Noruega e a Alemanha, ironizadas por Bolsonaro, não querem mais financiar o Fundo Amazônia

Bolsonaro terá reunião com presidente da Ucrânia no Japão | Poder360

Bolsonaro falou o que não devia e perdeu as doações

Pedro Henrique Gomes e Fernanda Vivas,  
G1 e TV Globo

Em maio deste ano, o vice-presidente Hamilton Mourão chegou a anunciar que o governo recriaria o conselho gestor do Fundo Amazônia. A declaração foi dada após reunião com embaixadores da Alemanha e da Noruega, que patrocinam as atividades de preservação, junto com a Petrobras.

Na época, o vice-presidente – que preside o Conselho da Amazônia – disse que a ação faria parte do movimento para reativar o fundo. Passados quase cinco meses, o ato não se concretizou.

BOLSONARO DESDENHOU – Desde o ano passado, já no governo do presidente Jair Bolsonaro, o fundo se tornou alvo de polêmica. Maiores doadores, Alemanha e Noruega suspenderam os repasses ao Brasil em agosto do ano passado, quando as atividades já estavam paralisadas.

Na ocasião, Bolsonaro desdenhou da decisão dos países europeus. “A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada a dar exemplo para nós. Pega a grana e ajude a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha”, afirmou na ocasião.

Mais de um ano depois, o chefe da assessoria diplomática da Vice-Presidência da República, embaixador Juliano Féres Nascimento, diz que a negociação para a retomada do Fundo Amazônia é uma das prioridades do Conselho da Amazônia, presidido por Mourão.

DOADORES RETICENTES – Segundo o diplomata, as negociações estão em andamento, mas os países que colocam dinheiro no Fundo Amazônia esperam uma diminuição maior dos índices de desmatamento e de queimadas.

“Apesar do firme compromisso e do empenho do governo federal em combater as ilegalidades que atentam contra as normas ambientais brasileiras, os doadores internacionais tem expectativa, sim, de uma redução mais significativa das áreas atingidas por essas ações criminosas”, disse Nascimento.

“Infelizmente, as dificuldades encontradas no terreno somadas à intensidade da pandemia da Covid-19 inviabilizaram a esperada a inversão de tendência na magnitude desejada para a reativação do fundo”, declarou.

RECRIAR O COMITÊ? – O embaixador afirmou que o governo não pode simplesmente recriar por decreto o comitê orientador do fundo, pois os recursos são repassados mediante contratos privados entre os doadores e o BNDES.

“Portanto, caso os termos do decreto não reflitam o conteúdo do documento de projeto acordado com os doadores, a normativa será inócua pois não surtirá efeito sobre a liberação de recursos do Fundo Amazônia, que permanecerão congelados por determinação dos doadores”, declarou Nascimento.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Em tradução simultânea, o presidente Bolsonaro e seu fiel e competente ministro Ricardo Salles não deram a menor importância às doações da Noruega e da Alemanha, que foram ridicularizadas por Bolsonaro. Já explicamos aqui na TI  que hoje o Fundo Amazônia tem apenas um patrocinador, a Petrobras. Porém, com a privatização de importantes subsidiárias, em breve a estatal não terá condições de patrocinar nada. E la nave va, cada vez mais fellinianamente. (C.N.)  

12 thoughts on “Noruega e a Alemanha, ironizadas por Bolsonaro, não querem mais financiar o Fundo Amazônia

  1. Realmente o Brasil não precisa de doações. Tem países muito mais necessitados. Para ser independente um país não pode aceitar “doações” notadamente em espécie. Doações só em casos de desastres ou de calamidades e ainda assim doações de equipamentos, materiais, medicamentos, etc.

  2. Não tivemos nenhum período desde a descoberta do Brasil, de um governo que se dispusesse a cuidar da Amazônia!

    Faz 500 anos que a região tem sido devastada, explorada irregularmente, garimpada, pesquisada a sua fauna e flora, rios poluídos pelo mercúrio do garimpo, grilagem, demarcação de terras indígenas sempre um problema, venda de terras para o exterior, queimadas criminosas, corte de madeira ilegal, e rodovias que jamais ficam prontas, além de servir para mais invasores.

    Cuidar de 3 milhões de Km2 que é a parte brasileira, faz-se necessário dinheiro, investimentos, e não temos esses recursos.

    Alemanha e Noruega que nos doavam boas quantias, deixaram de fazê-lo porque o nosso ministro e presidente resolveram enfrentar essas e outras nações, menos entrar em acordo ou dialogar, conforme se espera de um governo democrático e diplomata.

    Resultado:
    Nem mel e nem porongo.
    Sem dinheiro para cuidar da Amazônia, a estupidez e a imbecilidade do governo nesse quesito meio ambiente, ocasionará mais ainda a insatisfação do mundo contra o Brasil!

    Se Biden vencer as eleições nos Estados Unidos, suas primeiras medidas incluirão danos terríveis a nós através de boicotes na exportação nacional.

    Então quero ver como que nos safaremos da queda nossa nas vendas e como levantaremos as barreiras comerciais, que irão se erguer porque Bolsonaro e assessor meteram os pés pelas mãos!

    E, por favor, nada de falácias tipo, “soberania”.
    A China mostrou para o mundo inteiro que podemos ser destruídos sem um tiro de espingarda de chumbinhos!
    O dia que os três grandes decidirem tomar conta da Amazônia não haverá como impedi-los.

    • Por favor, Francisco Bendl, você tem notícia de quantos processos há contra uma determinada empresa norueguesa, no Pará, que polui um rio da região ?

      Como está sendo punida uma empresa sua, a Noruega está aborrecida porque supunha estar livre de contratempos dando uma “ajuda” para que pudesse arruinar o meio ambiente.

      Por favor, visite o site abaixo. É de um país europeu, também “preocupado” com a Amazônia.

      https://www.bbc.com/portuguese/brasil-43162472

  3. Armando,

    Bom dia,

    O receio do povo quanto às vacinas russa e chinesa, tem uma explicação:
    a culpa é de Bolsonaro e sua maldita ideologia!

    Por outro lado, se os russos e chineses quisessem nos fazer algum mal, haveria meios muito mais fáceis e rápidos que a vacina!

    Importamos da Rússia adubos e fertilizantes.
    Se os russos quisessem mesmo nos prejudicar, bastaria mudar a composição desses produtos, e acabariam com a nossa plantação;
    importamos uma série de produtos chineses, principalmente eletrônicos.
    Se a China quisesse acabar conosco, bastaria nos vender produtos com defeito.

    Por que logo a vacina?

    Abraço.
    Saúde e paz.

  4. O BRASIL é muito grande para ficar mendigando RECURSOS para fazer o que é de sua obrigação: Desenvolver de forma limpa e SUSTENTADA nossa Região Amazônica, com nossos Recursos.

    Isso não implica que devemos ser “mal educados” com quem quer que seja, mas manter nossa DIGNIDADE.
    Se tivéssemos aquelas ARMAS que poucas Nações tem, poderíamos “Fazer qualquer Negócio” com qualquer País, mas como ainda não temos, temos que se cuidar ao máximo para não criar DEPENDÊNCIA.

    Nosso Vice-Presidente Gen; MOURÃO que conhece muito bem a Região Amazônica e preside o “Conselho da Amazônia”, está fazendo um grande Trabalho e dará conta do Recado.

    O BRASIL precisa “Integrar para não entregar a nossa AMAZÔNIA”. E temos MEIOS para isso.

  5. O boçal e o seu ministro do Meio Ambiente estão certíssimos, porque precisamos de recursos vindo de alemães e noruegueses? Eles que os invistam nas suas próprias florestas. Atualmente só nos abaixamos para o demagogo midiático e atendemos as suas demandas, ou serão ordens? A Amazônia é nossa, então podemos destruí-la conforme as nossas conveniências, o futuro que se dane.

  6. Bolsonaro Zero Zero age como um pré-adolescente
    que quer mostrar uma força e clareza que não tem.

    A inabilidade dele é tal,que deveria patentear o “método de desagregação política-administrativa”.

    PS-Quase dois anos de instabilidade,geração de factoides,conflitos desnecessários,falta de seletividade de equipe e união (vide ministérios,por exemplo),populismo estúpido,…,e principalmente REFLEXÃO ( o que é pedir demais
    para um jumento iletrado como Bolsonaro Zero Zero),desperdiçados e sem qualquer projeto de nação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *