Nova fase da Lava Jato mostra que a Odebrecht corrompeu em todo o país

Resultado de imagem para odebrecht charges

Charge do Iotti, reproduzida da Zero Hora

Deu em O Tempo

Não é exagero dizer que a Odebrecht corrompeu todo o Brasil. Os 26 Estados do país e o Distrito Federal têm políticos locais na lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ou receberam pedidos de investigação relacionados ao acordo de colaboração. Se antes Paraná, Rio, São Paulo, Pernambuco, a Justiça Federal e as cortes superiores no Distrito Federal conduziam inquéritos relacionados à operação, no pós-Odebrecht mais 20 Estados e o Distrito Federal terão células da Lava Jato em busca de esclarecer fatos narrados pelos executivos da empreiteira baiana.

Ao encaminhar petições ao Supremo com base nas revelações da Odebrecht, no mês passado, a Procuradoria Geral da República (PGR) solicitou que mais de 200 casos fossem remetidos a outras instâncias judiciais. Há menções a ex-prefeitos, prefeitos e deputados estaduais, por exemplo.

CAPILARIDADE – Para considerar a capilaridade das delações da Odebrecht pelo país, foram contabilizados não apenas os locais que receberão as solicitações de investigação, como regiões que têm políticos na mira, ainda que os inquéritos tramitem em Brasília. Esse é o caso de Roraima, por exemplo, que não receberá trechos da delação para analisar, mas elegeu o senador Romero Jucá (PMDB), que será investigado no Supremo.

Com a profusão das investigações, as colaborações da Odebrecht podem provocar efeito cascata. Cada inquérito poderá levar a novos fatos, conforme o Ministério Público avançar nas apurações. Também por causa dos desdobramentos, o esquema de corrupção relatado pela Odebrecht deve arrastar as investigações e influenciar as disputas eleitorais em 2018.

DIVISÃO – Dos 215 pedidos de investigação enviados para outros Estados, o maior número (48) foi remetido à Justiça Federal no Paraná, base da Lava Jato. A maioria trata de desvio de recursos da Petrobrás e ficará sob a tutela do juiz Sergio Moro.

Do material enviado para a cidade onde a Lava Jato nasceu, ao menos cinco petições são sobre o suposto envolvimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no esquema de corrupção.

Com foro. No total, 24 senadores, de 17 Estados, estão na lista dos investigados perante o Supremo. Na Câmara, há 39 nomes de 14 Estados. São Paulo e Bahia têm o maior número de deputados federais investigados – 11 e 10, respectivamente. O Rio Grande do Sul tem três deputados eleitos no Estado alvos de investigação.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGE vem aí as delações de Antonio Palocci e da empreiteira OAS, além da reconvocação da empreiteiras Andrade Gutierres, UTC e Queiroz Galvão. Já se fala também em delação de Eike Batista e Adriana Ancelmo, que logo voltarão para a cadeia em Bangu, é um nunca-acabar. (C.N.)

7 thoughts on “Nova fase da Lava Jato mostra que a Odebrecht corrompeu em todo o país

  1. Não foram as Empresas que corromperam todo o País, mas seus Executivos.
    Devemos punir exemplarmente os Executivos responsáveis, mas salvar as Empresas que tem Matriz no Brasil.
    Caso contrário, destruiremos as maiores Empresas de Engenharia Pesada do Brasil, e teremos que contratar Empresas de Engenharia Pesada com Matriz no Exterior, para fazer quase todas as Obras de nossa Infra-Estrutura.

  2. Caro Flávio José Bortolotto,
    É isso aí.
    Aproveito para reiterar o que já disse: Se a Lava Jato for fundo, poucos estados e municípios, ou talvez nenhuma, estarão fora da corrupção, que se alastrou no Brasil, durante o governo petista. Inclusive os três poderes.

  3. Duas simples perguntas ao mestre Bortolotto:

    Se os diretores das empresas de construção permanecerem presos e perderem seus bens e patrimônios em face de envolvimento em crimes contra o erário e povo, comprovados pela Operação Lava-Jato, quem serão as pessoas que irão dirigir as empresas sem seus comandantes de antes?

    De onde que surgirão os nomes para substituir os antigos diretores, ladrões e sonegadores?!

    Caro mestre, penso que o correto seria o seguinte:

    As construtoras envolvidas perderão completamente suas instalações:
    Prédios, maquinários, veículos, computadores…

    Tais inventários serão colocados em leilão para interessados e, obviamente, as arrecadações irão para o erário como compensação dos roubos que foi vítima!

    Discordo, portanto, dessa proteção porque a matriz é brasileira, então a empresa deve permanecer atuante.

    As empreiteiras devem ser extintas a bem do serviço nacional e justa punição, tanto pela preservação do bom nome dos empresários do setor não acusados de corrupção, quanto pela seriedade com que o Brasil agiu contra as empresas e seus proprietários que roubaram o povo e país!

    E não podemos esquecer, razão pela qual a minha respeitosa discordância, mestre Bortolotto, que o crescimento que atingiram não foi MERITÓRIO, pela excelência de suas administrações, mas pela propina, atos ilícitos, corrupção desmedida e desonestidade permanente!

    Um forte abraço.
    Saúde e paz.

  4. Prezado Sr.FRANCISCO BENDL, também meu Mestre.

    A meu ver, as Empresas de Engenharia Pesada do Brasil, (Empreiteiras) detentoras de excelente Know-How, são Sociedades Anônimas.
    As Empresas de Engenharia Pesada julgadas culpadas de infringir a Lei, seu Presidente e Diretores devem ser punidos dentro da Lei, e como são SA, outros devem assumir os respectivos cargos.

    O que não se deve fazer, é declarar a Empresa INIDÔNIA, como está começando a se fazer, o que implica não poder mais participar de concorrências Públicas.
    Abração.

  5. Prezados Bendl e Flávio,
    Conheço mais ou menos o ramo, e digo com certeza, não faltam no Brasil pessoas (engenheiros, calculistas, economistas etc,) com capacidade de assumir essas empresas. Em regra esses empresário fazem o calculo, a organização e o cronograma da obra das diversas etapas, e distribui boa parte a pequenas e médias empresas de construção civil para executa-la. É assim, que funciona.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *