Nomeação de outros “alunos” do guru Olavo de Carvalho leva o governo ao ridículo

Resultado de imagem para beatles comunista charges"

Fotocharge reproduzida do Arquivo Google

Carlos Newton

No início do governo, houve as primeiras nomeações de alunos de Olavo de Carvalho, com Ernesto Araújo no Itamaraty e Ricardo Vélez Rodriguez no MEC. Não deram certo, Rodriguez foi defenestrado e substituído por outro colega olavista, Abraham Weintraub, enquanto Araújo conseguia se segurar toscamente, sem nenhum prestigio.

OLAVO DE VOLTA… – E quando se pensava que o núcleo bizarro do governo Bolsonaro havia submergido para sempre, com abandono das teses defendidas pelo bruxo da Virgínia, eis que de repente ocorre a ocupação de importantes cargos do antigo Ministério da Cultura pelas tropas brancaleônicas de Olavo de Carvalho.

Já se sabia que tinha sido uma tremenda idiotice a nomeação do olavista Roberto Alvim para a Secretaria de Cultura (atualmente hospedada no Ministério da Cidadania, pois ele foi logo dando o ar de sua graça e ofendeu Fernanda Montenegro, ícone cultural da arte e da cultura no país. Agora, a falha (como Bolsonaro considera os próprios erros) foi a nomeação de personagens caricatos para a Funarte, a Fundação Palmares e a Biblioteca Nacional.

TEORIAS CONSPIRATÓRIAS – Com essas esdrúxulas contratações, o governo acaba por divulgar as mais curiosas teorias conspiratórias defendidas por Olavo de Carvalho, que levam ao ridículo a administração pública e a imagem do Brasil no exterior.

No caso de Dante Mantovani, que agora ocupa a Funarte, substituindo Miguel Proença, um dos maiores pianistas do mundo, sua fisionomia lombrosiana chega ao êxtase ao defender a tese olavista de que a Terra é plana, afirmando que as fotos feitas pela agência espacial Nasa na verdade seriam desenhos muito bem feitos.       

Já o novo presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, é o protótipo do chamado “negro de alma branca”. Chega ao ponto de dizer que não existe racismo no Brasil e salienta que a escravidão foi benéfica para os negros. Só faltou dizer que os quilombolas precisam emagrecer para perder alguma arrobas… Por essas e outras, a Justiça Federal já suspendeu sua nomeação.

ANALFABURRICES – No caso da Biblioteca Nacional, a maior do país, o neopresidente Rafael Nogueira faz associações ideológicas ao analfabetismo: “Livros didáticos estão cheios de músicas de Caetano Veloso, Gabriel O Pensador, Legião Urbana. Depois não sabem por que está todo mundo analfabeto”.

O pior disso tudo é tomar conhecimento de que o secretário Roberto Alvim está sendo investigado pelo Ministério Público Federal, por ter convidado a própria mulher, a atriz Juliana Galdino, para assumir a direção artística do Teatro Plínio Marcos, em Brasília, quando ele era diretor de Artes Cênicas da Funarte.

“PONTA DE LANÇA” – Segundo a revista Veja, a atriz passaria a controlar um orçamento de R$ 3,5 milhões em verbas federais. E a ideia de Alvim, conforme se lê em texto escrito por ele, era transformar o teatro em “ponta de lança da política cultural do governo Bolsonaro”, segundo o jornalista Bernardo Mello Franco, de O Globo.

“Estamos vivendo um momento crucial no combate cultural em nosso país. É preciso que o governo do presidente Jair Bolsonaro atue firme e propositivamente na área da arte e cultura, hoje dominada pelo marxismo cultural e pela agenda progressista”, assinala Alvim, que adora citar frases do escritor Olavo de Carvalho e do ator Carlos Vereza, apoiador de Bolsonaro.

###
P.S. –
Outra esquisitice é Dante Montavani dizer que o rock é satânico, os Beatles são comunistas etc e tal. O novo presidente da Funarte parece ainda não ter percebido que o rock já era, praticamente ficou na saudade, não toca no rádio nem aparece na televisão. Portanto, o rock não influencia ninguém. Na era do funk e do pancadão, achar que o rock é responsável pelo aborto só pode ser Piada do Ano. Com aliados desse tipo, aliás, Bolsonaro demonstra que não tem medo do ridículo.

P.S. 2  Essas sandices ocorrem justamente quando o PIB voltava a registrar crescimento e a credibilidade do governo até ganhava fôlego.  O pior de tudo isso é constatar que no Planalto não existe nenhum general-ministro capaz de sugerir a Bolsonaro que a submissão do governo a um pensador (?) como Olavo de Carvalho é totalmente negativa e só traz problemas.  (C.N.)

35 thoughts on “Nomeação de outros “alunos” do guru Olavo de Carvalho leva o governo ao ridículo

  1. Segundo nota oficial do Ministério Público Federal, ao longo de mais de cinco anos da operação Lava Jato em Curitiba, chega a R$ 4,069 bilhões o total de valores recuperados por meio de acordos de colaboração premiada, acordos de leniência, termo de ajustamento de conduta (TAC) e renúncias voluntárias de réus ou condenados, já efetivamente restituídos. Este montante foi atingido no mês de outubro, com o início da aplicação de R$ 220 milhões pela Ecorodovias para subsidiar a redução de 30% na tarifa das praças de pedágio da empresa.

  2. Diria grande JÚLIO DE CASTILHOS,é um governicho,influenciado pelo um lunático de Virgínia..

    Com honrosas exceções,tem gente lúcida,centrada,qualificada,deseja fazer deste país uma nação forte independente,sem está atrelada aos interesses das gd.potencias; Mas,não se expõe,pois,o chefe, é temperamental.

  3. Carlos Newton, as informações contidas em teu artigo me fez lembrar o saudoso barão Aguinaga, que, em ocasiões semelhantes, dizia: “a situação parece fórmula de remédio elaborada em hospício!”.

    Ainda bem que não temos seguidores do tal Olavo em nosso Centro Cultural, senão a festa anual do dia 13 poderia gorar.

  4. É possível, sim, ser mais ridículo do que quem acredita que a Terra seja plana:
    -Acreditar que o Lula seja honesto e que o PT seja um partido e não uma quadrilha!

  5. O governo do boçalnato JAMAIS irá melhorar enquanto ele for seguidor do imbecil olavo de cavalo. Esse cretino não se atreve a se meter na vida do Trump pois, se isto acontecer, isolam-no imediatamente em Guantanamo.

  6. Bolsonaro faz estas nomeações, não só por ter como ídolo e Guru o impostor Olavo de Carvalho, mas porque pensa como aqueles que nomeia, como é o caso de Ernesto Araújo no Itamaraty e Ricardo Vélez Rodriguez no MEC, depois substituído no MEC por Abraham Weintraub, tanto pensa Bolsonaro como outros que nomeia, como Dante Mantovani, que agora ocupa a presidência da Funarte , o secretário Roberto Alvim, Rafael Nogueira como Diretor da Biblioteca Nacional, e o o novo presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, que é o protótipo do chamado “negro de alma branca”. Camargo chega ao ponto de dizer que não existe racismo no Brasil e salienta que a escravidão foi benéfica para os negros.

    Estes nomeados pelo Presidente da República são o retrato espéculo do pensamento e das convicções de Jair Bolsonaro, que é racista, inimigo mortal dos indígenas, xenófobo, é homofóbico e deseja implantar nas escolas o pensamento único de extrema-direita bem como militarizar o ensino fundamental, médio e universitário e deseja devastar a Amazônia para dar posse de terras indígenas e dizimar a Mata Atlântica para colocar fazendeiros criando gado, já disse que “dane-se a ‘porra’ da árvore” e que “o índio não interessa” , e quer deixar a Amazônia sem fiscalização do IBAMA e das ONGs, para a livre exploração do desmatamento ilegal e para os grileiros que invadem terras protegidas e terras indígenas.

    Este, aliás, é o pensamento da extrema direita, aqui representado por Bolsonaro, tanto quanto Trump nos Estados Unidos e Olavo de Carvalho, que nem sequer reside no Brasil, e sim nos EUA, como o “bispo” Macedo, dono da IURB, que “consagrou” Bolsonaro, que ficou de joelhos para este charlatão e que “consagrou” Bolsonaro “em nome do Espírito Santo” , momento em que Bolsonaro ficou de joelhos para receber de Edir Macedo a funesta “consagração” – o que pode ser visto em vídeo no youtube.

  7. Quando os repórteres começam a colocar palavras nas bocas alheias é o fim do jornalismo.

    “ eriam desenhos muito bem feitos.

    Já o novo presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, é o protótipo do chamado “negro de alma branca”. Chega ao ponto de dizer que não existe racismo no Brasil e salienta que a escravidão foi benéfica para os negros.”

    Sérgio Camargo nos disse nenhuma destas duas coisas, é vergonhoso que o Carlos Newton faça sua análise baseando-se em mentiras.

    O que ele disse foi que o racismo no Brasil é diferente do americano e portanto não se deve importar as soluções de lá e que os escravos trazidos para o Brasil foram beneficiados em relação aos que eram escravos na África.

    Tem alguma mentira aí? Ou será se o editor não sabe que a África foi o último continente a abolir a escravidão? Sendo a Mauritânia o último país a torná-la ilegal no começo deste milênio?

    Colocar absurdos na boca dos outros e depois julga-los com base nisso é de uma baixeza inominável para alguém da imprensa.

  8. Para a esquerda vale tudo pelo poder.
    O esquerdismo é uma religião, a socialista.
    Nela o hediondo encontra justificativas para sua prática com o fim do poder.

    O outro lado, que também não é grandes coisas, direita, conservadores, ateus, infiéis, criminosos ou não, ainda tem algum espaço para o bom senso.
    …………………………………………………

    O problema do Brasil é o brasileiro, que já está provado, tem alguma falha mental, principalmente aqueles da ‘elite intelectual’ que por isso mesmo se acham os donos da verdade. O FHC é o maior dessa categoria. Só podia mesmo ser de esquerda.

    O povão mesmo, é igual ao de qualquer país, quer apenas um emprego para se sustentar

  9. A terra é tão plana que para fugir das enchentes e parecer “salvadora”, o “espírito” do catolicismo fez erigir nos “altos” e perto dos “domos”, ou “colinas”, 90% de suas igrejas.

  10. A principal, “Mussolinicamente” , “abiscoitou-se” das proximidades de 7 Colinas, lembrando: “Aqui se requer mente sábia. As sete cabeças são sete colinas sobre as quais está sentada a mulher.
    Apocalipse 17:9”

  11. O pior é que, no caso do presidente da Funarte, um mau argumento estragou um questionamento que, sem isso, teria sua pertinência. Porque incluir Legião urbana ou Gabriel o Pensador em livros didáticos? Ainda mais no caso deste último um artista cuja “profundidade” é visivelmente uma invenção da indústria musical, e que chegou à fama com um rap onde descrevia o hipotético assassinato do então presidente Collor de Mello.

    Gabriel queria que perdêssemos o nosso atual “velho sábio” da política brasileira, esse homem tão maduro e querido da mídia e dos representantes da “boa” política? Em tempo, Gabriel estava imitando “Bush Killa”, de um rapper americano que cantou sobre matar o então presidente George Bush (o pai).

    Voltando ao assunto, porque esses artistas devem ser estudados nos livros didáticos? Ou pelo menos, porque tanta ênfase neles? Por causa de seu sucesso? Porque são modernos? Só os artistas “da hora” devem ser objeto de estudo, porque os jovens não são capazes de entender qualquer coisa mais antiga? Acabei de ler um livro do acadêmico americano Neil Postman, “Tecnopólio: A Rendição da Cultura à Tecnologia”, onde no final ele argumenta a favor da necessidade de expor os estudantes às obras de tempos mais antigos, a fim de que eles tenham contatos com as idéias e saberes de outras épocas e possam ter uma visão mais ampla do mundo. Isso parece cada vez mais necessária, diante dos descaminhos da cultura atual.

  12. Ninguém tem raiva dos fracos, nem odeia os feios.

    Onde os Srs. estavam quando Olavo denunciava, desde os anos 90, a burrice, a esquerdopatia e principalmente o Foro de São Paulo?

    Olavo tem razão.

  13. O absurdo de nomeação de incompetentes pela equipe de Jair Bolsonaro parece não ter fim !

    Jornal METRÓPOLES – 05/12/2019

    IBANEIS SOBRE UNIVERSITÁRIO DA DIREÇÃO DA BIBLIOTECA NACIONAL

    Nomeação de Allan Warnick Motta foi feita pelo Secretário de Cultura e contestada pelo Conselho Regional de Biblioteconomia

    Nota: O adolescente Allan Wanick Motta ainda está cursando Biblioteconomia e seque irá se formar este ano

    https://www.metropoles.com/distrito-federal/ibaneis-sobre-universitario-na-direcao-da-biblioteca-nacional-foi-exonerado?utm_source=push&utm_medium=push&utm_campaign=

  14. Dias atrás li uma declaração da Janaina Paschoal onde ela diz como o presidente se equivoca, acredita que é donos dos 57 milhões de votos que recebeu, mas se esquece que só 30% destes votos vem dos “irmãos evangélicos”, o resto vem dos “lavajistas”, liberais e anti-pestistas. O cara se convenceu de que este discurso mixórdia, baseado em crenças religiosas e muita ideia pré-concebida vão fazer o Brasil progredir. O Brasil está progredindo apesar de tudo, só restou isto para quem realmente trabalha e quer alguma coisa da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *