Nova cirurgia é menos arriscada e Bolsonaro ficará poucos dias internado

Resultado de imagem para Antonio Luiz Macedo. CIRURGIAO DE BOLSONARO

Dr. Macedo explica como será feita a última cirurgia 

Cláudia Collucci
Folha

​Prevista para 12 dezembro, a cirurgia de fechamento da colostomia a que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se submeterá é menos arriscada do que procedimentos anteriores, segundo o cirurgião que o acompanha, Antonio Luiz Macedo. Diz o médico que  os riscos envolvidos são os inerentes a toda cirurgia. “Mas são muito menores do que quando o operei em 12 de setembro, com uma peritonite grave, com grande contaminação, com fístula e obstrução intestinal. Agora os riscos são menores, mas sempre existem riscos em qualquer tipo de cirurgia”, relata.

O fechamento da colostomia —ou reconstrução do trânsito intestinal— consiste em abrir novamente o abdome e religar as alças do intestino grosso para que o trânsito intestinal volte ao normal e o paciente deixe de usar a bolsa coletora de fezes.

ABRIR NOVAMENTE – Macedo diz que, pelo fato de o presidente eleito já ter sido submetido a duas cirurgias anteriores, não será possível fazer o procedimento por meio de técnicas menos invasivas, como a videolaparoscopia ou a robótica.

“Tem que abrir o abdome, achar o coto intestinal grosso que está fechado dentro da barriga, mobilizá-lo, tirar o intestino da parede e fazer uma emenda”, explica. Ele afirma que o tempo cirúrgico é variado. Nessas condições, há chances de terem se formado aderências no intestino, o que pode deixar o procedimento um pouco mais demorado.

RISCOS VARIÁVEIS – A Folha avaliou dez estudos internacionais publicados no PubMed (espécie de biblioteca virtual da área biomédica) sobre os resultados desse tipo de cirurgia. De acordo com os trabalhos, os riscos de complicações são bem variáveis, indo de 2% a 30%. Dependem do perfil do paciente, do hospital e da técnica utilizada.

Pessoas com diabetes, hipertensão e obesidade, por exemplo, têm mais riscos. Entre as complicações mais frequentes estão infecções, hérnias, fístulas (abertura da emenda e extravasamento de conteúdo fecal para fora ou para dentro da cavidade abdominal) e obstruções (fechamento da área da emenda causando dificuldade da passagem do conteúdo fecal).

CINCO A SETE DIAS – Macedo diz que a expectativa é que, após a cirurgia, Bolsonaro fique no hospital de cinco a sete dias. “No momento em que o intestino começar a funcionar [em geral, após dois ou três dias] e que ele possa se alimentar normalmente, nós teremos a possibilidade de liberá-lo para casa.”

Outra alternativa, segundo o médico, é manter o paciente em São Paulo por mais cinco dias até retirar os pontos cirúrgicos, entre o 10º e 12º dia após a operação. “Aí ele será liberado definitivamente.”

Bolsonoro se submeteu à primeira cirurgia em 6 de setembro, data em que foi esfaqueado, e sofreu três perfurações no intestino delgado e uma no intestino grosso.

COLOSTOMIA – Foi feita uma colostomia para isolar as áreas lesionadas da passagem de fezes, diminuindo, assim, o risco de infecções. O intestino foi completamente separado para que uma das pontas ficasse exteriorizada até a pele para a saída de fezes na bolsa coletora.

Em 12 de setembro, ele passou por uma segunda cirurgia de emergência para corrigir uma obstrução intestinal causada por aderência das alças intestinais.

11 thoughts on “Nova cirurgia é menos arriscada e Bolsonaro ficará poucos dias internado

    • A reportagem é da falha de são paulo então não tem credibilidade, e se fosse verdade os ptistas já tinham esfregado isso em toda rede de zapzap do pais e do mundo, em todas as tvs de aluguel dos canhotos, conta outra.

      a eleição acabou, melhor jair se acostumando,

      e como já disse e repito
      oposição por oposição só da argumento pra situação, então sejam inteligentes, se é que isso é possivel.

  1. O Dr. Antônio Macedo é considerado um dos melhores cirurgiões do mundo.

    Faz em média 3 cirurgias por dia num hospital de ponta, o Albert Einstein – SP.

    No meio médico é chamado de “Deus”.

    Jair Bolsonaro se depender da equipe médica, no Réveillon vai comer de tudo, dançar Xaxado e comemorar sua recuperação plena, pronto para colocar o Brasil nos trilhos.

  2. Meu pai quando tirou a bolsa três dias internado. Tem seis meses, e ainda se recupera devido outras complicações. Bolso naro vai estar literalmente mais humano depois dessa e também implacável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *