconteceu. Naquela época era comum a troca de parcerias entre amigos, como Maria e Lobo.

NINGUÉM ME AMA
Fernando Lobo e Antônio Maria


Ninguém me ama, ninguém me quer
Ninguém me chama de meu amor
A vida passa, e eu sem ninguém
E quem me abraça não me quer bem

Vim pela noite tão longa de fracasso em fracasso
E hoje descrente de tudo me resta o cansaço
Cansaço da vida, cansaço de mim
Velhice chegando e eu chegando ao fim

2 thoughts on ““Ninguém me ama, ninguém me quer, ninguém me chama de meu amor…”

  1. Engraçada essa turma de antigamente… O poeta se julga infeliz porque não tem ninguém que o ame – nem o abrace!
    Era um chora chora que não tinha fim. E isso infectou o povo – até atletas hoje em dia choram ao conseguir uma vitória! Não, ao contrário: devemos sorrir, enfrentar a vida! Nós somos o que fazemos de nós – é preciso querer, viver intensamente e esquecer esse lero lero de morrer por um amor que não existe – o amor é imaginário! (espero que minha cara metade não leia isso).

Deixe um comentário para Paulo III Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *