No passado, o melhor futuro

Laura Amadeu dos Santos:
Fazemos parte de um grupo que discute tudo, aqui em Campinas. Lemos vários jornais de SP e de fora de SP, e consultamos também a internet. Nossa base era a tribuna impressa, enquanto esperamos que volte, acompanhamos  seu blog, excelente.

Somos mais de 200, nos reunimos todos os dias, nem todos, mas pelo menos 30 ou 40, o número, homens e mulheres, aumenta muito no fim de semana.

A pergunta que gostaríamos de ver respondida hoje: a crise do Senado tem solução? E pode contaminar os outros Poderes e atingir o país inteiro?

Comentário de Helio Fernandes:
Obrigado pela consulta-confiança, o Brasil inteiro quer saber a mesma coisa.  Se não houver uma decisão para tanto escândalo, é evidente que a contaminação para os outros Poderes será infalível.

Mas é evidente que existe solução. Só que como é a mais grave de todos os tempos, o que é preciso é uma DECISÃO RADICAL. É obrigatória a transformação desse Senado ATENIENSE em ESPARTANO.

Basta igualar o Senado que funcionava no Rio e acabar com essa monstruosidade que se transferiu para Brasília. O que eu chamo de Senado ESPARTANO é reconquistar o número de funcionários proporcionalmente  ao que existia no Rio.

As instalações têm de ser funcionais e não majestáticas como essas Brasília. Esses anexos DEVEM SER DERRUBADOS ou então aproveitados, mas não para mordomias de Brasília. À primeira vista parece difícil, mas não é.

Durante 14 anos, de 1946 (Constituinte) até 1960 (mudança da capital), frequentei diariamente Câmara e Senado. O CONFORTO exibido hoje, sem precedentes. Naquela época, o Congresso funcionava com total competência, de forma quase frugal, mas de manhã à noite sem essa exibição de “luxo e prazer”.

Se voltar ao passado é um avanço e uma lembrança de tempos de prestígio popular. Meia sola não resolve nada, é preciso sola inteira. “Não basta conhecer o problema, é preciso resolvê-lo”.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *