No Congresso, o Carnaval chega mais cedo e os parlamentares entram no bloco da vagabundagem

Carlos Newton

Parece brincadeira, mas o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), teve de enviar e-mails para os gabinetes de todos os deputados da base aliada, pedindo a presença deles em Brasília nesta semana para a realização de “votações importantes”.

Vaccarezza sabia que a grande maioria dos deputados iria ficar nos seus Estados por causa do Carnaval, na semana que vem. Por pressão da presidente Dilma Rousseff, o esforço da liderança do governo é para votar, ainda esta semana, o projeto de lei que cria o fundo de previdência complementar do servidor público. Mas é apenas um sonho.

A ideia era iniciar a votação da proposta na semana passada, mas, por uma decisão pessoal do presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), a sessão do plenário foi cancelada. Maia achou que o governo poderia ser derrotado, porque ainda havia muita divergência na base aliada, e adiou a votação. Dilma não gostou nada disso e mandou recolocar o projeto em pauta.

A liderança do governo então disparou os e-mails a todos os deputados da base aliada. Apesar desse apelo aos colegas, o líder Vaccarezza não acredita na votação do projeto ainda esta semana. Segundo ele, poucos deputados devem aparecer em Brasília por causa do Carnaval na semana que vem.

“Não vamos conseguir votar”, resumiu ele, ciente da realidade da prática parlamentar.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *