No Dia do Mestre, uma homenagem poética de Cora Coralina

Resultado de imagem para cora coralina frasesPaulo Peres
Site Poemas & Canções

Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (1880-1985), nasceu em Goiás Velho. Mulher simples, doceira de profissão, tendo vivido longe dos grandes centros urbanos, alheia a modismos literários, produziu uma obra poética rica, conforme este belo poema “Elevar”, que publicamos hoje para homenagear o Dia do Mestre.

ELEVAR
Cora Coralina

Professor, “sois o sal da terra e a luz do mundo”.
Sem vós tudo seria baço e a terra escura.
Professor, faze de tua cadeira,
a cátedra de um mestre.
Se souberes elevar teu magistério,
ele te elevará à magnificência.
Tu és um jovem, sê, com o tempo e competência,
um excelente mestre.

Meu jovem Professor, quem mais ensina e quem mais aprende?
O professor ou o aluno?
De quem maior responsabilidade na classe,
do professor ou do aluno?
Professor, sê um mestre. Há uma diferença sutil
entre este e aquele.
Este leciona e vai prestes a outros afazeres.
Aquele mestreia e ajuda seus discípulos.
O professor tem uma tabela a que se apega.
O mestre excede a qualquer tabela e é sempre um mestre.
Feliz é o professor que aprende ensinando.
A criatura humana pode ter qualidades e faculdades.
Podemos aperfeiçoar as duas.
A mais importante faculdade de quem ensina
é a sua ascendência sobre a classe
Ascendência é uma irradiação magnética, dominadora
que se impõe sem palavras ou gestos,
sem criar atritos, ordem e aproveitamento.
É uma força sensível que emana da personalidade
e a faz querida e respeitada, aceita.
Pode ser consciente, pode ser desenvolvida na escola,
no lar, no trabalho e na sociedade.
Um poder condutor sobre o auditório, filhos, dependentes, alunos.
É tranquila e atuante. É um alto comando obscuro
e sempre presente. É a marca dos líderes.

A estrada da vida é uma reta marcada de encruzilhadas.
Caminhos certos e errados, encontros e desencontros
do começo ao fim.
Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.
O melhor professor nem sempre é o de mais saber,
é sim aquele que, modesto, tem a faculdade de transferir
e manter o respeito e a disciplina da classe.

 

4 thoughts on “No Dia do Mestre, uma homenagem poética de Cora Coralina

  1. Professor é um dom, uma vocação. E Cora Carolina – minha querida poeta – nasceu uma Mestra que sabia disso. “O melhor professor nem sempre é o de mais saber, e sim aquele que, modesto, tem a facidade de transferir e manter o respeito e a disciplina da classe.”

  2. Neste dia deixo minhas Homenagens de Agradecimento as minhas duas Primeiras Professoras, do Saudoso Instituto Joaquim Nabuco, lá na minha Rua Padre Floriano no Bairro mais recifense do Recife, o Bairro de São José, Célia Freire e Carlene Falcão ! Naquela casa tive a certeza de que a Educação é eterna, não divide, cresce harmonicamente no conhecer mútuo, Construção de Vidas e Histórias Humanas que se encontram. Ha coincidências que só Deus explica, porque naquela Casa de Saber, os ensinamentos de nossas Histórias Brasileiras e Pernambucanas de Liberdade e Progresso foram construídas aqui em Pernambuco, sempre quando falamos de Liberdade a figura maior de Joaquim Nabuco era tocado, como uma música que até hoje nos acompanha. Foi pelas mãos daquelas duas Grandiosas Mulheres que comecei atravessar os mares do conhecimento humano, por isso elas representam muito no meu viver, jamais as esquecerei. E a grande coincidência que quando adulto, naquela Casa testemunhei a Fundação do Clube de Mascaras Galo da Madrugada, por Enéas Freire, Família e Amigos, cúmplices como todos nós que amamos o Frevo e a Cultura Pernambucana, que tão bem Célia Freire e Carlene Falcão me ensinaram para nunca me esquecer nesse futuro de agora de nossa PERNAMBUCANIDADE ! VIVA OS PROFESSORES DO BRASIL !!!!

  3. A comentarista senhora Carmen Lins, com certeza, resumiu o que eu também tenho como convicção sobre os professores.
    É um dom.
    ELEVAR. Muito bem descrito poeticamente pela pena de Cora Coralina.
    Parabéns Paulo Peres pelo presente.

  4. Nunca o país, o seu povo e as(os) professoras(es)precisaram tanto de um pacto verdadeiro, sério e indestrutível!
    E nunca, todos nós, estivemos tão descrentes com o ensino brasileiro, notadamente o público.
    Faltam qualidade, compromissos, respeito e consciência para grande parcela do magistério e da sociedade. Liderada por entidades profissionalizadas e utilizadas por pequenos e nocivos grupos, o magistério deixou-se arrastar pelo caminho do descrédito, do desrespeito e da desvalorização.
    E todos nós, indiscriminadamente, criticamos e responsabilizamos somente os governos que, inacreditavelmente, são também escolhidos por nós mesmos.
    Falta respeito, amor, consciência, responsabilidade dos pais para com seus filhos. Aliás, boa parte são apenas “produtores” de crianças. Quantas foram geradas por descuidos, bebedeiras, estupros e troca-troca. Também tem as “programadas”, geradas por sentimentos entre duas pessoas. Ainda pensam no valor que deixarão para qu8e continuem seus legados.
    Por tudo que se vê, sente e respira na sociedade atual, as últimas gerações tem vínculos somente com patrimônio financeiro e bens de consumo.
    Gestados, são desde o nascimento, num número cada vez mais crescente, entregues aos cuidados de terceiros: município/estado, leigos e incompetentes, sem moral ou ética para “educar” ou dar exemplos positivos.
    Quanto aos pais/responsáveis, a atenção que dedicam a formação dos filhos, é pequena. Pouco ou nada se preocupam com aqueles que lhes transmitem (ou deveriam transmitir) conhecimentos.
    Sem um acompanhamento regular e interessado, deixam transparecer o desinteresse para com o futuro de seus filhos. Aqui e ali, alguém salta para se defender, afirmando que “ele/ela acompanham o filho em tudo”. Poucos exemplos, só servem para confirmar a regra geral: a maioria não convive com seus filhos.
    E os professores, também em maioria, assistem calados o esmorecer de sua missão. Missão, sim! Quem ajuda a forjar o conhecimento e deveria servir de exemplo, não é profissional coisa nenhuma!
    Quanto mais se aproximarem dos “trabalhadores”, mais os professores se afastam de sua missão, que é única, sem similar. Aliás, já deveriam ter se dado conta de que, TODAS AS DEMAIS, dependem da sua! E isto já não serviria para demonstrar sua importância?
    Quando os professores retomarem seu espaço na sociedade, resgatarão o respeito e o amor que a sociedade deve dedicar-lhes.
    Assim, diante deste quadro, sem generalizar, afirmo com certeza e a convicção, após três décadas de participação, avaliação e trabalhos relacionados a escola/ensino: é preciso defender a instituição escola como um conjunto e não segmentada.
    Nos dias atuais, os bons exemplos de professores e pais, só servem para demonstrar o que precisa ser feito pela maioria que nada fazem.
    E isto só depende de cada um nós.
    A defesa generalizada ou o ataque permanente, só tem servido para esconder e manter o caos existente.
    Quando faltam ideais, sobram mentiras, desculpas e o vazio.
    Tomara, o mais breve possível, possamos comemorar o dia dos professores com mais respeito e verdade.
    Coube a eles, repito, a missão de abrir janelas e portas, as do conhecimento.

Deixe uma resposta para EDJAILSON XAVIER CORREIA Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *