Nos EUA, inflação tão baixa, chega a parecer deflação. Dona Dilma tenta ‘defender’ Joaquim Barbosa, se confunde inteiramente. O primeiro presidente negro dos EUA, que decepção. O soldado Manning está entre prisão perpétua e 136 anos de cadeia. E Obama? Quem acessa internet nos EUA é gravado automaticamente.

Helio Fernandes

Dramáticos os primeiros seis meses do segundo mandato do presidente Obama. Em 2008 ganhou com certa facilidade, devia ser muito mais difícil, quem admitia um negro presidente da maior potência econômica do mundo? É bem verdade que já haviam se passado 142 anos da aprovação da emenda nº 13, que acabou com a escravidão, em 1865.

Mas preconceito é preconceito, basta ver a consequência da aprovação dessa emenda, que levou ao assassinato de Lincoln. Obama tinha muitas qualidades, talvez o povo americano quisesse apagar o passado, ou reinventar o presente, plantando um futuro sem maldições. E Obama no primeiro mandato não foi de todo mal.

Mas no segundo, o que aconteceu? Ele atacou principalmente o que havia de mais sagrado na Constituição única do país, complementada pelas emendas, que já estavam planejadas e projetadas pelos “pais fundadores”, como eles mesmo se intitularam.

A Primeira Emenda, respeitada e reverenciada pelo mundo, a consagração da Liberdade, do direito de expressão, o mais próximo que se pode chegar no caminho da igualdade, a não intromissão na vida dos outros. Pois foi essa conquista que o negro esperança destruiu, destruindo também a própria credibilidade.

Se algum inimigo, direta ou indiretamente, quisesse massacrar Obama, bastaria “aconselhá-lo” a fazer exatamente o que está fazendo. Segundo pesquisas feitas lá dentro mesmo dos EUA, quebrando a privacidade do mundo, Obama jogou todos contra ele. E a mesma pesquisa dá o seguinte número só interno, sem contar o resto do mundo.

Os EUA estão no momento com 306 milhões de habitantes. Os atingidos pela quebra do sigilo, só entre americanos, já teriam sido devassados 200 milhões de pessoas. Os outros 106 milhões estão ou estariam entre os que vão nascendo e os que chegam a 14 ou 15 anos. (A dúvida é da própria agência que fez a pesquisa).

O SOLDADO MANNING E
A DEVASSA DA INTERNET

O informante que deu as avassaladoras notícias para o WikiLeaks foi preso e está sendo julgado. Excluíram a pena de morte, mas requisitaram um grupo grande de “juristas de aluguel”, que depois de meses, enquadraram Manning em 20 acusações.

A menor delas sujeita a 6 anos de prisão, o que no total chega a 136 anos de cadeia. Ou então a prisão perpétua. Que, segundo os padrões americanos, pode ser com direito a redução de sentença ou com ela cumprida integralmente.

Ou como eles dizem e os juízes ratificam na decisão: “Com direito a ou sem direito a CONDICIONAL”. Se Manning receber a CONDICIONAL, 136 ANOS ou perpétua podem cair para 15 ou 20 anos.

O mais atordoante é a pena imposta, automaticamente, a quem “mexe” com internet. Tudo que o cidadão americano ou qualquer um que more nos EUA movimente pela internet é gravado, e mais inacreditável: seus dados pessoais são colocados nessa mesma internet, e ficam à disposição de qualquer um, sem o menor esforço.

###
PS – Não existe mais privacidade para ninguém, não há defesa nem uma forma de proteção. Para terminar por hoje, por hoje.

PS2 – Circulam nos jornais não impressos as mais variadas versões motivos e razões para justificar (?) o que Obama está fazendo.

PS3 – O The Guardian, britânico, garante que “isso que está sendo revelado” seria o mínimo dos mínimos. E deixa entrever, sem garantir, que pode publicar outras revelações.

ONDE ESTÁ SNOWDEN?

Está é outra face do mistério. Está encurralado pela hipocrisia de Putin, que já disse, “não vou criar uma situação de crise com os EUA, por um fato sem importância”. Para Putin, a questão da liberdade de um cidadão é fato “sem importância”.

E onde está o agente Snowden? Dizem que “recebeu da Rússia asilo provisório”. Se voltar aos EUA, comparando o que acontece com o soldado Manning, não sairá mais da prisão.

FESTIVAL DE DÓLARES

Presidente do Banco Central: “Inflação excessivamente baixa pode prejudicar a recuperação”. Logicamente não foi o do Brasil, e sim o dos Estados Unidos. Lá os juros estão em 0,25% e a inflação não dá nem para registrar. Aqui a inflação longe da meta, e a taxa de juros sobe sem parar.

Não esquecer: o governo dos EUA distribui “incentivos” de 35 BILHÕES mensais.

MAIS MÉDICOS, MÁS NOTÍCIAS

Dona Dilma insiste na contratação de médicos estrangeiros, apesar da resistência geral, e de todas as organizações de classe. E  sem falar com ninguém, Dona Dilma fundiu o Ministério da Educação com o da Saúde, como sempre foi.

Pelo menos quem aparece diariamente na televisão, falando sobre o assunto, é o ministro Mercadante. E o doutor Padilha, da Saúde, recebeu ordem da presidente para ficar em silêncio, por que iria desobedecer? Que República. Antigamente, qual ministro se submeteria?

DILMA “DEFENDE” E
“CONFUNDE” BARBOSA

Joaquim Barbosa foi muito criticado (inclusive por este repórter) pela falta de educação (ou melhor, isso e também arrogância) não cumprimentando Dona Dilma, como devia e com a atenção que o cargo exige. A própria tentou defendê-lo, mas se perdeu no caminho.

Diz a Constituição: “São Poderes da União, harmônicos e independentes entre si, o Executivo, Legislativo e Judiciário”. Dona Dilma chamou Joaquim Barbosa de “chefe do Poder Judiciário”. Como sempre, errou. O chefe do Poder Executivo é o presidente da República. Do Legislativo é o presidente do Senado, que preside o Congresso.

O Poder Judiciário não tem chefe. Todos os magistrados, da primeira à última instância, fazem parte do Judiciário. Joaquim Barbosa preside o Supremo (por dois anos improrrogáveis), o mais alto tribunal do país. Mas não comanda o Judiciário. Seria surpreendente se Dona Dilma acertasse alguma coisa.

TENTANDO SE RECUPERAR,
DILMA ATACA ALCKMIN

A Presidente foi a São Paulo “dar” 8 bilhões ao “prefeito poste” da capital. Todos sabiam, na véspera o próprio Haddad informou. Na hora ela atirou no governador, que não estava presente. Bobagem, ele está tão impopular e tão desprestigiado quanto ela. Lula telefonou logo para ela: “Assim você não se recupera”. O ex é implacável.

###
PS – Alckmin fica eufórico, vibrante entusiasmado, quando ouve ou lê que o ministro da Saúde será seu adversário em São Paulo.

PS2 – Alckmin está no governo de São Paulo desde 1994. Era vice de Mario Covas, doente, até 1998. Continuou vice de Covas, doentíssimo, até 2002. Ninguém ignorava que o governador eleito nem ia ao Bandeirantes.

PS3 – Nesse 2002, foi candidato a governador, absurdo, o terceiro mandato seguido. Em 2006 deixou o governo para ser candidato derrotado a presidente.

PS4 – O projeto de agora, ser reeleito em SP, e, em 2018, se candidatar novamente a presidente. Seu sonho e obsessão: acumular duas derrotas presidenciais, como Serra.

PS5 – Não foi o presidente da Câmara que convidou o deputado Vaccarezza para presidir a Comissão da Reforma Política, como publicaram. Foi o ex-presidente Lula que telefonou e disse a Henrique Eduardo: “Quero o Vaccarezza na Comissão”. E a resposta afirmativa e subserviente: “Sim, senhor”.

PS6 – Laco, nada de pedir desculpas, podia ter sido o general Albuquerque Lima, meu informante antes do golpe, nacionalista ferrenho, defensor do interesse nacional.

PS7 – Em 1969, quando Costa e Silva teve o derrame e foi considerado incapacitado pelos “Três Patetas”, marcaram eleição indireta para “presidente”. Colocaram urnas em órgãos do Exército, Marinha e Aeronáutica.

PS8 – Albuquerque Lima ganhou de Orlando Geisel em todos os lugares. Mas não deram posse a ele. Orlando Geisel, furioso, protestou: “Como é que eu, general de 3 estrelas, posso fazer continência a um presidente de 2 estrelas?”. “Inventaram” então o general Médici, que não queria mesmo.         

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

18 thoughts on “Nos EUA, inflação tão baixa, chega a parecer deflação. Dona Dilma tenta ‘defender’ Joaquim Barbosa, se confunde inteiramente. O primeiro presidente negro dos EUA, que decepção. O soldado Manning está entre prisão perpétua e 136 anos de cadeia. E Obama? Quem acessa internet nos EUA é gravado automaticamente.

  1. Prezado reporter Hélio Fernandes, com a indicação do ministro Padilha para o governo de São paulo, Lula ardilosamente descarta a indicação de João Santana e sinaliza que não quer cargo menor que a presidência da república.Será ele em 2014?
    Envio importante artigo para o senhor (e seus leitores) para mensurar como funciona a tática do FSP e dos seus sócios integrantes de levar adiante os planos comunistas bolivarianos. Infelismente constata-se que a presidente Dilma é apenas uma peça que será descartada sem dó ou piedade. Segue outros linkes relacionados ao tema.
    Atenciosamente,
    Rodrigo.

    Botão de descarga
    ESCRITO POR OLAVO DE CARVALHO | 01 AGOSTO 2013
    FORO DE SÃO PAULO

    Poucos jornalistas brasileiros têm denunciado a fraude geral do governo petista com a constância, o brilho e a bravura de Diogo Mainardi, mas isso não quer dizer que ele compreenda claramente o que está acontecendo neste país, nem que se abstenha de sugerir remédios capazes de agravar consideravelmente a situação.

    Numa recente mensagem postada no seu Facebook, ele exclama: “Falta uma mudança total, de tudo. Falta uma greve geral que tenha a força de liquidar essa quadrilha do PT, incrustada no poder. Falta o impeachment da Dilma… O impeachment, na minha visão, funciona como o botão que se aperta para dar descarga na privada.”

    Isso não seria grave se Mainardi fosse o único a pensar dessa forma, mas sua visão do cenário político é a mesma de grande parte da sociedade brasileira.

    O primeiro erro dessa perspectiva é ignorar que às vezes o centro vivo do poder, portanto a fonte geradora do mal, nem sempre reside no ocupante do mais alto posto da hierarquia constitucional; e, quando está em curso um processo revolucionário comunista sob camuflagem democrática, não reside quase nunca. É da natureza mesma do movimento comunista, sobretudo nas épocas de incerteza, não queimar jamais os seus quadros melhores expondo-os aos riscos de um cargo público demasiado visível.

    O comando do processo está hoje nas mãos do Foro de São Paulo, e quando digo isso não me refiro nem mesmo às suas assembléias gerais, porém mais aos círculos de conversações discretas, ou até secretas, em que se fazem e desfazem governos e se decidem os destinos de nações inteiras sem que as respectivas populações tenham disso a menor notícia, ou, como confessou o sr. Lula, “sem que pareça”. O discurso que esse ex-presidente fez no XV aniversário do Foro, em 2005 – documento que ninguém na grande mídia publicou ou leu –, contém informações essenciais onde se pode obter uma idéia do poder avassalador da organização que por quase duas décadas se fingiu de inexistente ou inofensiva com a ajuda do silêncio obsequioso da classe jornalística em peso (Link A). Igualmente significativas, sob esse aspecto, foram as declarações do sr. José Dirceu em entrevista ao sr. Antonio Abujamra à qual ninguém prestou alguma atenção inteligente (Link B).

    Há anos o Foro decidiu que o término do mandato de Lula assinalaria o fim da “etapa de transição” e o começo da conquista abrangente e definitiva do poder, ou, em outras palavras, o upgrade decisivo, a passagem do socialismo meia-bomba ao socialismo-bomba (Link C). A recente onda de protestos, planejada e incitada por agentes do Foro, inclusive com treinamento de guerrilheiros urbanos para dar à coisa um aspecto devidamente atemorizante (Link D) e justificar medidas mais drásticas contra o bode expiatório de sempre, a “direita fascista” (Link E), mostra claramente que o comando revolucionário não hesitou em espremer a sra. Dilma Rousseff contra a parede, para que se definisse, isto é, assumisse a liderança do processo ou fosse passada para trás pelas facções mais ousadas da esquerda nacional.

    Os resultados do teste, porém, apareceram embaralhados pela intromissão de um fator inesperado: espontaneamente, numa desorganização majestosa, massas de liberais, conservadores e cidadãos sem cor política revoltados contra a esbórnia federal saíram também às ruas em quantidades oceânicas e, em certos pontos, acabaram ocupando o espaço e os megafones destinados inicialmente à agitação esquerdista.

    Embora atônita e desorientada – prova inequívoca de não ter passado no exame –, a presidenta foi salva in extremis pela decisão do comando revolucionário, ele próprio a essa altura também atônito e desorientado, de dar marcha-a-ré na sucessão de badernas e fechar-se em copas para fins de autocrítica e remanejamento estratégico. Se não fosse por esses imprevistos, o fracasso da presidenta em dirigir os acontecimentos teria marcado o fim da sua carreira política e a ascensão de novas estrelas de esquerda, longamente preparadas para isso na escolinha maternal do próprio Foro de São Paulo (Link F).

    Dito de outro modo: Se só Dilma Rousseff tivesse se mostrado perplexa e o próprio Foro não tivesse perdido o controle da situação, a cabeça da presidenta já teria rolado, e o sonho do sr. Diogo Mainardi teria se realizado, mas não em proveito do povo brasileiro e sim da parte mais furiosa da esquerda nacional, com a subseqüente instauração de um regime francamente revolucionário. E este, por força da centralização abrupta e descarada do poder, não hesitaria em apelar, sob o pretexto de saneamento e até sob os aplausos da massa ingênua, não só à violência repressiva tipicamente comunista como também a formas de corrupção de tipo soviético, ainda mais requintadas e perversas do que aquelas a que nos habituou a mixórdia petista.

    No rumo que as coisas tomaram, ficou tudo em suspenso até melhores análises estratégicas, mas, qualquer que seja o caso, o que está provado e bem provado é que livrar-nos de Dilma não é a mesma coisa que livrar-nos do mal. Se o fosse, o próprio Foro não teria chegado tão perto de apertar o botão de descarga.

    Publicado no Diário do Comércio.

    Links:
    (A) http://www.recantodasletras.com.br/artigos/686733;

    (B) https://www.youtube.com/watch?v=px7nPh8GGIY;

    (C) https://www.youtube.com/watch?v=CRENnVnRWTQ;

    (D) http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/felipe-patury/noticia/2013/07/b-base-de-treinamento-da-guerrilha-urbanab.html;

    (E) http://www.dcomercio.com.br/index.php/opiniao/sub-menu-opiniao/113257-o-lobo-de-sabonete;

    (F) http://www.olavodecarvalho.org/semana/060907jb.html.

  2. (Comentário sobre: Folgando na sexta, por Carlos Alberto Sardenberg, O Globo: A Marinha chegou a comunicar a seus funcionários que não precisariam mais trabalhar às sextas-feiras. Culpa do superávit primário, explicava o comando em nota distribuída internamente na última segunda. A Esquadra, digamos assim, havia sido atingida pelo corte de gastos necessário para atingir a meta de economia do setor público, o tal superávit primário. Nos Estados Unidos, os governos — federal, estaduais e municipais — também fecham repartições e mandam funcionários para casa nesses momentos de aperto. Faz sentido: gasta-se menos com luz, água, telefone, ar-condicionado, cafezinho, bandejão, essas coisas…)

    “Ôôô , ôô
    Gente estúpida
    Ôôô , ôô
    Gente hipócrita”
    .
    Tive a honra (como civil) de estar lotado (concursado) por toda a minha vida profissional (35 anos) – logo após prestação do Serviço Militar Inicial na Polícia do Exército – no saudoso Ministério da Marinha.
    O texto é tendencioso – talvez inconscientemente. Dá continuidade à progressiva e irresponsável desmoralização das Forças Armadas perpetrada pelos sucessivos governos pós-revolucionário.
    As Forças Armadas são uma instituição. Decorre de necessidade social básica, de relativa permanência, e identificável pelo valor de seus códigos de conduta. A criticada “Folga” não está perfeitamente definida e posicionada no momento circunstancial. Foi por desconhecimento ou por maldade usada para atacar uma decisão racional e legal de redução de gastos imposta por restrições orçamentárias alheias e indesejáveis às Forças. A analogia (EUA, Brasil) que não serve para impor princípios a ambientes distintos, traz inegável cunho de uma estúpida e cínica hipocrisia. Qualidade de conduta que também tenta covarde e impunemente crucificar o Presidente do STF Joaquim Barbosa pela remuneração que em estrita observância de preceitos legais lhe possibilitou adquirir um imóvel no exterior. Moralismo é uma deturpação por exagero da moral. Imprensa moralista pode vender, mas deixa de ser informação para se fazer instrumento da política, do poder vigente.
    Militar não é um alienígena tampouco um aproveitador social; é, simplesmente, um profissional da violência que a própria democracia exige. Talvez a mais democrata das instituições onde convivem cidadãos civicamente sob rígidos critérios de acesso, hierarquia e disciplina: homens, mulheres, negros, brancos, pobres, ricos, mestiços, gays, lésbicas, prostitutas, religiosos ou não, preparados para defesa constitucional da lei e da ordem, sem as quais impera a violência. O homem não é violento por um incontrolável desejo intestino. Em sua imanência (salvo psicopatias) está o sentimento da raiva que explode quando descobre que o que pode ser mudado não o é. Extirpar a raiva é desnaturar o homem. A violência somente e ainda existe porque não se descobriu substituto último para solução dos naturais conflitos humanos.
    A experiência eterna mostra que todo homem investido no poder tende a abusar deles até que encontre limites. O poder só pode ser limitado por outro poder. Embora, seguindo Foucault, seja fácil observar que o poder está em toda parte; provém de todos os lugares, “não é uma instituição e nem uma estrutura, não é uma certa potência de que alguns sejam dotados: é o nome dado a uma situação estratégica complexa numa sociedade determinada”. Manifesta-se em suas formas terminais pela instrumentalização política da Força, Direito e Moeda. Portanto, o uso da força, seja efetivo seja em potencial pela dissuasão não é opção, é imperativo para o estágio civilizado, mormente em um Estado que se diz de Direito.
    .
    Estupidez e hipocrisia não combinam com verdade.

  3. A urgente necessidade de contratar médicos

    “Dona Dilma insiste na contratação de médicos estrangeiros, apesar da resistência geral, e de todas as organizações de classe.”…

    Há alguns anos atrás, estive a trabalho pelo interior da Amazônia, levantando o estado geral do parque térmico gerador de eletricidade das cidades daquela deslumbrante e fascinante região do Brasil. Muitas coisas me chamaram a atenção, dentre elas:

    1)A gigantesca quantidade de lixo propositalmente depositada bem as margens dos rios que banham as cidades, para que a enchente colete toda a montanha de lixo ali deixada, imensa sujeira, altamente poluidora, constituída de todo o tipo de plástico, eletrodomésticos, peças de automóveis, pneus velhos, papeis, entulhos, etc. Grande crime ambiental bem longe dos “ambientalistas” a serviço dos gringos, bem caracterizada nos diversos impedimentos ambientais, sabotando a construção de urgentes vitais hidrelétrica;

    2)Em conversa com os prefeitos daquelas pacatas cidades perdidas no interior da Amazônia, pude constatar o desespero comum daquela gente, em vão, tentando atrair médicos para o atendimento da população, oferecendo invejáveis salários. Em alguns locais, havia até postos de atendimento totalmente reformados e novos. Apesar disso, a dificuldade de encontrar algum médico interessado, era quase impossível, segundo o relato dos prefeitos e da população.

    Portanto, na inexistência de médicos brasileiros para trabalhar no interior do Brasil, a presidente Dilma Rousseff está muito certa na contratação de profissionais estrangeiros, a exemplo de tantas outras nações, inclusive, do primeiro mundo. E não me venham com essa exagerada preocupação de submeter os médicos estrangeiros a rigorosos exames comprobatórios de capacidade profissional. Se apertados exames forem submetidos aos médicos brasileiros, a maioria seria reprovada. Competentes e bons médicos existem sim, mas não em número grande. Perguntem ao povo.

  4. Festival de Dólares.
    Nos EUA a Selic deles (Taxa básica de Juros), está em 0,25%aa, e a Inflação +- 1%aa. Aqui, a Selic está em 8,50%aa, e a Inflação +- 7%aa, e pior ambos com viés de alta.
    A meu ver, a causa maior é o nosso Deficit do Balanço de Pagamentos Internacional ( Soma de todos os Recebimentos e Pagamentos do Brasil com o mundo – Balança Comercial, Juros e amortização de Dívidas, Remessa de Lucros, Royalties, Assistência Técnica, Fretes principalmente marítmos, Turismo, Aluguéis de equipamentos estrangeiros, etc, etc,- que gira na ordem de US$ 80 – 100 Bi/ano.
    Como nossa Economia está crescendo +- 3%aa em 2013, teremos um acréscimo de Riqueza no ano, de 3% de US$ 2.500 (nosso atual PIB), de US$ 75 Bi. Vemos que em 2013, se crescermos 3%, toda essa Riqueza gerada (US$75 Bi) não é suficiente para tampar o furo do Balanço de Pagamentos de no mínimo US$ 80 Bi. Por isso nossa Inflação é alta e os Juros altíssimos. Falta Capital. Para prosperarmos, temos que crescer muito, acima de 5%aa contínuo. Apesar de não ser Brizolista, o Gov. Brizola tinha razão quando dizia que a Economia do Brasil se assemelhava a uma Caixa de Água onde o cano alimentador, na maioria das vezes, injetava menos água, do que saia pelo cano ladrão.
    Nunca sairemos da Dificuldade enquanto nosso Balanço de Pagamentos Internacional continuamente for Deficitário. O Brasil tem amplas condições de mudar isso, o problema é que essa situação quase não prejudica os 10% mais aquinhoados da População, e os 90% da População, que mais perde com isso, não tem muita consciência de como é que a coisa funciona, e não pressiona para mudar isso. Teríamos que manejar melhor nossa Política Fiscal, Monetária e Cambial. Abrs.

    Com o começo de novo mês, passemos na Lotérica CEF/Banco Itaú, e paguemos pequena Mensalidade de R$ 20/10 ou mesmo 5, para ajudar a manter nosso bom Jornal “Tribuna da Imprensa onLine”. Dados no canto superior direito. Muito Obrigado.

  5. Sim! Os Médicos, por isto e muito mais acertam.O buraco é outro.

    – Credibilidade versus eleição. Que ao governo falta credibilidade para a envergadura da proposta é evidente. Não tem efeitos concretos imediatos por empurrar para o futuro providências emergenciais. Denuncia visível conteúdo direcionado para o próximo pleito.

    – Fraude proposicional. Usa a extensão curricular médica de caráter eminentemente técnica como opção política atentando abusivamente contra a liberdade de escolha profissional.

    – Salário. Ao propalar um salário bem acima do que paga aos médicos concursados gera uma imoral distorção interna (trabalhos iguais, salários iguais) com graves consequências de ordem funcional.

    – Plano de cargos. Ao não se oferecer um plano de cargos e salários que enseje uma perspectiva de radicação do médico no interior qualquer medida é efêmera, tão-somente é meramente paliativa, eleitoreira.

    – Inexistência de Recursos. Quase seis mil municípios que vendem uma sólida imagem de Ralos de Recursos Públicos e Escolas do Ensino Fundamental da Corrupção. Por não oferecerem a mínima condição de recursos de gestão e materiais, atrelar médicos a eles é uma insanidade e agrava o desperdício.

  6. O Pinguelo do Padilha.
    .
    Sem mérito sobre o pinguelo de ninguém. Contudo e acima de tudo desde o momento que ouvi sobre esta estúpida ação governamental que logo me veio à cabeça (de cima) o refrão do Silvio Brito: “Tá Todo Mundo Louco! Oba!…Tube ri din din, din din! Tube ri din din, din din!“
    .
    Sincera e honestamente (pode ser desonestamente também) o Ministro da Saúde não tem algo mais importante para fazer do que cuidar e aparelhar de pinguelo?
    Essa conduta foge ao mais rudimentar direito de sobrevivência que se constitui em imperativo categórico. Como talvez o Padilha nunca tenha ouvido falar em prioridades, é de bom alvitre lembrar que o combate deve iniciar pelo inimigo mais próximo, caso contrário…
    A necessidade de aparecer subiu e atravessou o limite do ridículo e alcançou o abissal da insanidade. Gente morrendo, médicos revoltados, completa inexistência de recursos humanos e materiais, Planos de Morte furtando, estados federados decretando falência, corrupção a solta e o Padilha cuidando de pinguelo?!

    Parte II: A inépcia do Padilha.
    .
    Considerando que é covardia e que também não é cívico bater em cachorro morto, tinha prometido que evitaria usar o meu antigo presidANTA. Abro uma exceção.
    .
    Dilma não honrou o título honorífico ao mandar suspender a Portaria do Padilha que quando cala a boca, escreve o que não deve. Agora o negócio dele é cuidar de pinguelo. Para contrariar esta barata, Dª Dilma bem que poderia exonerar de imediato esse senhor. Apesar de que é sabido que “a inépcia é um direito de todos”, vamos e fiquemos por lá, Padilha está exagerando. Além de não trabalhar, está atrapalhando o caos governamental que, diga-se de passagem, está indo muito bem, obrigado.
    Isto ninguém pode negar, basta considerar as multidões nas ruas, guetos, becos, praças e avenidas; Brs, portos e aeroportos também.

  7. O Uruguai da Maconha. Quanta contradição!
    .
    Ao ouvir esta madrugada o noticiário deparei com mais esta contradição e raciocinava (perigo quando uma barata é levada a raciocinar sobre os homens):
    .
    Para matar uma barata, tocar fogo na casa, ou seja, para combater o narcotráfico, matar a humanidade.

  8. Helio, o presidente Obama pode decepcionar a todos, menos os que o colocaram onde está. Um presidente dos Estados Unidos é apenas um peça integrante de um sistema, que funciona como funciona, goste-se dele ou não. E Obama sequer é a peça principal neste esquema. Muitas peças operam em conjunto e decidem. Norman Mailer disse: “O presidente Bill Clinton certamente é o último presidente dos Estados Unidos, pois que as principais decisões do país já não mais passam pela presidência”.
    Ora, Helio, você conhece os porões da política melhor do que todos. Conversou com presidentes, governadores, ministros, congressistas, durante décadas. Se Obama quiser assumir de fato seu posto, poderá ter o mesmo fim de outros quatro presidentes dos Estados Unidos, pelas mais diversas e desencontradas atitudes que tomaram.
    O sistema é o sistema. Ou Obama adapta-se (já está “adaptado”) ou … desadaptam ele.

  9. Sobre o texto “Joaquim Barbosa foi muito criticado (inclusive por este repórter) pela falta de educação (ou melhor, isso e também arrogância) não cumprimentando Dona Dilma, como devia e com a atenção que o cargo exige.” e sem qualquer procuração de JB, devo dizer:

    – Manda o protocolo (oficial) que o apresentado cumprimente a quem não conhecia e não ao apresentador; e
    – Manda a regra social que um cavalheiro NUNCA estende a mão a uma senhora, cabendo a ela a iniciativa do cumprimento.

    Seja cumprindo o protocolo, seja observando as regras sociais comumente aceitas, JB não foi deselegante, arrogante ou mal educado. Entretanto, diga-se, não se mostrou subserviente ou bajulador.

  10. só entendo que precisamos de médicos sejam estrangeiros ou não mas com competência, o que não pode é o corporativismo sobrepor a população que parece é o que está acontecendo e mas os médicos não querem ir ao interior do país e nem querem que os outros de fora venham trabalhar e querem sim bater o ponto e sair e no final do mês receber o salário pouco mas não foram obrigados portanto a desculpa de falta de estrutura dos hospitais não é válida se os hospitais não tiverem estrutura temos que estruturarmos e não deixar a população sem nenhum tipo de atendimento.

  11. Meu caro Hélio: Sou um homem do povo, que fala com todo mundo, de todas as classes. Estou certo de que a Dilma não se reelege. E tenho sérias dúvidas quando ao Lula. Quase todos os cidadãos que pergunto respondem que não votarão mais nele. O PT está mais sujo que pau de galinheiro. Basta aparecer um líderzinho qualquer que leva essa presidência.

  12. Qual o problema real? É sonegação fiscal e remessa do dinheiro roubado para os paraísos fiscais, estúpidos!
    Vamos aos números:
    Sonegação nos 2,5 últimos anos: 1,200 trilhões;
    Remessa de dinheiros para os paraísos fiscais: 1,200 trilhões.
    Quem sonega e quem faz as remessas? Certamente, os barões da indústrias, dos bancos, da mineração, do agronegócio, das comunicações, da construtoras.

    Se é barão é ladrão!

    Do diário do Centro do Mundo:
    O Brasil é o quarto país do mundo em recursos desviados para os paraísos fiscais. A conclusão é de uma pesquisa encomendada pela organização Tax Justice Network, que comprova que de US$ 21 trilhões a US$ 32 trilhões sumiram de seus países de origem em ações para sonegar impostos e lavar dinheiro oriundo da corrupção, do tráfico e de outros crimes. O valor deste roubo da elite dos super-ricos equivale ao tamanho das economias somadas dos EUA e do Japão. O roubo dos super-ricos O estudo listou os 20 países onde há maior remessa de recursos para os paraísos fiscais. No topo está a China, com US$ 1,1 trilhão, seguida por Rússia (US$ 798 bilhões), Coréia do Sul (US$ 798 bilhões) e Brasil (US$ 520 bilhões – mais de R$ 1 trilhão). A pesquisa, feita com base nos dados do Banco de Compensações Internacionais, do Banco Mundial, do FMI e dos governos locais, trata apenas da riqueza financeira depositada nas contas dos paraísos fiscais. Bens como imóveis e iates não foram contabilizados. Segundo reportagem da BBC, “o relatório surge em meio à crescente preocupação pública e política sobre fraude e evasão fiscal”. Para James Henry, responsável pelo estudo, “as receitas fiscais perdidas são enormes. Grandes o suficiente para fazer uma diferença significativa nas finanças de muitos países”. John Christensen, diretor da Tax Justice Network, observa que o dinheiro sonegado pelos super-ricos é “mais do que suficiente para manter os serviços públicos e erradicar a pobreza nestes países”. Ricaços sonegam os impostos O estudo constatou que apenas 100 mil ricaços, no universo de 139 países pesquisados, formam a elite mundial dos sonegadores com dinheiro desviado para offshores. Ele também comprovou que 50 bancos privados movimentaram US$ 12,1 trilhões nestas operações criminosas, com destaque para gigantes como UBS, Credit Suisse, Goldman Sachs, JP Morgan e Citibank. A pesquisa inédita não dá nome aos bois, mas serve para desmascarar alguns discursos das elites e dá pistas para novas investigações. “As elites fazem muito barulho sobre os impostos cobrados delas, mas não gostam de pagar impostos. No caso do Brasil, quando vejo os ricos brasileiros reclamando de impostos, só posso crer que estão blefando. Porque eles remetem dinheiro para paraísos fiscais há muito tempo”, comenta John Christensen. Diante dessa roubalheira dos ricaços, a recente campanha da mídia privada sobre a inadimplência dos pequenos consumidores brasileiros parece piada ou pura provocação. Maluf e a turma do José Serra Com a divulgação da pesquisa da Tax Justice Network, entidade que luta contra os paraísos fiscais, a imprensa nativa apontou seu dedo contra o ex-prefeito Paulo Maluf. Por razões puramente eleitoreiras, ela descobriu que Maluf é Maluf! De fato, o ex-prefeito deve ser investigado e punido por sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. Na semana passada, surgiram novos indícios de que ele mantém recursos nas Ilhas Jersey, famoso paraíso fiscal. Caso fosse séria, porém, a mídia deveria seguir outras pistas da pesquisa. Uma boa dica é o livro “A privataria tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Jr. A obra, que a mídia tentou sabotar, apresenta farta documentação sobre as fortunas desviadas para os paraísos fiscais no processo de privatização no reinado de FHC. Ela inclusive dá nome aos bois e até o número das contas nas Ilhas Virgens Britânicas. Entre os nomes citados: Verônica Serra, filha do tucano José Serra; Alexandre Bourgeois, genro do tucano José Serra; e Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-tesoureiro do tucano José Serra. Dos US$ 520 bilhões remetidos do Brasil para os paraísos fiscais, qual será o montante que esta turma bicuda desviou?

  13. Barbosa já provou que não está à altura da magistratura. A atitude beligerante permanente dele é para esconder suas falcatruas: dar carona em vôo oficial a jornalista da Globo, ter um filho que trabalha para o Luciano Huck, no camarote de quem Barbosa assistiu a jogo da Copa das Confederações, ter um apartamento milionário em Miami comprado por 10 dólares (claro que para burlar o fisco), ser dono de empresa de fachada nos EUA, a ASSAS JB (proibido pela LOMAN) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *