No desespero, Temer tenta chantagear os deputados rebeldes da base aliada

Resultado de imagem para base aliada de temer charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Paulo Gama
Folha

O presidente Michel Temer listou cerca de 25 parlamentares que terão seus aliados demitidos de cargos públicos por terem votado contra o governo na proposta de mudança da legislação trabalhista e também por não apoiarem a reforma da Previdência. A estratégia do Palácio do Planalto é tirar os cargos dos parlamentares considerados infiéis e transferir as nomeações para outros, em troca dos votos desses deputados na reforma da Previdência.

O governo considera ter sido traído por cerca de 70 deputados. Espera que as demissões ajudem a reverter a posição do resto do grupo. Os alvos são deputados que compõem a base de Temer, mas são considerados “irrecuperáveis” — ou seja, traíram o governo e não podem ser convencidos a apoiar a reforma da Previdência.

DEZ PARTIDOS – Há nomes de dez partidos, como o PMDB (sigla do presidente), o PP (do líder do governo) e o PSB — este declarou posição contrária às reformas e deve ser o mais atingido.

Segundo a Folha apurou com dois integrantes da equipe de articulação política, entraram na lista Gonzaga Patriota (PSB-PE), Cícero Almeida (PMDB-AL), Luciano Ducci (PSB-PR), Marcelo Álvaro (PR-MG), Jony Marcos (PRB-SE) e Antonio Jácome (PTN-RN).

Por compor a base aliada de Temer, esses deputados ganham no governo o direito de escolher quem ocupará cargos da administração federal em seus Estados de origem. Serão alvos de retaliação, por exemplo, uma gerência do INSS, ocupada por indicação de Patriota, e uma posto em Itaipu, ocupado por um aliado de Ducci.

DEM APOIOU– Há a expectativa de que o DEM seja poupado, porque entregou os votos de 100% de seus deputados a favor da reforma trabalhista.

Algumas portarias internas com as demissões já foram editadas. A maior parte delas deve acontecer no início da próxima semana, como um recado de que traições em plenário não serão toleradas.

Segundo auxiliares de Temer, nem todas as demissões serão definitivas. Algumas podem ser revertidas se os padrinhos das nomeações decidirem votar com o governo na reforma da Previdência.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Antigamente, esse tipo de política era considerado abjeto e chamado de chantagem, que Temer jamais ousará fazer em relação a Renan Calheiros, que hoje é seu maior opositor. Isso nunca dá certo, a reação é irrefreável. A base aliada já era. E com essa postura, Temer vai complicar ainda mais a aprovação das propostas de Meirelles, que é o verdadeiro governante deste país. (C.N.)

16 thoughts on “No desespero, Temer tenta chantagear os deputados rebeldes da base aliada

  1. Temos que pressionar não só nas redes sociais, mas também diretamente os parlamentares !!!

    Mostrar indignação nas ruas em grandes manisfestações !!!

    Não a Deforma da Previdência. Para que ela continue sendo social e não apenas econômica.

  2. Hum, será que essa chamada “chantagem” não vai importar em algo mais? Sei não! Atenção aos próximos “desembolsos” governamentais e outros “agrados”. Nessa hora, é bom saber quem ficou contra o governo e depois conferir se mudou de opinião…

  3. Sim, isso mesmo. A sujeira na política é tanta que a chantagem se tornou algo normal. É vergonhoso. Pior é quem aceita chantagem, pois viola sua inteligência. Temer é mais do mesmo de sempre. Política velha!!!

  4. Que governo, nos últimos 20 anos, não se utilizou da mesma chantagem?
    ora, não seria Temer que cresceu no mesmo meio, que faria diferente.
    Assim como o corruptor procura e acha corruptos para cooptar, presidentes “compram” votos que estão a venda.
    De executivo corrupto, legislativo corrupto e eleitores corruptos, esperar o que?
    Só não aceito e não aceitarei dizerem que Temer é ilegitimo. Se assim o fosse, teria de admitir o mesmo de Itamar e dos futuros vices que venham a assumir.
    Temer é incapaz e resultado das escolhas dos petistas. Foi eleito por eles.
    Fallavena

  5. Caro Fallavana
    O Temer é fruto da arvore petista, não fomos nós que elegemos a Dilma e por consequência o Temer.
    O petismo esta em guerra com o atual presidente, pelas mesmas razões que as quadrilhas brigam entre si, ou seja a disputa pelo poder e a consequente riqueza que vem com o mando.
    Estamos a mercê do jogo interesseiro dos políticos, o povo é que o menos conta.
    Estes que hoje se insurgem contra as reformas do Temer, são os mesmos que apoiaram a tal reforma do lula em 2003, que o “democrático” PT, sob ordens do lula, expulsou vários petistas, por não acatar ordens do morubixaba vermelho.
    Aquela reforma já foi desastre, infectada pelo mensalão, essa agora também esta contaminada
    pelos votos comprados ou coagidos.
    O povo tem que urgentemente se reciclar e depois reciclar a política.

    • jovino
      Se dizer que acertaste na “mosca” será pouco.
      Na minha modesta opinião, acertaste em várias moscas!
      Lembrar fatos e interligá-los, assim como analisar a posição dos atores nos diversos episódios, dão a dimensão dos nossos problemas.
      E são pouco, muito poucos que conseguem isto.
      Esta é a principal razão para a reciclagem do povo.
      Esta é uma grande verdade.
      Nosso problema é como e com quem reciclar. Quando muitos são “tapados”, os atilados são poucos para provocar mudanças.
      Relendo “princípios das decisões coletivas”, se entende a complexidade da democracia.
      Aliás, examinando a história da humanidade nos últimos 300 anos, comprovaremos que a democracia só funcionou, e de forma esporádica, em alguns lugares. No mais, é sonho de verão.
      Com seres humanos é bem mais difícil de atingir-se objetivos.
      Abraço e saúde.
      Fallavena

  6. Michel Temer nao tem legitimidae , moral , muito menos aceitação publica para implantar qualquer reforma que seja , somente num pais que possui um judiciario e uma justiças corrompida como a nossa , este cidadão se mantem no poder.

  7. Caro CN … Saudações!

    Todo mundo sabe que o Governo Temer, PMDdoB-SP, tem Programa … Que não foi aceito por Dona Dilma.

    Quem ajuda a governar é porque aceita o Programa do Governo Temer.

    Ora pois pois … Quem não ACEITA tal Programa nem deveria ter aceitado os cargos … E deveriam entregar, né?

    • Amigo Lionço
      Li teu comentário e comecei a rir sozinho.
      Teu resumo diz tudo!
      Primeiro a grana e depois a gente vê o que faz!
      Quem votou contra é vigarista. São outros que devem estar comprometidos com muitas falcatruas.
      Será que já estão se preparando para as próximas eleições? Só pode!
      Abraço e saúde.
      Fallavena

      • Caro Fallavena … Saudações!

        http://carlosnewton.com.br/o-derrotado-ja-tem-nome/#comment-210153 tem: “Estou lutando pela VERDADE … … … http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2012/05/16/dilma-instala-comissao-da-verdade-e-aplaudida-de-pe-445320.asp “Nome: Lionço Ramos Ferreira – 16/5/2012 – 14:57 … “Nome: A Bem D Verdade – 16/5/2012 – 14:45 … Uma frase no Twitter: Uma Meia Verdade nada mais é que uma grande mentira.” … … … Millôr Fernandes: “O perigo de uma meia verdade é se contar a metade que é mentira” … … … como é o caso desta Comissão da Verdade nomeada por Dona Dilma; que insiste em afrontar a memória histórica do MDB … eu, de minha parte de último dos últimos dos históricos, passo a ser independente em relação ao governo de Dona Dilma … … … CHEGA DE AFRONTA DO PT!!! !!! !!! chegamais LUZAMORPAZ””

        Em minha insignificância, em 16/5/2012, declarei minha independência em relação ao Governo de Dona Dilma.

        Sou contra governos de base aliada … sou por Coalizão, em que se discute um Programa antes de se formar Governo.

        Não houve Programa de Governo na campanha de 2014; porém, o PMDB apresentou posteriormente … e Temer está meio Coalizão meio Base Aliada kkk

  8. Qualquer mudança nas regras eleitorais para 2018 só poderá ser publicada até um ano antes das eleições – é lei. No formato das eleições presidenciais brasileiras onde o voto é direto, diferente portanto dos Estados Unidos onde o Presidente é eleito por um Colégio Eleitoral – quem vence em um Estado leva todos os votos, não teremos nenhum avanço na política, pois o Presidente eleito por dezenas de milhões de votos não consegue eleger maioria no Congresso e tem de fazer coalizões com partidos de ideologia totalmente contrária à sua e na base do fisiologismo. O Presidente eleito nada conseguirá fazer se não tiver maioria na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Isso é uma coisa que a imprensa deveria dar destaque, pois apesar de tanta informação, existe uma grande parcela da população que ainda acha que o Presidente da República faz o quer e governa sozinho. É onde surge espaço para o engodo, para a demagogia. O Brasil de nossa era é totalmente dominado pelo setor financeiro, que é quem realmente determina os rumos da economia. A dívida pública que deve alcançar nos próximos anos 80% do PIB e seus encargos de centenas de bilhões de reais e que não está sujeita a limitações no Orçamento Geral da União, já se aproxima de metade desse Orçamento e pode ultrapassar esse percentual nos próximos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *