Novas denúncias da Petrobras fazem Planalto convocar reunião de emergência

Millôr Fernandes

Deu no Correio Braziliense

Homem-bomba da Petrobras,  Costa começou a revelar nomes de supostos envolvidos no megaesquema de lavagem de dinheiro que movimentou cerca de R$ 10 bilhões, segundo a Polícia Federal. Em depoimentos prestados aos procuradores do Ministério Público Federal de Curitiba e a policiais desde 29 de agosto, quando assinou um acordo da delação premiada, Costa citou a participação de pelo menos 61 parlamentares — 49 deputados e 12 senadores —, seis governadores e um ministro de Estado que estariam no esquema.

Informações da Polícia Federal revelam que Paulo Roberto começou a apresentar nomes de políticos após prestar depoimentos considerados insatisfatórios pelos investigadores no início desta semana. As primeiras declarações não traziam novidades às investigações. As citações reveladas pelo delator no interrogatório são gravadas em vídeos que servem de base para a PF avançar na apuração da Operação Lava-Jato, deflagrada em 17 de março, que prendeu o doleiro Alberto Youssef e mais 13 pessoas. À polícia, Paulo Roberto contou que políticos recebiam 3% de comissão sobre o valor de cada contrato da Petrobras firmado durante a gestão do ex-diretor na estatal.

RENAN E O POSTALIS

O número de políticos envolvidos nas fraudes ainda deve aumentar até o fim dos testemunhos do delator. Entre os citados, de acordo com o jornal Estado de S.Paulo, está o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele seria um dos beneficiários das propinas. Segundo a reportagem publicada ontem no portal de notícias, um dos negócios que envolvem Renan é um acerto com o doleiro para que o fundo de pensão dos Correios — o Postalis — comprasse R$ 50 milhões emitidos da Marsans Viagens e Turismo, que tinha Alberto Youssef como um dos investidores. Renan e Youssef teriam se encontrado em Brasília para acertar a comissão do PMDB dias antes de a operação ser deflagrada.

Procurado pela reportagem, Calheiros não atendeu aos telefonemas.Além do PMDB, o PT, o PP, o PTB e o PR são mencionados como envolvidos na lavagem de dinheiro. Esta não é a primeira vez que as legendas aparecem nas investigações da Polícia Federal. Ao ser deflagrada, a Lava-Jato revelou o envolvimento dos deputados federais André Vargas (sem partido-PR) , Luiz Argôlo (SDD-BA), Mário Negromonte (PP-BA), Aline Corrêa (PP-SP), Arthur Lira (PP-AL), João Pizzolati (PP-SC) e Nelson Meurer (PP-PR) com o doleiro. O ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) também foi citado.

4 thoughts on “Novas denúncias da Petrobras fazem Planalto convocar reunião de emergência

  1. Uma síntese correta, fornecida pela nota do Correio Braziliense, sobre o que já se pode batizar como o Mensalão II e que, nessas alturas do campeonato não vai deixar viva alma em Brasília e em outros cantos desse nosso imenso país, pegar no sono nesse fim de semana…
    Até a 2a. feira, como nas penitenciárias, todos irão se declarar inocentes…

    • Andrade
      Se estão fazendo isto com a Petrobrás, já estou pensando o que devem ter feito e continuam fazendo nos demais setores.
      A coisa deve ser quente – este sujeito não arriscaria mentir ou não ter provas fortes.
      E a sra. Dillma, nas propagandas eleitorais, continua mentindo e prometendo o que já tinham prometido antes do 1º mandato.
      Não sei se a chamo de “o maior malfeito de Lulla” ou se reitero a necessidade de trocarmos uma parte do povo brasileiro.
      O MENSALÃO II deveria trazer de volta o Barbosão.

  2. Muito bem lembrado, senhor Fallavena…
    Lá, no seu cantinho, aproveitando justa e merecida aposentadoria, ele deve estar dando tratos à bola para entender como é que esse povo do PT ainda não aprendeu a ser correto, mesmo com alguns já trancafiados na cadeia, lugar de bandidos, malfeitores e corruptos.
    O Brasil ainda vai ter muita saudade de S. Exa. Dr. Joaquim Barbosa…
    Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *